Mythos Editora anuncia Tex ‘mensal’ em formato italiano a partir do número 636

A Mythos Editora, a casa de Tex no Brasil, anunciou hoje numa ‘live’ no Youtube (que pode ser vista no vídeo acima onde também abordou novidades confirmadas para o segundo semestre de Tex, como por exemplo o Tex BIS) através da sua gerente de marketing, a Joana Rosa Russo, o fim do denominado “formatinho” na série mensal do Ranger, fim esse que ocorrerá com a edição número 635 no próximo mês de Setembro.

Mas o fim do “formatinho” não significará o fim do Tex Mensal, muito pelo contrário, mas sim que o Tex Mensal será mudado para Formato Italiano (a primeira edição neste novo formato será a aventura “Le frecce dei nemici“, com argumento de Pasquale Ruju e desenhos de Giuseppe Prisco). Mas essa mudança implicará provavelmente outras mudanças, sobretudo a nível de numeração, por isso a editora paulista decidiu fazer uma pesquisa para ver o que os seus leitores sentem sobre a numeração… se zerar seria o melhor, se deixar mista (como a Marvel comummente optava) ou se continuar a numeração normal… uma decisão, seja ela qual for, que certamente não conseguirá agradar a todo o seu público, mas a Mythos Editora deixa nas ‘mãos’ dos seus leitores a decisão final promovendo uma pesquisa cujo formulário pode ser preenchido clicando AQUI!

Como você gostaria que fosse a numeração após a conversão de Tex mensal de formatinho para o formato Italiano (igual ao Dylan Dog, Júlia, Martin Mystère, Dragonero e Zagor)? 

Finalmente é chegada a hora de converter nosso Tex mensal para o formato italiano, pois não é mais viável sua manutenção no formato atual e em papel jornal. 

Mas queremos saber o que você pensa sobre como deve ser a numeração a partir dessa mudança. Por isso, estamos pesquisando o que você prefere: se zeramos a numeração, como fizemos com Júlia; se publicamos com uma numeração mista a partir do número um, (mas que vai informar qual seu equivalente na “coleção antiga”) ou que, simplesmente, siga a numeração atual. 

Acreditamos que a opção de recomeçar do número um, ou seja, que recomece a contagem (tanto como única opção, como com a numeração mista) é uma excelente forma de seguir com a coleção para os veteranos e, ao mesmo tempo, possibilitar que uma nova safra de leitores comece a descobrir o mundo de Tex! 

Escolha uma das opções abaixo:

 

1. ZERAR A NUMERAÇÃO – Prefiro que recomece a numeração no número um, mesmo sendo equivalente à edição 636 em diante.
2. NUMERAÇÃO MISTA – Prefiro que tenha um novo número, mas que na contracapa, ou em algum lugar, tenha uma indicação mostrando que ela é a sequência de onde houve a mudança: “Nº. 1, equivalente 636” e assim por diante.
3. MANTER A NUMERAÇÃO – Prefiro simplesmente que continue como está.
Recorda-se que somente votando no formulário (AQUI) é que o voto será contabilizado pela Mythos Editora.

27 Comentários

  1. Sinceramente, prefiro que continuem com a numeração que está, mas que se adapte o formato italiano. Assim como o Tex Brasil passou por uma mudança de formato quando suas aventuras passaram a se estender por várias edições, o mesmo podia ser feito agora. Tivemos a chance de fazer isso quando o Tex chegou ao número 600, mas passou batido. Infelizmente um marco tão importante está sendo esquecido nisso tudo: a marca de publicação com numeração mais antiga que existe no Brasil: O Tex!

  2. O formato italiano e padrão de qualidade é fundamental e será bem aceito.
    Continuar a numeração é fundamental para grandeza da publicação.
    Reiniciar desde o número 1 é burrice.

    • Que a numeração seja zerada, e com referência, “esta história saiu em número italiano tal, e seria o número brasileiro tal”!…Já votei no formulário, numeração mista.

      • Bom dia, Beto, concordo com você, e sinceramente acho que essa é a opção mais simples e acertada que a editora vai acatar, minha dúvida agora será o tipo de papel que será utilizado.

        • Marcos, a Joana falou na live ontem, será papel offset, capa cartão, mesmo formato de Júlia!… Ou seja, igual aquele que vinha sendo lançado a algum tempo atrás e parou!… Acho que vai ficar muito legal!!!

  3. A minha opinião seria zerar a numeração e publicar histórias completas, igual Zagor Nova Série, para isso acontecer era só mudar a periodicidade, deixar de ser mensal.

    • Bom dia, Iran, gostei da idéia, mas acho que iria encarecer muito essas edições, mesmo sendo bimestrais.

      • O Fantasma foi zerado, Disney zerado, Turma da Mônica zerado, Homem-Aranha zerado, Superman zerado, Batman zerado… Zagor, Ken Parker, Tarzan…
        Deixa a coleção do Tex ser diferenciada Mythos Editora, mantenha a numeração.

      • Não iria dar certo. A diferença entre histórias do Brasil para as da Itália são muito poucas. O Tex Brasil está no número 634 que corresponde ao Tex Itália 734. Depois desse arco de Tex no Ártico teremos dois arcos, um que terão dois volumes e outro que terão 7 volumes! E depois? Teremos que esperar três ou quatro meses? Isso significa péssima visão de mercado e “assassinato” de uma série em quadrinhos que dura mais de 70 anos no Brasil, sendo que mais de 50 anos sem parar com uma numeração mais antiga que existe.

  4. Acho que a melhor opção seja zerar a numeração e internamente informar a numeração Italiana, pra mim o que importa mesmo é a modernização (alteração de formato) e a continuidade dessa revista. Outro detalhe, não sei se foi comentada na live, mas o tipo de papel será como os utilizados em Dragonero e Dylan Dog, por exemplo ou será como o utilizado no TEX WILLER, que na minha opinião seria a melhor opção, pois é um bom papel e aparentemente o utilizando as edições ficariam “menos caras”, se eu estiver falando besteira, rsrs, por favor me corrijam.

  5. Olá, Bom Dia!
    Acho que seria legal a Editora publicar também em formato italiano, as edições do número 614 a 635, em paralelo as edições partir do 636.
    Assim teria uma sequência entre as edições publicadas anteriormente (fase anterior do formato italiano).

  6. Como sou aficionado e grande/antigo colecionador, tudo que for lançado no Brasil de forma oficial, vou comprar,no entanto, zerar a numeração do Tex mensal vai ser um fiasco, numeração mista pior ainda.
    Havia outras publicações de HQ’s que foram zerada,deu certo? Não.
    Essencial e fundamental manter a numeração, não mude a numeração Mythos.

  7. Antes de mais nada, digo que continuarei lendo/colecionando Tex independentemente da decisão que seja tomada quanto à numeração, mas particularmente prefiro que seja dada sequência à numeração original (em respeito pela histórica tradição do personagem). Para os leitores novos que gostam de começar pelo número 1, existem outras séries que possam atendê-los. E vamos ver as mudanças pelo lado positivo: finalmente poderemos dizer que temos Tex no Brasil em um padrão de qualidade superior ao italiano!

  8. Numeração mista é a melhor opção a ser adotada!… Com ressalva, “esta edição corresponde ao Tex italiano nº tal”… e Tex mensal nº tal”… e além do mais, irá atrair novos leitores pelo fato de ser um número #1!… Finalmente o famigerado formatinho está sumindo!… Ufa, pensei que nunca ia acabar!… O Brasil, era o único país que adotava esse formato horrível!…13.5 x 17.6,!…
    Uma pena que não converterão também o TEX COLEÇÃO para o formato italiano, escolheram a opção do cancelamento!… Fiquei muito triste, pois era minha principal coleção, já que não coleciono o Tex mensal!… Compro aleatoriamente!… Talvez agora eu acompanhe desde o número um, e com uma qualidade especial!!!

  9. Votei por zerar a numeração, mas é possível que a Mythos adote a numeração mista. A Ed. Mythos chegou a editar aqueles números em formato italiano do Tex mensal e depois cancelaram. Talvez pelo custo…
    Não querendo ser pessimista, por qual motivo, daria certo agora? Com certeza vai ter um bom acréscimo de preço…
    Sds

  10. Independentemente da alternativa que vai prevalecer, o fato é que a Mythos só se dispõe a fazer alguma mudança desse nível em Tex porque a crise está pesada. Na verdade, é uma tentativa para manter a publicação no país, mais do que tudo. E, seguindo a tendência atual do mercado, troca o caráter “singelo” que Tex sempre teve (papel simples, preço baixo, grandes tiragens e venda em bancas) pela gourmetização.

  11. Seja qual for a opção vencedora e consequentemente a decisão final da Mythos, será uma opção que não agradará a todos os leitores/coleccionadores… mas o mais importante é que Tex continue sendo publicado e com uma qualidade maior…
    Pessoalmente, eu votaria numa opção onde o número 1 constasse na capa mas na lombada constasse o número 636… seria um modo de tentar não desagradar o máximo de leitores… mas mesmo assim tenho a convicção que desagradaria a muitos pards…

    • Pard José Carlos, concordo contigo, o mais importante é a continuidade da revista, independente de qual seja a opção que venha a ser escolhida pela maioria dos leitores; afinal o que realmente importa são as histórias de Tex, e não qual vai ser opção de numeração da revista.

  12. Votei por manter a numeração atual.
    Respeito opiniões contrárias, mas acredito que a numeração de Tex deva ser mantida como uma forma de preservar a longevidade editorial de um dos maiores quadrinhos do Brasil (senão o maior).
    Como outros colegas mencionaram, existem diversas novas publicações, ainda em numeração baixa, à disposição dos novos leitores.

  13. A situação está complicada.
    Os novos leitores de quadrinhos, se é que existem, se mostram muito exigentes. Digo “se é que existem” porque não costumo ver adolescentes comentando em blogs, sites, redes sociais, grupos de quadrinhos, mas gente que já passou dos 30 anos.
    Quando jovens, chegávamos às bancas e, para conhecer novos personagens, nem nos importávamos qual a numeração da publicação. Eu mesmo conheci Tex assim, com o título já passando da edição 200.

    Deixei de comprar por uns anos. Voltei no nº 512!! A partir de então, fui comprando em sebos números anteriores e completando as histórias por meio de Tex Ouro, Edição Histórica, Tex Coleção e Tex em Cores (por isso esses “repetecos” eram tão importantes para um personagem com uma carreira editorial tão longeva).
    Um número avançado não me impediria de ler, de me divertir com meu personagem favorito. Mas a geração atual quer ter um prazer meramente psicológico de comprar uma edição nº 1 e começar uma “nova” coleção.
    Essa tática, tornada tão comum pela Panini no Brasil, pode até atrair novos compradores de forma imediatista, mas não será nenhuma garantia que eles permanecerão.

    Dito isto, dos males o menor. Apoio a numeração mista. Quero continuar tendo o orgulho de apoiar uma publicação que passou das 600 edições!

  14. Vejo vantagens e desvantagens nas opções: “recomeçar a numeração” e “manter como está” – vantagens e desvantagens já identificadas nos comentários anteriores.
    A opção apontada pelo José Carlos talvez seja a que deixa menos colecionares insatisfeitos, pelo que poderá ser considerada a melhor.
    Relembro que quando Zagor passou a ser publicado em Itália, no formato Bonelli, a editora não criou uma nova coleção, passou a publicá-lo na coleção Zenith, no Nº 52.
    A editora manteve o Nº ZENITH na lombada e na ficha técnica manteve as duas numerações (http://zagorgigante.blogspot.com/2009/02/duas-numeracoes-no-zagor-italiano.html). Pelo que sim, talvez seja a melhor opção manter a numeração na lombada, continuando desta forma a coleção, e na capa reiniciar a numeração, marcando desta forma a nova fase da coleção.

  15. A numeração mista é o certo a fazer. Nem precisava dessa pesquisa. Será do agrado de todos os fãs e colecionadores. Aproveito pra sugerir a capa cartão junto com o papel offset nessa nova fase do Tex. Se assim acontecer, serei um incansável divulgador do Tex mensal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.