Mario Milano, Um Estreante Absoluto

Mario MilanoNos últimos tempos, Sergio Bonelli tem reforçado bastante o “staff” de desenhadores de Tex, devido sobretudo à cada vez menor celeridade destes profissionais, mas também ao cancelamento de algumas séries da editora, que obrigam a alguns reajustamentos a nível de desenhadores.

Assim sendo, o blogue português do nosso ranger, vai passar a apresentar esta  nova  leva da “scuderia” texiana, isto é, aqueles desenhadores, mais ou menos jovens, mas decididamente talentosos, que já estão a trabalhar, ou estarão em breve, nas páginas da série principal de Tex, ao lado dos “Mestres” já conhecidos e amados.

Não se trata de um puro e simples elenco, o que temos a pretensão de apresentar, mas ao contrário, de uma série de pequenos “retratos de autor“, indispensáveis, no nosso parecer, para captar que dentro de cada desenho, dentro de cada “stiscia”, dentro de cada história, há um indivíduo diferente, com um estilo, um carácter e um percurso profissional sempre diverso.

A ocasião para iniciar esta apresentação,  deve-se  a um facto de recentíssima actualidade: nos números 552 e 553 de Tex, nas bancas italianas nos meses de Outubro e Novembro de 2006, está a ser publicada uma história em duas partes, ilustrada por um estreante absoluto, isto é Mario Milano!

Estreante, dizemos bem,  mas  somente no universo de Águia da Noite: de facto, este novo desenhador  –  que nasceu em Foggia, onde reside e trabalha, em 1968 – pode já gabar-se de ter uma importante actividade como autor bonelliano. Mas vamos por ordem…

Depois de ter sido diplomado em cenografia na Academia de Belas Artes da sua cidade, em 1992, Mario Milano exerceu a profissão de pintor, desenhador gráfico e até cenógrafo teatral, até que no início dos anos noventa, descobriu a banda desenhada. Uma forma de arte que, segundo palavras suas, “Melhor do que qualquer outra, podia-me permitir exprimir finalmente tudo aquilo que tinha dentro de mim, mas também a ocasião que procurava para começar a trabalhar a sério. A banda desenhada é uma espécie de campo aberto que oferece um leque infinito de sensações, de cenários e de histórias, e também infinitas possibilidades criativas. Um belo desenho pode envolver-te, rodear-te, transmitir-te emoções“.

Recrutado em 1994 para colaborador de Zona X, uma série antológica editada sem grande sucesso pela Sergio Bonelli Editore, Milano ilustra alguns contos “livres” no tema fantástico, para depois passar à saga policial de Nick Raider, onde desenhou o número 149, intitulado “Incidente Letale”. Segue-se a entrada no staff de Mágico Vento – desenhou os números 51, 68, 72 e 84 –  onde tem ocasião para enfrentar pela primeira vez o género western,  demonstrando saber mover-se com desenvoltura e sentido de ritmo.
E assim, ei-lo hoje merecidamente empenhado em reconstruir a seu modo a atmosfera, menos horrífica mas de certeza não menos dramática e envolvente, que serve de fundo às aventuras de Tex.

Tex por Mario MilanoConfrontar-me com este autêntico protagonista  do  ”fumetto” mundial” diz, “foi um desafio, ao qual preparei-me estudando atentamente as pranchas de Giovanni Ticci e com as obras-primas western de um dos meus desenhadores preferidos, o francês Jean Giraud, criador do célebre Blueberry. Giraud, é para mim enorme pela sua excepcional capacidade gráfica, seja pela sua dedicação ao trabalho, pela sua contínua busca de imagens mais eficazes. Sabe caminhar em direcção a horizontes que os outros só alcançam bem mais tarde, ou alcançam após as suas sugestões“. E continua: “Para mim, Tex é o herói perfeito, sem manchas e sem medo, um homem  que  sabe dizer a coisa justa no momento certo à pessoa certa. É o amigo, o pai, o filho que cada um de nós quer ter. É um excelente exemplo de carácter humano, dotado de todas estas qualidades que todos nós teríamos necessidade para nos tornarmos melhor. Mas não é uma personagem chata, aborrecida, banalmente invencível. Mesmo se a sua pele está sempre lisa, a camisa sempre engomada e o chapéu sempre no seu posto, vê o que muitos viram e nunca perdeu o seu lado humano…

Texto de José Carlos Francisco, baseado na rubrica “Caro Tex…”, de Sergio Bonelli, inserida em Tex Nuova Ristampa nº 170 de 31 de Outubro de 2006.

5 Comentários

  1. Bom dia. Gostei das informações sobre “Mario Milano” e torço para que dê tudo certo p/ ele nessa nova empreitada. Mas vcs saberiam informar se ele se baseia em algum personagem ou não p/ estes traços do TEX??? Como ele disse os ambientes busca no autor de Blueberry que aliás gosto mt do Tenente, por ai já se diz que ele tem um bom mestre!

  2. Edna Maria do Carmo, que bom que gostou de “conhecer” o novo elemento do “staff” do Tex. Quanto á sua pergunta, não sei responder, mas deduzo que o Mario Milano se inspira no Tex do Giovanni Ticci, quando desenha o nosso ranger, mas é somente uma dedução minha…

  3. O Milano é talentoso (como pudemos conferir há pouco em Mágico Vento), e parece que não fará feio em Tex, a julgar pela imagem divulgada!

  4. Bom dia , caro Zeca,
    é a segunda vez que entro neste blog e tenho gostado. Sou fã do Tex e também gostei do desenho do Milano. Como ele disse, penso que é mais um desenhista que baseia-se em Ticci (excelente, prá mim), pois, este desenho parece muito com os dele.

  5. Prezado ONELIO DE OLIVEIRA é um enorme prazer tê-lo por aqui no blogue nos privilegiando com a sua presença, ainda mais sabendo que tem gostado do que tem visto. Esperamos continuar a contar com a sua visita sempre que puder, já que as suas palavras são um estímulo para fazermos cada vez mais e melhor e tentaremos fazê-lo.

    Quanto ao Mario Milano, eu (tal como o Mário Marques) já possuo os dois álbuns de Tex, desenhados pelo Mario Milano e realmente estamos perante mais uma fantástica aquisição para o staff de Tex, já que ele é um primor no desenho… o quadradinho que está no blogue é somente um pequeno exemplo do quanto ele desenha muito bem… aliás, você pode conhecê-lo melhor, basta ler o Mágico Vento nº 51, se bem que achei que ele se saiu ainda muito melhor em Tex…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.