O Alfabeto do Velho Oeste – Letra O

Wilson Vieira:

Desenhador e Argumentista Brasileiro de Banda Desenhada, com mais de 36 anos de experiência, dos quais 7 deles (1973/80), participando como colaborador do estúdio Staff di IF em Génova/Itália, ilustrando também alguns episódios de Il Piccolo Ranger para a Sergio Bonelli Editore, Diabolik, Tarzan e o Homem-Aranha (Octopus desafia o Homem-Aranha). É também o autor da saga Nordestina: Cangaceiros – Homens de Couro e da série western – Gringo, assim como autor de vários outros roteiros. E escreve, escreve…

É também autor do seguinte blogue na Internet:
http://brawvhqs.blogspot.com/

Caros LeitoresGeograficamente falando, como sabem o território dos Estados Unidos da América pode ser dividido em três zonas:
1 O Leste, ou seja, a faixa costeira Atlântica delimitada a ocidente pelas cadeias montanhosas de Allegheny e Apalaches.
2 O Oeste, ou seja, o planalto central ocupado inteiramente pela bacia hidrográfica do Mississipi-Missouri e caracterizado, principalmente em sua parte ocidental, pela imensa vastidão de planícies.
3 E o Far West, ou seja, a região que compreende as Montanhas Rochosas e suas vertentes ocidentais que deslizam para o Oceano Pacífico. Tais configurações geográficas são importantes, para compreendermos bem o desenvolvimento histórico da colonização da América do Norte; a faixa costeira Atlântica foi logicamente a primeira a ser dominada pelos Europeus e por ela surgiram os primeiros vilarejos e as primeiras cidades (1600 e 1700), depois, (início de 1800), o grande planalto central foi, não só atravessado, como colonizado, enquanto que os pioneiros erroneamente o consideraram inapto para a cultivação e preferiram seguir para o Far West, ou seja, o Oregon e a Califórnia. Na segunda metade do século, finalmente também foi retomado o imenso planalto, deixado por tanto tempo antes aos índios e bisontes, transformando-se em objectivo de emigrantes, que lá se estabeleceram e colonizaram. Isso deverá ser recordado, para estabelecer dois conceitos, geralmente confusos. 1 Aquele de “fronteira”. 2 Aquele de “conquista” do West. De facto, desde que núcleos de colonizadores ingleses estabeleceram-se na Virgínia em 1620, a vida dura de fronteira, foi para os predecessores brancos uma realidade quotidiana, com todos os percalços e perigos que ela representava; principalmente a hostilidade natural dos índios nativos diante dos cruéis invasores. Ao contrário, com a expressão “conquista” do West, entende-se somente aquele movimento de massa humana, que teve início nos primeiros anos de 1800 e avançou além das fronteiras, pelas cadeias de montanhas, até o vale do Mississipi e depois, foi até à costa do Pacífico; nesse sentido a “conquista” do West não é mais que, o último período da história da fronteira americana. Sendo assim, para esmiuçar o passado americano, que tanto nos fascina, apresento com imensa satisfação O ALFABETO DO VELHO OESTE propondo esse database western básico, narrado a verbetes, em ordem alfabética, os pormenores sobre tal época. Projecto online penso, pioneiro tanto em Portugal, quanto no Brasil, estimulado a publicá-lo, através do amigo entusiasta José Carlos Francisco (Zeca), o qual me ofereceu generosamente o espaço, neste já renomado Blogue e aceitei. Será um trabalho longo e árduo admito, porém prazeroso, onde a cada letra específica, o amigo leitor encontrará uma variedade de descrições relativas a ela, num período onde homens, mulheres, animais, geografia e clima, entrelaçavam-se na batalha árdua do quotidiano em busca da sonhada sobrevivência o Velho Oeste. Espero que aprovem o conteúdo sugerido e me acompanhem, nessa aventura extraordinária, agora com a letra…

O

Oakley, Annie – Nome correcto: Phoebe Anna Oakley Mozee. Nasceu em 1859, morreu em 1926. Nos anos 60 do XIX século, nas florestas do Ohio, aprendeu a disparar com rifle modelo antigo. Tornou-se conhecida com apenas 18 anos, quando em 1877, venceu clamorosamente o célebre campeão de tiro, Frank Butler, numa disputa em Cincinnati. Butler casou-se com Annie, abreviando-lhe o nome para Oakley e a fez participar ao “Wild West Show” de Buffalo Bill. Com esse espectáculo, Annie viajou por toda a América e Europa, onde com um tiro de revólver, fez cair da boca do jovem Kaiser Guilherme II, o cigarro que ele mantinha nos lábios. Acertava com facilidade uma simples moeda de 50 cêntimos, segura entre os dedos por um homem, a uma distância de dez metros, e geralmente desafiava os melhores atiradores da região, vencendo-os a todos, sempre. Depois, sua morte foi imortalizada por Ethel Merman, em seu musical “Annie get your gun”. Quando fez a sua aparição como campeã de tiro, os cowboys chamaram os seus bilhetes ferroviários de “Annie Oakley”, porque o controlador furava os bilhetes com a segurança, igual a aquela que tinha Annie ao centrar o seu alvo.

Ok-Corral – Celeiro e curral em forma de ferradura, que existia em Tombstone (cidade com minas de prata, no Vale San Pedro, em Arizona), no cruzamento da Rua Frement com a Third. Tornou-se famoso pelo lendário tiroteio, que houve em 26 de Outubro de 1881 entre os irmãos Wyatt, Virgil e Morgan Earp e o conhecido dentista alcoólatra Doc Holliday de uma parte e os cowboys Tom e Frank McLowry, Ike e Billy Clanton e Billy Claiborne da outra. Três dos cowboys foram mortos. A relação oficial do Estado do Arizona classifica essas mortes como; “homicídios demonstrados”.

Oklahoma Annie – Cattle Annie (Annie McDougal) e Little Britches (Jenny Stevens, chamada também de Annie McDoulet e Jenny Midkiff), com a idade de 16 e 17 anos uniram-se ao “Bando Doolin”, após terem já feito parte de outros bandos. Quando na Primavera de 1894 o “Bando Doolin” foi exterminado, perto de Ingalls, as jovens dividiram-se e Little Britches casou-se na Primavera de 1895, com o agricultor Midkiff, originário de Newkirk. Quando, porém o esposo descobriu que a sua mulher procurava outros homens, quando ele estava ausente, levou-a ao seu pai em Pawnee, de onde a jovem fugiu após alguns dias, unindo-se a uma quadrilha de ladrões de cavalos. Também Cattle Annie, entrou a fazer parte desse bando e as duas jovens foram presas no Inverno de 1895, pelo “US-Deputy-Marshal” Canton. O Tribunal Distrital de Perry condenou-as a dois anos de prisão, no Reformatório de South Farmington, em Massachusetts. Dezoito meses depois, a libertação, Cattle Annie morreu tuberculosa, no subúrbio desprezível de New York, enquanto que Little Britches retornou para o Oklahoma. Viveu certo tempo na casa do pai em Sinnett, em Pawney County, depois casou-se, tornando-se ao que ficou registado, uma mulher respeitável.

Omahas – Na língua dos Sioux significava: “Aqueles que vão contra o vento”. Eram Índios da Família dos Sioux, que viviam no Nebraska norte-oriental, nas duas margens do Missouri River. Existem ainda cerca de 1600 indivíduos que vivem na Reserva dos Omaha, no Nebraska.

Operação Aquisição Oregon – Em 22 de Abril de 1847 o Superintendente dos Negócios Indígenas do território de Oregon, difundiu o seu primeiro documento àqueles que emigravam para o Oregon, neles eram descritos as vantagens paradisíacas do local na costa do Pacífico, e com indicação da trilha que se devia percorrer. A essa nova forma de “Recrutamento Humano”, fizeram com que vários outros tipos de informação se manifestassem, outros descreviam o Idaho, Montana, Wyoming, Nevada, Arizona, New Mexico, Colorado, Dakota, Nebraska, Kansas, Oklahoma e o Texas como Paraísos da terra. Mas logo, os primeiros túmulos de pioneiros, foram tantos como verdadeiros buracos de roedores, mas para as gerações sucessivas, começou a realizar-se aos poucos o quanto estava prometido naquelas formas de comunicação.

Orejana – Expressão usada pelos cowboys da Califórnia, para indicar um garanhão jovem e selvagem.

Osage – Da palavra “Osage” – (Wazhazha = Nome de uma das sub-tribos). Tribo da Família Linguística dos Sioux, que viviam ao longo do Osage River, Montana, tornou-se famosa como a inimiga jurada, daquelas tribos que usavam os cavalos, por causa de sua ordem social do tipo Militar. Em 1839 os “Osages” viveram numa Reserva do então chamado: “Território dos Índios”, tornando-se mais tarde o estado de Oklahoma. Índios de caráter em sua maioria pacíficos eram particularmente hábeis na feitura de cobertores, tapetes, cestas e vasos. Para evitar que na sua Reserva, já em 1835, atravessada por caravanas de pioneiros, surgissem conflitos sangrentos, instituíram rapidamente uma Polícia Indígena uniformizada; a “Osage Indian Police”, que com toda a sua energia, vigiava o trajecto das caravanas, através do seu território, afugentando os demais Índios, bandidos e ladrões brancos. O xerife mais conhecido foi o Índio Jacob Scott, que permaneceu no seu cargo de 1876 até 1893, do qual se falava de sua inteligência, seu temperamento diplomático e de sua habilidade em disparar e cavalgar. Quando na Reserva de Oklahoma, foi encontrado petróleo, os Osages foram o suficientemente inteligentes, em evitar a confusão nesses casos. Eles ficaram ricos e já há muito tempo, libertados da tutela do Governo Americano. Em 1937, viviam 3.649 Índios Osage.

Osceola – (1803-1838). Foi um dos grandes caciques da Nação Seminola. Era ao que parece alto em estatura, com expressão melancólica. Nasceu em 1803 à margem do Tappapoosa River, na região dos Índios “Creeks”. Seu avô por parte paterna era um Escocês e a pós a morte de seu pai, a mãe esposou um homem branco de nome Powell e isso fez com que Osceola fosse muitas vezes chamado de Powell. Ele não descendia de um cacique, mas, com a idade de trinta e dois anos, recebeu o cargo de cacique do seu Povo e tomou o comando dos guerreiros, quando os Americanos quiseram caçar os “Seminoles” da Flórida, para aprisiona-los na Reserva do “Indian Territory”. Osceola combateu nos “Everglades”, mantendo a superioridade às tropas inimigas até quando, finalmente, as suas tentativas de negociação, tornou-se realidade. Um dia Osceola apresentou-se diante do inimigo, com uma bandeira branca, mas foi prontamente atingido por bala rival, preso e colocado na prisão. Essa traição levantou a indignação de seus guerreiros, porém o jovem cacique permaneceu prisioneiro e morreu com o seu coração despedaçado em Fort Moultry, Flórida, em Janeiro de 1838.

Outrider – Era um cowboy ancião que, a cavalo, fazia inspecções nos pastos, para controlar a migração das boiadas, seu estado de saúde e para julgar a qualidade da água e da pastagem.

* Caricatura: Fred Macêdo
* Edição, revisão e adaptação portuguesa: José Carlos Francisco

2 Comentários

  1. Nossa excelente esse alfabeto. Vi outro dia outras letras e achei muito legal esse tipo de matéria, esse blog é o melhor sobre faroeste na Internet.

  2. Caro Marco, ficamos felizes com todos vocês que nos apoiam e nos dão energias suficientes, para continuarmos produzindo e cada vez melhor!

    Gde abção.

    Wilson

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.