Na biblioteca de… José Carlos Francisco

Texto publicado no suplemento semanal IN #87, integrado na revista NS (Notícias Sábado) #191 (revista líder de mercado que aos sábados acompanha o “Jornal de Notícias” (JN) do Porto e o “Diário de Notícias” (DN) de Lisboa), de 05 de Setembro de 2009.
* F. Cleto e Pina

* Na biblioteca de…
José Carlos Francisco
* Um dos maiores coleccionadores mundiais de  Tex Willer

Na biblioteca de... José Carlos FranciscoTem 41 anos, mora na Malaposta (Anadia) e nasceu «no meio da banda desenhada – Disney, Astérix, Lucky Luke, Tintim, mais tarde Mundo de Aventuras, Falcão, Condor, Tarzan…», que lia no quiosque da mãe, em Moçambique.

Em 1980, ao ajudar os avós a mudar de residência, descobriu «no sótão muitas revistas de BD, entre elas o Tex #94». Uma vez lido, foi «uma paixão arrebatadora, o exemplo vivo de amor à primeira vista!”». Nesse mesmo dia foi à procura de números anteriores e passou a comprar todas as aventuras de Tex Willer, ranger e chefe dos índios navajos, criado em 1948 por G. L. Bonelli e Galep, e base do império Bonelli de BD popular, de cujos estúdios em Milão é visita regular, o que lhe permitiu mostrar no Festival de Banda Desenhada da Amadora, pela primeira vez fora de Itália, originais da série.

SumárioRepresentante em Portugal da brasileira Mythos, que distribui nos nossos quiosques os vários títulos do ranger, afirma que «quem lê Tex não consegue ficar indiferente, pois podemos rever-nos nos seus princípios, nos seus actos e na sua coragem, sempre em prol da justiça».
E destaca «a excelência da série, excepcional pelos seus longos enredos, muitos deles permeados de factos e personagens históricos, e com magníficos desenhadores».

Um dos maiores coleccionadores mundiais, possui perto de 2300 livros e revistas de Tex, incluindo «as colecções completas italiana e brasileira e álbuns em mais 22 línguas».

Capa NSO seu acervo também inclui «tudo o que tenha que ver com o cow-boy: camisolas, estátuas, puzzles, selos, cadernos, porta-chaves, cromos, um raríssimo maço de cigarros brasileiro pirata e inúmeros desenhos emoldurados e expostos pela casa».

O artigo mais difícil de conseguir foi o número inicial «da colecção brasileira, que há uma dezena de anos custou 100 dólares», bem caro para uma pequena revista (14×18 cm), a preto e branco e papel de fraca qualidade…
O seu «sonho é conseguir o nº 1 italiano, de 1948».

A biblioteca de J. C. Francisco alberga também centenas de títulos de «Blueberry, Astérix ou Michel Vaillant e de outras personagens Bonelli – Mágico Vento, Zagor, Júlia, Mister No…».
Como o espaço já não abunda, tem «milhares de edições Disney e dos super-heróis da Marvel e da DC Comics» em casa dos pais.

Santuário TexianoSendo evidente a paixão com que fala da sua «biblioTex», «devidamente organizada em estantes executadas por medida», entre muitas histórias, destaca «uma recente visita pascal», em que «o sacerdote observou detalhadamente a colecção, enquanto todos aguardavam para beijar o compasso e, admirado, confidenciou que nunca tinha visto um santuário assim»!

*********************************************************************
Um museu Tex em PortugalUma nota: Um museu Tex em Portugal

Os seus bens mais valiosos são «o argumento original do recente Tex Gigante – Patagónia, as 220 páginas do guião de Terre Maledette, e um original de Claudio Villa», mas José Carlos Francisco sonha ter «a totalidade das pranchas originais de uma história» do ranger, ou seja, no mínimo, umas 140 páginas desenhadas.
Tem noção de que «isso é quase impossível de ser conseguido», mas como a sua ambição é «criar em Portugal um museu dedicado a Tex», confia que um dos desenhadores «faça essa doação».

Copyright: © 2009 Notícias Sábado; F. Cleto e Pina
(Para aproveitar a extensão completa das imagens acima, clique nas mesmas)

13 Comentários

  1. É isto aí pard! realmente você fez a escolha certa entre tantas revistas… TEX, este realmente é o “melhor”.
    Lucílio Valério

  2. Teu sonho é muito bonito e tenho certeza de que vais realizá-lo. Parabéns pela bela reportagem. Abs

  3. Mais uma excelente acção de propaganda de Tex e da BD em geral, desta vez a nivel nacional. Parabens José.

  4. Parabéns primo, estou orgulhoso de ti.
    Continua na tua batalha.
    Cumprimentos a toda a familia.

  5. Parabéns.

    Uma página completa acerca do teu impressionante santuário o que digamos é digno de registo.

    Um abraço,

    Pedro

  6. Parabéns, José Carlos. Mais uma vez o nome da nossa personagem favorita foi prestigiado pelo maior coleccionador de Tex de Portugal e quiçá da Europa. Muito bem!

  7. Caro amigo Zeca,
    Meus parabéns, pela excelente entrevista! Também o parabenizo pela sua maravilhosa coleção do Tex. Eu gostei da forma como você falou de sua paixão, à primeira vista, pelas eletrizantes aventuras do incomparável ‘Águia da Noite’. Continue assim, procurando, pesquisando, garimpando incansavelmente… Pois, as preciosidades (gibís raros, desenhos originais, esboços, rascunhos, etc, etc.) estão por aí, escondidas nas prateleiras, nos sótãos, nos porões, só esperando para serem resgatadas por gente como você!
    Siga em frente meu amigo, o caminho é este!
    Atenciosamente, Cid.

  8. Obrigado a todos os pards e Amigos que endereçaram tão gentis e sinceras palavras, assim como os parabéns, mas tudo isso deve ser endereçado (e é somente mérito dele) ao nosso ranger, porque o herói é ele e tudo que se possa fazer para divulgar Tex nunca será demais 😉

  9. Numa palavra Pard: fantástico.
    Mas quem tem o prazer de te conhecer pessoalmente e já ter visitado essa enorme biblioteca texiana, sabe que tudo isso é merecido e tu mais que ninguém tens feito impossíveis pelo Tex.
    Um grande abraço e muitos parabéns
    Mário Marques

  10. Se o Sr. Padre voltasse agora ao Santuário, benzia-se 3 vezes, pois a colecção já deve estar muito maior.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.