As avaliações do Mattheus: Tex 498/499 – Além do Rio

(**CUIDADO: este texto contém spoiler. Se você pretende ler essa edição, não leia a crítica**)

Tex 498/499 – Além do Rio

| Elementos presentes na aventura | Acção constante | | Retorno fraco de Cão Amarelo | Ortiz |

Lançado no Brasil pela Mythos Editora em Abril/Maio de 2011 nos números 498 e 499 (na Itália nos n° 596 e 597), Além do Rio é uma história escrita por Nizzi e desenhada por José Ortiz.

O feiticeiro Ukasi convence Cão Amarelo, outrora chefe dos Utes, a reconquistar o comando da tribo e a atacar os Navajos, com o objectivo de apoderar-se das suas jazidas de ouro. Os quatro pards não têm intenção de assistir inertes ao saque e respondem ao ataque de Cão Amarelo e seus homens. Mas os Utes estão mais aguerridos que nunca e até mesmo Tex é surpreendido pela sua fúria!

Luz, lápis… acção!.

Os elementos presentes em Além do Rio são aqueles que todo texiano gosta de ver nas páginas do Ranger mais temido do Oeste: acção, emoção, suspense, mistério e reviravoltas. Tais elementos, tomam conta desta edição.

Seja pelas personagens ou pelos acontecimentos no desenrolar da aventura, temos aqui uma história movimentada e imprevisível. Nizzi, embora tenha pecado na actuação de Cão Amarelo, sempre inovando e nos surpreendendo com roteiros únicos e originais. Com índios, pradarias e reservas, temos uma aventura que retrata bem o western e que daria um belo filme estrelado por Águia da Noite.

Faroeste puro.

Como foi dito acima, Nizzi soube juntar elementos tradicionais do velho Oeste e transferir com mestria para as páginas de Tex. E como não poderia faltar, acção é o que não falta nesta edição. Além do Rio é uma aventura que contém bastante acção, mas de uma forma sem exageros e sem se tornar cansativa.

Os constantes confrontos entre Navajos e Utes dão à aventura um charme a mais, fazendo um leitor mais veterano sentir o gosto de nostalgia ao se lembrar daqueles filmes de western com aqueles índios corajosos enfrentando o homem branco.

O argumentista consegue inserir a acção constante sem que a mesma atrapalhe o desenvolvimento e a evolução da aventura. E assim, torna a leitura agradável e descontraída.

Amarelou.

Como explicado na sinopse no inicio do texto, o espírito da trama de Além do Rio é a tão desejada vingança de Cão Amarelo contra Tex. Mas se o leitor espera um retorno grandioso do antigo chefe dos Utes, se decepcionará. Aqui, a actuação de Cão Amarelo é daquelas que deve ser esquecida pelo leitor, de tão fraca que foi.

O retorno de Cão Amarelo tinha quase como obrigação de ser algo grandioso, marcante. Do jeito como a história/aventura vinha se desenvolvendo e gerando aquela expectativa para o grande duelo decisivo entre Cão Amarelo e Águia da Noite, teve que engolir um desfecho fraco e sem graça. E assim, quem acabou “roubando a cena” no final foi o ilusionista Ukasi, que teve seus truques desmascarados.

Lamentável.

É com enorme lamentação e tristeza que eu coloco o grandioso e magistral José Ortiz como ponto negativo na crítica. O excelente desenhador, de talento indiscutível, deixa nesta edição um trabalho que com certeza não é de seu padrão de qualidade.

Borrões, rabisco, personagens e cenas difíceis de serem interpretadas/reconhecidas são maioria nesta edição. Ortiz dá sinais aqui de que logo logo irá sair de campo. O desenhador, com todo o respeito, já tem uma idade avançada e talvez esta seja a causa das más ilustrações de Além do Rio. Com certeza, este é um trabalho esquecível de José Ortiz.

Conclusão:

.Além do Rio é uma boa história. Emoção, surpresas, reviravoltas e principalmente acção é o que não falta nesta edição. Embora fique devendo na sua principal proposta (a desforra de Cão Amarelo), a aventura cumpre a sua principal função: divertir o leitor.

Pessoalmente recomendo a aventura, a menos que você seja um daqueles leitores que dá importância aos desenhos. Se este for o seu caso, fique longe da edição, pois como explicado na crítica, Ortiz deixou um pouco a desejar nos desenhos.

Nota: 7,0

*Material apresentado no blogue críticas texianas em 23/03/2013;
Copyright: © 2013, Mattheus Araújo

Um comentário

  1. Também achei fraca a atuação de Cão Amarelo, mas discordo totalmente em relação a Ortiz, li a história duas vezes só pelos desenhos dele, desenhos carregados de sombra e hachuras é a sua marca, faz um ótimo jogo de luz e sombra.
    Respeito quem discorda, mas acho os desenhos dele sensacionais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.