O Alfabeto do Velho Oeste – Letra G

O Alfabeto do Velho Oeste by Vieira

Wilson Vieira by Fred-MacedoWilson Vieira:

Desenhador e Argumentista Brasileiro de Banda Desenhada, com mais de 36 anos de experiência, dos quais 7 deles (1973/80), participando como colaborador do estúdio Staff di IF em Génova/Itália, ilustrando também alguns episódios de Il Piccolo Ranger para a Sergio Bonelli Editore, Diabolik, Tarzan e o Homem-Aranha (Octopus desafia o Homem-Aranha). É também o autor da saga Nordestina: Cangaceiros – Homens de Couro e da série western – Gringo, assim como autor de vários outros roteiros. E escreve, escreve…
É também autor do seguinte blogue na Internet:

http://brawvhqs.blogspot.com/

O Alfabeto do Velho Oeste by Vieira1Caros LeitoresGeograficamente falando, como sabem o território dos Estados Unidos da América pode ser dividido em três zonas:
1- O Leste, ou seja, a faixa costeira Atlântica delimitada a ocidente pelas cadeias montanhosas de Allegheny e Apalaches.
2- O Oeste, ou seja, o planalto central ocupado inteiramente pela bacia hidrográfica do Mississipi-Missouri e caracterizado, principalmente em sua parte ocidental, pela imensa vastidão de planícies.
3- E o Far West, ou seja, a região que compreende as Montanhas Rochosas e suas vertentes ocidentais que deslizam para o Oceano Pacífico. Tais configurações geográficas são importantes, para compreendermos bem o desenvolvimento histórico da colonização da América do Norte; a faixa costeira Atlântica foi logicamente a primeira a ser dominada pelos Europeus e por ela surgiram os primeiros vilarejos e as primeiras cidades (1600 e 1700), depois, (início de 1800), o grande planalto central foi, não só atravessado, como colonizado, enquanto que os pioneiros erroneamente o consideraram inapto para a cultivação e preferiram seguir para o Far West, ou seja, o Oregon e a Califórnia. Na segunda metade do século, finalmente também foi retomado o imenso planalto, deixado por tanto tempo antes aos índios e bisontes, transformando-se em objectivo de emigrantes, que lá se estabeleceram e colonizaram. Isso deverá ser recordado, para estabelecer dois conceitos, geralmente confusos. 1- Aquele de “fronteira”. 2- Aquele de “conquista” do West. De facto, desde que núcleos de colonizadores ingleses estabeleceram-se na Virgínia em 1620, a vida dura de fronteira, foi para os predecessores brancos uma realidade quotidiana, com todos os percalços e perigos que ela representava; principalmente a hostilidade natural dos índios nativos diante dos cruéis invasores. Ao contrário, com a expressão “conquista” do West, entende-se somente aquele movimento de massa humana, que teve início nos primeiros anos de 1800 e avançou além das fronteiras, pelas cadeias de montanhas, até o vale do Mississipi e depois, foi até à costa do Pacífico; nesse sentido a “conquista” do West não é mais que, o último período da história da fronteira americana. Sendo assim, para esmiuçar o passado americano, que tanto nos fascina, apresento com imensa satisfação O ALFABETO DO VELHO OESTE propondo esse database western básico, narrado a verbetes, em ordem alfabética, os pormenores sobre tal época. Projecto online penso, pioneiro tanto em Portugal, quanto no Brasil, estimulado a publicá-lo, através do amigo entusiasta José Carlos Francisco (Zeca), o qual me ofereceu generosamente o espaço, neste já renomado Blogue e aceitei. Será um trabalho longo e árduo admito, porém prazeroso, onde a cada letra específica, o amigo leitor encontrará uma variedade de descrições relativas a ela, num período onde homens, mulheres, animais, geografia e clima, entrelaçavam-se na batalha árdua do quotidiano em busca da sonhada sobrevivência o Velho Oeste. Espero que aprovem o conteúdo sugerido e me acompanhem, nessa aventura extraordinária, agora com a letra…

G

GallGall – (1840/1894).  Foi um extraordinário estrategista Índio. Nasceu no Dakota do Sul em 1840 e tornou-se cacique dos “Hunkpapas” da tribo dos Sioux. Desde pequeno era um apaixonado por armas; em Little Big Horn encontrou-se ao lado de “Sitting Bull” e foi certamente um dos mentores da vitória. Seguiu depois “Sitting Bull” em seu refúgio no Canadá e pouco depois rendeu-se aos Americanos, indo estabelecer-se numa fazenda e tornando-se amigo dos Brancos. Começou então a ir contra “Sitting Bull”, dizendo que ele era um farsante e incapaz. Em 1889 tornou-se Juiz da “Indian Court” da Reserva de Standing Rock.

Ganchos para cavalo de Rodeo – (Buck Hook). Pequeno gancho curvado para cima, com a ponta arredondada, que permitia ao cowboy de colocar as suas esporas, num simples movimento dos pés, se o cavalo escorregava, ou tropeçava.

Garfield - A. JamesGarfield – A. James. Presidente dos EUA de Março a Setembro de 1881 que combateu contra o favoritismo nas entregas de cargos públicos, custando-lhe a vida; um “Killer” do seu Partido Republicano deu-lhe um tiro de revólver.

Garret – PatGarret – Pat. O xerife do Distrito Lincoln, após uma caçada sem precedentes, colocou ao fim a sanguinária actividade de Billy the Kid, matando-o numa fazenda perto do Forte Summer, onde o fora da lei tinha se refugiado, evitando ao máximo, a sua captura.

Gauge – Relação entre os diversos calibres nas armas de caça, por exemplo: 12 Gauge, 16 Gauche, 20 Gauche.

Gear – Termo que indicava tudo o que o cowboy chamava de instrumentos do seu trabalho, como: sela, coldre, corda e outros objectos.

General Round Up – Planificação programada por uma Sociedade de Criadores de gado e realizada por sua equipe sobre os terrenos pertencentes aos membros dessa Sociedade. Participavam equipas de cowboys dos diversos Ranchos de tais territórios, com seus equipamentos e carroções numerados. Inspectores da Sociedade agiam como fiscalizadores durante tais manobras, recolhendo informações que depois eram avaliadas por uma equipa de direcção. Nesses “Round Ups” eram feitas as verificações precisas sobre as condições dos bovinos e sobre o índice de desenvolvimento de cada sector envolvido, sobre as doenças e outras tantas coisas, indispensáveis para a Criação Racional de Bovinos. Em 1877 era feita pela “Texas & Southwestern Cattle Raisers Association” e continuada pela “Wyoming Stock Growers Association” em 1884.

George AtzerodtGeorge Atzerodt – Ex-espião dos Sulistas. Um dos envolvidos e cúmplice, no assassinato do presidente Abraham Lincoln e enforcado em 7 de Julho de 1865 em Washington. Sua missão era a de assassinar o vice-presidente Andrew Johnson, mas no momento do acto, não teve a coragem suficiente, para executá-lo.

George Crook em RosebudGeorge Crook em Rosebud – O primeiro objectivo de Crook foi o acampamento Indígena, cuja presença foi para ele sinalizada por seus “Scouts Crows”. Ele, porém não pode agir de surpresa, como havia calculado, porque os seus aliados Indígenas descobriram uma manada de bisontes e começaram a caçá-los emitindo gritos altíssimos e continuando com aquela algazarra até quando o último animal caiu abatido. Na manhã de 17 de Junho de 1876, os seus 1.325 soldados e guias foram atacados por 1.500 “Sioux” e “Cheyennes”. Crook enviou então as suas Unidades de reforços para o Vale de Rosebud Creek, esperando conseguir destruir o acampamento ali situado, mas teve que abandonar esse plano e resistir durante todo o dia aos ataques do inimigo, que enfim, desapareceu. Ele perdeu dez soldados, entre os quais um “Scout Crow”, tendo vinte e um feridos, porém contou os corpos de treze Índios mortos. As perdas dos Índios, porém deviam ser bem maiores, pois os “Sioux” e os “Cheyennes” tinham o hábito de levarem consigo, sempre que possível, os seus mortos e feridos. George Crook proclamou a sua vitória, mas nem todos estiveram de acordo com ele, alguns afirmaram que a Operação foi concluída com a vitória de “Crazy Horse”. Na realidade a acção de Crook impediu-lhe de intervir quando, em seguida, Custer encontrou-se em dificuldades. Um “Cheyenne” interrogado tempo após, afirmou que os Índios pararam de combater, simplesmente porque estavam cansados e tinham fome.

George – M. PullmanGeorge – M. Pullman. O primeiro vagão-leito foi construído por ele em 1858. Obtido unindo-se dois vagões normais e decorado com móveis de madeira nobre e veludo. Possuía dois banheiros, era iluminado com lampiões a petróleo e aquecido por duas estufas a carvão. Abaixando-se as partes embutidas das paredes, surgiam beliches. O condutor do trem, que fazia o trajecto Chicago-Bloomington, lamentava-se, pois tinha que brigar constantemente com a maioria dos passageiros dessa inovação Ferroviária, pois não gostavam de tirar as suas botas, ou calçados para irem dormir.

GeronimoGeronimo – (1834/1909). Um dos mais extraordinários “Medicine-Man” foi profeta e cacique dos Apaches Chiricahuas. O seu nome indígena era “Goyathay”, ou seja, “Aquele que Boceja”, mas foi conhecido, sobretudo com o nome Espanhol de Geronimo. Nasceu em 1834, perto do velho Forte de Tularosa, não distante da nascente do Gila River, no Novo México. Quando o governo quis aprisionar os Apaches em San Carlos, Arizona, ele refugiou-se com muitos dos seus companheiros no México. Feito prisioneiro, algum tempo depois, foi conduzido à força para a Reserva. Os Americanos, porém, não mantiveram a sua palavra quanto à irrigação daquelas terras e os Índios rebelaram-se. Geronimo resistiu, mas ao fim teve que submeter-se. Dois anos depois, em 1884, no comando de um bando de Índios, dedicou-se a saquear os Ranchos do Arizona, do Novo México e, do outro lado do Rio Grande do Norte, no México, em Sonora e Chihuahua. O general George A. Cook conduziu a Campanha então para prendê-lo. Em Março de 1886, Geronimo concluiu uma trégua que não foi obedecida. Refugiou-se então no México onde ficou até Agosto do mesmo ano, quando se rendeu ao general Nelson A. Miles. Com 34 guerreiros foi enviado para a Florida e ali o velho cacique trabalhou arduamente até que juntamente com os seus companheiros foram conduzidos ao Forte Sill, no Oklahoma. Lá ele morreu “Cristianamente” em 1909. O general Nelson escreveu sobre ele: “Era um dos homens mais brilhantes, audaciosos e rápidos em realizar um plano de acção, que eu jamais tenha conhecido.

Goodnight – CharlesGoodnight – Charles. Nasceu em 1836, Illinois, faleceu em 1929 em Tucson, Arizona. Fundou em 1876 o primeiro Rancho numa faixa de terra fronteiriça do Texas. Antes que ele conduzisse os seus bovinos; 1.600 Longhorns pelo Canyon di Palo Duro, “limpou” os seus futuros pastos dos bisontes; durante um mês inteiro, juntamente com outros 15 homens armados com 80 rifles, não fez mais nada de manhã à noite além do que matar bisontes, eliminando 10.000 deles. A partir desse momento o Rancho JA de Goodnight começou a ganhar a fama de ser o mais importante do Texas. Mas Charles tinha já o seu nome como “Rei dos Bovinos”, conhecido muito além dos confins do Texas. Após a Guerra Civil, durante a qual o Texas sofreu pelas imensas taxas, ele juntamente com o Rancheiro Oliver Loving, tinham atravessado pela primeira vez, as áridas Staked Plains com 3.00 cabeças de gado. Essa apavorante marcha, contra a sede, que abriu a trilha “Goodnight-Loving”, para o ocidente, custou a vida de metade da boiada e alguns cowboys entre eles o próprio Oliver Loving, mas Charles resistiu e conduziu os seus bovinos até Forte Summer. Foi dito que a sede dos cowboys era tanta que eles cortavam as veias aortas dos seus cavalos para beberem o sangue, para se manterem vivos. Em 1877 Charles fundou a Oeste do Canyon di Palo Duro, o Rancho T-Achor, juntamente com Vormann Leigh Dyer. Em 1888 possuíam 80.000 cabeças de gado, em 700.000 acres de pastos e uma propriedade de nome Goodnight, a primeira em toda a região. Com 90 anos, em 1927, Charles casou-se pela segunda vez. Dois anos depois morreu em Tucson, Arizona e a cidade transformou o Canyon di Palo Duro em Parque Nacional e num único e grande monumento a um de seus maiores filhos.

Gordura de antílope – Velho remédio dos cowboys, contra as queimaduras.

Gramática muito complicadaGramática muito complicada – A gramática Indígena era extremamente complicada e possuía um vocabulário muito rico. Após terem estudado a fundo, três dessas Linguagens, os “Experts” do Smithsonian Institute” precisaram que uma delas compreendia 7.000 palavras, outra 11.000 e a terceira 19.000. A Língua Inglesa, ou seja, a Língua geralmente usada pelos Brancos que entravam em contacto com aquelas tribos era formada apenas com mais de 130.000 palavras, porém somente 10.000 delas eram palavras correctamente usadas. Para falar, os Indígenas reuniam em uma só palavra diversas ideias. Às vezes, um único som exprimia uma frase completa. Os verbos podiam ser usados para dar à mesma palavra centenas de significados diferentes. Eles não possuíam pronomes pessoais. Existia a palavra “Macho” e a palavra “Fêmea” e algumas Linguagens tinham para a mesma palavra, muitos plurais, do qual um relativo a um detalhe bem preciso e outros com evocações diversas. Os “Eskimos” tinham 12 palavras diferentes para indicar a palavra foca. Os “Papagos” e os “Pimas” do Gila Valley, Arizona, encontravam-se, ao contrário, em dificuldade quando deviam indicar uma flecha, porque não possuíam alguma palavra para defini-la.

Granger – O denominado “Movimento dos Grangers” fundado privadamente em Washington em 1867 por Membros do Ministério da Agricultura, deu aos trabalhadores braçais e colonos que emigravam para o Oeste e que desfrutavam da terra sem um programa e um objectivo preciso, um plano racional e um objectivo, após juntarem-se numa Associação. Até aquele momento, os novos colonos do Oeste não puderam se impor contra os criadores de bovinos, porque cada um deles escolhia e cultivava um pedaço de terra, em base a suas consignações (ou por sua própria ignorância) e não possuíam nada para opor aos barões de gado, a não ser seus próprios braços. Com o Movimento dos Grangers, aquele trabalhador braçal, tornava-se também um cidadão esperto; um “Granger”, pois essa Associação defendia os interesses deles contra os criadores; tanto, que foram obrigados a cercarem os seus pastos, reduzindo drasticamente os então chamados “Pastos Livres”.

Grant – S. UlissesGrant – S. Ulisses. Além de general Unionista vencedor durante a Guerra Civil Americana, foi também um dos Presidentes dos EUA de 1869 até 1877, sendo eleito por duas vezes.

Greaser – (Grease = Besunto, Unto). Termo depreciativo, usado pelos cowboys, para designar os Mexicanos, significando algo como “Sujo”.

Great PlainsGreat Plains – A vasta e nua estepe de grama, entre as Montanhas Rochosas a ocidente e a linha Missouri-Mississippi a oriente, era atravessada somente por poucos e grandes rios. Essas imensas vastidões desertas foram consideradas por muito e muito tempo como hostis ao homem, incultiváveis e não apropriadas para a criação de gado, era somente recortada por algumas tribos de Índios a cavalo. As primeiras notícias desse oceano de grama seca vieram da Costa oriental, através de relatos dos emigrantes que iam para Oregon, Califórnia e Santa Fé. Após a Guerra Civil, as primeiras boiadas atravessaram as Great Plains directamente aos mercados do norte. Depois, tornaram-se terras indicadas, para grandes pastos e agricultura.

Green Bronco – Cavalo selvagem, no qual era colocada a sela, pela primeira vez.

GreenhornGreenhorn – Termo usado para denominar os pequenos novilhos. Expressão derivada provavelmente pelos criadores de gado. Já por volta de 1700, nas fazendas da Irlanda chamavam-se “Greenhorns”, os bois, cujos chifres mostravam uma coloração esverdeada. No Oeste eram considerados “Greenhorn” aqueles jovens cowboys que se diferenciavam ingenuamente dos costumes bem precisos e do específico carácter do cowboy tradicional. Geralmente os cowboys brincavam grosseiramente com eles, e tais brincadeiras eram perigosas justamente por causa desses modos arrogantes. Procurava-se espantar os “Noviços” cowboys das terras dos novilhos; por exemplo, disparando em seus pés, para fazê-lo “Dançar”, ou então davam para montar um cavalo com a sela solta, ou faziam-lhe cair em outras brincadeiras banais. Tudo fazia parte de algumas provas, para notar o quanto um cowboy novato era duro o bastante, testando o seu senso de humor. A falta de força física não era no entanto objecto de gozação, ao cowboy que possuía humorismo. A superioridade “Espiritual” transformava geralmente um “Greenhorn” num estimado “Western”. Em Danton, Texas, certo dia desceu de uma diligência um novo professor que era pequeno, fraco, míope e doente, vindo da Nova Inglaterra. Apenas o homem compreendeu o “Espírito da Coisa” entre os cowboys, narrou com abundância de palavras, como tinha perdido a sua perna durante a Guerra Civil. Um dos cowboys, perguntou sorrindo malignamente: “Mas, homem, você ainda possui a sua perna!”. O professor caindo na gargalhada, respondeu: “Claro, mas pensa que não levou um tempão, para que ela crescesse novamente?”. Daquele exacto momento o professor deixou de ser um simples “Greenhorn”.

GringoGringo – Não foi geralmente como se acredita, um termo depreciativo usado pelos Mexicanos para designar os Americanos, mas algo como “Estrangeiro”. Usado sobretudo para os Americanos, a palavra era derivada do Espanhol “Grieco”. “Hablar en gringo”; significava algo, como falar numa língua não compreensível.

Grubline – (“Grub”). Termo usado pelos cowboys para indicar a ração, a comida, a nutrição. Quando era levada de volta para o galinheiro uma galinha fugitiva, colocava-se ao chão trilhas com grãos de milho, as assim chamadas “Grubline”. Os cowboys que após o “Round Up” de Outono, que ficavam sem trabalho, eram chamados de “Grubline Riders”, porque durante o Inverno eles procuravam pastos ou um tecto para trabalhar ou abrigar, indo de um Rancho a outro. Durante aquele período de desocupação invernal, era muito difícil superá-lo.

Grulla – Termo Inglês, vindo do Espanhol “Gru-ya”, para indicar o cavalo que possuía a cor mesclada de azul fumaça e cinza rato.

GTT – (Gone to Texas). Inscrição colocada em muitas casas abandonadas no tempo sucessivo à Guerra Civil Americana, tornando-se um termo corriqueiro em todo o Texas, algo como; ninguém pedia aos outros, notícias do seu passado.

Guerra de Black HawkGuerra de Black Hawk – Em ocasião das Guerras de 1812, os Índios “Sawks” e “Foxes”, encontraram-se divididos; alguns seguiram o cacique “Black Hawk”, uniram-se aos Ingleses, enquanto que os demais seguiram o cacique “Keokuk”, aliando-se aos Americanos. Apesar de um acordo assinado em 1808, “Black Hawk” não quis mais ir para a margem oeste do Mississippi River, sustentando que o seu povo e ele próprio, foram enganados. Teve início então uma série de combates que foi comummente chamada de a “Guerra de Black Hawk”, na qual participou em qualidade de capitão, Abraham Lincoln. Agindo como cacique supremo dos “Sawks” e dos “Foxes”, aliás, título usurpado, conferido pelo Governo de Washington, “Keokuk” assinou um tratado com os EUA e aceitou que os seus fossem habitar as margens do Rock River. “Black Hawk”, após ter desaprovado duramente a traição de “Keokuk”, organizou a resistência. Seus guerreiros, após terem combatido em Illinois e Wisconsin, foram derrotados no Verão de 1832. “Black Hawk” procurou refúgio ao norte e, capturado logo após, foi jogado numa prisão da Virginia. Em seguida a essa Guerra, em 1832, foi criado um Batalhão com seis Companhias de “Rangers” a cavalo, que um ano depois foi substituído por dez Companhias, os célebres “Dragões”, comandados, a partir de 1835, pelo coronel Stephen W. Kearny.

Guerra de King PhilipGuerra de King Philip – Foi a primeira e importante Guerra Indígena. Explodiu em 1675 quando “Massasoit”, um cacique dos Índios “Wampanoags”, mais conhecido com o nome de “King Philip”, rebelou-se aos Ingleses, acompanhado por seus aliados “Narragansets” e “Massachusetts”. O cacique Indígena dos “Mohegan”, “Uncas”, inimigo jurado de “King Philip”, aliou-se imediatamente aos Ingleses com 500 guerreiros. Para a Nova Inglaterra, essa foi uma Guerra devastadora e homicida, durante a qual, os Índios, de ambas as partes sofreram perdas terríveis. Os homens de “King Philip” estavam armados com mosquetões, dos quais usavam com grande habilidade, escondendo as suas munições nas florestas. O primeiro objectivo dos Ingleses foi aquele de aniquilarem justamente eles. “King Philip” revelou-se um hábil estrategista e suas tropas corajosas. Os “Mohegans” e outras tribos que permaneceram fiéis aos “Puritanos”, foram por eles chamados de “Praying Indians”, ou seja, “Índios que Rezam”, mas obstante a sua capacidade, não foram os artífices da vitória Inglesa. Naquele tempo em Nova Inglaterra, existiam 50.000 colonos contra 20.000 Índios rebeldes. Os “Puritanos” demonstraram uma brutalidade selvagem e massacraram impunemente muitas vítimas inocentes; foi um verdadeiro extermínio. “Canonchet”, cacique dos “Narragansets”, sob ordens de “King Philip”, após seis meses de Guerra foi circundado, preso e justiçado. No Verão de 1676, a mulher e o filho de “King Philip”, este último com nove anos, caíram nas mãos dos Ingleses. “King Philip” suspirou dizendo: “Agora chegou a minha hora de morrer”. Algumas semanas depois, em Agosto, no último combate, o cacique dos “Wampanoags”, foi morto, a “Confederação” desmantelada e os sobreviventes vendidos como escravos. 500 deles foram embarcados para Plymouth. Nesse porto, no qual estava exposta a cabeça decepada de “King Philip”, sua viúva e seu filho, sempre prisioneiros, esperavam a decisão das autoridades; foi estabelecido que os dois infelizes fossem vendidos também como escravos nas Índias Ocidentais.

Guerra do Distrito JohnsonGuerra do Distrito Johnson – Depois que o Exército dos EUA foi derrotado e submeteu a “Nação dos Sioux”, transferindo os sobreviventes para Reservas, a criação de bovinos no Estado de Wyoming conheceu o seu período áureo, mas ao mesmo tempo o Estado teve que receber uma imigração de colonos de pequenos Rancheiros que tomaram vastas áreas, como pastos, que até então tinham desfrutado os grandes Rancheiros. Os recém-chegados delimitavam as suas propriedades doadas pelo Governo, com paliçadas, deixando nervosos os “Barões de Gado”. Os grandes Rancheiros, que durante muito tempo mantinham seus pastos livres, tiveram que se adaptar ao inevitável, mas via tanto os pequenos colonos como os pequenos Rancheiros, como inimigos mortais e tentaram afugentá-los com truques e ameaças. Muitos colonos vingavam-se, roubando na contagem anual, cabeças de gado um do outro, ou bois não marcados, aproveitando de bandos ladrões de gado, dos grandes Rancheiros, que por sua vez, culpavam publicamente os pequenos. Todas essas disputas concentraram-se no Distrito Johnson e redondeza, em Buffalo, até que numa noite de Verão de 1889, as coisas se precipitaram. 10 homens mascarados assaltaram a residência de James Averill e de Ella Watson (apelidada “Cattle Kate”) e como punição contra todos os ladrões de gado, enforcaram os dois numa árvore, perto de Spring Creek Gulch, entre as cidadelas de Casper e Rowlins. Como movimento sucessivo, os “Vigilants” levaram para o Tribunal Anna Richey, uma ex-professora, acusando-a de ter roubado 8 cabeças de gado e de ter falsificado a sua marca. Enquanto iam para o Tribunal, a mulher foi morta por tiros de arma de fogo, de um cavaleiro mascarado. Com a notícia desses actos de violência, a indignação difundiu-se entre os colonos do Wyoming; pensou-se então em fundar uma Associação militante em defesa dos interesses dos colonos, mas os “Barões de Gado” organizaram-se sob a qualificação de “Reguladores do Wyoming”, alugaram alguns pistoleiros do Texas, entre os quais Tom Horn e em 5 de Abril de 1892, num grande grupo, foram para Buffalo, a “Capital dos Ladrões de Gado”, no intento de acabar com a rival Associação, de matar os seus idealizadores e obrigar os colonos a abandonarem aquela região. Durante a marcha de Casper a Buffalo, cortaram todas as linhas telegráficas, do Rancho KC, a 50 milhas ao sul de Buffalo mataram os principais organizadores dos colonos. Nick Ray e Nate Champion. O colono Jack Flagg, em sua fuga do grupo, cavalgando sem parada, conseguiu chegar a Buffalo e divulgar a notícia da invasão do Distrito Johnson por parte de 52 Rancheiros, armados até os dentes. Foi então que o xerife de Buffalo, Red Angus, foi ao encontro do grupo dos “Reguladores” com o seu grupo formado por 200 homens. Os “Reguladores” refugiaram-se no Rancho TA, a 12 milhas de Buffalo (em Crazy Woman Creek) e prepararam-se para sustentarem o ataque. Em 11 de Abril, 400 colonos armados, circundaram o Rancho TA, e conseguiram escavar uma trincheira com 300 metros de distância (usando dois carroções, como apoio e amparo), sendo colocado ali 200 kg de dinamite, pronto para fazer saltar no ar o edifício e seus ocupantes. Nesse ínterim o Governador Barber tinha pedido ao Presidente dos EUA, para mandar tropas para o local. Elas chegaram em 13 de Abril, no momento em que seria feito o ataque. O Exército conseguiu prender os intrusos, salvando assim muita gente da morte certa. Os “Reguladores” foram levados a Cheyenne, porém o tão esperado processo contra eles, jamais aconteceu. É verdade também que tudo acabou ali; porém os Rancheiros começaram a empregarem “Killers”, que faziam emboscadas aos ladrões de gado, matando-os no local. Entre eles, estava Tom Horn, um “Killer” capaz de permanecer escondido e de prontidão, por horas, comendo apenas um pedaço de presunto seco, até o momento de matar alguém. Ele não deixava atrás de si nem pistas, nem provas, excepto a sua assinatura: um pedaço de pedra colocado debaixo da cabeça do morto. Um ano e meio depois, após que os Barões do Gado aprenderem que a criação praticada em pastos cercados, rendia mais do que em pastos abertos ou livres, a tensão entre os Rancheiros e os colonos diminuíram e Tom Horn transformou-se numa pessoa não aceita. Depois sem provas consistentes, ele foi condenado à morte, por um assassinato muito discutível, ninguém moveu um dedo em favor daquele que era um verdadeiro arquivo vivo, que todos queriam esquecer. Foi justiçado publicamente em 20 de Novembro de 1903.

Guerra do Distrito LincolnGuerra do Distrito Lincoln – O Distrito Lincoln, abraça quase um quinto do Estado de New México, vai até o oriente com o Pecos River, ao sul com o Texas, ao ocidente com as Montanhas de San Andres. Com a reocupação do Forte Stanton por parte do Exército dos EUA, após a Guerra Civil e as enérgicas Campanhas Militares contra os “Apaches”, “Kiowas” e “Comanches”, a colonização do Distrito Lincoln, cuja parte oriental era constituída pelas Staked Plains e cuja parte ocidental constituída por colinas, ricas de cursos de água, tanto malárica quanto fértil, representava a propagação das Montanhas Rochosas, nela a colonização intensificou consideravelmente. Os Criadores de bovinos e de ovelhas pediram para si a região das Staked Plains, e os pequenos Rancheiros e os pequenos colonos avançaram os seus direitos sobre loteamentos, longo os numerosos cursos de água e de seus residentes. A Guerra do Distrito Lincoln, acontecida em 1876, foi um facto que todos esses recém-chegados e os velhos habitantes que pretendiam monopolizar o comércio e a criação de gado. Esses antigos moradores, membros de uma Comunidade de interesses neo-Mexicanos chamada “Santa Fe-Ring”, possuíam em mãos, não só o comércio, mas também os cargos mais importantes da Magistratura, do Exército e da Política. No momento em que a Colonização tocava o seu ápice, Lawrence G. Murphy (um major, já doente) e seus sócios James J. Dolan e John H. Riley controlavam todo o andamento de entregas de mercadorias. Eles possuíam o maior comércio do Distrito Lincoln e todas as Empresas de Expedição com suas capacidades de Transporte, era o único grande concessor de prestígios aos novos chegados, pois estabelecia todos os preços, influenciava na distribuição das terras e com o crescer da demanda, colocava-as sempre mais caras, com preços insuportáveis. Além disso, eles pagavam um bando de pistoleiros; os amigos pessoais deles eram William Brady, xerife Distrital, William Rynerson, Juiz Distrital, e também Thomas Catron era Procurador Geral do New México e tanto o Comandante do Forte Stanton quanto o Governador Axtel, eram além do mais, seus devedores. A desencadear os primeiros conflitos foi a ambição de Murphy, o qual, além de grande Rancheiro, pretendia tomar em suas mãos todo o mercado de bovinos do Distrito. E aqui seus interesses colidiam violentamente com os do Rancheiro John S. Chisum, o qual, enraivecido por vários roubos do seu gado, além de ser lesado em contratos para a entrega de mercadorias para o Exército, colocou-se na defensiva fazendo oposição com a Colónia dos Irlandeses. Chisum conseguiu persuadir o advogado Alexander Mc Sween (um Escocês) e o jovem e rico Inglês John Henry Tunstall, a abrirem em Lincoln City um negócio, um banco e um Escritório de Consultoria Legal. O triângulo “Chisum-Mc Sween-Tunstall” pedia preços menores daqueles impostos ditatorialmente por Murphy, para transportes, mercadorias, prestação de serviços, gado, terrenos, por isso a maioria dos pequenos colonos passou logo do seu lado. Então quando Tunstall adquiriu um Rancho e colocou como capataz o cowboy Billy the Kid, a tensão criada em volta por altos interesses, aumentou por causa do testamento do sócio de Murphy, Emil Fritz (de Estocolmo), cujos documentos foram lavrados por A. Mc Sween. Quando o “Triângulo de Chisum” descobriu as criminosas fraudes, as manipulações Políticas e os roubos de gado em larga escala por parte de Murphy, eles recorreram à força; uma Patrulha sob as ordens do xerife Brady assassinou o desarmado Henry Tunstall e tentou sequestrar os seus bens. Nesse ponto Billy the Kid reuniu pequenos colonos no corpo dos “Reguladores do Distrito Lincoln”. O xerife Brady e um de seus funcionários foram mortos. Aí então tudo se tornou insuportável para ambas as partes, além da emigração precipitada, o Distrito ameaçava ficar sem habitantes. Murphy, diante de uma derrota, conseguiu persuadir o Comandante do Forte Stanton, o coronel Dudley, à intervenção do Exército. Um dia, enquanto que os “Reguladores” se encontravam na casa de Mc Sween, foram circundados por soldados que apontavam canhões para a residência. Sob uma chuva de granadas incendiárias, somente sobreviveu, Billy the Kid. Alexander Mc Sween foi morto enquanto estava se rendendo com as mãos levantadas. Nesse ponto interferiu seja o Governador seja o Presidente dos EUA; o coronel foi levado diante a um Tribunal de Guerra, uma amnistia geral anunciou que nenhum dos participantes seria perseguido e em conversa pessoal (6 de Março de 1879) o Governador Wallace assegurou a Billy the Kid que ele também permaneceria impune se depusesse diante de uma Corte Comum; a luta de Chisum e Murphy estava acabada com a amnistia, um tratado foi assinado e Chisum abandonou Billy the Kid, que tinha combatido essa Guerra por ele. Porém o potente “Santa Fe-Ring”, que temia somente o jovem cowboy, para impedir que ela continuasse, serviu-se dos Jornais do New México, por eles controlados estigmatizou o jovem Billy the Kid, como assassino e feroz bandido. O único que poderia ter ajudado Billy, ou seja, o próprio Chisum estava bem feliz que a história acabasse assim. Quando Billy e os seus “Reguladores” se viram bloqueados de todos os lados, foram obrigados a se tornarem, aí sim em um bando de bandidos, para escaparem aos seus perseguidores. Quando o cerco em volta do bando apertou ainda mais, os amigos casados, abandonaram-no e assim chegou a sua hora. No decorrer de um tiroteio, seus últimos e fiéis amigos foram mortos e ele viu-se preso em 20 de Dezembro de 1880. Em 13 de Abril de 1881 o Público Ministério William Rynerson pediu a pena capital e o Juiz Warren Bristol, ambos inimigos mortais do jovem cowboy pronunciou a sua sentença de morte. Em 28 de Abril de 1881, poucos dias antes da execução, Billy the Kid, escapou e matou durante a sua fuga, dois guardas. Em 14 de Julho de 1881 ele foi morto, numa emboscada, pelo xerife Pat Garret. Desaparecia assim, a última testemunha que poderia responder a muitas perguntas, que jamais serão respondidas. Murphy morreu de cancro no fígado. Dolan e Riley abandonaram o local, Chisum vendeu o seu Rancho para um Sindicato Escocês, Rynerson começou a sofrer de mania de perseguição. Nenhum dos protagonistas da Guerra do Condado Lincoln, pode saborear o poder pela conquista sangrenta acontecida. Somente a “Santa Fe-Ring” continuou um esplendoroso e tranquilo monopólio Político e comercial em todo o New México. Todos os Jornais que em anos sucessivos publicaram as assim chamadas “Reportagens Autênticas”, sobre Mc Sween, Tunstall, Chisum e Billy the Kid, pertenciam a esse “Ring”. A maioria das testemunhas que poderia depor contra o potente Grupo vitorioso, desapareceu de cena de modo misterioso. Actos processuais foram queimados, deposições foram roubadas, homens que tinham visto ou ouvido demais, sofreram incidentes mortais. A Lenda do “Killer” Billy the Kid, permanece até aos dias actuais. Mais de 300 homens perderam as suas vidas na Guerra do Distrito Lincoln; culpa e inocência mesclaram-se num arranjo maquiavélico. Os sobreviventes calaram-se, permitindo assim que o tempo estendesse um véu silencioso sobre esse facto sinistro.

Guerra dos CreeksGuerra dos Creeks – Uma vez que os Ingleses tinham conquistado o Canadá, os Franceses perdendo muita de seu poderio, e os Espanhóis deixando a Florida, as “Cinco Tribos Civis”, os “Cherokees”, os “Choctows”, os “Chicasaws”, os “Creeks” e os “Seminoles”, entenderam que uma aliança com os Britânicos seria bem interessante. Os Ingleses trataram-nos com honras e obtiveram que seus legítimos privilégios fossem respeitados. Os “Creeks” reforçaram a Confederação, impondo-se aos “Cherokees” e aos “Choctows”. Quando as Colónias se rebelaram à Inglaterra, os “Creeks” combateram ao lado dos Ingleses, porque haviam assinado um tratado com o Rei e entendiam respeitá-lo. Porém a Coroa abandonou todos os territórios ao sul do Canadá e os Índios encontraram-se a dever enfrentar homens enérgicos que pensavam somente em desfrutar as terras que tinham já ocupadas. Por isso, nas regiões do noroeste, o cacique “Tecumseh” tentava uma união entre as tribos, mas os “Cherokees” e os “Croctows” rejeitaram pegar em armas e os “Creeks”, entre os quais reinava o desacordo, não quiseram se unir a “Tecumseh”. Explodiram então, violentas batalhas na fronteira da Florida. Os “Creeks” dividiram-se em duas partes, das quais uma, os “Red Sticks”, permaneceu fiel aos Ingleses e a outra, sob as ordens do cacique “Coweta” William Macintosh, aliou-se aos Americanos. Na Primavera de 1814, em Horseshoe Bend, no Tallapoosa River, esses últimos, derrotaram os “Red Sticks”. No último dia daquele ano eles concluíram uma negociação segundo o qual, os “Creeks” receberiam do Governo dos EUA, 5.000.000 de acres de terras. Alguns grupos, porém não estavam de acordo e uniram-se aos “Seminoles”, na Florida, prontos a combater os Americanos, quando chegasse o momento justo, sob ordens do cacique “Osceola”.

Guerra dos ModocsGuerra dos Modocs – Nos anos 1872-1873, mais de 1.000 soldados foram necessários para resistirem a 50 Índios “Modocs”. Na Costa do Pacífico, em Oregon, ao longo da fronteira Californiana, habitavam muitas tribos. Durante os anos de 1850, esses Índios, já haviam atacado caravanas e duas delas foram dizimadas. Certa vez massacraram garimpeiros. Naquela época, os “Modocs” tinham o hábito de se vestirem como os Brancos, dos quais imitavam também as suas acções desprezíveis. O Escritório para Assuntos Indígenas decidiu que os “Modocs” e os “Klamaths” fossem conduzidos numa Reserva e que restassem lá, até que dominassem o seu carácter hostil; mas os “Modocs”, mal suportando a dominação dos Brancos, retornaram para as suas terras às margens do Lost River, ao norte da fronteira Californiana. Naquela região foram se estabelecer muitos Pioneiros Brancos, que deram aos caciques Índios novos nomes, como: “Captain Jack”, “Curley Head Doctor”, “Scarfaced Charley” e “Black Jim”. Em 28 de Novembro de 1872, o major general James Jackson com 38 soldados, foram pegar “Captain Jack”, para levá-lo para a Reserva dos “Klammahs”. Ouve um tiroteio e um soldado e três Índios foram mortos. Os “Modocs” fugiram, matando durante a sua fuga, 18 colonos, poupando crianças e mulheres. Refugiaram-se em Lava Beds, ao sul do lago Tule, na Califórnia setentrional. Era essa uma região deserta e rochosa, feita com lavas e rochas vulcânicas, possuindo várias cavernas naturais. Em 16 de Janeiro de 1873, o major general Frank Wheaton reuniu cerca de 400 soldados, decidido a “limpar” aquelas terras de ninguém, ele tinha esperado a chegada de alguns Destacamentos de Cavalaria, com alguns canhões. Tais armas eram mais perigosas para aqueles que as faziam funcionar, do que para o próprio inimigo. Nos primeiros dias, as tropas encontraram somente um Índio, mas isso não impediu a eles de perderem 16 soldados e 9 oficiais feridos, dum total de 44 soldados. Uma delegação negociava então um tratado de Paz com os “Modocs”, mas durante a primeira reunião em 11 de Abril, os Índios fizeram um massacre. “Captain Jack” matou ele mesmo o brigadeiro general E. R. S. Canby e “Boston Charley” matou o reverendo Dr. Eleazer Thomas. A. B. Meacham, um Agente Índio quatro vezes ferido, foi salvo por uma Índia “Modoc”, chamada “Winema”, que todos a chamavam de “Toby Riddle”. O único sobrevivente ao massacre foi o Agente Índio Leroy S. Dyar, armado somente com uma pistola Derringer. O brigadeiro general E. R. S. Canby foi o oficial mais graduado que foi morto, durante as Guerras Indígenas. Tropas de reforço foram chamadas pelo major general Alvan C. Gillen, que recebeu ajuda dos “Warm Sorings Indians Scouts”, sob as ordens de Donald MacKay. Os Artilheiros levavam consigo alguns morteiros. O major general colocou-se em marcha a 15 de Abril e durante dois dias percorreu a região de Lava Beds, destruindo as reservas de água dos “Modocs”. Esses permaneceram invisíveis até 26 de Abril, dia no qual emboscaram o major Evans Thomas que perdeu 2 tenentes e 18 soldados. Um tenente, um médico e 17 soldados foram feridos. O major general Jefferson C. Davis assumiu o comando e elevando a moral dos seus soldados, continuou a marcha, mas foi outro oficial o capitão Henry C. Habrouk, que comandou o último combate contra os “Modocs”. Em 10 de Maio de 1873, ao alvorecer, os “Modocs” atacaram Hasbrouk em Dry Lake, em pleno terreno vulcânico. Os cavalos dos soldados apavorados deixaram somente poucos cavaleiros em sela, mesmo assim os soldados combateram e perseguiram os “Modocs” durante quatro milhas, vencendo-os. Os sobreviventes foram feitos prisioneiros. “Captain Jack”, “Schonchin John”, “Black Jim” e “Boston Charley” foram enforcados pelos assassinatos do general E. R. S. Canby e do reverendo Dr. Eleazer Thomas.

Guerra dos PianosGuerra dos Pianos – Por volta de 1883, praticamente em cada duas casas em Dodge City, uma era “Saloon”. Os mais renomados eram os: “Long Branch Saloon” de Luke Short e o “Bisca Alamo”, de A. B. Webster, pela maneira particular com o qual os dois proprietários conduziam a “Guerra de Concorrência”. Luke Short, que muito irritado via diminuir a olhos vistos, a sua clientela a favor de seu concorrente, teve certo dia uma ideia genial: comprou um piano e empregou uma linda e graciosa pianista loira, que além do mais sabia também cantar. Não passou muito tempo para que o som do piano e a voz da cantora fizessem com que retornassem os velhos clientes, mas atraísse também clientes do outro “Saloon”. Quando Webster além de dono do “Bisca Álamo” e também Presidente do Município de Dodge City, descobriu que a música tinha arruinado o seu local, valeu-se da sua autoridade e da possibilidade do seu escritório para uma espécie de auto-defesa, aliás, usada ainda em tempos modernos; emitiu uma Ordem segundo a qual “No interesse da quietude e da Ordem Pública”, era proibido, do outro lado da rua, tocar piano. Então quando a pianista e cantora se tornou uma desocupada, fez as suas malas com o consentimento da Autoridade e continuou a sua actividade do outro lado da rua, com a consequência, calculada por Webster, ou seja, lotando a sua casa de diversões. A Luke Short restou somente protestar. Mas Webster sabendo muito bem que o seu rival era um atirador veloz e preciso, reuniu para sua protecção pessoal um grupo de pistoleiros. Porém Luke possuía óptimos amigos xerifes em várias cidadelas selvagens e que estavam dispostos a fazer algum trabalho extra para complementarem seus míseros salários. Ele chamou-os a todos e eles vieram: de Tombstone Wyatt Earp, de Denver Bat Masterson, do Texas Jack Vermillon, de Tascosa Dan Tipton, de Amarillo Johnny Millsap, John Green veio de St. Louis, Charles Bassett de Omaha e veio de Little Rock, Frank McLain. Esses, naquele tempo eram os melhores atiradores e jamais na História do Velho Oeste, tinha sido reunida tal força de combate. A batalha não se fez por acontecer; os homens de Webster caíram um a um e quando o Governador do Kansas apareceu para suspender tudo aquilo, a assim chamada “Guerra Musical de Dodge City”, já estavam no cemitério local, enterrados 8 pistoleiros, em tumbas frescas. E no “Saloon” de Luke Short tudo, tinha voltado já ao normal e tudo claro, ao som de piano.

Guerra dos SeminolesGuerra dos Seminoles – Em 1817 surgiu a primeira Guerra dos Índios “Seminoles”. Andrew Jackson recebeu autorização para penetrar em território Espanhol, para dominar a Revolta. Ele conquistou o Forte Saint Marks e Pensacola, depois continuou a sua invasão colocando os Espanhóis numa situação tal, que eles tiveram que aceitar em ceder a Florida aos EUA, através de uma compensação; 5.000.000 de dólares. A fronteira então foi prolongada até o Sabine River. Andrew Jackson retirou-se da Florida com o seu Exército em 1818, não conseguindo falar com os “Seminoles”. Os EUA continuavam a considerá-los como componentes da “Confederação dos Creeks”. Por um período relativamente breve, Andrew Jackson foi Governador Militar da Florida, mas somente o seu sucessor, William P. Duval discutiu as condições de Paz com os “Seminoles”, em Camp Moultrie, em 1823. Os firmatários Indígenas desse tratado, que depois foram reconhecidos como qualificados para representarem a “Nação”, cederam as suas terras, ou seja, 32.000.000 de acres, e aceitaram ir para a Reserva com somente 4.000.000 de acres. O tratado de Camp Moultrie concordava também em manter alimentos, construções de escolas e depósitos anuais, por um período de 20 anos a quantia de 5.000 dólares aos “Seminoles”. Em 1835 a Florida foi novamente palco de violências. Os “Seminoles” mataram um mensageiro e efectuaram vários ataques a plantações de Brancos. Em 28 de Dezembro de 1835, o agente Thompson foi morto durante uma emboscada e nesse ínterim os “Seminoles” reconheceram em “Osceola” o seu novo cacique de Guerra. Durante a noite daquele mesmo dia, duas Companhias comandadas pelo major Francis L. Dade enfrentaram os caciques “Jumper”, “Minacopy” e “Alligator”, sobrevivendo somente três soldados desse encontro. Esse foi o início da segunda Guerra dos “Seminoles”, que duraria oito longos anos. Em Fevereiro de 1836, o general Edmund G. Graines foi atacado em Forte Brooke, na região de “Withlacoochee”, onde já tinham acontecido anteriormente combates e foram derrotados o coronel Duncan Clinch e o Governador Call, mesmo diante de 500 Voluntários da Florida. O general Winfred Scott, que tinha comandado a acção contra os “Seminoles”, foi substituído pelo general Thomas S. Jessup que enfrentou aquela massa Indígena em Great Cyprees em 17 de Janeiro de 1837. Em 3 de Fevereiro seguinte, em Forte Dade, os “Seminoles” pediram a Paz, sendo assinada somente seis meses depois, em 14 de Agosto. Em 1849, 360 “Seminoles” organizaram uma revolta e provocaram inúmeros incidentes, que alguns estudiosos sobre o tema, denominaram exageradamente de a “Terceira Guerra dos Seminoles”. O cacique “Billy Bowlegs” comandou por um tempo curto 120 revoltosos, que, porém, após uma série de combates, foram dominados. Após dez anos, a maioria desses Índios foi deportada, para bem longe da Florida; somente um pequeno grupo deles, conseguiu chegar aos Everglades e organizar uma audaciosa e tenaz resistência.

Guerra dos SiouxGuerra dos Sioux – No Outono de 1875, no território de Montana, os “Sioux” irritados contra os “Crows”, seus eternos inimigos, atacaram dezassete vezes os Brancos, matando nove, ferindo dez e roubando 138 cabeças de gado. Em 3 de Dezembro o Ministro do Interior, deu instruções formais para que os “Sioux” fossem reconduzidos para a sua Reserva. Qualquer um que não fosse rendido até 31 de Janeiro de 1876, seria considerado um inimigo e tratado como tal. O general William Tecumseh Sherman e Phil Sheridan prepararam, para aquele ano, uma maciça campanha contra os rebeldes, cujo número era calculado em 10.000 indivíduos. O general George Crook, superior do território do Platte River, deixou o Forte Fetterman em 1 de Março, com os seus soldados. Em 17, a sua Cavalaria, sob ordens do major general Joseph J. Reynolds atacou e queimou um acampamento Indígena às margens do Little Powder River. O “Scout” Frank Guard identificou o local como sendo o acampamento de “Crazy Horse”. No mesmo dia, o major general John Gibbon partiu de Forte Shaw em Montana e, uma vez chegando a Forte Ellis, soube que o general Alfred Terry estava em dificuldades com os seus soldados, por causa da neve que lhes impedia de avançar. Nesse tempo o general George Armstrong Custer, tinha sido destituído do seu cargo por não respeitar ordens e encontrava-se em Washington para responder a uma Comissão de Investigação. Terry e Sheridan intervieram e Custer foi autorizado a voltar para o seu Regimento, mas participando da Expedição, somente como simples oficial, sem algum comando. Alfred Terry, o Comandante supremo, deixou Forte Lincoln dia 18 de Maio com 20 Companhias de Cavalaria, 3 de Infantaria e 1 Destacamento de soldados de Infantaria, munidos com armas automáticas Gatlin. John Gibbon organizou a sua avançada de modo em encontrar Terry em Yellowstone. Tinha consigo 6 Companhias de Infantaria, 2 de Cavalaria, um canhão Napoleão e 2 metralhadoras Gatlin. Crook fez então partir a Segunda Expedição de Forte Fetterman em 20 de Maio; contendo 15 Companhias de Cavalaria e 5 de Infantaria. Oito Companhias de Cavalaria, locadas em Fort Laramie, no início de Junho, deveriam assegurar os contactos entre Crook e Terry.

Guerra Hoodoo – Luta armada entre os criadores de gado Germano-Americanos e os criadores Texanos, no Distrito de Mason, Texas, que nos anos de 1875/1876 implantaram o terror sanguinolento e fizeram inúmeras vítimas humanas. O motivo estava no facto de que as famílias Alemãs, ao início da Guerra Civil, recusaram-se em pronunciar o favoritismo pela conservação da Escravidão e colocar à disposição do Exército Confederado os seus próprios homens e os seus próprios filhos. Após a Guerra perdida pelo Texas, o ódio contido dos fanáticos pela Escravidão foi manifestado, no Condado de Mason, em furtos de cavalos; e desses relatos, foram culpados os Alemães. A opinião pública Americana geralmente e aquela local em particular, foram em favor aos Alemães, os quais resolveram assim a luta e desmascararam os adversários como simples ladrões de cavalos.

Guerras da Costa do PacíficoGuerras da Costa do Pacífico – Em 29 de Novembro de 1847, o doutor Markus Witman e a sua esposa Narcissa, a primeira mulher branca que se aventurou nas pistas do Oeste, foram assassinados na “Missão de Wailaptu”, perto a “Walla Walla”, por índios “Cayuses”. O coronel Cornelius Gilliam pediu à tribo que entregassem os cinco culpados, que foram enforcados em 3 de Junho de 1849. Nos anos 1851-1852 os Comissários de Washington assinaram com 139 tribos da Califórnia, 19 tratados diferentes, motivados pela presença de garimpeiros de ouro naquela região. O tenente George Crook, que mais tarde iria se tornar general estava convencido, que antes ou depois os Índios voltariam à Guerra. James D. Savage, chamado o “Rei Loiro dos Tulareros”, um caçador de peles que possuía grande influência entre as tribos, tomou o comando de um Batalhão de Voluntários que percorreu em Março de 1851, o Vale de Yosemite. Aconteceram nos anos sucessivos, inúmeras Lutas que tiveram, talvez exageradamente, o nome de “Guerras”. Entre 1854/1885 aconteceu a “Guerra dos Klammaths”, em 1856 a “Guerra do Kern River”, entre 1858-1859 a “Guerra contra os Wintoons”, em 1859 a “Guerra do Pitt River”, em 1860 o “Massacre de Indian Island” e entre 1863-1865 a “Guerra contra os Hupas” e inúmeras Expedições contra os “Shoshones”. Por volta de 1865 a maioria dos Índios da Costa do Pacífico vivia já reclusa, em Reservas.

Guerras IndígenasGuerras Indígenas – As Guerras Indígenas foram inúmeras e sangrentas. Antes da chegada dos Brancos, as tribos combatiam entre si, às vezes com grande ferocidade e com a chegada dos Brancos, aumentou ainda mais, o ardor pelos combates aos Índios. Eles, em geral eram pacíficos no confronto aos recém-chegados, viram-se muitas vezes obrigados a pegar em armas para defender as suas vidas e os seus bens. Precisamos reconhecer que em muitas ocasiões os Brancos se portaram injustamente; tratados não respeitados, promessas esquecidas, oficiais que, usando o seu poder, causavam imensos massacres, civis que, para aumentar as suas propriedades, matava indiscriminadamente o Índio e sua família. E ainda existiram as “Guerras de Extermínio”, verdadeiros e próprios genocídios, geralmente ordenados pelos políticos de Washington que, para aumentar o seu património particular, faziam com que trancafiassem os Índios, como se fossem animais, em Reservas. Durante a Conquista do Oeste, os combates foram numerosos; batalhas acirradas e pequenas lutas sucederam-se sem tréguas de 1675 até ao último embate, que aconteceu em 1915, totalizando 1.240 conflitos. Após a Guerra Civil, quando o Sul estava atento à sua reconstrução, o Norte estava empenhado a adaptar a própria economia, devido às exigências da indústria, portanto novas e importantes mudanças naquela imensa vastidão de terras ao oeste do Missouri. As Ferrovias conduziram milhares e milhares de Imigrantes; as manadas de bisontes desapareceram em poucos anos, os Criadores de bovinos assumiram o comando de grandes pastos, os rios foram poluídos pelos garimpeiros, as florestas foram derrubadas. Os Índios, segundo levantamentos em 1865, totalizavam 249.574 indivíduos, sendo que de 1865 a 1900 a população Indígena diminuíra de 60.000 indivíduos: “Sioux”, “Pés Negros” e os “Crows” das planícies setentrionais, os “Cheyennes” e os “Kiowas” das regiões centrais, os “Comanches” e os “Apaches” do sul. Além deles, existiam numerosas tribos menores. Os Índios viviam das grandes manadas de bisontes que lhes forneciam do alimento ao combustível, agora vagavam por planícies e montanhas quase que desertas, seguindo as trilhas que por séculos os seus antepassados tinham traçado. O encontro trágico entre as duas Civilizações, a dos Índios e a dos Brancos foi inevitável e provocou verdadeiras e profundas Guerras sangrentas. Thomas J. Morgan, Comissário de Negócios Indígenas, funcionário exemplar, em 1891 disse: “Existem certas coisas que o Povo dos EUA, deverá sempre recordar. O nosso País nos últimos cem anos gastou uma soma enorme de dinheiro, em Guerras Indígenas. Muitas vidas humanas foram perdidas, muitos Índios foram mortos. A prova que a Nação nos deu nesses conflitos sangrentos, não nos deixa nada orgulhosos. Ao avaliar as dificuldades dos problemas, temos que nos recordar que o elemento que nos deixa mais perplexos, não é o Índio em si, mas sim o Branco. Ele forneceu aos Indígenas as armas, munições e whisky, invadiu os seus acampamentos, roubou-os, violou a santidade da sua tenda e tratou-os com desprezo, levantando em seu coração aqueles sentimentos de desonra, de Humanidade ferida que os empurraram para vingar a sua honra e os absurdos sofridos. Tentemos ser leais com o Índio, protegendo os seus direitos à vida e à sua liberdade. Demos o bem-vindo, com os privilégios que esperam de um Americano livre”.

Guerras Indígenas do NoroesteGuerras Indígenas do Noroeste – As Guerra Indígenas do Noroeste, dos EUA, começaram logo após o fim da Revolução Americana, com a aprovação e incentivo dos caçadores de peles Ingleses. No início, “Little Turtle”, cacique dos Índios “Miamis”, que possuía o comando supremo das forças Indígenas, obteve entre 1790 e 1792, numerosas vitórias contra duas Guarnições Americanas, porém a sua ousadia foi paga quando uma terceira Guarnição de soldados, comandada por Mad Anthony Wayne, entrou em acção. Muitos tratados foram assinados em seguida com uma dúzia de tribos que se viram obrigadas a abandonarem as suas próprias terras. Foi então que o cacique “Tecumseh” dos Índios “Shawnees”, tentou criar uma União com diversos grupos Indígenas. Por quatro anos ele dedicou-se inteiramente a esse objectivo, mas um dia quando estava ausente, o seu
Local no acampamento dos “Tippicanoes” do Wasbah River foi atacado pelas tropas de William Henry Harrisson. O irmão de “Tecumseh”, “Tenskawatawa”, chamado por “Profeta”, tentou resistir até o seu retorno, mas, diante à força superior, bateu em retirada. De ambos os lados, as perdas foram enormes. O “Profeta” deixou naquele acampamento devastado, grande parte do seu prestígio e muitos projectos da “União” de “Tecumseh” foram por um longo período comprometidos.

GunGun – O cowboy chamava “Gun” somente ao seu revólver. As excepções eram: “Shotgun”, para indicar uma espingarda de caça e “Buffalo Gun”, para indicar um tiro de alta velocidade. Hoje “Gun” indica somente a arma com o cano não revestido, internamente liso, como o rifle de caça. O “Gun Killer”, era o jovem que gastava munições pelo puro prazer de atirar e pela alegria de escutar o eco dos disparos.

GunfighterGunfighter – Combatente com revólver. Habitualmente, eram pessoas espertas ao disparar rapidamente com o revólver e que estavam da parte da Lei, como os Rangers do Texas e os xerifes.

* Caricatura: Fred Macêdo
* Edição, revisão e adaptação portuguesa: José Carlos Francisco

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.