Il ragazzo selvaggio (O rapaz selvagem) no mais recente luxuoso Tex da Mondadori


Renova-se uma tradição verdadeiramente inevitável, para os fãs do Ranger Bonelliano: como sempre acontece a cada novo Outono, a Mondadori publicou no passado mês de Novembro um novo volume de grande formato, com capa dura e inteiramente a cores, dedicado a Tex, naquela que muitos consideram a mais bela e luxuosa colecção de Tex, “Grandi libri” (“Grandes livros”) e que nasceu em 1975 pela Editoriale Cepim (a actual Sergio Bonelli Editore) com a publicação do primeiro volume, intitulado “Il mio nome è Tex” e que passou a ter uma periodicidade anual a partir de 1996, tornando logo desde o seu início como sendo uma verdadeira série para coleccionadores, enriquecida pelo formato grande (315 x 225), capa dura, artigos vários e sobretudo a inclusão das cores nas histórias originalmente publicadas a preto e branco pela editora Bonelli.


A publicação deste ano (cuja capa, desenhada por Giovanni Ticci podemos ver mais abaixo a ilustrar este texto), intitula-se “Il ragazzo selvaggio” (“O rapaz selvagem“) e contém a aventura originalmente publicada nas edições 317, 318 e 319 da colecção principal de Tex, datadas de 1987, aventura escrita por Claudio Nizzi e desenhada por Giovanni Ticci.


Há 15 anos atrás, um menino desaparece quando a caravana onde seguiam os seus pais é atacada por índios Arapahos. Anos mais tarde, o seu pai, agora um rico rancheiro, não desiste de o encontrar e o seu desejo torna-se mais forte quando dois caçadores afirmam ter visto um jovem branco nas montanhas. Tex e Carson vão ajudar nesta busca, embrenhando-se numa aventura com algumas surpresas desagradáveis.


(Para aproveitar a extensão completa das imagens acima, clique nas mesmas)

4 Comentários

  1. Fantástica essa coleção Zeca, está faltando 10 volumes pra completar a minha, aos poucos vou finalizá-la, aproveitando a oportunidade Zeca, será que a Mondadori um dia vai republicar essas edições antigas?

    Um Abraço.
    Nei Campos .

  2. Zeca, por que Tex i gli Indiani tem a lombada em azul? Foi dada alguma explicação pra essa curiosidade?
    Abraço!

  3. Olá pard Nei Campos,
    Para completar a colecção dos álbuns cartonados de Tex, falta-me apenas um, “Un’avventura nel Nord“, de 1983 e que nunca foi republicado. É de certo modo muito raro e valioso, quando em bom estado, por isso seguramente tão cedo não terei a colecção completa, mas já me dou por satisfeito por ter todos os restantes, até porque recebi todos eles de presente, alguns inclusive com dedicatória de Sergio Bonelli…

    Na Itália há muitos pedidos para a Mondadori republicar as edições antigas, até porque acabam ficando também raras e custando muito dinheiro, mas a Mondadori não confirma que as irá republicar, aliás, muito sinceramente eu não acredito que republiquem todas, isto no caso de republicarem algumas edições como já fizeram no passado, mas resta esperar…

    GGCarsan, se “Tex e gli indiani“, da Cepim, 1980, tem a lombada azul, “Tex contro Mefisto“, também da Cepim, mas de 1978, tem a lombada cor de laranja, isto na versão original (que eu já possuí e acabei presenteando). Na época não havia uma cor padrão para as lombadas, mas curiosamente o primeiro volume “Il mio nome è Tex“, de 1975 teve a lombada vermelha, tal como o 4º volume “Tex e i fuorilegge“, de 1982 e então a partir daí é que as edições seguintes tiveram sempre a lombada vermelha 🙂

  4. G.G. Carsan,
    o álbum “Tex e gli indiani” (“Tex e os Índios“) foi publicado pelas Edizioni CEPIM, um dos antigos nomes da atual SBE. A Mondadori Editore prosseguiu a coleção e a lombada mudou de azul para vermelho.
    Eu creio que Giovanni Ticci é o desenhista com mais histórias publicadas nessa coleção – Albo d’Oro Mondadori.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *