Tex Gigante 8: Sangue no Colorado

Sangue no ColoradoArgumento de Claudio Nizzi, desenhos e capa de Ivo Milazzo. 
Com o título original Sangue sul Colorado, a história foi publicada em Itália no Tex Albo Speciale nº 13 em Julho de 1999 e no Brasil pela Mythos Editora em Novembro de 2001.
 
Nizzi é frequentemente acusado de não conferir uma certa densidade quer dramática, quer psicológica nos seus argumentos, assumindo-se antes como um puro herdeiro do legado de GL Bonelli, levando Tex a continuar nos trilhos das aventuras duras e cínicas. Haverá, porventura, uma certa razão nestas críticas, no entanto, aqui em Sangue no Colorado, Nizzi acaba por nos apresentar um argumento credível, apaixonante e carregado de uma certa densidade dramática.
 
Nizzi, vem focar alguns temas num só argumento: uma reflexão sobre a vida quando se atinge uma certa idade, na figura de Howard McLean, o que fizemos, onde errámos, afinal o que poderíamos ter feito de modo diferente; um conflito de gerações entre a mesma personagem e os filhos, sobretudo com o seu herdeiro Guy; e uma dicotomia entre diferentes comportamentos, fruto desse tradicional conflito de gerações.
 
Os 4 pards por MilazzoHoward, o patriarca, sempre perfilhou determinados comportamentos e valores, enquanto os seus filhos prezam outros, um o puro lucro o outro as mulheres. A diferença está no modo e nos estilo em como a família McLean é vista, antes era respeitada, agora ela é temida e odiada. Nizzi, de modo mais ou menos velado, assume assim uma crítica bem actual da nossa sociedade e que já tinha todo o seu sentido no velho Oeste. O autor vem revelar subtilmente ao leitor a diferença entre um certo limite e o querer tudo, a diferença existente entre pai e filho, entre duas gerações.
 
Tex e Kit WillerA característica que mais apreciamos em Nizzi é a sua capacidade em delinear perfeitamente os seus argumentos (mesmo que estes não atinjam, por vezes, a densidade necessária), em saber dividi-los de modo eficaz e coerente, sem nunca perder a sua interligação. Aqui, em Sangue no Colorado, o autor coloca em prática essa característica, com uma primeira fase onde Tex arquitecta o seu plano para salvar Kit, aproveitando o autor para desenvolver e dar a conhecer ao leitor as principais personagens e as suas motivações pessoais. Numa segunda fase, Nizzi desenvolve a principal linha do argumento, a luta dos mineiros contra as ambições de Guy McLean, terminando no desenlace final, onde as lutas e as revelações atingem o seu auge, qual tragédia grega.
 
O Tex de MilazzoO desenho de Milazzo é sintético, uma verdadeira economia de meios que acaba por funcionar numa panorâmica geral. No entanto, com uma análise mais cuidada, facilmente descobrimos falhas e omissões, mesmo alguns erros grosseiros. Mas  o estilo do autor é este, no fundo apresentar algo com o menor número de traços.
 
Milazzo joga muito com os efeitos claro-escuro, com as sombras, mesmo em cenas diurnas, demonstrando também aqui todo o seu sintetismo.
O seu Tex também nos surge algo envelhecido, como em De La Fuente, por exemplo. O estilo de Milazzo também não é alheio na composição facial do ranger, através de algumas expressões de grande plano, onde o seu olhar adquire uma certa composição típica das aventuras de Ken Parker. Confesso não ser grande admirador do estilo de Milazzo, mas, no fundo, acaba por assinar aqui um trabalho respeitável na composição do ranger.
 
Texto de Mário João Marques

Um comentário

  1. Desculpem-me mas os desenhos de Milazzo não me descem de forma alguma, disparado o Texone menos privilegiado da série, série esta que para mim é das melhores de Tex.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.