Blogue do Tex citado no Correio de Poe das edições 69 e 70 de Mágico Vento (Março/Abril 2008)

O blogue português do Tex foi citado (e dado a conhecer) na rubrica “O CORREIO DE POE” das recentes edições de Março e Abril, da revista editada pela Mythos Editora, dedicada ao personagem Mágico Vento, edições respectivamente números 69 e 70.
O motivo de tal citação, deve-se à entrevista realizada pelo blogue do Tex
com o escritor Gianfranco Manfredi e devido a esse honroso facto, de seguida mostramos o teor desses dois textos:

.
O CORREIO DE POE Nº 69.

O CORREIO DE POE Nº 69Há leitores de quadrinhos que gostam tanto de certos personagens que, não contentes em se imaginar vivendo as aventuras lidas (coisa, aliás, bastante saudável), gostariam de se vestir como seus heróis não só em festas e ocasiões especiais mas até mesmo no dia-a-dia. Houve leitores que escreveram a Gianfranco Manfredi dizendo ter feito tatuagens em certas partes do corpo com imagens de índios ou de animais, e outros pedindo sugestões para imagens a tatuar, ao que o criador do nosso xamã respondeu: “Que eu saiba, os índios das planícies não usavam tatuagens; eles preferiam pintar o corpo com sinais que, com o passar do tempo, poderiam depois renovar, mostrando que tinham mais a ver com o desenvolvimento da personalidade. Não pretendo aconselhar ninguém a fazer isso – já que não costumamos andar na rua com o peito nu e, ainda, as tintas manchariam a camisa – e muito menos iniciar um debate sobre ‘tatuagem sim, tatuagem não’. Eu me limito a registrar o assunto“.
Um dos personagens de Mágico Vento que apareceu todo pintado já na primeira página de sua aventura de estreia (MV 50, Coração de Campeão, ago/2006) e que agora retoma é o simpático Barro. Não é de se estranhar a imagem que Poe faz dele quando o encontra nesta história (“ele é piadista ou desequilibrado?“), pois o jornalista ainda não conhecia o simpático e veloz corredor sioux.

Mágico Vento nº 69No Correio de Poe do mês passado comentamos que a tão esperada edição especial de Mágico Vento está em elaboração na Itália e que, quando tivéssemos mais novidades, informaríamos. Pois bem, o próprio Gianfranco Manfredi informa que o Especial ainda vai demorar porque mais um desenhista de MV passou a trabalhar com Tex e, assim, a equipe ficou um pouco reduzida. De todo modo, o autor dá mais detalhes numa entrevista publicada recentemente no Blogue do Tex, uma página da internet dedicada a tudo que diz respeito ao nosso Tex, administrada com carinho pelos texianos portugueses José Carlos Pereira Francisco e Mário João Marques e que pode ser visitada no endereço http://texwillerblog.com/
A entrevista com Manfredi, que também contou com a participação de Gianni Petino, representante da Mythos na Itália, e de Júlio Schneider, nosso redator de Mágico Vento, pode ser acessada diretamente pelo link
http://texwillerblog.com/?p=8520
Mas se o blogue é de Tex, por que Manfredi foi entrevistado? Simples: além de ter escrito A Trilha das Emboscadas (Tex Anual n° 8, 2006), o autor agora divide seu tempo entre o nosso xamã e o ranger mais famoso dos quadrinhos. Para saber mais, é só clicar.

Mitakuye Oyasin!

O CORREIO DE POE Nº 70
O CORREIO DE POE Nº 70A história O Poço dos Sacrifícios (MV n° 66) ficaria melhor se fosse mais fiel às características dos povos ameríndios evitando espadas enormes, cabelos e barba de corte moderno, trajes que parecem extraídos de algum filme B sobre Hércules ou Maciste? Segundo Manfredi, o criador do nosso herói, sim, “mas o que nós pretendemos foi destacar o aspecto de fantasia que, como se sabe, deve necessariamente abrir mão da exatidão histórica e cultural, apresentando mundos arcanos e paralelos que têm uma existência puramente mítica. Um pouco como O Senhor dos Anéis, por exemplo. Se fosse analisado do ponto de vista histórico-crítico, o romance de Tolkien não ficaria em pé. A ‘estranheza’ é essencial numa história ‘fantasy’.
O mistério e o fascínio deste género narrativo estão justamente nesta questão: por que o leitor se identifica com personagens, ambientes e circunstâncias absolutamente improváveis e – ainda que vagamente inspiradas num clima histórico e cultural – absolutamente distantes de qualquer realidade documentada e reconhecível
?”

Mágico Vento nº 70É uma análise interessante, como geralmente o são as manifestações desse autor tão prolífico. E isso pôde ser visto tanto na entrevista que ele concedeu ao Blogue do Tex, como sinalizamos no Correio de Poe da edição passada, quanto numa entrevista anterior, que ele concedeu ao site Universo HQ, em 2005, pouco antes de vir ao Brasil para o FIQ de Belo Horizonte daquele ano. Essa “antiga” entrevista (que havíamos noticiado no Correio de MV 39) foi relembrada pelo nosso fiel seguidor Januário Charlau (Santa Maria-RS): “Eu li a entrevista do Manfredi que foi noticiada no Correio de Poe e me lembrei de uma outra que ele deu há uns dois anos e pouco. Quando eu li aquela entrevista, fiquei ansioso esperando o Tex Anual com a história que ele escreveu e tive que sofrer mais de um ano até ela sair no Brasil. E agora, lendo essa nova entrevista, ele fala de um personagem chamado Volto Nascosto. Será que vou ter que sofrer mais um ano para ler esse gibi no Brasil?“.
Bem, antes de mais nada, é preciso esclarecer que Volto Nascosto (que significa Rosto Escondido) não é uma nova série que ficará nas bancas enquanto tiver leitores que a sustentem. E uma série finita, um grande romance em quatorze capítulos totalmente interligados que mistura fatos históricos e de fantasia ambientados na Itália e na África no período da primeira guerra colonial italiana, de 1889 a 1896.
Se vai sair no Brasil? Hmm… vamos esperar um sinal do Deus dos Quadrinhos.
Mitakuye Oyasin!

(Para aproveitar a extensão completa das imagens acima sobre “O Correio de Poe”, clique nas mesmas)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *