ESTÚDIO DE CLAUDIO VILLA – O trabalho de um Mestre

Do nosso correspondente italiano Marco Andrea Corbetta (igualmente foto-repórter do fórum italiano Spiritoconlascure), recebemos um material deveras fantástico, com fotos de sonho que nos permitem conhecer um dos locais mais sagrados para os fãs e coleccionadores de Tex Willer… o local onde, por exemplo, nascem as actuais capas de Tex, pelo que nos apressamos a dar a conhecer aos nossos leitores!

ESTÚDIO DE CLAUDIO VILLA O trabalho de um Mestre

Por Marco Andrea Corbetta

Após um ano de sucessivos adiamentos e impedimentos de vários géneros, tive finalmente o privilégio de passar a tarde do último sábado (6 de Junho) em casa de Claudio Villa, onde efectuei um serviço fotográfico (cerca de 300 fotos) para o fórum italiano “Spiritoconlascure” e para o blogue do Tex, no qual imortalizei o seu ambiente de trabalho, os seus trabalhos (muitíssimos dos quais JAMAIS vistos publicamente) e o início da criação de uma próxima capa a ser publicada no futuro na colecção colorida de Tex “Collezione Storica a Colori“.
Mas comecemos então a trabalhar…

Encontrar a casa de Claudio Villa, situada nas colinas de Erbese não foi tarefa simples… O seu refúgio é mais inacessível que a cabana de Zagor situada nos pântanos de Darkwood… Tanto é verdade que Claudio Villa teve que vir de carro ao meu encontro…


.

Entrado em casa, sou imediatamente introduzido no seu estúdio…


.


.


.


.

De seguida, no lado esquerdo a mesa onde Claudio arte-finaliza os desenhos com tinta-da-china e à direita a mesa das cores:


.

Novamente, mais pormenores do seu estúdio e de alguns dos seus objectos de decoração e também de trabalho:


.


.


.


.

O armário dos materiais secretos e material original recentemente restituído ao desenhador:


.


.

Segue-se um desenho de capa da edição de Claudio Baglioni ao lado de uma capa alternativa, seguindo-se algumas capas de Tex coloridas por Claudio Villa, por vezes ladeadas pelos seus esboços preparatórios e também algumas das capas recoloridas pela redacção, com a particularidade de se poder observar algumas anotações de como as suas cores com certas tonalidades mais fortes foram “cortadas” a favor de uma coloração mais “suaves”:


.


.


.


.


.


.


.


.


.


.


.


.


.


.


.


.


.


.


.


.


.


.


.


.


.


.

Para quem desconheça, as capas de Tex, começam por um esboço enviado pelo próprio Sergio Bonelli e não por simples iniciativa do próprio Claudio, embora o desenhador, possa sugerir alterações ou interpretar a seu modo… eis dois exemplos:


.


.

Segue-se duas ilustrações referentes à história comemorativa dos 60 anos de Tex, a famosa capa com Lilyth… as duas imagens que fotografei nem sequer foram consideradas pela redacção, até porque Claudio Villa nem sequer as enviou à editora e pelos motivos explicados pelo próprio desenhador:
Nas ilustrações com Tex a cavalo e no céu o rosto do casal, ou somente de Lilyth, arriscava, ou é melhor dizer, era muito melancólica: a recordação perdida de quem não existia mais… mas na história Lilyth estava viva… seria despropositado recordá-la desse modo na capa… por isso a imagem de ambos, jovens, com um fundo simples e com a cumplicidade do título, evitando o sentido de “perda”, podia ser mais eficaz e adaptado, daí a capa eleita para o Tex #575“:

Agora uma capa descartada pela redacção, por ser impossível Tex escapar de uma situação similar, o que levou Claudio Villa a dizer que só poderia ser a capa a utilizar na última edição de Tex:

Um dos desenhos do Ranger que Villa mais aprecia e a ilustração da personagem da nova série “Caravan” que será inserida na página inicial do sítio da SBE, onde comparecem as personagens publicadas pela editora:


.

Ilustração para uma revista publicada há dez anos:

Duas outras paixões de Claudio Villa, desenhadas por si mesmo: Super-Homem e Batman (o seu verdadeiro amor no campo da Banda Desenhada):

Antes de finalizar, podemos ver em antestreia aquela que será a capa do número 134 da colecção colorida de Tex, com Claudio Villa desenhando-a em tempo real e tendo a página de referência a seu lado:


.


.


.


.


.


.


.

Antes de nos despedirmos, Claudio decide muito cortesmente oferecer-me não um, mas dois desenhos originais. Não desaproveitando a ocasião, peço-lhe de imediato que me desenhe Zagor! E ele depois de mais de dez anos sem desenhar Zagor, mete-se ao trabalho:


.


.

E concluo este “documentário” com uma simpática fotografia, emblemática das condições em que um desenhador de banda desenhada é obrigado a trabalhar para cumprir prazos!

GRAZIE MILLE, CLAUDIO! E… alla prossima!!!
(Muito obrigado; Claudio! ! E… até à próxima!!!)

Texto de Marco Andrea Corbetta (traduzido e adaptado por José Carlos Francisco)

Fotos de Marco Andrea Corbetta
(Para aproveitar a extensão completa das fotografias acima,
clique nas mesmas)

20 Comentários

  1. WOW! Simplesmente fantástico. Claudio Villa Genial.
    Parabéns a todos os envolvidos.

  2. Como sempre mais uma reportagem fantástica. Parabéns ao Marco e a vc Zeca, por nos presentear com esses belíssimos desenhos do Villa.

  3. UAU! UAU! UAU!!!
    Muito linda a reportagem e é uma delícia conhecer o “esconderijo” de um dos grandes ilustradores (desenhista é muito, muito pouco para CV!) de Tex, Dylan Dog…
    Será que, um dia, ele desenha Mágico Vento??

  4. S E N S A C I O N A L !!!!!
    Em minha opinião, a melhor postagem do Blog até agora.

    Amoreira

  5. Caramba. Parabéns. É uma das mais maravilhosasa matérias que apareceram aqui no site. Só tenho uma coisa a dizer, muito obrigado.

  6. Esta reportagem deixou a todos esmagados! Foi como se o Presidente da República tivesse condecorado, neste 10 de Junho, o blogue do Tex! Obrigado a Claudio Villa, pela honra que nos deu. E parabéns ao Marco, que realizou uma fantástica reportagem, bem cativante e com uma imagem final arrasadora. Um abraço. Orlando Silva, Lisboa.

  7. Magnífico! Fantástico! Esplêndido!
    Reportagem muito interessante, com muitos detalhes que revelam o dia-a-dia do grande Villa, do qual sou um grande fã e admirador, por seu magnífico trabalho. Meus parabéns pela façanha!
    Só houve uma coisa que me decepcionou… não foi mostrada nenhuma ilustração da história que Villa está produzindo no momento. Aquela do Tex Gigante, lembram?

    Breno.

  8. Fantástico… espero ver outras matérias com bastante fotos de estúdios e artes de vários artistas da Bonelli… muito bom!! Parabéns!!
    Luiz Piorotti

  9. Ulteriore prova dell’incredibile lavoro e del talento di un vero maestro del fumetto!

  10. Fantásticamenteeeeeee texiano… muito lindo tudo… é encantador… sem palavras para qualquer texiano…

  11. Incrível! O Villa mergulhado num mar de trabalho para conseguir alta qualidade. Realmente, os desenhistas italianos levam a sério a arte de desenhar, como já vimos com Magnus, e tal qual, ele se enclausulou no alto de uma colina. O Villa deu uma identidade visual definitiva ao Tex. Isso vai contar para sempre no seu currículo.
    G.G.Carsan

  12. Esse desenhista é uma lenda! O melhor de todos na minha opnião!

    Quem dera um dia eu tenha um estúdio desse.

  13. Maravilhoso a gente poder ver o processo de criação e desenvolvimento das fantásticas capas feitas pelo grande mestre! Pra mim, ele e o Ticci são meus favoritos.
    Adorei… a matéria, as fotos estão de mais… e poder ver o semblante do grande Villa, em sua toca, foi genial! Também parabéns ao Zeca e ao autor e idealizador desta fantástica matéria! Tá valendo!

  14. Concordo com Tony Fernandes em eleger Villa e Ticci como os seus favoritos, são os meus também junto com o Mestre dos Mestres Alberto Giolitti, desenhadores geniais, a prova está nesse trabalho feito pelo Villa.
    Ah! Mas não posso deixar de citar também Civitelli, Piccinelli e Frisenda.
    Um abraço à todos.
    Nei Campos.

  15. Sem querer desmerecer de forma alguma o bom e velho ranger, sempre fui muito mais fã de Zagor do que de Tex. E até então achava que nenhum outro desenhista do Espírito da Machadinha fosse melhor do que o meu ídolo maior Gallieno Ferri. Mas, ao dar de cara com essa obra-prima feita pelo lápis fabuloso de Villa, sinceramente, tive que reavaliar minha opinião. E o Batman dele, então! Chamar um mestre como Claudio Villa de gênio é até banal! Minhas mais efusivas congratulações ao Marco e ao Zeca pela excelente matéria! (Cara, que inveja desses desenhos de Zagor…)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.