Tex Gigante: O Último Rebelde

O Último RebeldeArgumento de Claudio Nizzi, desenhos e capa de Colin Wilson. Com o título original L’Ultimo Ribelle, a história foi publicada em Itália no Tex Albo Speciale nº 14 em 2000 e no Brasil pela Mythos Editora em 2002.

O Último Rebelde tem como pano de fundo um grupo de soldados sulistas derrotados na Guerra Civil Americana e que anseia o regresso às armas para, deste modo, poder vingar a humilhação sofrida. O grupo vai preparando o terreno com acções de guerrilha, visando com isso a obtenção de fundos para a compra de armamento.

O argumento encontra-se perfeitamente localizado em dois cenários: a penitenciária de Peterburg e o covil dos renegados. Podemos, deste modo, afirmar que Nizzi nos apresenta um enredo que se desenrola sempre em círculo fechado, carregado de uma certa densidade dramática, onde Tex e Carson não têm tempo sequer para meditar.

O Tex de Colin WilsonNa penitenciária, Tex dispõe de um tempo preciso e de um espaço exíguo para planear o encontro com Freemont e a posterior fuga. Mais tarde, já no covil dos rebeldes, o assalto ao cofre é também preparado dentro de um limite temporal relativamente curto e num espaço bem delimitado.

Nizzi gosta de apresentar enredos com certas doses de suspense e, como já tem feito noutras aventuras do ranger, é adepto de crescendos dramáticos que o elemento natureza proporciona: o temporal que surge na noite do assalto ao cofre, mais não é do que um adensar emocional da acção, como já tínhamos visto, por exemplo, em O Cavaleiro Solitário, quando Tex derrotou os irmãos Barret. Se a chuva copiosa serve de ajuda ao plano, ela também vem contribuir para a sobrecarga dramática da acção. Repare-se, como curiosidade, que quando se inicia a fuga de Tex, Carson e Corbett, a chuva desaparece.

Uma das grandes qualidades deste O Último Rebelde também está na riqueza e no alcance psicológico que as personagens adquirem, uma característica que muitas vezes rareia nas aventuras de Tex. O herói surge-nos aqui com uma certa dualidade de sentimentos, uma vez que vai descobrir em Freemont um aliado para combater os rebeldes. Tex vai sentir que poderá estar a trair a confiança de alguém que, afinal, confiou nele, complicando, em certa medida, a missão para a qual fora incumbido.

Tex por Colin WilsonO Capitão Freemont, regendo-se por interesses específicos e concretos, é no fundo alguém com preocupações humanas, não se furtando a salvar dois companheiros, ou quando acaba por unir o seu destino ao do general Jackson.
Este mesmo General, surgindo poucas vezes durante o enredo, acaba por revelar ao leitor ser senhor de grandes ideais e paixões, continuando a lutar até ao fim por uma causa em que nunca deixou de acreditar.
Por fim, a figura do Major Corbett, o perfeito vilão com quem Nizzi começa e termina a saga dos rebeldes. No fundo, Nizzi apresenta nesta personagem tudo o que Tex sempre desprezou.

Colin Wilson é um autor sobejamente conhecido, nomeadamente para quem acompanha regularmente a escola franco-belga.
Blueberry e Tex por Colin WilsonO autor neo-zelandês apresenta-se com um desenho nervoso e dinâmico, a que não será alheia a sua experiência a desenhar a Juventude de Blueberry ou Judge Dread. Apesar do seu Tex sofrer vários desenvolvimentos ao longo das páginas, lembra levemente Ticci, alude por vezes a De La Fuente, mas acaba por sofrer muito a influência do herói francês (já citado) de Gir e Charlier. Esqueçamos esse detalhe e foquemos a nossa atenção apenas para o desenho de Wilson e esse adquire uma rara elegância ao longo de toda a aventura.

Texto de Mário João Marques

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *