As histórias de Tex escritas por Claudio Nizzi após o seu regresso, em 2017, na “voz” do próprio NIZZI

Claudio Nizzi

Claudio Nizzi viu ser terminada a sua longa e importante colaboração na saga de Tex Willer nas edições italianas nº 631 e 632 de Tex, respectivamente publicadas em Maio e Junho de 2013 com a aventura “L’oro dei monti San Juan“ desenhada por Lucio Filippucci, que desse modo representava a última peça posta por Claudio Nizzi no mosaico das aventuras de Águia da Noite, depois de mais de 30 anos de carreira bonelliana e culminando precisamente o trigésimo aniversário a escrever aventuras do Ranger já que essa sua última aventura permitiu, casualmente, a Nizzi cobrir com as suas histórias um arco de precisas 360 edições (de Tex 273 a Tex 632) que equivalem a exactos 30 anos.

A estreia na série principal de Tex aconteceu em Julho de 1983 e dois anos depois já era o escritor principal, tendo em conta que mais de 50% das páginas publicadas tinham a sua assinatura e inclusive em 1988, 1990 e 1992 cometeu a façanha de escrever todas as histórias publicadas nesses anos. Tal não acontecia desde 1975 quando pela última vez Gianluigi Bonelli tinha conseguido assinar todos os edições da série num só ano – e, sobretudo, não voltou mais acontecer até aos nossos dias.

Mas para grande surpresa do mundo texiano, a carreira de Claudio Nizzi em Tex afinal não tinha terminado há cinco anos como todos já tinham imaginado, porque em 2017 Nizzi aceitou o convite, de Mauro Boselli, para voltar a escrever novas histórias de Tex.

Mas sobre estas novas histórias escritas por Claudio Nizzi, em recente entrevista à Imprensa Toscana, o escritor argelino confidenciou:

Claudio Nizzi

As histórias escritas após o meu retorno a Tex em 2017, actualmente em produção por parte dos desenhadores são: seis histórias longas (cinco de dois álbuns – 220 páginas – para a série mensal e uma para a série Maxi Tex) e três histórias curtas de 32 páginas.
A primeira desenrola-se no deserto, com um assédio índio a uma estação de muda de cavalos onde estão barricados Tex, os três pards e mais algumas pessoas, desenhada por Lucio Filippucci. Uma (para o Maxi Tex) tem uma trama muito complexa ambientada no Arizona e em Washington e é desenhada por Giancarlo Alessandrini. A terceira leva-nos às florestas do Montana e está a ser desenhada por Giovanni Ticci. A quarta desenrola-se num rio canadiano onde teremos a reaparição de Gros-Jean, numa aventura desenhada por Corrado Mastantuono. A quinta, que será publicada no Tex Color do Verão de 2019, traz a estreia do desenhador Rodolfo Torti na saga de Tex. A sexta, onde Tex age sozinho, é ambientada no Montana (o desenhador ainda não foi atribuído). Posso assegurar ao leitor do Ranger que nas minhas histórias o Tex retornará à ironia e sorrirá, e que serão aventuras na tradição do western clássico.

Claudio Nizzi aceitou o convite de Mauro Boselli para escrever novas histórias de Tex

(Para aproveitar a extensão completa das imagens acima, clique nas mesmas)

4 Comentários

  1. É muito bom ler novas histórias de Tex escritas por Nizzi e embora seja bom ler histórias de misticismo como as de Mefisto, Tex é essencialmente western clássico.

  2. O melhor de tudo, é que Nizzi parou mas não por motivo de morte, e agora está de volta com histórias de Águia da Noite, para nossa felicidade!!!

  3. Olá, pard José Carlos existe alguma novidade sobre o retorno do capitão Bart? O Boselli bem que poderia fazer o retorno do capitão Bart em uma história em que Tex,Carson e os outros pards tivessem uma aventura no oceano pacífico e fossem parar na Austrália. Espero que o Boselli leia o blog, e se possível considere esta idéia.

  4. Boselli é um ser humano incrível, convidar o Nizzi para retorno de roteiros para o Tex…
    São dois gênios espetaculares e pessoas maravilhosas. Agradeço aos referidos por momentos de grande alegria e prazer em ler quadrinhos de absoluta qualidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *