Tex Série Normal (Itália): L’uomo di Baltimora

TEX 591 cop OK:589Tex 591 – “L’uomo di Baltimora“, de Janeiro de 2010 e Tex 592 – “Destini incrociati“, de Fevereiro de 2010. Argumento de Tito Faraci, desenhos de Giovanni Bruzzo e capas de Claudio Villa. História inédita no Brasil e Portugal.

Tex e Kit estão na pista de um bando que anda a assaltar bancos, quando vão em auxílio de William Hodson , um escritor e ilustrador de origem inglesa encurralado por um bando de índios. Hodson é um apaixonado por viagens, tendo já passado por inúmeros países e conhecido vários continentes. Agora, vindo de Baltimore, a sua cidade, Hodson deseja conhecer e escrever sobre o oeste e quando sabe que Tex e Kit andam atrás de um bando de assaltantes, não hesita em acompanhá-los para poder testemunhar factos e documentar-se para o seu próximo livro.

Arte de Giovanni BruzzoEsta é uma aventura que joga com lugares comuns do oeste americano, mas que Faraci, mercê da excelente caracterização das personagens, de um desenvolvimento pleno de dinamismo e de uma reflexão psicológica dos homens em função do ambiente e das circunstâncias, consegue tornar algo visto e revisto num trabalho que capta desde cedo a atenção do leitor. No fundo, só um viajante como Hodson poderia descrever e caracterizar melhor toda a diferença existente no carácter dos homens quando confrontados com o seu meio ambiente. Personagem simpática, Hodson encontra-se em permanente observação e reflexão, é alguém que conhece e sublinha o valor das relações humanas, deparando-se nesta viagem com todo o espaço amplo e rude do oeste americano, que leva os homens a adquirir desde cedo uma permanente luta pela sobrevivência.

Hodson e TexE é neste oeste selvagem, poeirento, onde o valor da vida humana está ao alcance de uma bala, que homens como Tex e Kit são dignos da admiração de Hodson, pela sua coragem e pela defesa dos valores humanos. É neste oeste grandioso que os homens adquirem a coragem necessária para lidar com situações que clamam pela sua bravura, mas é também neste oeste que existem homens da lei que vivem atormentados pela cobardia de episódios passados. O xerife Cameron é um reflexo do homem inseguro, alguém a quem a estrela da lei pesa sobremaneira, mas que os acasos da vida acabam por dar uma última oportunidade de redenção, provando que são sempre as circunstâncias e os ambientes a moldarem os comportamentos.

Arte de Giovanni Bruzzo

Tex 592No velho oeste americano, em África ou na índia, tal como um observador como Hodson pode comprovar. Faraci não permite que o desenvolvimento da aventura caracterize Tex, prefere sempre demonstrar as suas inúmeras qualidades ao leitor, realçando-as ao lado do filho Kit, cuja caracterização mais madura e vincada permite pensar que o autor guarda algo de novo para a personagem. Em suma, pelo olhar de Hodson, Faraci presta uma enorme homenagem ao mito e à série.

Bom trabalho de Giovanni Bruzzo, que apresenta um traço polido, dinâmico e com boa caracterização de ambientes e personagens. O seu Tex, mais um, vem decalcado do modelo Ticciano, sobretudo na expressão corporal, onde o ranger adquire quase sempre a postura do Tex Ticciano, altivo, imponente, seguro de si. Por outro lado, realce também para a composição de Kit Willer, que Bruzzo consegue caracterizar no aspecto fogoso, por vezes irracional, que Faraci constrói na aventura. Realce ainda para toda a cena final, onde tanto a composição idealizada por Faraci, como o desenho de Bruzzo acaba por resultar num memorável duelo digno do melhor que temos visto nos últimos anos.

Texto de Mário João Marques

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.