Mesa redonda em Valência com Antonio Segura e José Ortiz

Por José Carlos Francisco

Integrada na  2ª Mostra de Cómic de Valencia (a decorrer de 7 a 10 de Abril e integrado na 32ª Mostra de Valencia Festival Internacional de Cine de Acción y Aventura que por sua vez se realiza de 7 a 14 de Abril) realizou-se este sábado, dia 9 de Abril, uma Mesa redonda intitulada “Leyendas del cómic europeo”, onde foi apresentada a edição de “Tex: El oro del sur e que contou com a presença de duas lendas vivas da banda desenhada espanhola: o argumentista Antonio Segura e o desenhador José Ortiz para além da participação do editor Joseba Basalo da Aleta Ediciones (que está a cometer a feliz loucura de publicar alguns dos êxitos da editora Bonelli em espanhol e claro,  graças a isso, hoje as edições de Tex são uma realidade para os inúmeros fãs de Tex de nacionalidade espanhola) e cuja moderação ficou a cargo de Alvaro Pons.

No decurso então do “debate”, o consagrado desenhador José Ortiz, “um dos mais prolíficos de toda a história” segundo as palavras do moderador Alvaro Pons, recordou os gloriosos tempos da banda desenhada. Segundo Ortiz, “Há quarenta anos vendiam-se edições de 150.000 exemplares e só existia a concorrência da rádio e da televisão.

Durante a Mesa redonda, José Ortiz apresentou, acompanhado pelo argumentista Antonio Segura, o álbum El Oro del Sur, com as aventuras do mítico ranger Tex, um ícone do mundo da banda desenhada de aventura. O editor Joseba Basalto por sua vez comentou que a personagem Tex tem muita força porque a editora Bonelli “cuida muito a qualidade das histórias” mas também porque “Tex pode gostar até a pessoas que habitualmente não leiam banda desenhada“.

Mas voltando à apresentação da edição de Tex, El Oro de Sur foi publicado originalmente na Itália em 1991, quando Antonio Segura já cumpria há um par de anos a difícil tarefa de ser um argumentista oficial da histórica personagem da banda desenhada italiana e que até então nunca tinha sido escrita por um autor não italiano, o que mostra bem a importância do feito conseguido pelo autor espanhol.

Destaque-se ainda o facto de ambos os autores espanhóis terem autografado exemplares do ranger a todos os presentes que o desejassem…

(Para aproveitar a extensão completa das imagens acima, clique nas mesmas)

Um comentário

  1. O Ortiz é um dos melhores! Gosto do que vocês chamam de “estilo sintético” e acho que o Tex fica melhor quando é desenhado bronco e mal-encarado.

    Abraços e parabéns pelos textos. Estou resgatando meu hábito de ler Tex (depois de um longo hiato, meu vício voltou) e este blog já virou leitura diária.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.