A visita do pard Daniel Ianegitz Vieira

Por José Carlos Francisco

Neste último sábado, dia 17 de Dezembro, tive o grande prazer e a enorme honra de receber em minha casa mais um grande e especial fã brasileiro de Tex Willer: o pard brasileiro Daniel Ianegitz Vieira, que residindo actualmente em Dublin, capital da Irlanda, veio passar uns dias de férias a Portugal e deslocou-se propositadamente de Lisboa, na companhia de mais dois amigos e uma amiga, todos também oriundos do Brasil, vindo até à capital da Bairrada para conhecer o Museu português do Tex!

José Carlos Francisco e Daniel Ianegitz Vieira

Daniel Ianegitz Vieira é um pard que tive o prazer de conhecer pessoalmente há dois anos, em São Paulo, quando tive o privilégio de acompanhar Pasquale Del Vecchiona à Brasil Comic Con 2014. O Daniel tem uma grande paixão pelo nosso Ranger,apesar de somente em 2013 ter tido contacto com Tex, conforme ele mesmo nos confidenciou: “No começo de 2013 eu estava em uma banca procurando algo Disney e Turma da Mônica que eu ainda não possuía. Como não encontrei nada de novidade, decidi então pular para a prateleira do lado e vi que tinham alguns Tex com adesivo (autocolante) em cima do preço original, com um valor bem atraente, embora fossem revistas meio antigas, páginas já amareladas. Como nunca havia lido nenhum Tex, nem sequer havia folheado, acabei comprando, por cerca de 7 ou 8 reais, não me recordo, a revista mais grossa que tinha lá, sem sequer ler sobre o que se tratava a revista.
Essa revista ficou parada por um bom tempo, uns 15 dias, já que eu sempre tenho muitas revistas pendentes de leitura (compro mais do que tenho tempo de ler).
Um belo  final de semana que fui passar na casa dos meus pais eu levei algumas revistas mais grossas para ler lá. Eu peguei uma Disney BIG de 300 páginas, porém, como achei pouco ia pegar mais alguma revista, e logo abaixo estava a do Tex. Pensei, porque não dar uma chance para o Cowboy?
Levei para casa dos meus pais, li a Disney no sábado e no domingo, depois do almoço, peguei a do Cowboy para ver se eu apreciava.
Li a primeira página, a segunda, a terceira, fui até à capa traseira da revista, dei uma relida ali no resumo, voltei, li mais páginas, fui lendo, lendo, voltava no começo para rever alguma personagem que eu não estava me lembrando quem era, fui lendo, lendo, de uma só vez eu li 200 páginas. Não continuei porque estava no horário e eu tinha que voltar para minha casa em outra cidade. Fiquei pensando naquela história o tempo todo, aquilo mexeu comigo, estava maravilhado por aquele enredo, as personagens, a arte. No outro dia de manhã peguei a revista e de uma só vez terminei as 130 páginas restantes. Fiquei absolutamente abismado pela revista, a história, o ambiente, as personagens.
Onde isto tudo esteve toda a minha vida???
A resposta é simples: “Na prateleira ao lado“.
A revista era simplesmente Tex Ouro 45 – O Passado de Kit Carson.

José Carlos Francisco, Ana Beatriz e Daniel Ianegitz Vieira

Segundo o pard Daniel o que faz de Tex um ícone é “A padronização nos roteiros, desenhos e estilo de narrativa e publicação.  A centralização que a editora italiana fez manteve a revista praticamente sem mudanças em quase 70 anos. Com isso quem leu a revista há 30 anos atrás, se comprar uma recente, vai se deparar com a mesma personagem, a mesma narrativa e o mesmo estilo. Sem histórias paralelas e outros problemas criados quando se descentraliza a gerência de um título. Com isso o público se tornou muito fiel.

O encontro ocorreu portanto na minha residência, para deleite deste Texiano brasileiro, mas que actualmente reside então em Dublin e durante as cerca de duas (agradáveis)  horas de estadia de Daniel Ianegitz Vieira e seus amigos Diego Oliveira, Danilo Oliveira e Louise Drago Ithourald na Malaposta, falamos do nosso Águia da Noite e das nossas colecções assim como de muitas curiosidades sobre Tex! Foi enfim, mais um dia fantástico na minha vida de coleccionador de Tex, onde a amizade predominou e que só foi possível devido ao Ranger, ser uma personagem (de papel) tão especial e publicamente, agradeço ao Daniel Ianegitz Vieira, por estes maravilhosos momentos (poucos mas bons) vividos em minha casa, pois é sempre um tremendo prazer falar sobre o nosso Tex, ainda mais entre Amigos com a mesma paixão e que no fundo são como família!

José Carlos Francisco e Daniel Ianegitz Vieira com os seus amigos Diego Oliveira, Danilo Oliveira e Louise Drago Ithourald no Museu Português do Tex

(Para aproveitar a extensão completa  das  imagens,  clique nas mesmas)

Um comentário

  1. Museu!?
    Seria Biblioteca do Zeca.

    Biblioteca Texiunium Willeriano Zecaniana!

    O Sumo da Saga em Portugal.

    Todos os caminhos-Texianos, levam…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.