O Alfabeto do Velho Oeste – Letra Q

Wilson Vieira:

Desenhador e Argumentista Brasileiro de Banda Desenhada, com mais de 36 anos de experiência, dos quais 7 deles (1973/80), participando como colaborador do estúdio Staff di IF em Génova/Itália, ilustrando também alguns episódios de Il Piccolo Ranger para a Sergio Bonelli Editore, Diabolik, Tarzan e o Homem-Aranha (Octopus desafia o Homem-Aranha). É também o autor da saga Nordestina: Cangaceiros – Homens de Couro e da série western – Gringo, assim como autor de vários outros roteiros. E escreve, escreve…

 

É também autor do seguinte blogue na Internet:
http://brawvhqs.blogspot.com/

Caros Leitores Geograficamente falando, como sabem o território dos Estados Unidos da América pode ser dividido em três zonas:
1 O Leste, ou seja, a faixa costeira Atlântica delimitada a ocidente pelas cadeias montanhosas de Allegheny e Apalaches.
2 O Oeste, ou seja, o planalto central ocupado inteiramente pela bacia hidrográfica do Mississipi-Missouri e caracterizado, principalmente em sua parte ocidental, pela imensa vastidão de planícies.
3 E o Far West, ou seja, a região que compreende as Montanhas Rochosas e suas vertentes ocidentais que deslizam para o Oceano Pacífico. Tais configurações geográficas são importantes, para compreendermos bem o desenvolvimento histórico da colonização da América do Norte; a faixa costeira Atlântica foi logicamente a primeira a ser dominada pelos Europeus e por ela surgiram os primeiros vilarejos e as primeiras cidades (1600 e 1700), depois, (início de 1800), o grande planalto central foi, não só atravessado, como colonizado, enquanto que os pioneiros erroneamente o consideraram inapto para a cultivação e preferiram seguir para o Far West, ou seja, o Oregon e a Califórnia. Na segunda metade do século, finalmente também foi retomado o imenso planalto, deixado por tanto tempo antes aos índios e bisontes, transformando-se em objectivo de emigrantes, que lá se estabeleceram e colonizaram. Isso deverá ser recordado, para estabelecer dois conceitos, geralmente confusos. 1 Aquele de “fronteira”. 2 Aquele de “conquista” do West. De facto, desde que núcleos de colonizadores ingleses estabeleceram-se na Virgínia em 1620, a vida dura de fronteira, foi para os predecessores brancos uma realidade quotidiana, com todos os percalços e perigos que ela representava; principalmente a hostilidade natural dos índios nativos diante dos cruéis invasores. Ao contrário, com a expressão “conquista” do West, entende-se somente aquele movimento de massa humana, que teve início nos primeiros anos de 1800 e avançou além das fronteiras, pelas cadeias de montanhas, até o vale do Mississipi e depois, foi até à costa do Pacífico; nesse sentido a “conquista” do West não é mais que, o último período da história da fronteira americana. Sendo assim, para esmiuçar o passado americano, que tanto nos fascina, apresento com imensa satisfação O ALFABETO DO VELHO OESTE propondo esse database western básico, narrado a verbetes, em ordem alfabética, os pormenores sobre tal época. Projecto online penso, pioneiro tanto em Portugal, quanto no Brasil, estimulado a publicá-lo, através do amigo entusiasta José Carlos Francisco (Zeca), o qual me ofereceu generosamente o espaço, neste já renomado Blogue e aceitei. Será um trabalho longo e árduo admito, porém prazeroso, onde a cada letra específica, o amigo leitor encontrará uma variedade de descrições relativas a ela, num período onde homens, mulheres, animais, geografia e clima, entrelaçavam-se na batalha árdua do quotidiano em busca da sonhada sobrevivência o Velho Oeste. Espero que aprovem o conteúdo sugerido e me acompanhem, nessa aventura extraordinária, agora com a letra…

Q

Quannah Parker – Cacique dos Comanches “Quahadi”, que em 1874, chefiou o ataque a Adobe Walls. Em 19 de Maio de 1836, os Comanches atacaram a casa fortificada da família de Benjamin Parker, no vale superior do Nevasota River, Texas, Após terem matado os homens que estavam ali e terem incendiado a casa, levaram embora, como prisioneiros, cinco mulheres e crianças, entre os quais a filha (9 anos) de Parker, Cynthia Anne Parker, que depois com a idade de 15 anos esposou o cacique dos Comanches “Peta Nacona”, tendo dois filhos, um dos quais foi “Quannah”, nascido em 1844. Em 1858, durante a batalha de Antelope Hills, entre os Comanches e Texanos, Cynthia Anne Parker foi avistada, mas não demonstrou nenhuma intenção de refugiar-se entre os Americanos e fugiu com os Comanches. Em 1860 o Capitão Lawrence Sullivan Ross, do “Texas Rangers”, atacou, com 40 Texas Rangers e 20 soldados da Cavalaria, um acampamento Comanche ao sul do Pease River. Durante o ataque foi morto o cacique Peta Nacona, seus dois filhos, dos quais um era “Quannah”, conseguiram escapar, mas Cynthia Anne foi feita prisioneira. Ela recusou-se a falar a língua Inglesa, e foi levada diante ao seu tio Isaac Parker, na pradaria Grapevine e que depois tentou várias vezes escapar. Em 1861 a autoridade do Texas, presenteou-a com terras e concedeu-lhe uma pensão. Veio a falecer em 1864, de melancolia e em 1909 o Congresso dos EUA destinou a soma de $ 1.000 dólares para um monumento em sua honra. Quannah Parker tornou-se cacique dos Comanches Quahadi pouco antes da segunda batalha perto a Adobe Walls, em 1874, demonstrando rapidamente ser um Cacique sábio e moderado de sua tribo e transformou-se numa espécie de Conselheiro Superior das Tribos Comanches Reunidas. Os cowboys Texanos daquele tempo elogiavam sua honradez. Após a batalha perto de Adobe Walls, no Verão de 1874, a Armada do coronel Ronald McKanzie perseguiu os Comanches e deteu-os em 27 de Setembro no Canyon Palo Alto. Durante o ataque os soldados mataram 1.048 dos 1.424 cavalos capturados. Os Comanches, a pé e sem ajuda, conseguiram escapar, mas, sem os seus animais, não tiveram mais a possibilidade de sobrevivência. Extremados pela fome e sede, renderam-se no Verão de 1875, em Fort Sill, Oklahoma. Foram conduzidos a uma Reserva, e lentamente extinguiram-se.

Quantrill – William Clark. Famigerado chefe de guerrilha, cujo nome tornou-se famoso bem além das fronteiras da sua região e em torno de sua figura surgiram muitas histórias e lendas. Nascido em 31 de Julho de 1837 em Canal Dover, Ohio, morreu em 6 de Junho de 1865. Era professor e ministrava numa escola de Paola, Kansas. Não possuía nada de notável; era de corporatura mediana, frágil até, olhos celestes, cabelos loiro-escuro e um rosto inexpressivo com lineamentos quase femininos. Certo dia seu irmão menor foi morto pelos Republicanos. Era um jovem, bom companheiro, que não possuía ambições políticas e que desejava somente viver em paz. Quando William Clark Quantrill ficou sabendo desse homicídio, abandonou o ensinamento e jurou vingar a morte de seu irmão. Selou um cavalo, abandonou o Kansas e surgiu em Missouri, reunindo lá uma quadrilha que participou em cada acção contra os Republicanos. Deixando atrás de si uma trilha de sangue, assumindo a denominação de “Killer”, cujo bando estava entre os mais temidos, tornando inseguras as florestas da fronteira. Quando explodiu a Guerra Civil Americana e o Kansas colocou-se ao lado da União, os Estados das fronteiras do Missouri e Kentuck encontraram-se no meio de dois fogos. Enquanto o Kentuck, após um breve período, uniu-se à União, o Missouri (como antes tinha acontecido ao Kansas), dividiu-se em dois Partidos: Esclavagistas e Antiesclavagistas. Nesse período com seus facínoras, o professor William C. Quantrill tornava-se uma das maiores quadrilhas de guerrilheiros, tristemente conhecida por seus ataques e massacres. Quantrill gozava entre os demais chefes de bandos guerrilheiros, de tal prestígio que muitos tentavam alianças com ele. Paulatinamente uniram-se a ele; Jesse James com seus irmãos, William Grecc, Bloody Bill Anderson, David Pool e Little Archie Clement, todos com suas quadrilhas. Em 1862 apresentou-se um desconhecido chamado George Todd e cuja família tinha sido expulsa de Kansas City. Todd tinha jurado vingança e tinha já feito vários ataques sangrentos. Ele tornar-se-ia o segundo Comandante do bando de Quantrill. Os Estados em guerra estavam conscientes que as batalhas da fronteira entre o Missouri e o Kansas, tornavam-se inseguras as estradas de abastecimentos e obstaculizava o envio de reforços. Por isso os dois Governos tomaram, oficialmente sob suas protecções os bandos operantes cada qual de sua parte; oferecendo-lhes armas e munições. Ofereciam também de vez em quando algumas missões secretas. Em Missouri, o general dos Estados Meridionais, Samuel D. Lucas fundou a “Milícia do Missouri”. Essa teve o encargo em defender os Fortes mais importantes e as estradas de comunicação onde, as tropas da União que estavam avançando. Quantrill foi reconhecido oficialmente pelo Governo dos Estados Meridionais, como guerrilheiro. O general Shelby deu-lhe o encargo de “operar” pela Linha Férrea de Hannibal a St. Joseph. Naquela região então não ficou uma casa intacta, durante a sua passagem. Seguindo o exemplo de Quantrill, o médico Charles R. Jennison, em Kansas, reuniu um bando de guerrilheiros, dos Estados Meridionais. Recrutou veteranos, espertos em batalhas contra os Índios, fundando a Corporação dos “Pernas Vermelhas” (assim chamada por suas calças de couro, tingidas em vermelho). Aquilo que Quantrill fizera com o seu bando em regiões do Kansas, fez depois Jennison do outro lado da fronteira; destruindo cidades. Por encargo do general da União, Blunt, e dele assistido, Jennison, como Quantrill do outro lado, praticava a táctica da “Terra Queimada”. Ambas as partes, empenharam-se também em acções contra os Índios, que eram particularmente ferozes, contra os brancos. Em 8 de Setembro de 1861, os coronéis dos Estados Meridionais; Livingston e Matthews, juntamente com os bandos de “Cherokee” e “Osage”, atacaram a Colónia Humboldt, no Kansas, queimando todas as casas. A vingança não tardou; Jim Lane, que mais tarde tornar-se-ia Senador, destruiu com um grupo de “Seminoles”, Osceola no Missouri. Os “Seminoles” eram Esclavagistas. Em torno ao seu acampamento, perto de Neosho Falls, no Kansas, tinham constituído um verdadeiro vilarejo de escravos. Pouco após a agressão a Osceola, os “Seminoles” foram enquadrados oficialmente, como Repartição Especial, na Armada da União. Antes, porém, os Estados Meridionais, comandados pelo coronel Talbot, atacaram novamente a Colónia fundada pelo Alemão Humboldt, que compunha na ocasião de 200 pessoas, sendo mais da metade assassinada. Entanto Quantrill continuava a sua ascensão. Mas, a sorte não estava sempre ao seu lado. Em 22 de Fevereiro de 1862, recebeu ordens de atacar Independence e capturar ou destruir armamentos lá guardados. Quando diante de 60 homens entrou a cavalo na cidade, estava esperando-o o general Unionista Charles Doubleday e teve que se retirar com grandes perdas. Em 11 de Agosto de 1862, Quantrill juntamente com o coronel F. Hughes e 200 guerrilheiros, atacou novamente a cidade. A batalha durou duas horas e dessa vez os soldados da União, guiados pelo capitão Buel, sofreram grandes perdas e retiraram-se. Quantrill ocupou a cidade por algumas horas, saqueando-a. Mas, já anoitecendo, foram atacados por tropas dos Estados do Norte, comandados pelo coronel Burroughs, de Leavenworth e após uma curta batalha, foi obrigado a retirar-se. As tropas dos Estados do Norte ajustaram os seus canhões, mantendo dominado as vias de acesso. Quantrill então dissolveu o seu contrato oral com o Governo e começou a trabalhar por conta própria. Sem descanso atacava Colónias e fazendas; sua quadrilha aterrorizava as populações e controlava as estradas de comunicações. O prémio era o saque. O bando saqueava, roubava, matava, não poupando ninguém. William Clark Quantrill proclamou, pela primeira vez na História da Humanidade, a guerra total. Em contrapartida, os assim chamados “Jayhawkers”, reagiram com a mesma brutalidade e ferocidade. Comandados pelo médico Charles R. Jennison e o pastor Batista James Montgomery, os “Jayawkers” guerreavam contra Quantrill e o seu bando. Foi uma guerra sangrenta e feroz; olho por olho, dente por dente. O chefe dos “Jayhawkers”, capitão William Sloan Tough, era especialista em perseguição e lutas contra guerrilheiros. Ele perseguia os seus rastos, e pegava-os nos seus esconderijos. Quem caia nas suas mãos era trucidado. O prisioneiro tinha as suas orelhas cheias com pólvora e incendiadas. Nas florestas encontravam-se cadáveres com as cabeças estouradas. Em 1863 o general Blunt nominou esse capitão, chefe de uma Repartição Especial de exploradores “Scouts”, doando-lhe um salário mensal de $250 dólares. No Verão de 1863 Quantrill reuniu os seus homens em Bates Country. Quando o bando estava completo, atacou Lawrence no Kansas. Com 450 homens atacou a cidade em 23 de Agosto e destruiu-a à bala e fogo. Durante esse ataque morreram 153 habitantes, entre os quais muitas crianças. As mulheres, não eram executadas. Quantrill retirou-se no dia seguinte. Casas queimadas estavam na estrada de retorno. Depois disso, continuou a sua destruição. Em 3 de Outubro de 1863 queimou Baxters Spring. O redactor do jornal “True Republican Sentencial”, Charles Monroe Chase, descreveu como testemunha ocular esse massacre como o pior Inferno de toda as guerrilhas. A cidade, que tinha sido fundada em 1854, foi incendiada em diversos pontos, enquanto os bandidos disparavam em tudo o que se movesse. Depois, chegaram novamente os “Jayhawkers”. O céu de Missouri tingiu-se em vermelho. O fulgor do fogo das cidades incendiadas era visível por grandes distâncias. Os ataques eram rápidos, como a retirada de seus agressores. Eles deixavam atrás de si uma faixa de terra queimada larga 10 milhas. Kansas City, que naquele tempo era a cidade de maior desenvolvimento no Missouri, sucumbiu alternadamente às violências dos dois bandos. Juntamente a St. Louis, ela constituía o maior centro comercial do Oeste; com o comércio em alta. Os “Jayhawkers” acusavam os cidadãos de colaborarem com a Escravidão e assaltavam-nos. Os homens de Quantrill acusavam os mesmos cidadãos de serem Antiesclavagistas e roubavam o que sobrava dos “Jayawkers”, ou então destruíam o quanto tinha sido já reconstruído. Isso aconteceu inúmeras vezes, durante a Guerra Civil. Com essas acções Kansas City perdeu a sua importância para a cidade de Leavenworth. Após o Norte ter vencido a guerra, o chefe dos “Jayhawkers”, Charles R. Jennison recebeu inúmeras honrarias. Tornando-se um homem estimado e influente. E a sua Corporação dava uma incessante perseguição aos guerrilheiros que se dispersaram. O bando de Quantrill dividiu-se em pequenos bandos, que continuavam a saquear, cada um por si. Por anos eles foram perseguidos pelo Exército e escapavam em várias direcções. William Clark Quantrill encontrou refúgio com o seu amigo James H. Wakefield, que habitava numa casa isolada em Salt River, Kentuck. Queria repousar e sucessivamente formar uma nova quadrilha. Mas, o “Jayhawker” Edwin Terril, ficou sabendo do tal refúgio. Com 30 homens circundou a casa, na qual Quantrill estava com os seus antigos companheiros e estudavam novos planos. O grupo foi então exterminado e Quantrill, gravemente ferido, foi transportado ao hospital da cadeia militar de Louisville, onde morreu. Os irmãos Jesse e Frank James, estavam ao seu lado, no seu leito de morte.

Quick stop – Parada Imprevista. Esse termo era usado pelo cowboy quando imprevistamente pára o seu cavalo em pleno galope, obrigando-o a “aterrar” firmemente a terra as suas patas posteriores. Esse movimento era indispensável, na captura de animais, logo após um lançamento certeiro do laço. O cavalo treinado preparava-se a esse movimento, quando o cavaleiro levantava seu braço, para o lançamento do laço. Quando o animal perseguido era capturado, o cavalo aterrava as suas patas posteriores, contra o terreno, facilitando assim o “amarrar” do laço. O animal era firmemente parado na sua corrida e caía por terra.

* Caricatura: Fred Macêdo
* Edição, revisão e adaptação portuguesa: José Carlos Francisco

4 Comentários

  1. E cá está o grande Wilson novamente com seu competente trabalho.
    O que dizer? Novamente PARABÉNS, e novamente MUITO OBRIGADO por compartilhar conosco esse maravilhoso alfabeto.
    FANTÁSTICO !!!!
    Grande abraço.

  2. Obrigado caro Ezequiel e todos que nos acompanham, pelas trilhas do legendário e misterioso Velho Oeste! Aguarde a letra R, agora em Dezembro, pois terá um ótimo conteúdo.

    Gde abção.
    Wilson

  3. Nós é que te agradecemos, caro Wilson Vieira. E obrigado pelo aviso, não perderei a letra “R”. Apesar que TODAS as letras tem um conteúdo ótimo. Ou melhor, EXCELENTE. E logo chegaremos a uma letra interessantíssima: “T”……

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.