SECRET ORIGINS: TEX CLASSIC 39

Por Saverio Ceri [1]

Desta vez, as origens secretas das capas  do Tex Classic fazem-nos recuar no tempo, mesmo que indirectamente, muito além dos 70 anos, que na data de lançamento, se festejava para o ranger bonelliano.
O trigésimo nono Tex Classic, reapresenta, a cores, os números 21 e 22 da segunda série dos Albi d’Oro, datados de Agosto de 1955, que por sua vez republicaram, em três tiras, as aventuras que apareceram originalmente nos números 37 a 42 da quinta série da collana del Tex, publicados entre Março e Abril de 1953.
Curiosamente, como acontece cada vez com mais frequência ultimamente, a capa não vem directamente de um dos dois Albi d’Oro reimpressos, mas de um mais ou menos do período habitual. Neste caso a capa que se vê abaixo é retirada do número 23 da segunda série dos anos 50, edição que voltaremos a ver apenas no próximo Classic. Além disso, a capa, embora pouco vista, não está entre as melhores disponíveis, com o protagonista relegado a segundo plano e um sujeito muito feio (até a nível gráfico) em primeiro plano. Abaixo, em sequência, exibimos a capa de 2018 e a capa de 1955. Curioso também o erro do título na capa da época com um Y em vez do J de Tiger Jack.

Tex Classic #39 – Tex passa al contrattacco

Albo d’Oro Tex #23 – Nuova Serie

Para a capa em questão, Galep inspirou-se na primeira vinheta da terceira página do álbum Il Messaggio di Morte, o quadragésimo quarto da quinta série de tiras de Tex.

A vinheta que serviu de inspiração a Galep

As duas capas “descartadas” provavelmente devem essa “rejeição” ao facto de já terem sido reutilizadas ao longo dos anos pela redação de Tex.
Vamos proceder na ordem inversa: o número 22 da série quinzenal Albo d’Oro tinha como capa a imagem abaixo:

Albo d’Oro Tex #22 – Nuova Serie

A ilustração reapareceu nas bancas italianas em 1958 como capa do décimo sexto álbum da primeira série gigante de Tex, com uma pequena diferença: a faca desaparece das mãos do índio em primeiro plano; e o que inicialmente parecia quase um sacrifício humano torna-se uma espécie de velório fúnebre.

Tex #16 – 1ª Série Gigante

Vamos continuar de trás para frente. A capa da edição 21 é a abaixo. Como se pode ver, apresenta uma inédita composição para a série: no canto inferior esquerdo, sem nenhum motivo específico, aparece uma vinheta completa com um balão de texto inclusive. Talvez para mostrar o protagonista na capa, mesmo que de costas?

Albo d’Oro Tex #21 – Nuova Serie

A natureza bizarra da vinheta na capa desapareceu no ano seguinte, quando a equipa editorial optou por usar a imagem como capa do décimo número da primeira série gigante de Tex Avventura nell’Utah título também usado, entre outras coisas, para o Classic anterior. Do desenho original, além da vinheta,  desaparece o fundo, sendo substituído por um sol poente atrás das rochas de um canyon.

Tex #10 – 1ª Série Gigante

A particularidade desta imagem, como nos conta Francesco Bosco no seu blogue Diario di un texofilo, é que ela vem directamente dos Estados Unidos da América e precisamente da capa que se pode ver abaixo, realizada por Raymond Everett Klinster para o número 25 da série Wild Bill Hickok, datada de Outubro de 1954. A hipótese mais provável é que Galep, sem ideias devido ao imenso trabalho, entre as tiras e as capas de Águia da Noite, achou aquela capa americana, encontrada na redacção, muito cativante e eficaz para Tex e a repropôs para a reimpressão quinzenal. É uma pena que o personagem não se assemelhasse em nada com o protagonista, tanto que na eredacção, estamos sempre  hipotetizando, foi considerado ser necessário fazer Tex aparecer de alguma forma, introduzindo a infeliz vinheta no canto inferior esquerdo.

Continuando a recuar no tempo, descobrimos que o próprio Klinster se inspirou para o seu desenho na capa de Thrilling Western vol.II, número 3, de Setembro de 1934, de um desconhecido, pelo menos para nós, embora um bom ilustrador.

Saverio Ceri

Encontre todas as outras origens das capas de Tex Classic na rubrica Secret Origins: Tex Classic

[1] Material apresentado no blogue Dime Web em 14/08/2018; Tradução e adaptação (com a devida autorização): José Carlos Francisco.
Copyright: © 2018 Saverio Ceri

5 Comentários

  1. Bastante dessas capas eu não conhecia, comecei a ler tex esse ano em 2024 com 14 anos. ja comprei mais de 10, Tex é incrivel cada historia tem sua maneira de acabar, eu acho incrivel so não acho uma comunidade onde eu possa falar sobre tex willer pra tirar minhas duvidas etc.

    • Parabéns.
      Bom ver um jovem gostando de TEX.
      Sugiro que você se inscreva nos canais do YouTube Cangaceiro HQ, Estante do Tex, Multiverso 38 e HQolatras.. São focados em Tex.

      • Obrigado pela indicação vou ver, o universo de TEX é imenso então quero aprender tudo haha. Espero que mais pessoas que nem você me ajudem a descobrir mais, um dia tirarei todas minhas dúvidas obrigado.

      • Eu queria entender TEX por causa dos livros, tem vários, porém não sei ordem nem nada desse tipo. haha

        • Basicamente hoje temos essas coleções de histórias inéditas:

          Tex mensal

          Tex edição gigante (sai duas por ano)

          Tex Grafic Novel (sai duas por ano)

          Maxi Tex ( sai duas por ano)

          Tex almanaque (sai duas por ano)

          Tex edição especial colorida (sai duas por ano)

          Tex Willer (no Brasil sai a cada 3 meses)

          Aí tem coleções que fazem republicaçoes de histórias antigas

          Tex ouro (cancelada)
          Tex edição histórica (cancelada)
          Tex omnibus

          Você pode ler qualquer coleção dessas.

          Das inéditas sugiro a TEX WILLER que conta as histórias de Tex jovem e a Tex edição gigante.
          Tex qualquer coleção é excelente!

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *