As Leituras do Pedro – Dylan Dog: Os Inquilinos Arcanos

As Leituras do Pedro*

Dylan Dog: Os Inquilinos Arcanos
Colecção Bonelli #10

Prefácio de Filipe Melo

Os Inquilinos Arcanos
Tiziano Sclavi (argumento) Corrado Roi (desenho)

O Grande Nevão
Luighi Mignacco (argumento) Enrique Breccia (desenho)

Dançando com um desconhecido
Barbara Baraldi (argumento) Nives Manara (desenho)

Levoir/Público
Portugal, 14 de Junho de 2018,
190 x 260 mm, 120 p., pb, capa dura
10,90 €

O toque dos extremos

Diz-se que os extremos se tocam e isso acontece nesta colecção Bonelli, que a Levoir e o Público disponibilizaram ao longo de 10 – parcas? -semanas. Abriu e fecha agora da mesma forma: com um volume de histórias curtas, coloridas, de dois dos mais carismáticos – e populares – heróis da Casa das Ideias: então Tex, agora Dylan Dog. No entanto, pouco mais liga os dois volumes.


Em A Lenda de Tex, as histórias curtas exploravam facetas diferentes de um herói com um percurso de décadas, agora, neste Os Inquilinos Arcanos, as três histórias – ou serão cinco? – mostram o detective do pesadelo exactamente como ele é: mero peão em investigações paranormais, repletas de paradoxos temporais, enfrentando fantasmas, zombies ou algo (ainda) mais inexplicável, inseguro como sempre, como sempre apaixonado pelas belas mulheres com quem se cruza, com o toque de humor absurdo proporcionado por Groucho,  e a omnipresença das dúvidas persistentes do inspector Bloch da Scotland Yard, rendido sim, mas nunca convencido…


São três histórias – ou serão cinco? – de final bastante aberto, com o inexplicável deixado à nossa consideração e à nossa interpretação, com o que se desenrola perante os nossos olhos a levantar mais dúvidas do que certezas. Duas histórias – ou serão quatro? – assinadas – e que bem assinadas! – por, tão só, nomes da dimensão de Corrado Roi e Enrique Breccia e ainda mais uma – só uma, mesmo! – por Nives Manara… irmã do Manara que vos veio de imediato à ideia, distante do virtuosismo deste, apesar de alguma proximidade gráfica notória.


Três relatos – ou serão cinco? – que introduzem ou fazem revisitar o detective do pesadelo com cara de Rupert Everett, ex-alcoólico, não fumador e vegetariano, e nos deixam com vontade de ler e descobrir mais. Um pesadelo desejado que talvez se possa concretizar mais cedo do que nos atrevíamos a sonhar…

*Pedro Cleto, Porto, Portugal, 1964; engenheiro químico de formação, leitor, crítico, divulgador (também no Jornal de Notícias), coleccionador (de figuras) de BD por vocação e também autor do blogue As Leituras do Pedro

(Para aproveitar a extensão completa das imagens acima, clique nas mesmas)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.