TEX de Alfonso Font em grande destaque no Diário As Beiras: 10 de Maio de 2003

Texto do jornal Diário “As Beiras” de 10 de Maio de 2003
João Miguel Lameiras

O Tex de Alfonso Font

O Tex de Alfonso FontPara além das tradicionais edições em pequeno formato, o regresso do catálogo da Editora Bonelli aos quiosques nacionais, pelas mãos da Mythos, permite aos leitores portugueses descobrirem os sempre interessantes “Texones”, edições anuais em formato maior e com uma produção mais cuidada, em que autores de renome tem a sua oportunidade de imprimir a sua marca pessoal ao mais popular cowboy da BD italiana, o ranger Tex Willer, em histórias de longo fôlego, com mais de 200 páginas.

Já por duas vezes objecto de referência nesta secção (ver Diário “As Beiras” de 11/3/1995 e 5/4/1996),  a propósito dos Texones desenhados por José Ortiz e Victor De La Fuente, estas edições especiais de Tex valem sempre a pena, não só pela qualidade da arte e das histórias, mas também porque dão a conhecer uma faceta pouco habitual de autores que construíram toda uma carreira noutras paragens. E mais uma vez, “Os Assassinos”, este último número desenhado por Alfonso Font, não foge à regra.

Quarto espanhol a desenhar o ranger criado por Giovanni Bonelli e Aurelio Galleppinni, depois de Jordi Bernet e dos já citados Ortiz e De La Fuente, Alfonso Font é mais um grande autor do país vizinho, cuja obra não está suficientemente divulgada em Portugal, o que aumenta a importância desta edição da Mythos.
Nascido em Espanha em 1946, Font é um veterano da BD europeia, com uma sólida carreira construída sobretudo em Espanha e França. Uma carreira marcada pela versatilidade e pela eficácia, em que abordou os mais diversos géneros, da ficção centífica em “Clarke e Kubrik”, à aventura romântica em cenários exóticos, na linha de Conrad e Stevenson, no magnífico “John Rohner”; passando pelo policial e espionagem em “Taxi” e “Privado” e pelo romance histórico em “Bri d’Alban”.

Infelizmente, de toda esta vasta produção espalhada por revista como a “Cimoc”, “Circus”, “Pif- Gadget”, “Rambla” e “1984”, apenas chegaram a Portugal alguns episódios de “Taxi” e de “Histórias Negras”, publicados nas “Selecções BD” e o primeiro volume da série “Alise e os Argonautas”, uma transposição para um registo de ficção científica da lenda dos Argonautas, escrita por Patrick Cothias, e que a Meribérica, como aconteceu com muitas outras séries do seu catálogo, deixou incompleta.

Os AssassinosEste “Os Assassinos”, significa um regresso às origens por parte de Alfonso Font, que começou a sua carreira desenhando histórias de cowboys para a revista “Hazanas del Oeste” e que depois deste “Texone” se tornaria, tal como já tinha sucedido antes com Victor de la Fuente e José Ortiz, um dos desenhadores regulares das aventuras do popular ranger. Mas falemos da história  em si, em que o argumentista Mauro Boselli substitui (quanto a mim, com vantagens) Claudio Nizzi, o argumentista normalmente responsável por estas edições especiais do ranger Tex, conseguindo prender o leitor ao longo das mais de 200 páginas de uma complexa história de vingança, que em alguns momentos (como a cena que escolhi para ilustrar este texto) me trouxe à memória “Aconteceu no Oeste” o filme clássico de Sérgio Leone, o mestre do “Western spaguetti”, que é uma referência recorrente na série.

Arte de Alfonso FontOutro aspecto interessante no trabalho de Boselli, muito bem servido pelo dinamismo e eficácias habituais de Font, é o facto de evitar maniqueísmos excessivos no tratamento dos personagens, com destaque para o vingador Mitch, ou para a “femme fatalle” Lisa,  que se revelaram bastante mais interessantes do que o próprio Tex e os seus habituais companheiros de aventura.

Tendo em conta o preço bastante acessível e a quantidade de extras (entrevista com Alfonso Font e um interessante texto de enquadramento histórico de Renato Genovese), aliados à qualidade da história, esta é uma edição a não perder, até porque tem o interesse suplementar de permitir conhecer um pouco melhor o imenso talento de Alfonso Font.

(“Tex Gigante nº 7: Os Assassinos”, de Mauro Boselli e Alfonso Font, Mythos Editora, 242 pags, 4,50 €)

Copyright: © 2003 Diário “As Beiras”; João Miguel Lameiras
(Para aproveitar a extensão completa da imagens acima, clique nas mesmas)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *