Edições comemorativas

Por Sérgio Madeira de Sousa

Edições comemorativas

60 anos de Tex em Stradella, ItáliaProvíncia de Pavia, município de Stradella, Itália; entre 31 de Maio e 8 de Junho do corrente ano, inserido num evento realizado pela Oltrecomics, ocorreu uma exposição de sessenta e seis pranchas, enviadas pela Sergio Bonelli Editore. Esta exposição também contou com a presença de dois desenhadores da personagem de maior sucesso da BD italiana. Um já consagrado, Fabio Civitelli, o segundo à procura de se afirmar entre os desenhadores da série, Rossano Rossi.

Setembro de 1948, surgiu nas bancas italianas mais uma personagem de BD, mais uma entre as inúmeras que surgiam naquela época do pós-guerra. O seu nome, Tex Killer, rapidamente alterado para Tex Willer devido ao significado da palavra Killer: Assassino.

A mítica 1ª capa de Tex - Setembro de 1948

Estes dois eventos encontram-se separados por seis décadas, durante uma vida a personagem cresceu, ultrapassou as expectativas dos criadores e tornou-se o maior herói da BD italiana, também chamada de “fumetti”.
Este evento realizado em Stradella, foi apenas a 1ª iniciativa englobada nos festejos dos 60 anos da personagem, entretanto muitos outros ocorreram, quer em Itália quer no Brasil. A salientar a homenagem efectuada pelo jornal La Stampa, através do seu suplemento cultural semanal, publicada em 2 de Agosto último. O próprio estado do Vaticano, no quotidiano da Santa Sé “L’Osservatore Romano”, não deixou passar em claro a efeméride.
No Brasil, país que pode ser considerado a 2ª pátria da personagem, têm sido inúmeras as manifestações de apreço pelos fãs: Santa Maria/RS, a 27 e 28 de Setembro último, foi apenas mais uma.

Jornal Osservatore Romano beatifica TexQuais as razões do sucesso? Como é que foi possível manter mensalmente uma revista durante 60 anos?
“A riqueza do enredo, as revistas são muito bem escritas e pensadas. Além do desenho claro, que é soberbo” Estas são as razões apontadas por Octávio Gordo, medidor orçamentista de 32 anos, residente em Guimarães.
Também Carlos Gonçalves, de 67 anos de idade, director comercial reformado reforça a ideia: “O que contam são os argumentos, nos quais os italianos dão cartas, pela grande escola de argumentistas que sempre tiveram… embora os desenhadores tenham sempre uma palavra a dizer, muitos deles, têm sido muito bons a ocuparem-se dessa tarefa”. Já Carlos Moreira de 43 anos, responsável de armazém, descortina mais uma razão: “…trabalho desenvolvido pelas editoras tanto na Itália como no Brasil, assim como o excelente trabalho de divulgação em Portugal efectuado pelo José Carlos Francisco”.

Sergio BonelliParece ser consensual que os argumentos bem elaborados e a grande diversidade de desenhadores, muito contribuíram para o sucesso da série. Além das razões apontadas, posso acrescentar mais uma: Sergio Bonelli! Desde o seu contributo como escritor: Iniciou-se com o Tex italiano nº 183 e a história intitulada: Caçada Humana[1], até aos dias de hoje no papel de editor. Como escritor escreveu algumas das melhores histórias: Missão em Great Falls (Tex 131-134)[2]; O Solitário do Oeste (Tex 163-165)[3] ou El Muerto (Tex 112)[2] entre outras . Como editor sempre demonstrou especial carinho pela personagem, manteve-a fiel à fórmula de seu pai e sempre destacou os melhores argumentistas e desenhadores para a série. As outras personagens têm-se visto “espoliadas” de alguns dos seus melhores artistas.

Edição especial dos 60 anos de TexCom o objectivo de premiar o público fiel, foi lançado uma edição colorida, quer em Itália quer no Brasil e a Mythos Editora conseguiu a proeza de publicá-la, com apenas um mês de atraso, relativamente à sua publicação na “velha bota”.
Porquê publicar a mesma história no Brasil? Apesar de proporcionar aos coleccionadores brasileiros as ultimas novidades que estão a sair em Itália, será que foi a melhor opção para celebrar o evento?

“…divulgar mais o filme de Tex em DVD…” Quem o afirma é Emanuel Neto, professor de 27 anos, residente em Portalegre. Já José Carlos Francisco, encarregado metalúrgico de 40 anos, residente na Anadia, “…uma edição especial de Tex… formato gigante, papel de qualidade, capa cartonada e com conteúdos diferentes das histórias, mas cheio de artigos…). A mesma opinião partilha G. G. Carsan, fotógrafo de 43 anos, residente em João Pessoa, Brasil, “…o ideal seria lançar também uma aventura em tamanho gigante, cartonada, colorida e um livro sobre a personagem.”

Os 4 pards desenhados por Claudio VillaApesar de concordar plenamente com a ideia do lançamento de um livro, de formato maior, capa cartonada e colorido, semelhante aos publicados pela editora Mondadori em Itália, a opção da Mythos é perfeitamente compreensível.
No Brasil são publicadas actualmente diversas colecções de Tex. Entre as edições mensais, o Almanaque e o Gigante, ainda existem as edições Histórica, Anual, Ouro, Férias e os Grandes Clássicos. Diversas colecções que publicam em simultâneo as diferentes fases da personagem italiana. Perante este cenário, não se avizinhava tarefa fácil lançar uma edição especial, afinal, não basta colocar a palavra na capa para a tornar. A editora, ou por não possuir os meios técnicos necessários ou simplesmente por não considerar economicamente viável o lançamento do livro, não colocou ou rejeitou essa hipótese. Se excluirmos o livro nos moldes referidos, parece-me que uma edição colorida, em papel de melhor qualidade, com a inclusão de uma história inédita e acompanhada por matérias, foi sem dúvida uma boa opção, afinal, em todas as colecções publicadas não existe nenhuma que seja colorida. A lamentar apenas não se ter optado pelo formato italiano.

Zagor nº 1 da Editora VecchiEm Agosto de 1978 surge nas bancas brasileiras mais uma revista “made in” Itália. A editora responsável, a mesma que publicava Tex na altura, a editora Vecchi.
Passados 30 anos, mudanças de editoras e ausência nas bancas durante alguns períodos, Zagor completou 3 décadas de existência no Brasil, mais uma data digna de comemoração e mais uma edição especial alusiva à efeméride.

Estas edições especiais normalmente vendem muito mais que as ditas normais. Por ser uma única edição. Por ser uma história seleccionada e fechada. Por virem recheadas de artigos ou entrevistas ou suplementos que enriquecem bastante a edição. Porque leitores de outras publicações aproveitam estas edições para conhecerem as personagens. Enfim, pelas mais variadas razões.
Os responsáveis pelas publicações devem encarar estas oportunidades para divulgar e promover antecipadamente as edições, de forma a aumentar o número de coleccionadores e consequentemente as vendas.

Edição especial dos 30 anos de Zagor no BrasilSe para Tex era extremamente difícil escolher os moldes da edição especial, devido à existência das diversas colecções, o mesmo já não se pode afirmar para Zagor que apenas possui duas edições mensais e uma especial. A Mythos desperdiçou uma óptima oportunidade que esta edição comemorativa lhe proporcionou: Testar o lançamento de uma nova colecção de Zagor. Os fãs anseiam por uma nova colecção, seja o Anual, o Histórico ou o Colecção. Ao lançar a nova colecção, “disfarçada” de edição especial, testava o mercado, reduzia os riscos que acarreta o lançamento de uma nova colecção e posteriormente decidia se continuava a publicação.

Basta aceder ao fórum do Portal Tex Brasil, para verificar a onda de revolta causada pelo anúncio da substituição da história anteriormente anunciada [4].
A edição Especial de Zagor 30 anos foi decepcionante para os fãs, não pela história, não pelos desenhos ou pelas poucas páginas, mas sim pela enorme expectativa criada pelo anuncio, de uma super edição, que depois foi cancelada.

Zagor - 30 Anos no BrasilA próxima edição comemorativa das duas personagens, será certamente o centésimo número de Zagor, a sair dentro de pouco mais de seis meses.
Esperemos que à personagem criada por Guido Nolitta desta vez lhe seja concedida a edição que os seus fãs desejam, afinal, é também graças aos leitores e coleccionadores que as publicações se mantêm nas bancas.

Quando se oferece uma prenda a alguém, manda o bom senso saber os gostos, as preferências e as necessidades de quem recebe, para que a oferta seja bem recebida. É aqui a principal falha da Mythos! A página de Internet, mesmo remodelada continua pouco funcional: A interacção com os coleccionadores é praticamente inexistente, talvez por considerar suficiente, o excelente trabalho desenvolvido pelo Portal Tex Brasil e pelo Blogue do Tex, na divulgação das personagens e das revistas.

Logótipo Mythos EditoraComo podemos constatar nesta peça, mesmo considerando que a amostra não é representativa, os leitores são de diversas faixas etárias e de extractos sociais, assim é extremamente difícil agradar a todos, no entanto, é sempre possível agradar à maioria.
Com um simples questionário, sobre qual a edição a lançar como edição comemorativa, colocado na página de Internet, poderia se ter chegado facilmente a essa conclusão.
Já o referi, considero a edição Zagor Especial 30 anos uma enorme desilusão, apesar disso foi apenas uma entre as cerca de 600 edições de Tex e Zagor que a Mythos já produziu.

Zagor e TexEm Janeiro próximo a Mythos completa dez anos desde que assumiu a responsabilidade de publicar “Bonelli Comics”. Em apenas uma década a editora já publicou mais de 400 edições de Tex, ultrapassando assim largamente as cerca de 260 da Vecchi e também as publicadas pela Globo, (cerca de 320). De Zagor, já colocou nas bancas brasileiras quase tantas as edições, quanto as suas antecessoras juntas. Todas estas edições, publicadas numa fase extremamente complicada para a BD a nível mundial. É sem dúvida um trabalho fantástico, que tanto eu como todos os coleccionadores devem estar agradecidos, não só pela quantidade, como pela qualidade das edições e não será por achar que o Zagor edição Especial 30 anos foi uma edição pouco conseguida e com falhas no planeamento, que todo este trabalho sai minimamente ofuscado. Será que esta data não deveria ser alvo de uma edição comemorativa? Que personagem e que tipo de edição deveria ser lançada? Será que a Mythos têm alguma surpresa que ainda não divulgou?

Aguardemos, afinal falta pouco mais de um mês.

[1]Tex 1ª e 2ª edições brasileiras números 68 e 69.
[2]Tex 1ª e 2ª edições brasileiras.
[3]Tex edição brasileira 1ª edição.
[4]A Mythos anunciou que a história publicada em Zagor 30 anos seria retirada do Maxi Zagor Nº8, história de 288 páginas.

Fontes:
http://www.texbr.com
http://texwillerblog.com
http://www.sergiobonellieditore.it/

(Para aproveitar a extensão completa das imagens acima, clique nas mesmas)

Um comentário

  1. Um belíssimo texto, uma análise bem feita destas duas edições e da trajetória editorial dos dois heróis. Parabéns ao Sérgio, escreveu um texto agradável de ler e com informações importantes.
    ——————
    Gervásio Santana de Freitas
    Portal TexBR – http://www.texbr.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *