ESTATÍSTICAS BONELLIANAS – BONELLI 2023: COMO TEX NÃO HÁ NENHUM

O final de cada ano é desde sempre o momento para fazer balanços. E, claro, Saverio Ceri não poderia deixar de nos dar os números totais relativos à produção Bonelliana ocorrida em 2023. Convidamos-vos a encontrar as edições anteriores da sua rubrica se acabou por as perder, pois estamos seguros que após estas novas estatísticas, ficarão tal como nós, à espera da próxima.

ESTATÍSTICAS BONELLIANAS – 2023

Por Saverio Ceri

BONELLI 2023: COMO TEX NÃO HÁ NENHUM

Bem-vindos uma vez mais ao relatório anual dos números Bonelli. Como no ano passado, vamos dividir o resumo numérico da safra Bonelliana em vários capítulos. Nesta primeira parte trataremos dos dados gerais e das personagens.

Tex completa três quartos de século estabelecendo um novo recorde absoluto: quase 4 mil páginas inéditas publicadas

Antes de descobrirmos este primeiro ranking de 2023 na íntegra, vamos renovar a premissa para os leitores que se deparam com esta rubrica pela primeira vez:
Aquelas que se seguem são classificações de quantidade, não de qualidade; são elaboradas considerando as páginas inéditas produzidas pela Sergio Bonelli Editore e publicadas exclusivamente pela própria editora Bonelli no decurso do ano. Não encontrarão assim todos os autores bonellianos, que dia após dia trabalham para a editora, mas apenas aqueles que nos últimos doze meses foram publicados; aparecerão assim autores que talvez já não trabalhem mais, mas cujas histórias ainda não tinham sido publicadas; não encontrarão também alguns autores que actualmente produzem material para a Sergio Bonelli Editore, mas cujas histórias não foram ainda programadas nas várias séries da editora italiana. Não encontrarão igualmente as páginas produzidas pela Bonelli, mas publicadas por outras entidades, tal como não serão contabilizadas as páginas não inéditas, quer tenham sido publicadas em álbuns bonellianos ou não. Ou seja, de modo a uma melhor compreensão, não encontrarão os dados das várias histórias reimpressas em edições de livraria, mesmo que, como no caso de alguns cartonados de Dragonero, sejam contabilizadas as cores porque foram realizadas propositadamente para a ocasião, ou as histórias breves de Groucho republicadas num Dylan Dog Color Fest, originariamente publicadas na “caixa” Grouchomicon de 2017. Não encontrarão também nem sequer vestígios dos volumes Cmon, ou de Mr. Wolf, porque apesar de contar com autores da editora Bonelli, trata-se de produções não bonellianas, das quais a SBE, neste caso, publica-as sob licença de outras editoras.

Do quadragésimo sexto color fest encontra-se no ranking de 2023 apenas os dados do colorista da história de Daw. A capa e as histórias são reimpressões e foram contabilizadas no ano da primeira publicação.

Após um ano de substancial estabilidade, em 2023 é retomada a queda no número de páginas produzidas anualmente pela Sergio Bonelli Editore. Na verdade, foram publicadas 18.494 páginas de inéditas de banda desenhada nos últimos doze meses, ou seja 6,38% a menos do que em 2022. Se compararmos os dados com o ano recorde de 2019, a queda é de 23,83%, ou seja quase um quarto de páginas a menos do que no período pré-pandemia.
O número de pranchas inéditas publicadas neste ano é o mais baixo dos últimos 12 anos, mas acreditamos que seja, pelo menos em parte, uma tendência escolhida pela editora: à espera de um novo personagem de sucesso, admitindo que ele chegue mais cedo ou mais tarde, melhor menos páginas, mas dedicadas cada vez mais aos personagens mais vendidos. Na tabela abaixo, de facto, vemos que os três personagens mais publicados de cada ano, os que estão no pódio (à parte da intrusão de Nathan Never em 2017, sempre foram Tex, Dylan Dog e Zagor nos últimos anos), registam uma tendência estável de crescimento e, este ano, para além do número recorde global de 9.428 pranchas, também ultrapassam o limite de 50% do total de páginas publicadas pela editora Via Buonarroti. Nos últimos seis anos a incidência das páginas dos três personagens no pódio geral da SBE, passou de pouco mais de 31% para quase 51%.
Com as mais de dezoito mil páginas deste ano, a editora ultrapassou a fantástica marca das 800 mil páginas produzidas desde a sua criação até hoje.

Bancas

Das cerca de 1.260 páginas “perdidas” em 2023, aproximadamente metade faltaram nas produções para as bancas de jornais. As páginas inéditas bonellianas que os – cada vez menos – leitores que frequentam os quiosques italianos puderam ler este ano foram 16.546, o número mais baixo de 1998 até hoje. Trata-se de 28% a menos de páginas inéditas publicadas em revistas de banca em relação ao ano recorde de 2016. Só para constar, as páginas destinadas às bancas do trio Tex, Dylan Dog, Zagor foram 56,44% do total.

Livrarias

A outra metade das páginas inéditas faltou no sector do livro, que este ano nos ofereceu apenas 1948 páginas novas, contra as quase 2600 nos doze meses anteriores, ou seja cerca de 25% a menos. Os dados também estão diminuindo no que diz respeito ao número total de volumes produzidos para o sector das livrarias: 61 publicações; e o número total de páginas nelas contidas: 10.423 páginas; em ambos os casos é o valor mais baixo registado nos últimos cinco anos. Só para constar, o pódio de 2023 das séries publicada nas livrarias é ligeiramente diferente do geral, com medalha de ouro Tex com 3.093 páginas; a muita distância Dylan Dog, prata com 1376 páginas; bronze pela primeira vez Dragonero com 713 páginas. Colapso para Zagor que passa do segundo lugar em 2022 para o quinto este ano. Se considerarmos apenas o material inédito, o pódio é composto por: Simulacri (186 páginas), Eternity (180) e Dragonero (174).

Simulacri é este ano a série que trouxe mais páginas inéditas às livrarias

As publicações

Como já registamos há anos, a tendência é a de criar livros cada vez mais enxutos. Este ano, foram 186 publicações com material inédito, doze a menos que em 2022, o equivalente a -6,06%. A média de páginas inéditas por volume cai ligeiramente em relação aos doze meses anteriores, e fica em 99,43 páginas, 0,34% a menos que 2022. O recorde de 2011, que ficou próximo das 130 páginas por volume, está cada vez mais distante.

As séries e os personagens
As séries one-shot que encontraram espaço nos álbuns bonellianos neste 2023 foram 26, duas a menos que no ano passado, das quais 2 são novidades absolutas, Viaggio notturno e Riflesso perfetto, e três retornam após pelo menos um ano de ausência: Cani Sciolti, Lombroso e Magico Vento. Abaixo pode-se conferir todos os personagens alinhados com base nas páginas inéditas que pudemos ler em 2023. A sigla “RS” ao lado do ranking indica que o resultado deste ano é o recorde histórico daquele personagem, se verde foi ultrapassado, se amarelo foi igualado.

Tex volta a ser o personagem mais publicado, pelo sexto ano consecutivo, pela 53ª vez na história da editora. Com as 3.960 páginas inéditas de 2023 supera o recorde absoluto de páginas publicados num ano para um personagem, estabelecido há apenas 12 meses. São em média 76 páginas por semana: não cremos que sejam produzidas tantas páginas a cada 7 dias para qualquer outro personagem no mundo. O resultado foi alcançado graças às comemorações do 75º aniversário que contaram com a publicação de um Magazine extra e do volume para livraria com o redescoberto Tex de Bonelli e Tarquinio; estes dois lançamentos especiais fazem com que o Águia da Noite ultrapasse os 35 volumes inéditos anuais anteriormente estabelecido, chegando a 37: mais de três volumes inéditos por mês!

O Tex do “passado” contribui para estabelecer mais um recorde para o Tex do presente

Atrás de Tex encontramos mais uma vez Dylan Dog, que ultrapassa as 3.000 páginas pelo terceiro ano consecutivo, reconfirmando os 27 lançamentos anuais, que evidentemente foram um pouco mais substanciais do que o habitual visto que com 3.074 páginas bate o seu próprio recorde histórico, embora apenas por 2 páginas, estabelecido anteriormente em 2021.
Zagor mantém o terceiro lugar em número de páginas, ficando atrás de Dragonero em termos de volumes inéditos publicados. A queda nas páginas dedicadas ao Rei de Darkwood, a mais baixa dos últimos sete anos, é explicada pela falta de iniciativas extras em 2023 em comparação com os clássicos lançamentos em bancas. Na verdade, nos anos anteriores, os dados de Zagor haviam sido um tanto alterados por excesso, graças à série de tiras, ao magazine do 60º aniversário, ao crossover com Flash e às minisséries Origins e Darkwood Novels.
Dragonero confirma o quarto lugar do ano passado, e reduz pela metade a desvantagem para o Espírito com a Machadinha graças às páginas inéditas da série dedicada às “aventuras míticas” do jovem Ian e ao crossover com Conan, totalmente contabilizado em 2023 visto que todos osvolumes podem ser encontrado na Box de Lucca. Não obstante a explosão, não supera o seu recorde anual por apenas treze páginas, que continuam a ser as 1969 páginas de 2018.
Nathan Never cede uma posição e é ultrapassado por Julia no quinto posto do ranking anual. Estáveis as duas posições sucessivas. 
Dois “regressados” completam o Top Ten, nomeadamente Morgan Lost e Magico Vento; o primeiro, apesar de ter menos páginas que no ano passado, ganha um par de posições, o segundo só precisou de dois números da nova minissérie para entrar no Top Ten como (re)estreante.

A minissérie Dragonero/Conan completa contida na Box de Lucca permite que a série de Ian Aranill consolide o quarto lugar no ranking anual da Bonelli

Os anos vinte

O ranking da actual década é enriquecido com os dados de 2023. Na quarta etapa a diferença entre os três primeiros e o resto do grupo aumenta. Dragonero, após ter ultrapassado Julia na etapa anterior, desta vez ultrapassa Nathan Never. Resistem ainda no Top Ten, pelo menos neste ano, Odessa e Morgan Lost, que trocam de lugar, mas nos próximos doze meses está pronto para reentrar o Comissário Ricciardi que com o próximo volume, se não houver surpresas, irá então ultrapassar Odessa.
All-Time 

No ranking histórico de 1941 até hoje, não há eventos dignos de nota em 2023, pelo menos nos 20 primeiros lugares. Destacamos a ultrapassagem de Morgan Lost sobre Orfani na 22ª posição do ranking; Para o personagem de Chiaverotti, a meta de 2024 é subir mais uma posição, alcançando e superando Napoleone. 

Aqui termina a primeira parte dos números Bonellianos do ano que está a findar. No segundo capítulo  abordaremos os argumentistas Bonellianos mais publicados pela editora neste 2023.

Até breve.

Saverio Ceri
Material apresentado no blogue Dime Web em 21/12/2023; Tradução e adaptação (com a devida autorização): José Carlos Francisco.
Copyright: © 2023, Saverio Ceri

Um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *