Tex Série Normal: Mesa dos Esqueletos

Tex nº 124l - Mesa dos EsqueletosArgumento de Gianluigi Bonelli, desenhos de Alberto Giolitti e Giovanni Ticci e  capa de Aurelio Galleppini.
Com o título original Sabbie insanguinate, a história foi publicada em Itália nos nº 188 a 189 e no Brasil pela Editora Vecchi no nº 124.

Em plena reserva Navajo, Tex surpreende dois contrabandistas de armas e whisky a negociarem com índios.
Depois de um breve confronto, Tex abate os dois que se encontravam naquelas paragens a mando do mexicano Rico Torres.

Logo que sabe do sucedido, Rico jura vingar-se do Ranger e avisa Miller e Graham, dois homens de negócios com algum poder e que pretendem utilizar alguma da sua influência para afastar Tex como agente índio. No entanto, Tex suspeita que, se Miller e Graham estão tão interessados em traficar com os navajos é porque alguma coisa de mais substancial poderá estar por detrás de tudo.

Sabbie insanguinate

Tex em acçãoE em breve, Tex, Carson e Jack Tigre estão a caminho da cidade morta, um velho pueblo habitado apenas pelos esqueletos de antigos conquistadores espanhóis que ficaram por ali, únicas testemunhas de uma dura batalha com os índios, e que parecem guardar um antigo tesouro azteca.

Uma cidade morta, um pueblo perdido após uma dramática batalha entre índios e os conquistadores espanhóis, eis o cenário de mais uma bela aventura sobre a cupidez humana, uma questão que Bonelli tão bem soube explorar ao longo da série. Um tema recorrente, mas que G. L. Bonelli consegue atrair mercê do fascinante artifício histórico que busca na mitologia e na cultura índia muito do seu interesse.

O Tex de Ticci em acção

Tex esquivando-se das balasO mexicano Rico Torres funciona como o homem de mão de um grupo de aventureiros sem escrúpulos que tentam tudo para chegar ao tesouro azteca, mesmo corrompendo os próprios Navajos. Personagens duras e frias, mas que se encontram diante de um Tex perfeitamente bonelliano.

Um argumento que convida o grande Giovanni Ticci a desenhar páginas de grande intensidade, dinamismo e beleza, substituindo o seu mestre Alberto Giolitti que assina as primeiras 33 páginas da aventura. Ticci tem o oeste no seu traço, um traço pleno de dinamismo, convidativo à pura contemplação e cujas páginas que decorrem no pueblo são de verdadeira antologia na história texiana.

Texto de Mário João Marques

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *