A confecção da (histórica) capa de Tex #642, “Appuntamento con la vendetta”

Por José Carlos Francisco

No próximo mês de Abril a Sergio Bonelli Editore publicará na Itália a edição número 642 de Tex, intitulada “Appuntamento con la vendetta”, edição essa em que teremos uma capa, da autoria do habitual Claudio Villa, que entrará directamente para a História de Tex pelo facto de pela primeira vez em mais de 65 anos de vida editorial termos na série principal do Ranger uma capa com duas situações contemporâneas desenhadas pelo autor da própria capa (tal já tinha acontecido, mas na série Maxi Tex, mais precisamente com o número 7, “Figlio del Vento“):

No passado, houve situações semelhantes, mas eram apenas resultado de montagens feitas na própria editora e não feitas propositadamente como nesta futura capa. A propósito desta inovação, Claudio Villa confidenciou-nos “É um pequeno passo para um lápis, mas um grande passo na História de Tex.

Ainda a propósito da capa da edição #342 de Tex, Villa continua “Saliento que a “novidade” refere-se directamente e estritamente à série principal de Tex: nunca antes tinha sido “tentada” uma capa com duas situações diferentes, no tempo e no local, contemporaneamente presentes. Paradoxalmente esta capa nasce de um “drama”.
Depois de ter visto todo o álbum, ainda sem os balões, NÃO ENCONTREI IMAGENS “elegíveis” para realizar uma capa.
Faltavam elementos lógicos e clássicos.. vocês compreenderão melhor quando tiverem em mãos esta edição de Tex e não posso e nem quero desvendar nada da história.
Inspirava-me uma bela cavalgada em contraluz e um tiroteio ocorrido em um outro ponto do álbum… então eu tentei um outro caminho que no passado já me tinha sido vetado.
A inspiração, às vezes, é como uma borboleta que pousa na prancheta de desenhar… e não te resta apanhá-la…


.

Depois de tomarmos conhecimento do nascimento desta histórica capa, divulgamo-la aqui no blogue do Tex, acompanhada da capa original pintada pelo próprio Claudio Villa e do esboço inicial tal como temos feito com alguma regularidade devido à gentil cortesia de Villa que nos tem dado a conhecer nos últimos tempos as suas cores originais das capas que vai produzindo para Tex.


.

(Para aproveitar a extensão completa das imagens, clique nas mesmas)

5 Comentários

  1. Olha… na minha opinião é a melhor capa de Tex até hoje… ou pelo menos das feitas pelo Villa…
    Essa vai virar quadro no meu quarto!

  2. Ficou muito boa mas eu não entendi. El Muerto e O Passado de Kit Carson não usaram esse mesmo recurso?

  3. Penso que há uma diferença técnica entre as capas citadas pelo pard Daniel e esta última do Villa que tecnicamente é uma capa com duas situações diferentes, no tempo e no local, contemporaneamente presentes na história, enquanto nas capas de El Muerto e de O Passado de Kit Carson, trata-se “apenas” de uma situação onde foi acrescida (em cada capa) o rosto de El Muerto e do jovem Carson projectado a desvanecer no céu, respectivamente.
    Creio ser essa a diferença técnica que faz o próprio Claudio Villa assinalar que esta é uma capa histórica na série principal do Ranger.

  4. Entendi, a primeira capa a possuir duas fases distintas da história.
    Enquanto nas outras era como se fosse apenas uma lembrança no ar e não uma outra cena da história.
    Ficou muito boa a capa, e o lenço está no tamanho normal também, ehehe.

    Uma dúvida, aquele esboço inicial é descartado e o final feito em outro papel, ou a versão final é feita em cima do esboço, no mesmo papel?

    • Pelo que eu deduzo, devido a experiências conhecidas, a arte final é feita em cima do esboço e penso que também o Claudio Villa assim proceda, embora certeza absoluta eu não tenho, o que sei é que a colorização feita pelo Villa é efectuada numa fotocópia da arte final a preto e branco para não correr o risco de danificar o original…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *