JORGE MAGALHÃES e a sua ANÁLISE à revista nº 2 do Clube Tex Portugal


Por Jorge Magalhães [1]

MAIS UM NÚMERO DA REVISTA DO CLUBE TEX PORTUGAL DISTRIBUÍDO AOS SEUS SÓCIOS

Já foi distribuída aos sócios a revista do Clube Tex Portugal na sua 2ª edição, que revela um acentuado progresso, mantendo o mesmo aliciante aspecto gráfico e apresentando-se agora com mais páginas (de 32 passou a 48) e com um “suculento” sumário, em que se destaca a homenagem aos 30 anos de carreira do consagrado autor Fabio Civitelli, dedicados quase inteiramente ao maior personagem da BD italiana e do western europeu: Tex Willer, o famoso ranger do Texas.

Tema de um excelente prólogo e de uma exaustiva bibliografia crítica, trabalho assinado por Mário João Marques, que abrange doze páginas deste número, Civitelli já esteve presente em cinco festivais realizados em diferentes cidades portugueses (entre 2007 e 2012), e a sua simplicidade, bom-humor e simpatia ficaram na memória dos inúmeros admiradores que acorreram a esses eventos. Mas, a par da simpatia, Civitelli também é apreciado pelo seu enorme talento, pela perfeição estética e a inovação técnica, bem patentes no estilo elegante, dinâmico e meticuloso até aos mínimos detalhes, com que recria as figuras de Tex e dos seus pards e os míticos cenários do Oeste americano.

Convidado a colaborar na revista do Clube Tex Portugal, com documentação referente à sua longa e prestigiosa carreira, Civitelli chegou mesmo a enviar duas ilustrações inéditas para a capa, ambas tão sugestivas que a direcção da revista não hesitou em aproveitá-las para a edição normal e para uma edição alternativa (esta com a capa impressa num fundo preto e branco), que está também à disposição dos sócios do Clube, podendo estes ficar gratuitamente com uma delas, pagando 10 euros pela outra.

Do variado sumário deste número, destacam-se ainda os artigos de um numeroso e valioso grupo de colaboradores (que tende, aliás, a aumentar): Júlio Schneider, Pedro Cleto, Sérgio Sousa, Carlos Gonçalves, Rui Cunha, António Lança-Guerreiro, Jorge Machado-Dias, Jorge Magalhães, José Carlos Francisco, além de dois “estreantes” italianos: Moreno Burattini e Italo Marucci. Mas talvez a parte mais “sumarenta”, a par das excelentes ilustrações de Fabio Civitelli, sejam os trabalhos inéditos de outros três notáveis artistas italianos: Corrado Mastantuono, Lúcio Filippucci e Andrea Venturi (autor, recorde-se, da capa do 1º número), que acederam também prontamente ao convite para participar nesta edição.

Infelizmente, no artigo dedicado a mestre Vítor Péon, o nosso autor de BD que criou mais westerns, com verdadeira paixão pelo género, algumas imagens — páginas completas, com a profusão de detalhes, a variedade de planos e a acção cinética que caracterizam o seu estilo — foram demasiado reduzidas. Geralmente, na maioria dos blogues podemos, com um toque do “rato”, ampliar as imagens, o que é impossível numa revista impressa. Só com uma lupa… Esperemos que erros como esse sejam corrigidos nos próximos números.

Pelos ecos já chegados à redacção, esta revista — cuja periodicidade deu também um grande salto, passando de anual a semestral — continua a fazer, com êxito, o seu percurso entre a comunidade de sócios do Clube Tex Portugal espalhada pelo mundo, mas também junto de muitos autores texianos e da própria SBE (Sergio Bonelli Editore), e tem sido um dos principais factores de divulgação, não só do nome e dos projectos do Clube, como do devotado afecto que os leitores portugueses nutrem, ainda hoje, pelo carismático herói do Oeste americano criado em 1948 por Gianluigi Bonelli e Aurelio Galleppini.

Parabéns ao Clube Tex Portugal pelo seu dinamismo e por esta magnífica revista, dirigida por Mário João Marques e coordenada por José Carlos Francisco.


[1]Texto de Jorge Magalhães apresentado no blogue “O gato alfarrabista” em 13/08/2015;
Copyright: © 2015, Jorge Magalhães

(Para aproveitar a extensão completa das fotografias acima, clique nas mesmas)

2 Comentários

  1. Muito obrigado pela publicidade ao Gato Alfarrabista e pela divulgação do post dedicado à revista do Clube Tex Portugal. Com esse texto quis homenagear, mais uma vez, o trabalho de uma dedicada equipa que já está a fazer história nos anais da bibliografia texiana, com uma revista que deu um grande salto do 1º para o 2º número e promete continuar a superar-se e a encantar todos os leitores e sócios do Clube.
    Renovo aqui os meus parabéns aos seus colaboradores, mas muito especialmente ao seu director e ao seu coordenador, que têm dado provas de grande profissionalismo e “amor à arte”, fazendo desta experiência um marco na vida ainda breve do Clube Tex Portugal, mas também no panorama da própria BD portuguesa, que tão carecida anda de revistas de qualidade.
    Chamo a atenção, amigo Zeca, para um pormenor do artigo, pois fiz, depois de o editar, uma pequena emenda que lhe deve ter passado despercebida: onde se lê, no 3º parágrafo, 4ª linha, (esta com a capa impressa a preto e branco), deve ficar: (esta com a capa impressa num fundo preto e branco)… para não confundir os leitores, pois a referida capa também tem cor.
    Um grande abraço para todos os pards, com muita amizade.
    JM

    • Obrigado pelo alerta, prezado Pard e Amigo Jorge Magalhães, já corrigi o texto e aproveito para parabenizá-lo também pelo seu artigo na nossa revista, aguardando com ansiedade pela 2ª parte 😉

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.