ESTATÍSTICAS BONELLIANAS – BOSELLI XVIII

Por Saverio Ceri

BONELLI 2021: BOSELLI XVIII

Aqui estamos com a segunda parte dos números bonellianos de 2021, onde descobriremos quem escreveu, página por página, as 19.661,67 páginas inéditas de banda desenhada produzidas pela Bonelli nestes últimos doze meses.

Mauro Boselli apresenta a sua mais recente aventura texiana; 440 páginas entre o gelo do Ártico

Para os escritores este 2021 foi quase um ano de primazia. Não osbante a queda no número de páginas inéditas publicadas pela Sergio Bonelli Editore, cerca de 20% comparativamente ao recorde de 2019,  regista-se nos últimos 12 meses um número de escritores envolvidos muito elevado. 81 foram os argumentistas que se alternaram nos textos dos álbuns bonellianos nos últimos doze meses. Trata-se do segundo melhor resultado de sempre nos 80 anos de história da editora italiana. Os argumentistas que tiveram a sua primeira experiência bonelliana foram 10, dois a mais comparativamente a 2020. Na tabela abaixo aparecem assinalados como estreantes, mesmo que muitos deles já tenham uma carreira no campo da banda desenhada e não só. Na classificação que se segue encontram-se todos os 81 escritores de 2021, elencados pelo número de páginas inéditas publicadas; descobrirão em quais personagens colaboraram e se o resultado dos últimos doze meses é o seu Personal Best (PB verde se superado, PB amarelo se igualado), ou então se, como escrevemos anteriormente são Estreantes na Sergio Bonelli Editore (E). Os números decimais que se vêem são filhos de histórias escritas a mais mãos o do facto que este ano os Bonelli Kids aparecem em Martin Mystère ao ritmo de uma tira por número (ou seja 0,33% de uma página).
.
.
O pódio 
Desde que existe esta rubrica nas páginas virtuais de Dime Web, temos sempre comentado a vitória de Mauro Boselli como escritor mais prolífico do ano bonelliano e este ano… não é excepção. Mais uma vez, pelo décimo primeiro ano consecutivo, o décimo oitavo na carreira, festejamos o “scudetto” de Mauro Boselli. Trata-se igualmente do seu 18° pódio consecutivo, 24° no geral. Mauro além das dezoito medalhas de ouro virtuais, pode ainda orgulhar-se de cinco de prata e uma de bronze conquistadas nos seus 35 anos de carreira bonelliana como escritor.
Na segunda posição, pelo segundo ano consecutivo, Pasquale Ruju, principal colaborador de Boselli em Tex, que comparece no pódio pela sétima vez na sua carreira. O seu palmarés bonelliano é composto por uma medalha de ouro conquistada em 2010, quatro de prata e duas de bronze, de 1995, ano da sua estreia, até hoje.
A completar o pódio um outro argumentista que escreveu em 2021 para a série de Águia da Noite: Jacopo Rauch. O principal colaborador de Burattini em Zagor, graças a um ano recorde de quase mil páginas publicadas consegue conquistar pela primeira vez a virtual medalha de bronze bonelliana dos escritores mais produtivos do ano.
.

Jacopo Rauch, aqui retratado por Gianni Sedioli, com 978 páginas anuais estabelece o seu recorde de páginas publicadas nos volumes bonellianos

O Top Ten
Entram na classificação dos primeiros dez escritores mais publicados do ano o próprio Rauch e Zamberletti, façanha que apenas por uma vez tinham conseguido, ambos em 2018. Reentram Manfredi, após um ano de ausência, e Medda que não atingia patamares tão elevados desde 2015. Saem do Top Ten, Chiaverotti e Mignacco respectivamente após cinco e três anos de ininterrupta presença, assim como Perniola e Recchioni; deste último em 2021 não foi publicada sequer nenhuma página.
Sempre falando do Top Ten, Boselli está presente pela 29ª vez, e ininterruptamente há 28 anos; Berardi está na sua 27ª presença das quais as últimas 7 consecutivas; Burattini alcança o Top Ten pela 26ª vez das quais três consecutivas; Manfredi conquista o Top Ten pela 21ª vez; Ruju é presença fixa desde há 8 anos atingindo o Top Ten pela 17ª vez na sua carreira; Medda chega aos dez primeiros pela 9ª vez, Enoch pela 7ª, e Vigna pela 6ª.
.

Giancarlo Berardi, um habituè do Top Ten bonelliano

Os veteranos
Entre os escritores publicados neste 2021 o veterano continua a ser Alfredo Castelli, que atingiu o seu 50° ano bonelliano, seguem-no Giancarlo Berardi que escreve em volumes da SBE desde há 44 anos e Maurizio Mantero, que estreou um par de anos depois, pelo que o lemos em aventuras bonellianas há 42 anos; Tiziano Sclavi, por sua vez atingiu o 41º ano. Festeja com o retorno do seu Nick Raider, também Claudio Nizzi, que colabora com a editora italiana há exactamente 40 anos.
Depois do já citado Castelli, no seu 45º ano consecutivo de publicação, destacamos que Mignacco  vem sendo publicado consecutivamente há 35 anos, seguido de Vigna (34 anos), Chiaverotti (33), Boselli (30), Burattini (29), Berardi (28), Ruju (27), Vietti (26), Enoch (25), Barbato e Mantero (24), Faraci (21), Calza, Cajelli e Recagno (20).
.

Os veteranos Alfredo Castelli e Claudio Nizzi, neste 2021 festejaram respectivamente 50 e 40 anos na Bonelli

Série por série
Prosseguimos com a lista dos escritores mais publicados em cada série, pelo menos daqueles com 300 páginas publicadas no ano que está a terminar. Divulgamos de seguida uma tabela classificativa, com o número de páginas publicadas, e o número de vitórias anuais relativamente à série em questão.
.
.
Para Il Commissario Ricciardi que este ano regista o recorde de páginas publicadas desde o seu lançamento na editora Bonelli, a prevalecer são ex-aequo, a dupla Falco e Terracciano; ambos em 2021 escreveram o roteiro de um volume de livraria e uma história de 48 páginas na revista para os quiosques. Para o primeiro, actualmente o escritor mais activo com o personagem, trata-se do quarto título; Terracciano por sua vez “vence” pela segunda vez, após ter-se já imposto em 2018.
Em Dampyr, é mais uma vez Boselli, co-criador do personagem, a ter o estatuto de mais publicado. Graças ao número recorde de escritores empenhados na série num único ano – exactos onze – Boselli conquista o seu 21º título com o menor número de páginas na história de Dampyr.
Dragonero: Enoch, pelo terceiro ano consecutivo é o escritor mais publicado na série que criou com Vietti, e quase consegue colmatar a diferença que o separava do colega.  Neste momento são apenas onze, as páginas que separam Vietti de Enoch no ranking dos escritores mais produtivos do personagem.
.

Luca Enoch e Stefano Vietti co-criadores de Dragonero neste momento escreveram respectivamente 6.099 e 6.110 páginas do personagem. Apenas onze páginas os separam

Paola Barbato com o sucesso deste ano, o quinto na carreira, reforça o seu terceiro lugar na classificação dos escritores de Dylan Dog de todos os tempos. Agora ela precede Chiaverotti em mais de mil páginas, ma deve publicar pelo menos outras 1.500 páginas se quiser ocupar o segundo posto de Ruju.
Como sempre certa a vitória de Berardi em Júlia, dado que assina a quatro mãos todos os argumentos da série.
Menos óbvia a afirmação de Castelli em Martin Mystère. Para o BVZA, que não era tão produtivo desde 2016, trata-se apenas do quarto título de série nos últimos 16 anos, depois de ter prevalecido por 23 vezes nos 24 anos precedentes.

Inevitável a vitória de Chiaverotti em Morgan Lost sendo o único escritor da série.
Segunda vitória consecutiva para Vigna, cada vez mais leader na classificação dos escritores mais prolíficos de Nathan Never: Agora precede Vietti em mais de 2.000 páginas.

Rigamonti encerra a experiência com Odessa tornando-se pelo terceiro ano  o escritor mais publicado.
Em Tex, terceira “vitória” consecutiva para Boselli que reforça o terceiro lugar na histórica classificação dos escritores do Ranger. Os primeiros dois, Nizzi e G.L. Bonelli, distam ainda oito mil páginas.
Pela segunda vez Rauch destrona Burattini do degrau mais alto do pódio de Zagor, e reforça com o resultado de 2021, o seu quinto posto na classificação dos escritores mais produtivos do Espírito da Machadinha. 

Paola Barbato, a mais produtiva escritora anual de Dylan Dog, é publicada ininterruptamente há 24 anos em volumes bonellianos

Os Anos Vinte
Assim como para os personagens vamos abordar a classificação da década. Estamos na segunda das dez etapas que nos dirão quais serão os escritores mais publicados dos Anos Vinte do Século XXI. Este é por agora o Top Ten do ranking que deriva da soma dos anos 2020 e 2021.

Obviamente domina Mauro Boselli, seguido a mais de 1300 páginas de distância de Pasquale Ruju. Na luta pela medalha de bronze virtual, prevalece, de momento, Moreno Burattini.

 All-Time

Na classificação histórica (ou seja de Janeiro de 1941 até hoje), destacamos que graças às páginas deste ano Ruju alcança o 11° posto ultrapassando Vietti; Medda e Vigna superam Sclavi e alcançam respectivamente o 14° e o 15° posto. Dupla ultrapassagem para Enoch que alcança o 20° lugar ultrapassando Antonio Serra e Mantero.
Ano recorde também para Manfredi e Berardi que ultrapassam a marca das 25.000 páginas publicadas em volumes bonellianos.
.
Por hoje é tudo. Se você perdeu, convidamo-lo a ler a primeira parte dedicada às fantasmagóricas cifras bonellianas de 2021, e  voltaremos a encontrar-nos em breve com todos os números dos desenhadores bonellianos e com os dados referentes aos capistas, coloristas e álbuns especiais de 2021.
Saverio Ceri

Material apresentado no blogue Dime Web em 26/12/2021; Tradução e adaptação (com a devida autorização): José Carlos Francisco.
Copyright: © 2021, Saverio Ceri

2 Comentários

  1. Que máximo saber da história dos profissionais envolvidos nas produções Bonellianas.
    Eu amo saber sobre os bastidores das editoras.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *