As Leituras do Pedro: J. Kendall – Aventuras de uma Criminóloga #100 – Um corpo que cai

As Leituras do Pedro*

J. Kendall – Aventuras de uma criminóloga #100Um corpo que cai
Giancarlo Berardi e Lorenzo Calza
(argumento)
Giorgio Trevisan
(desenho)
Mythos Editora
(Brasil, Março de 2013)
135 x 178 mm, 132 p., pb, brochado, mensal
R$ 9,90 / 4,50 €

Qualquer revista de banda desenhada (o que me ocupa agora, enquanto autor deste texto) que atinja o número 100 (o #200, #500, #1000, 10 anos…) deveria ter/ser uma festa.

Pelo percurso feito, pela empatia com os leitores que isso representa, pelo acto de resistência que nos nossos dias constitui continuar a editar BD em papel nos quiosques e bancas. E, no caso de J. Kendall, pela inegável qualidade da série o que, no entanto (compreensivelmente?) não faz dela um sucesso de público…

Por razões que a editora explicou em devido tempo (aquando da distribuição no Brasil) – que uns aceitarão e outros não – a centésima investigação de Julia Kendall ficou em parte privada desse tom festivo pela não inclusão da cor – quebrando a tradição Bonelli e frustrando a expectativa de muitos leitores.

Pessoalmente até a dispenso. Porque a cor Bonelli não é geralmente das mais conseguidas – embora no caso de Julia #100, surja bem mais interessante do que é habitual (como pode ser comprovado aqui). E, principalmente, porque esta banda desenhada, parece-me, foi pensada a preto e branco e é assim que o traço de Trevisan, apesar de algumas oscilações, é mais valorizado… mas também entenderei aqueles que queriam a cor para marcar a diferença para as edições normais e como sinónimo da tal festa que o acontecimento merecia.

Seja como for, o fundamental será que esse carácter festivo não abafe o fundamental, ou seja, no caso presente, mais uma investigação de Julia Kendall, a criminóloga de Garden City, no fundo aquilo que todos nós procuramos mensalmente nas edições de J. Kendall.

Curiosamente – ou talvez não – o caso presente decorre maioritariamente num local (que já foi mais) festivo, o circo, o que serve para evocar memórias em Julia (e em muitos dos leitores?) nem todas agradáveis, mas consequentes na consolidação do universo que Beradi tem vindo a construir para ela, coerentemente, edição após edição.

Com um ponto de partida invulgar – um pedido de investigação recusado por Julia, o que terá consequências funestas… – não sendo, possivelmente, dos relatos mais conseguidos da série, apresenta, no entanto, a habitual construção com narrativas em paralelo, personagens conseguidas e um final que ao mesmo tempo surpreende e toca, pela forma que evoca as coincidências extraordinárias que por vezes surgem na(s) vida(s).

*Pedro Cleto, Porto, Portugal, 1964; engenheiro químico de formação, leitor, crítico, divulgador (também no Jornal de Notícias), coleccionador (de figuras) de BD por vocação e também autor do blogue As Leituras do Pedro.

(Para aproveitar a extensão completa das imagens acima, clique nas mesmas)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.