Vídeo: Com Tex a justiça vence sempre

Por José Carlos Francisco

A policia postal de Rimini, Itália, resolveu um caso muito particular de fraude na Internet, que devolveu o sorriso a um coleccionador italiano de Tex Willer: Num site de leilão on-line (e-bay) o Dr. Ambrogio Lattanzi, de 61 anos, tinha pago 1.500 Euros  pelo número 1 da série regular ‘La mano rossa‘ (A mão vermelha) a um calabrês, de 40 anos, vigarista em série que residia em Turim.

A entrega do Tex nº 1 selada com um aperto de mãos entre coleccionador e polícia postal

Depois dessa notícia dada pelo blogue do Tex referente ao coleccionador italiano de Tex que recuperou o ‘seu’ número 1 graças à polícia postal, hoje divulgamos a reportagem vídeo produzida pela Icaro TV pela jornalista Lucia Renati:

Demorou um ano, mas agora, o Dr. Ambrogio Lattanzi, de 61 anos, possui finalmente nas suas mãos o número 1 de Tex, ‘La mano rossa‘, de 1958. Após negociações difíceis, repetidos controlos para confirmar que era original e diversas trocas de e-mails, Blackwater ’72, a pessoa que tinha contactado num site de coleccionadores, evaporou-se  como fumo. O dinheiro já o tinha recebido, 1500 Euros, pagos no que deveria ser uma conta bancária, mas que, na realidade, era um cartão recarregável.

Depois de ter pago, mas nunca recebido, o número 1 de Tex Willer está finalmente nas suas mãos

A revista, no entanto, possuí-a realmente. O vigarista em série, um calabrês de 40 anos, residente em Turim, tinha vendido a outras sete pessoas, pela mesma cifra. Àquele preço, nenhum ‘verdadeiro’ coleccionador o deixaria escapar, visto que o seu valor é de cerca de 6.000 Euros. Em 1958 custava 200 liras!

Lattanzi, médico, residente em Altavalmarecchia, não é um incauto, e não se rendeu à ideia de ter sido enganado: “Para além do nosso profissionalismo, também tivemos de colocar o nosso coração – confidenciou o inspector  Vincenzo Papagni da policia postal de Rimini – como fazemos com todas as denúncias que recebemos. As vigarices deste tipo são irritantes porque as vítimas são quase sempre pessoas de boa fé”.

Um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *