Fanzine “A Conquista do Oeste” – Maio/Novembro 2001 – Páginas 54 a 58 – Cisco Kid

CISKO KID

Cisco Kid - A capa de um dos números da revista Mundo de AventurasFalar de “Cisco Kid” é de uma ousadia sem limites, pois é uma das poucas personagens ligadas ao “western”, das mais conhecidas e divulgadas no nosso país. Vários articulistas têm escrito sobre “Cisco Kid”, pelo que não iremos, por certo, dizer nada de novo. No entanto, não seria justo deixar de inclui-lo neste estudo, já que é um dos “heróis” com maior aceitação em todo o mundo, mesmo em Portugal. Não é só pelo seu “charme” e simpatia e muito menos pelos argumentos simples e de leitura fácil, mas também pelos belos traços de José Luis Salinas, que a série alcançou o êxito. Só Salinas conseguiria incutir nesta série, uma emoção e uma qualidade difíceis de imitar ou mesmo, diremos nós, quase impossíveis de algum artista os acompanhar. Como também tivemos acesso a um estudo, dos mais completos que temos lido, sobre esta personagem, pensamos que todos ficaremos a ganhar com todas as informações que passaremos a incluir a seguir.

Lindas vinhetas são uma constante em Cisco Kid“Cisco Kid” foi uma personagem que surgiu num livro de O. Henry, intitulado “The Caballero’s Way”, datado de 1907 e onde aquele é retratado como um assassino sem escrúpulos. Através da magia do Cinema e a habilidade que Hollywood sempre teve, para dar a volta ao texto, irá surgir na 7ª Arte como um defensor da lei… Aconteceu a muitos…
Adaptado ao ecrã em 1929, pela Fox, será Warner Baxter a desempenhar o papel de “Cisco Kid”, o que o irá ajudar a ganhar um Óscar.
Devido ao sucesso do filme, surgirão novas adaptações interpretadas pelos artistas Buck Jones, Cesar Romero, Duncan Renaldo, Gilbert Roland, etc..

Só nestas vinhetas (no formato de uma tira), é que José Luis Salinas consegue dar maior projecção ao seu talento

Fanzine “A Conquista do Oeste” – Página 54Em 1944 será feita uma primeira tentativa para que esta personagem aparecesse em “comic-book”, o que acontecerá com um número 1, desenhado por John Giunta.
Em 1948 será lançado na Televisão, onde aparecerá em 150 episódios com as suas aventuras. Duncan Renaldo desempenhou a figura principal.
Em Julho de 1950, aparece então o Nº 1 do seu “comic-book”, editado pela Dell, com textos de Rod Reed e desenhos de Bob (Robert) Jenney, ajudado por John Buscema, Alberto Giolitti e outros e do qual serão publicados 41 números, até 1958.
Em 1951 a King Features resolve convidar Rod Reed para escrever os argumentos de uma tira diária com “Cisco Kid” e José Luis Salinas para desenhar a série. Durante 18 anos e 66 episódios, “Cisco Kid” foi publicado em mais de 150 jornais e correu mundo, atingindo um grande sucesso nos países onde as suas histórias foram lançadas.

Fanzine “A Conquista do Oeste” – Página 55Foi uma pena que nunca fosse realizada uma prancha dominical para a série, pois estamos certos que Salinas seria bem capaz de nos surpreender com o seu trabalho, executado sempre de uma forma magistral, cheio de movimento, ainda que confinado a uma vinheta, que às vezes transformava numa tira inteira, já que se encontrava limitado àquele espaço.
A série possuía, além dos traços de Salinas, uma excelente dose de humor, onde “Pancho” desempenhava o principal papel.

“Cisco Kid” vivia as suas aventuras, defendendo viúvas e órfãos, além de belas donzelas, a quem protegia de todos os perigos, embora sem se comprometer no campo amoroso.
“Cisco Kid” é uma personagem interessante, cheio de coragem, temerário às vezes, conhecedor da luta com punhos e um exímio atirador, o que só abona o seu carácter e o torna também, um bom partido perante as mulheres. O seu jogo de sedução ajuda muitas vezes a que estas o persigam, na tentativa de o conquistarem.
O virtuosismo do traço de Salinas, aliado a uma estrutura muito bem concebida do texto, conseguem manter ao longo dos anos a série num lugar cimeiro do Panorama da Banda Desenhada mundial, sem nunca defraudarem ou diminuírem o interesse da sua leitura, por parte de todos os que a ela tinham acesso.

Mais um trabalho do mestre nesta tira criada para Cisco Kid

Uma vinheta deslumbrante de Cisco KidAs próprias figuras femininas que vão surgindo nos vários episódios, possuem sempre um papel importante no desenrolar dos acontecimentos, ainda que no final, nunca seja encarada qualquer hipótese de enlace, como é normal acontecer nestes casos, para manter sempre na expectativa o(a)s leitore(a)s interessado(a)s. São elas:
– “Lucy Baker” que não hesita em cortar os seus longos cabelos louros, para manter os seus pontos de vista.
– A jovem princesa índia “Red Flower”, que enfrenta a sua tribo em defesa do nosso “herói”.
– “Stella Platt” que recusa abandonar a caravana em perigo, atacada pelos índios.
– “Silver Belle”, “Kathy” e “Mathilde” são outras das figuras femininas que criam alguns dissabores ao nosso galã.

Não falta uma certa dose de amor nas aventuras de Cisko KidNão nos podemos esquecer de “Pancho”, a figura cómica, materialista, indolente, dotado de um apetite voraz, fanfarrão, volúvel e cheio de bravatas. Mas quando a necessidade assim o obriga, chega a ter alguns rasgos de coragem e consegue impor também algum ritmo à série.
De resto, mantêm-se inalterável no seu quotidiano, divertindo-nos com os seus azares, as suas precipitações e as suas peripécias.

Evidentemente que a série de personagens que povoam o mundo de “Cisco Kid” é vasta e importante, tendo cada uma delas uma característica própria, que as distingue perfeitamente entre si e de outras figuras de outras séries.
Lembramos:
– O juiz “Holly”, manipulador de génio.
– O ignóbil “Griggs”, vendedor de armas aos índios.
– “One Eyed Dagger”, o amoroso recusado que sonha com a vingança.
– “Bruce Marchette”, pronto a executar todas as vilanias para casar com a sua viúva “Mathilde”.

Todas elas exprimem e vivem os seus sentimentos de uma forma rica, consistente e palpável.

Mais um belo trabalho de José Luis Salinas para a sua personagem

A emoção e o perigo são igualmente parceiros das histórias de Cisco KidÉ claro que só a subtileza do grafismo de Salinas, consegue reforçar de uma forma admirável, todas as situações porque passam as personagens da série. Seu traço de uma finura e uma elegância raras, seu estilo clássico, mas de uma precisão fotográfica, dão-nos a sensação de vivermos cada momento e cada vinheta, sempre ricas em cenários, de uma forma invulgar e única.

Seu grafismo pontilhado, rico e claro, transforma-o por certo, num dos grandes mestres da Banda Desenhada.

Ampliando as páginas 56 a 58 (abaixo) deste Fanzine, pode-se ver todos os títulos de todos os episódios criados por Salinas, bem como as suas datas de publicação.

E através de uma lista de aventuras de “Cisco Kid” que Joaquim Mário Talhe fez o favor de nos fornecer, pode-se ver as mesmas histórias desta personagem, publicadas em Portugal, pois ela é uma das poucas, que teve o “privilégio” de ser integralmente publicada no nosso país, pela ordem original e cronológica e com a indicação do nome das histórias e as respectivas revistas onde as mesmas seriam publicadas.

Fanzine “A Conquista do Oeste” – Página 56Fanzine “A Conquista do Oeste” – Página 57Fanzine “A Conquista do Oeste” – Página 58

(Para aproveitar a extensão completa das imagens, e/ou imprimí-las, clique nas mesmas)

Um comentário

  1. Sem nenhum medo de errar, posso afirmar que não conheço nenhum outro desenhista de banda desenhada, do gênero western, melhor ou igual ao Salinas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.