TEX SEM FRONTEIRAS: Tex 75 Anos – RETROSPECTIVA 2023 E OUTRAS

Por G. G. Carsan*

Poderia dar tudo certo? poderia terminar tudo bem? Acreditavam que seria barato? Esqueceram que foi o Ano do Mefisto? Senhor dos Sete Infernos? Pois é, pois foi. Durante os primeiros seis meses do ano, Mefisto dominou o cenário texiano e terminou com o seu triunfal momento, lá na parte oculta da Coisa. E que fique por lá, um bom tempo.

Mas, não se deve culpar somente o Mefisto pela crise que se percebe e se sente no mercado de Histórias em Quadrinhos. O problema vem de longe e se acumula e se agiganta, a olhos vistos. Os  principais problemas decorrem da crise literária que obrigou a falência das distribuidoras e o fechamento das bancas, desencadeada pelo domínio crescente e sem precedente do celular e outras tecnologias de ponta. Mudamos os hábitos, tentamos acompanhar os novos tempos, lemos de menos, e sobra muito menos grana para a leitura. Grana é tudo em um Mundo capitalista. Prioridades, idem.

As HQs resistem como podem. Mangás, Disney e Turma da Mônica ainda se encontram, em boa quantidade, em lojas especializadas e livrarias. Outros quadrinhos são encontrados em pequenas quantidades. Alguns com defasagem e lacuna na numeração, dificultando a vida dos colecionadores. Estes precisam recorrer às vendas ‘on demand’, através de pré-vendas e de financiamento Catarse.

Finalmente, a realidade é totalmente outra. Acabou-se a ida à banca, sempre que possível, em busca da nossa revista predileta. Esse ritual parece finito para sempre. Quem quiser prosseguir com HQs, manter as suas coleções em dia, manter o orgulho de ter a coleção completa, continuar no rol daqueles texianos que tem tudo e, acima de tudo, não perder a capacidade de se alegrar, de se emocionar, de sentir um prazer intenso com Tex, que é a melhor coisa, deve se render. De mãos na grana, ou no cartão de crédito (que pode ser o cartão virtual, que não pode ser clonado), o colecionador precisa comprar direto na Editora ou manter o contato com uma Loja Especializada, para garantir que não vai perder nenhum número. Depois de comprar, pode relaxar relendo aventuras antigas, enquanto espera a batida no portão ou o toque da campainha, ou o interfone, avisando que chegou encomenda da Mythos ou do seu fornecedor.

E chegamos a Tex, o magistral e fenomenal título italiano, publicado no Brasil, muito amado, apreciado e querido por milhares de brasileiros. Tex perdeu a hegemonia das bancas e se tornou uma vítima dos novos tempos, sendo vendido, com segurança e regularidade, apenas no site da Mythos Editora, que publica desde 1999.

Tex, que se junta a outros personagens de Sergio Bonelli Editore, para fazer a alegria de muitos leitores aqui no Brasil e em Portugal, como veremos abaixo, continua em sua jornada. Antes, vale salientar que, embora as vendas estejam em queda e ocorra uma batalha para aumentá-las, o leque de ofertas foi muito bom. Reproduzimos o cronograma da Mythos, publicado em dezembro/2022, para o calendário 2023, de recordatório, de prova.

Cronograma Oficial Bonelli/Mythos para 2023

JANEIRO

06 – Dragonero 19 – 96 pg
06 – Júlia Nova Série 15
13 – Dylan Dog Novo 27
20 – Zagor Classic 16 – 112 pg
25 – Tex 639
27 – M. Mystère 33 – 160 pg

 FEVEREIRO

01 – Júlia Nova Série 16
08 – Dylan Dog 33
10 – Tex Willer 47 – 192 pg
15 – Zagor Nova Série 11 – 192 pg
24 – Tex 640
24 – Ken Parker 12
28 – Almanaque Tex 56
28 – Júlia Especial rep 6 a 10

MARÇO

01 – Júlia Nova Série 17
03 – Zagor Classic 17 – 112 pg
07 – As Grandes Aventuras de TEX 3/1 – 344 pg
08 – Dylan Dog Novo 28
24 – Tex 641
28 – M. Mystère 34 – 160 pg
30 – Tex 641 Bis

ABRIL

03 – Júlia Nova Série 18
07 – Dragonero 20 – 192 pg
12 – Dylan Dog 34
18 – SuperAlm. Tex 6 – 480 pg
25 – Tex 642
28 – Ken Parker 13
28 – Júlia rep 31 a 35

MAIO

02 – Júlia Nova Série 19
05 – Zagor Classic 18 – 96 pg
10 – As Grandes Aventuras de TEX 3/2 – 304 pg
12 – Dylan Dog Novo 29
18 – Zagor Nova Série 12 – 280 pg
23 – M. Mystère 35 – 160 pg
25 – Tex 643

JUNHO

01 – Júlia Nova Série 20
07 – Tex Willer 48 – 192 pg
09 – Mágico Vento Deluxe 12
14 – Dylan Dog 35
16 – Maxi Tex 6
23 – Tex 644 – 128 pg
28 – Ken Parker 14

JULHO

03 – Júlia Nova Série 21
07 – Zagor Classic 19 – 120 pg
12 – Dylan Dog Novo 30
14 – Tex Omnibus 3 – 726 pg
21 – M. Mystère 36 – 160 pg
25 – Tex 645
28 – Dragonero 21 – 192 pg

AGOSTO

01 – Júlia Nova Série 22
08 – Dylan Dog 36
10 – As Grandes Aventuras de TEX 3/3 – 368 pg
18 – Tex Willer 49 – 192 pg
23 – Zagor N. Série 13 – 280 pg
25 – Tex 646
29 – Ken Parker 15

SETEMBRO

01 – Júlia Nova Série 23
06 – Dylan Dog Novo 31
08 – Zagor Classic 20 – 96 pg
15 – SuperAlm. Tex 7 – 480 pg
22 – M. Mystère 37 – 160 pg
25 – Tex 647

OUTUBRO

02 – Júlia Nova Série 24
06 – Dylan Dog 37
09 – Tex Gigante 39
18 – As Grandes Aventuras de TEX 3/4 – 384 pg
25 – Tex 648
27 – Ken Parker 16
30 – Dragonero 22 – 192 pg

NOVEMBRO

01 – Júlia Nova Série 25
08 – Dylan Dog Novo 32
14 – Júlia Graphic Novel 3
17 – Tex Willer 50
22 – Zagor N. Série 14 – 280 pg
23 – M. Mystère 38 – 160 pg
24 – Tex 649

DEZEMBRO

01 – Júlia Nova Série 26
06 – Maxi Tex 7
08 – Zagor Classic 21 – 112 pg
13 – Dylan Dog 38
22 – Tex 650
28 – Ken Parker 17

Bueno! Quem viu este cronograma em Janeiro/2023, certamente gostaria de pedir mais títulos. Por que não? Cada um tem as suas preferências, represadas. Mas, não imaginaria que alguns desses heróis pudessem receber ordem de cancelamento, ao fim do ano. E foi o que aconteceu com três distintos personagens, com a maior comoção e lamentos para o nosso Rei de Darkwood, O Espírito com a Machadinha.

Não bastassem os cancelamentos de heróis, chamados de ‘colocados na geladeira’ pela Mythos, ocorreram cancelamentos de duas coleções: As Grandes Aventuras de Tex não resistiram… findada a sua Quarta Temporada; o Superalmanaque… de tamanhas e importantes aventuras, idem. Se juntarmos que Tex em Cores não teve continuidade direta ou via Catarse, totalizamos que o ano 2023 foi muito difícil para a Editora. E olhem bem que, tudo isso sucedeu O Pulo das Três Quedas: Tex Coleção, Tex Edição Histórica e Tex Ouro, cancelamentos ocorridos em fins de 2022.

O momento está tão complicado, que uma live realizada por colaboradores, que teve o azar de pegar um dia de internet muito ruim; e um pronunciamento do Editor de Tex, recebeu muitas contestações de leitores de Tex, principalmente de quem reclama de tudo, haja ou não, razão. Faz parte. Porém, não se pode negar a vontade de acertar, não se pode negar a transparência adotada pela Editora, não se pode negar a coragem de  aparecer quando muitas coisas não vão bem, principalmente as vendas. Os cancelamentos falam claros e definitivos.

Durante todo 2023, aconteceram reclamações dos clientes da Mythos, a maioria sobre Tex. O pessoal reclamou da mudança de formato do Tex, ocorrida em 2022; reclamou dos preços; reclamou dos cancelamentos; reclamou dos novos títulos; reclamou dos descontos; reclamou de revistas descolando; reclamou de atraso nas remessas; reclamou do atendimento; reclamou da falta de informações. Fato é, que a Mythos se comunica mal, oficialmente. Precisa se comunicar claramente. As notícias chegam via live, que poucos assistem. Os dois canais mais vistos e acompanhados são a revista Tex e o facebook oficial, mas, além disso, suas publicações deveriam ser repassadas para grupos, tanto no face como no zap, para atingir todos. Ocorrem muitas perguntas de clientes sobre quando sai, quando saiu. Além disso, muitos clientes não sabem comprar no site da editora – não sabem ou tem medo.

Lamentável, triste, inesperado, o passamento do desenhista italiano, de um Tex Gigante, Carlo Ambrosini, um gigante da nona arte.

2023 foi tempo, também, de boas, de ótimas, de grandes notícias para o personagem e para os texianos em geral. Ainda bem! Quem tem TEX, tem tudo – e mais um pouco. E tivemos alegrias editoriais e alegrias de colecionadores, ocorrendo mais de uma vez, como veremos de seguida.

Tex alcançou a incrível marca de 75 Anos, em 2023, algo fenomenal, especialíssimo. Por isso, tanto em Itália, como no Brasil, tivemos Eventos muito legais para celebrar, festejar e inesquecer tamanha e fecunda data. Ocorreu um vendaval de emoções, realizações, lançamentos e histórias.

Eventos:

10 Anos do Clube Tex Brasil, na Vila Texas.

A ideia de  usar a primeira cidade cenográfica do Velho Oeste, no Brasil, para cenário das comemorações do Clube e dos 75 Anos de Tex, foi um saque muito rápido e certeiro, de Jessé Bicodipena, Presidente do Clube,  que bancou parte do patrocínio, junto a Delair Turella, criador-organizador do local, no município de Chopinzinho, no Sudoeste do Paraná (Vila Texas tem atraído produtores de cinema western e promovido o Projeto de Incentivo à Leitura, para jovens estudantes da região). O evento levou texianos de vários Estados do Brasil, conforme relatos e fotos impressas na revista Tex 647/12. Foi assunto dos grupos e mídias sociais durante dois meses. A Vila Tex é uma Gallup, uma Tombstone, uma El Paso. Será palco de muitos movimentos texianos, doravante. O Editor Dorival Lopes viajou 1.600 km, de carro, para se fazer presente, durante 24 horas, no evento, fazendo um corpo-a-corpo com os seus clientes e amigos, os colecionadores presentes.

Uma Tarde Bonelli, na Biblioteca Pública

Comemorar o Dia Nacional do Tex, em pleno aniversário do TEX, a 30 de Setembro de cada ano, é uma façanha que temos realizado no Brasil, com muito empenho e determinação. Dessa feita, a incumbência ficou para Raul Estigarribia e Adão Ávila, gaúchos portalegrenses de morada, que organizaram, junto à excelsa Biblioteca Pública do Estado do Rio Grande do Sul, nas figuras de Guilherme Smee e Leandro Doró, o evento supra, que durante dois dias, 30/Set e 01/Out, recebeu personalidades e colecionadores de várias regiões do País, marcando de forma indelével, mais uma grande festividade texiana, bonelliana.

Este evento contou com 07 palestras, exposição, presença de artistas e editoras, personalidades e colecionadores. Espaço para grandes apresentações, grandes encontros e reencontros, emoções à flor da pela.

Em agenda externa, alguns convidados realizaram eventos correlatos:

1 – Palestra Sobre Tex no Colégio Castro Alves, em Alvorada.

  1. G. Carsan, Jesus Nabor, Jessé Bicodipena foram encontrar os professores Paulo Kobielski, Denilson Reis e Anderson Art para uma palestra sobre os valores de Tex e da leitura, para jovens. Momento inesquecível, pois o próprio Tex apareceu por lá. O pessoal pode atestar.

2 – Aquece, no rancho Asas Sobre Rodas, em Viamão.

Montaram uma blitzen no rancho, com churrasco, cerveja, música country e motociclismo, tendo como pano de fundo, Tex e seus pards, oriundos de Brasil. Foi uma noite daquelas vividas num vilarejo mexicano, sob o luar, sob a música, sob a dança, sob a camaradagem, sob o olhar atento de Tex, com direito a parabéns e muitas fotos, inesquecíveis momentos. Os culpados? Adão Avila e o Tex Moto Grupo, claro.

3 – Bifes de Três Dedos no Boteco Histórico, Centro de Porto Alegre.

Desde 2018, em Limeira, que foi batizado e estabelecido, que comemoração texiana sem bife de três dedos e muita batata frita e chopp, não conta, não vale. Assim, na noite de 30 de Setembro de 2023, dezenas de pards puderam saborear muita conversa, chopp e bifes soterrados por montanhas de batatas fritas. Imagine a alegria de estar ali, comentando do evento e citando Tex a cada cinco palavras ditas. Prazer incomensurável, lazer que nos remete a um saloon em Laredo ou em Tucson, pouco antes de rolar um dos recorrentes tiroteios.

 As boas notícias ainda ocorreram quando foi dito que:

Ocorreram duas publicações de Tex Omnibus, o 3 e o 4.

Que Tex Willer continua firme e trouxe uma super esperada aventura com a história de Cochise.

Que a Mythos lançou um tutorial para ensinar o pessoal a comprar revistas, diretamente no site, pois muita gente não compra porque não sabe fazer isso.

Que as Grandes Aventuras de Tex para, mas será lançada a coleção Os Grandes Mestres, com aventuras especiais de cada grande desenhista, começando por Galep, é claro.

Que Tex Graphic Novel e Edição Especial Colorida estarão de volta, com as aventuras inéditas, atendendo aos clamores dos colecionadores.

Que foi realizado o teste para a viabilidade de Compra por Assinatura, iniciado com  quatro edições de Tex, entre setembro e dezembro. Estamos esperando ser anunciado se continua ou se não deu ibope.

Na Itália, continuam os crossover de heróis bonellianos, que logo chegarão ao Brasil. Também, continuam os BIS.

Vem aí mais um crossover do Tex e Zagor. O Diabo vai pirar, com estes dois heróis infernais abatendo suas legiões com tiros e machadadas. E Carson e Chico, pessimistas, resmungões e famintos, detonando todos os estoques de patos e batatinhas que encontrarem.

Que os livros Tex no Brasil – Águia da Noite e Tex no Brasil – Justiça a Qualquer Preço foram colocados à venda, para os colecionadores que precisavam completar suas trilogias.

Tex também pode comemorar um ano de ouro no tocante à sua divulgação em língua portuguesa, pelo que pudemos atestar.

  1. O Tex Willer Blog, de Portugal, que publica matérias diárias, é sócio do Clube Tex Portugal, que realiza evento anual com participação oficial da cidade de Anadia e presença de desenhistas italianos; e publicação da Revista Tex, com matérias e imagens contando histórias editoriais, colecionistas e outras.

  1. O Coletive Arts, do Rio Grande do Sul, que reúne artistas de várias vertentes, com a rubrica Cavalgando com Tex, realizando anualmente, evento comemorativo ao Dia Nacional do Tex, com lives, exposições, podcasts, entrevistas, palestras, crônicas, etc., há três anos cumprindo com maestria e eficácia, a divulgação do Tex.

  1. Tex Willer – Águia da Noite, um Grupo de Facebook, que abriga mais de 30 Mil Membros, totalmente loucos por Tex, a ponto de provocarem brigas em saloons, de praticar pirataria para ler Tex online, de xingar o Editor se não tiver promoções, cupons e Black Fridays e frete grátis. O Grupo, que já completou 11 Anos, tem por objetivo promover o Tex, criar amizades entres os pards e incentivar a leitura.

Convivemos com um novo tempo que gira de forma avassaladora, tornando tudo tudo muito sutil, fútil, passageiro. Hoje o aparelho celular é o motor das civilizações, objeto de desejo de trabalhadores, de crianças, de ladrões. Através do celular, conseguimos realizar quase tudo que o mundo moderno e a tecnologia nos permitem e nos apresentam. Isto obriga, cada vez mais, ao uso. Empresas, governos, escolas, entidades, todos estão em plena implantação de tecnologias. Sessenta profissões estão sumindo, centenas de serviços funcionando online, centenas de comandos e controles sendo realizados através do celular. Claro que isso iria afetar o mercado de leitura de quadrinhos, e não só de jornais, de impressos estudantis. Livros e quadrinhos estão sob ataque constante. A oferta é gigantesca. Por mais que você diga que não vai usar nunca, uma hora se verá obrigado. Ou vai usar ou vai pedir para alguém lhe auxiliar, senão vai perder oportunidades, perder dinheiro, perder negócios. Definitivamente, o Mundo é online.

Terminamos dizendo isso, para trazer os acontecimentos desse ano de 2023, em que forçosamente, ou se avança ou morre, desaparece, tivemos os formatos de todos os Tex alterados para maior – formato italiano. Além disso, iniciou-se lá atrás, a busca por álbuns capa dura, que não só melhoram a apresentação do personagem, como lhe confere visibilidade, maturidade, importância e valor. Tex precisa estar disputando espaço com outros quadrinhos de heróis, de igual para igual. Ninguém valoriza um quadrinho formatinho em papel jornal, por melhor que seja, se houver um mercado contemporâneo de grande formato e capa dura. Outra coisa, Tex precisa de uma coleção definitiva, gigante, talvez o próprio Omnibus satisfaça isso, mas estará nas mãos de poucos, para diminuir o gigantismo da coleção de 750 números atuais, que tomam paredes inteiras (a coleção TEX em 100 exemplares, robustos, seria ideal). É uma sandice tal coisa como está. E continua crescendo.

Tudo que as editoras fizerem para se manter no mercado, será pouco diante dos desafios que estão postos. Entre eles, a falta de renovação de leitores, os preços altos, a formação de nichos de mercado, a grande variedade de ofertas vigentes. Como dito por alguns, temos revistas do Tex concorrendo, umas com as outras e sufocando o pequeno colecionador.

É hora de finalizar. Hora de rememorar um pouco do que aconteceu nos últimos 75 anos, na Itália, e 52 anos de Tex, ininterrupto no Brasil, parando junto das coleções e viajando pelas histórias das revistas e histórias nas revistas. Terminar com alegria e com grande esperança, representada pela realidade de acontecer, nesse 2023, a grande e ansiada primeira vez de um desenhista brasileiro nas páginas de Tex. Pedro Mauro acaba de estrear numa história de Tex, publicada na Itália e, já em 2024, publicada no Brasil. Era um sonho nacional, dos texianos brazucas, ler uma história desenhada por um brasileiro e serve de consolo para tantos acontecimentos negativos. Agora falta apenas, Tex viver uma aventura no Brasil. Quem sabe um dia?

Agradecimentos especiais a Paulo Kobielski, a Jorginho Luis, a Raul Estigarribia, a Delair Turella, a Jessé Bicodipena, a Dorival Lopes, ao Zeca, ao Sandro Santos, a Eros Sanches, a Rodrigo Rudiger, a Julio Schneider, a Marcos e Dolores Maldonado, a Leandro Doro.

G. G. Carsan
Dezembro/2023

* G .G. Carsan, 58 anos, paraibano, fã, coleccionador e divulgador, começou aos 7 anos a ler Tex e nunca mais parou. Realizou 9 exposições em João Pessoa, escreveu várias aventuras para Tex, palestras em vários Estados e plateias e quatro livros sobre a personagem no Brasil.

(Para aproveitar a extensão completa das imagens acima, clique nas mesmas)

10 Comentários

    • Baita retrospectiva amigo Carsan. Ano cheio de eventos e publicações. Valeu a lembrança do Colégio Castro Alves. Que venha 2024 com muito mais. Aquele abraço.

  1. Grande Pard Carsan! Teu texto retrata tanto a tristeza quanto a alegria destes abnegados colecionadores Texianos! 2023 foi generoso com o RS. Tua participação foi fundamental para o sucesso da nossa Festa dos 75 anos do Tex.
    Até 2024. Abraços a todos os Pards do Universo.

  2. Ótimo texto. Tex realmente ficou marcado como gibi de velho, eu tenho 26 anos e leio há 5 anos. O problema da renovação de público do personagem é a editora. Até ano passado lança em formatinho, ninguém com 15 anos vai se interessar por algo assim. Depois, não há divulgação. A editora lança títulos que ninguém sabe que está sendo lançado. E o único contato que a Mythos tem com o leitor são lives ridículas e amadoras. Tex nas mãos da Panini venderia muito mais pois a editora tem um marketing melhor (não defendo que vá para a Panini pois a editora é a que cobra os preços mais altos do país).

  3. Certo dia me perguntaram: “Você lê Tex? É bom? O que me indica?“. Perguntas fáceis de responder. Sim. Sim. Tex Omnibus para acompanhar do início. Tex Willer para acompanhar uma nova vertente do Tex e o Tex mensal.
    Mas ele achou o Tex Omnibus muito caro. E não curte muito esses títulos com volumes de páginas tão exagerados. Que isso só vale pra super-heróis. Mas os outros ele vai começar.
    E então me fez outra pergunta: “Porque o Tex que vendia tão bem no Brasil, você nem encontra as poucas bancas de revista? Porque ele não vai para as gibiterias? Porque ele não esteve na CCXP?“.
    Essas são perguntas mais difíceis. Quem sabe se encaminhamos ao Dorival Lopes ele possa nos responder e culpar os leitores brasileiros. Quando não se sabe mais administrar uma coisa é bom que se pegue como exemplo com os mais jovens. E aqui cito a editora jovem Pipoca e Nanquim.
    Ah! Quem me fez essas perguntas? Um rapaz de 13 anos que cansou de super-heróis e saturou de mangás. Enquanto na Itália, jovens cada vez mais estão lendo Tex, no Brasil, velhos editores recalcados brigam com leitores fiéis.
    Mas como dizia meu saudoso pai: “Tex está acima disso tudo” E que viva Tex!

    • Exato. A Mythos administra muito mal o Tex. Não há propaganda, não há marketing, e assim as vendas caem e o editor culpa os leitores pela incompetência dele e da editora.

  4. Excelente texto. No que a Tex diz respeito, 2023 fica marcado para mim pelos seus 75 anos, pela exposição no Festival de BD da Amadora que tive o prazer de organizar e montar juntamente com uma magnífica equipa, por mais uma Mostra em Anadia, por ter conhecido Dante Spada e Marco Ghion e revisto o Rossano Rossi e, infelizmente, pelo desaparecimento do meu amigo Carlo Ambrosini, que tive ocasião de o fotografar junto ao Mosteiro dos Jerónimos, foto que o artigo recupera e tão bem publica. Senti de mais essa perda, porque a boa disposição e o convívio que tive durante uns dias com o Carlo em Portugal marcou-me. Bom 2024 para todos.

  5. Parabéns G .G. Carsan,
    Muito bom, infelizmente esta é a realidade de hoje, e acredito que a coisa só tem a piorar com o passar dos anos. Quanto à Mythos não se pode negar que a qualidade das revistas são excelentes, divulgação nem tanto, a não ser pelas próprias revistas que trazem nas contras capas, no demais é torcer que nosso Tex continue por aqui…
    FELIZ 2024 A TODOS!!!

  6. Belo texto, parabéns, concordo sobre as falhas de comunicação da Mythos, uma das ultimas live foi terrível, mas na minha opinião certas decisões foram acertadas, como por exemplo, cancelar as revistas “repetecos”, o leitor que tiver interesse em ler aventuras “antigas”, procure nos sebos virtuais que com certeza vão encontrar várias edições com ótimos preços. A mudança de formato, apesar do aumento no valor da capa, achei necessário pois é uma forma de chamar a atenção a novos leitores, eu compro no site da editora, sempre fui bem atendido, e sempre que compro lá estou ciente que a encomenda vai demorar um pouco, pois opto pelo frete mais barato, enfim não podemos esquecer que a editora visa lucro, e se o seu produto não está tendo saída, tem que ser tomadas algumas providências umas certas outras nem tanto, e muitas vezes essas mudanças não vão agradar a todos. Torço muito para que em 2024 a editora se acerte internamente e que o ano seja de muita luta e vitórias para todos.

  7. Interessante restrospectiva baseada em outras matérias e fotos já publicadas anteriormente.
    No tocante aos eventos, especificamente ao da “Vila Texas”, tem informação colocada pelo autor do texto que não está “correta”, o que induz o leitor a acreditar num fato inverídico.
    No geral, um belo artigo (em sentido jornalístico – tendo em vista ser publicado em um blog internacional), mas que poderia, na minha opinião, ser mais conciso e, principalmente, mais impessoal.

    Um bom ano novo a todos os texianos… e que tenhamos muito Tex pela frente…

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *