O que Tex nos reserva para 2011

Por Sandro Palmas [1]

O que Tex nos reserva para 2011

Com o número 600 fechou-se metaforicamente uma porta sobre o passado recente, feito como todos mais ou menos sabem de numerosas desilusões e poucas satisfações. Ao ler os comentários existentes na Internet, o novo ano que nos espera coincidirá com um renascimento verdadeiro e próprio da personagem Tex, aliás já pressagiado pelo óptimo 2010. O retorno às 330 páginas ou pelo menos a um número superior às habituais 220, o que por si só ajudou a aniquilar histórias promissoras, é também um motivo de grande esperança.

A história de Boselli & Piccinelli será uma das três a superar as 220 páginas em 2011

Dado importante é o facto de Claudio Nizzi abandonar o leme, já que apenas irá aparecer numa única história, ambientada no Novo México e a ser publicada em Fevereiro, confiada à arte de um dos desenhadores mais aclamados da nova geração, Rossano Rossi. Artista que embora permanecendo fiel ao traço civitelliano, mostrará nas páginas da sua nova história que terá adquirido uma cada vez maior personalidade! Com “Intrigo Militare” (“Intriga Militar”), uma aventura que nos fará companhia durante estes meses frios de Inverno e que nos trará o retorno de uma grande personagem nizziana, o General Davis, assistiremos a um complô internacional de género policial, segundo um esquema entre os mais apropriados ao autor.

A cidade de Santa Fé será o ponto de partida para uma aventura que envolve militares e revolucionários mexicanos

O soberano de 2011 em termos de roteiros, será Mauro Boselli, que com as suas histórias vão abrangerá pelo menos oito álbuns da série regular, um almanaque e talvez também o maxi outonal se nesta última série vier a ser preferido a Faraci. Já para não falar de uma história que se anuncia ser especial em todos os sentidos que trará o retorno ao staff texiano Bruno Brindisi. Mauro Boselli, daquilo que nos é dado saber, preparou para nós uma série de histórias clássicas, de puros westerns, em que os protagonistas serão no entanto pertencentes a diversas tribos indígenas, desde os Modoc do álbum auto-conclusivo de Torricelli até aos Navajos do Almanaque de Danubio, dois novos desenhadores há muito aguardados e que terão a honra de inaugurar o ano!

Originariamente destinada ao Almanaque, a história de Torricelli será recordada sobretudo pelo seu estilo galleppiniano

Com a Primavera estarão de retorno não só as andorinhas, mas também os Apaches da célebre história do Forte Apache, que emocionou no final dos anos noventa os leitores de Tex e ainda hoje é recordada como um dos melhores escritos de Mauro Boselli. A realização gráfica foi atribuído desta vez ao surpreendente Yannis Ginosatis, um artista grego que está a realizar a sua primeira história de banda desenhada. Tex de novo ao lado do scout Laredo retornará a discorrer sobre os efeitos benéficos de um cigarro ou uma saudável bebida que tanto enfureceu o Codacons, a associação italiana de consumidores que levou Tex a tribunal?

Tex e Laredo de novo juntos numa vinheta que mostra um traço rico e extraordinariamente realístico

O escritor Mauro Boselli parece cada vez mais fascinado pelo “verdadeiro Oeste” a ponto de repropor nas páginas da banda desenhada mais vendida na Itália, eventos que afundam as suas raízes não na imaginação do autor, mas em acontecimentos reais. A criação em 1872 da reserva natural numa grande área das Montanhas Rochosas, o célebre Yellowstone Park, levará Tex ao Estado do Wyoming (embora as fronteiras do parque, numa curta extensão, incluam também o Montana e o Idaho) para lidar com um sequestro. A história sucessiva, ligada àquela de Piccinelli acabada de descrever, terá por sua vez como tema o mundo ferroviário e será publicada, provavelmente nos últimos meses do ano. Desenhos do talentoso Leomacs.

Uma personagem feminina fortemente caracterizada e o hispânico Xavier Mondego tornarão apaixonante este enésimo capítulo da saga texiana

E chegamos às histórias dos autores que roubarão um pouco de espaço a Boselli, falamos de Faraci e Manfredi: trarão também eles ambientações tipicamente westerns.

Os irmãos Cestaro, é notícia fresca, recém-acabados de concluir os seus desenhos esperam que a sua história possa ser publicada no Verão. Inserimo-los na programação embora não tenhamos até à data certeza alguma, embora para dizer a verdade pode insinuar-se o mesmo discurso no que à história de Nizzi e Filippucci já que a sua publicação pode acontecer a partir de Dezembro de 2011. Retornando aos Cestaro, a sua história será particularmente rica em chumbo, como sugere o título provisório, “Diluvio di piombo” (“Dilúvio de chumbo”)!

Os irmãos Cestaro retornam, depois de “Lo sceriffo indiano”, a um western clássico

Se viram o belo western de 2006 “Broken Trail“, terão seguramente uma ideia do que eram as esposas postais (no filme, na verdade, são belíssimas chinesas destinadas ao mercado da prostituição). As raparigas que Manfredi corajosamente inseriu no Tex Gigante de 2011 realçam ainda mais o esplêndido trabalho do célebre Carlos Gomez, embora sejam apenas um dos elementos de uma rica trama que viverá de momentos espectaculares em que o talento do artista será duramente (mas também felizmente) posto à prova!

Os desenhos enérgicos de Gomez acompanharão desta vez um argumento que figurará nos anais da banda desenhada

E chegamos à última “surpresa”. Ainda não podem ser divulgadas certas notícias sobre a edição especial que está a ser desenhada por Bruno Brindisi, por isso mostramos somente uma vinheta publicada na Internet, num sítio italiano especializado em banda desenhada: Lo Spazio Bianco

Tex em um novo flashback que nos leva de volta aos tempos heróicos da sua juventude. Qual será desta vez o episódio escolhido por Boselli para nos trazer as façanhas de uma época que ainda hoje apresenta muitos lados obscuros e ainda por contar Poderá ser a morte do inesquecível Dinamite o tema desta história?

[1] (Texto publicado originalmente no Tex Willer Forum, em 23 de Dezembro de 2010)
Tradução e adaptação a cargo de José Carlos Francisco

5 Comentários

  1. Quero ver o trabalho de Ginosatis, Gomez e o Brindisi. São os que mais estou aguardando para ler.

  2. Muito bom.
    Parece que Tex terá grandes desenhistas em 2011, aguardemos então.

  3. Realmente ainda poderemos contar com Tex, por mais uns 60 anos, pois é muita coisa boa o que vem pela frente.

  4. Para mim 2011 só apresentará ótimas novidades: a primeira é a aposentadoria do Nizzi, já vai tarde, dá pra contar nos dedos suas boas histórias, a segunda é esse maravilhoso desenhista, Torricelli que lembra Galep nos seus melhores tempos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.