Entrevista com o fã e colecionador: Adão Amauri Woginski

Entrevista conduzida por José Carlos Francisco.

Para começar, fale um pouco de si. Onde e quando nasceu? O que faz profissionalmente?
Adão Amauri Woginski: Olá pard, primeiramente quero expressar minha imensa alegria pelo convite e oportunidade de participar deste Blog fantástico, de tão grandiosa importância e alcance mundial para a divulgação da história do nosso querido Ranger Tex Willer!
Nasci na cidade de União da Vitória em 27 de Abril de 1967, no sul do estado do Paraná, e do Brasil. Iniciei minha carreira profissional em 1984 no comércio. Em 1986 entrei no Exército Brasileiro para prestar o Serviço Militar, concluindo e recebendo com grande orgulho, o meu Certificado de Honra ao Mérito.
No início dos anos 90 segui profissionalmente na área de Fabricação de Papel, onde em uma única empresa dediquei mais de 20 anos da minha vida!
Neste período, um fato curioso e agradável já ocorria: encontrava muitas revistas de histórias em quadrinhos, que vinham entremeio aos papéis recicláveis, de várias personagens, inclusive: do TEX! Em 2015, voltei à área de comércio, na Segurança. Atualmente, apenas dedico mais do meu tempo a outras atividades, com familiares, amigos, lazer, etc…

Adão Amauri Woginski e a sua paixão por Tex

Quando nasceu o seu interesse pela banda desenhada?
Adão Amauri Woginski: Acredito que em meados dos anos 70. Tão logo iniciada a fase escolar, o aprendizado da leitura sendo descoberto, entrando na nossa vida cada vez mais e mais e nos apresentando tantos segredos, que íamos desvendando motivados pela magia dos livros didáticos. Aqueles fantásticos livros, mestres do saber, que nos conduziam pelos primeiros caminhos para aprender a ler, escrever e dominar aquele campo tão amplo e rico em possibilidades.
Queríamos devorar tudo que pudéssemos ler! Inclusive todas aquelas revistinhas em quadrinhos, que antes, só olhávamos as gravuras, sem entender nada… (risos).

Poster do Tex nº 78; tamanho: 44 x 29 cm

Quando descobriu Tex?
Adão Amauri Woginski: Início dos anos 80, época áurea onde crianças (e adultos também) ficavam ansiosos em frente à TV na expectativa, para assistir aquele estupendo filme de Bang-Bang! Era mágico, impactante, hipnotizante, as sensações ‘brotavam à flor da pele’, os olhos a ponto de saltarem da cabeça! Na TV, ou nos quadrinhos, os ambientes se entrelaçavam, nos impulsionavam para os anos seguintes…
Nessa época, já era evidente o gosto pelos filmes de gênero Far-West, no colégio despertava ainda mais a curiosidade com as frequentes revistas de Tex que os amigos traziam. Também os irmãos mais velhos destes amigos, que já trabalhavam, traziam alguns exemplares de Tex que encontravam na empresa que comentei inicialmente. Eu não colecionava, pois não podia comprar… apenas lia as revistas e trocava por outras.
Assim, se acendeu um longo estopim que seguiu queimando, lentamente… pelo decorrer dos anos, programado para explodir: no futuro!
Chegou 1983, uma grande enchente surgiu de maneira repentina aqui na região, foi destruidora, muito triste, e se prolongou por alguns meses.
Por Manitu, que tragédia!!! Nada apaga da minha memória as tristes lembranças… Eu com 16 anos e meu irmão com 17, chegávamos de bote e entrávamos pela janelinha do sótão, descíamos pela escada interna, tudo caído, móveis quebrados boiando, aranhas e sapos por todo lado, nós literalmente nadando: ”Com Água Até o Pescoço” (nosso Tex nº215).
Lembro, eu já tinha algumas HQs do Tex, uma dezena talvez, e consegui guardá-las no sótão com outras e livros, antes que as águas subissem demais.
Mesmo com a tragédia da enchente, o estopim NÃO se apagou! Apenas causou um hiato ainda mais longo no tempo, no tempo Texiano da minha vida…
Anos 90, uma década se passou, dando sequência na carreira profissional, comecei a trabalhar na empresa de Fabricação de Papel, a mesma que citei anteriormente.
Em um belo dia em 1992 eu no trabalho, eis que surge em minhas mãos um magnífico exemplar de TEX: o nº 73 ”O Desfiladeiro do Diabo”. Olhei, recordei… pensei, e DECIDI: ”-É isto! A partir de hoje, estou resgatando meu sonho Texiano da infância!” Assim, o hiato se desfez, o estopim queimou até o final, e a dinamite EXPLODIU!
TEX entrou em definitivo na minha vida! Desde então, aguerrido e convicto tenho seguido nesta ferrenha batalha: de COLECIONADOR e leitor de TEX e seus Pards!

O xerife Adão Amauri Woginski

Porquê esta paixão por Tex?
Adão Amauri Woginski: Na infância, aprendemos a gostar e acreditar que heróis existem.
Quando adultos, é inevitável, se torna impossível não nos identificarmos com o herói, o Ranger, paladino da justiça, mais presente em nossa vida, certamente: TEX!
Tantos conceitos de honestidade, justiça, lealdade, amizade, fraternidade, a eterna luta do bem contra o mal (no final com a vitória do bem, como sempre desejamos)! Quando olhamos nossa imagem refletida no espelho, por detrás dela certamente é, está o face de TEX!

Poster do Tex 160; tamanho: 31 x 23,5 cm

O que tem Tex de diferente de tantos outros heróis dos quadradinhos?
Adão Amauri Woginski: Hoje não acompanho outros personagens (já li e colecionei Zagor e Conan) mas meu mundo de fato é: TEX! O universo de Tex é muito amplo e diversificado, ao mesmo tempo que me agrado muito com as histórias mais estilo far-west, me encantam também as que exploram os temas do sobrenatural, da magia, sempre mescladas com muito bang-bang!
Na minha visão, o que o difere dos demais é justamente por não ser um (super-)herói com ”super-poderes”, força física descomunal, destruidora, raios que desintegram a matéria, poderes mentais dominadores. Nosso herói TEX WILLER acima de tudo, é um Super Ser Humano, isto é o que importa!
Em especial, atribuo a Tex, duas grandes qualidades: a extrema precisão com seus Colts, que o coloca sempre um passo à frente de seus rivais e, sua maravilhosa inteligência, capaz de interpretar e tomar sempre as corretas decisões nas mais adversas situações.
Por vezes me questiono, com tantos tiros, flechadas, facadas, torturas, quedas, lutas… que Tex já sofreu então, na vida real como seria o aspecto de seu corpo? Felizmente os magníficos desenhistas de Tex estão aí, sempre proporcionando-lhe esta estética (quase) perfeita, ‘corrigindo’ tantas cicatrizes (dos seus Pards também) ganhas durante as décadas de batalhas!

Poster do Tex Edição Gigante nº 8; tamanho: 82 x 55 cm

Qual o total de revistas de Tex que você tem na sua colecção? E qual a mais importante para si?
Adão Amauri Woginski: Atualmente possuo um total de 1.117 Revistas.
Estou aguardando da Mythos/Pré-Venda (não incluídos no total) os: Tex 646, Tex Ed.Gigante 35 e a bela Caixa Comemorativa dos 75 Anos de TEX, contendo Livros, Posters, Chaveiro, etc…
Certamente, a mais importante para mim é a icônica Tex nº 01 “O Signo da Serpente” lançada em Fevereiro/1971, o início da Saga, a HQ que trouxe TEX para nós aqui no Brasil.
Curiosidade: uma aventura que vivenciei, em 1993. Tempos difíceis de se conseguir as HQs que faltavam na coleção, Internet eu ainda nem sabia o que era… Os anúncios do Classificados do TEX eram o meio mais fácil de tentar comprá-las. Eu precisava, queria muito encontrar as tantas HQs da época, que eu não podia comprar…
No mês de Junho eu estava de férias no trabalho (já se passaram 30 anos desde então…), li um anúncio de um colecionador de uma cidade próxima, a uns 90 km aqui da minha.
Não pensei duas vezes! Pela manhã do dia 15, entrei num ônibus e segui viagem, sem avisar, sem fazer contato prévio, sem saber se ainda tinha as revistas, se estaria em casa ou não…
Mas deu tudo certo! Encontrei o Mauro Cézar, amigo que me recebeu super bem, fiquei até o fim da tarde na casa dele. Devo ter comprado mais de 50 HQs, quantidade bem considerável levando em conta a época e situação. Voltei no fim da tarde com a mochila abarrotada de gibis do TEX! Muito Feliz, com o desfecho desta minha aventura texiana! Ainda tenho na minha coleção várias HQs que comprei dele, algumas já precisei substitui…

A BiblioTEX de Adão Amauri Woginski: Na estante da esquerda na prateleira de cima: Tex Edições Gigantes, total de 28 exemplares (editoras Vecchi, Globo e, completando os da Mythos) seguem os 6 exemplares do Maxi Tex, e as edições do Tex Mensal já em formato italiano nºs 586 ao 645 com a Mythos Editora. A 2ª prateleira inicia com a 1ª Edição (completa) de Tex 1 ao 37 lançados pela Ed. Vecchi em formato italiano, seguindo em formatinho (passando também pelas Editoras Rio Gráfica/Globo e Mythos) até o nº585 na 6ª prateleira. Encerrando com Tex Ouro 1 ao 20. Na estante da direita na prateleira de cima, uma Apostila com Capas dos TEX 1 ao 100 da autoria do próprio Adão, VHS e DVD do filme ‘Tex e o Senhor do Abismo’ (Tex interpretado pelo saudoso Giuliano Gemma), Livro ‘TEX WILLER A História da Minha Vida’, autobiografia de Tex. Um exemplar italiano Tex nº323 ‘La Città Corrotta’, Tex Almanque do Faroeste nº1 (Ed. Globo), Edições/Especiais em Cores nºs 1 ao 6 da (Ed. Globo), e 1 ao 17 (Mythos Editora), as Reedições Cronológicas em Cores 29 e 50 (Mythos Editora) apenas estas por serem 2 histórias icônicas da Edição Mensal: Tex 1 ”O Signo da Serpente” e 23 ”Tex, Vingador e Justiceiro”, e a Edição em Cores Tex Especial 60 Anos com a magnífica história ”Na Trilha das Recordações”. Seguindo com as Coleções completas da: 2ªEdição de Tex Mensal 1 ao 149. Tex Edição Histórica 1 ao 120 (Reedição Cronológica). Tex Edição de Férias (11 HQs), Tex Mini-Série (6HQs), Tex Almanaque (56 HQs) Tex Anual (23 HQs). Entre as 2 estantes, no alto, quadro com foto da capa do Tex nº1 ”O Signo da Serpente” que o Adão fez.

Colecciona apenas livros ou tudo o que diga respeita à personagem italiana?
Adão Amauri Woginski: Pelo ano de 2012, devido a algumas dificuldades financeiras, precisei interromper algumas coleções, mas mantive fielmente a do nosso Tex Mensal. Das que interrompi já retornei e completei (quase 100% !). Ampliei substancialmente outras, inclusive, focando no objetivo de completar as 2 edições do Tex Mensal em separado, que antes eu as tinha mescladas.
Atualmente coleciono o Tex Mensal, e edições com Histórias Inéditas. Optei em não colecionar as que são republicações, exceto manter as que tenho e/ou encerradas pela editora.
Tenho Completas as Tex Mensal 1ª e 2ª Edições, Especial Colorida, Tex Anual, Maxi Tex, Tex Edição Histórica, Especial de Férias e Mini-Série. Estou completando as Tex Gigante que faltam 10 exemplares e Tex Almanaque que falta apenas 1 exemplar.
A do Tex Ouro: tenho 20 HQs, foi até o nº120 (são reedições, exceto a nº10 que é inédita) a última história desenhada por nosso querido e saudoso Aurelio Galleppini, o Galep.
Logicamente, sempre existe a idéia e motivação de ampliar, partir para novas coleções.

Filmes VHS e DVD, Tex Italiano 323, Revista Júnior 28 brinde no Tex 600

Qual o objecto Tex que mais gostaria de possuir?
Adão Amauri Woginski: Em primeiríssimo lugar: foi o exemplar nº 1 [1ª Edição] ‘O Signo da Serpente’, que já tenho!
Depois, o raríssimo jogo dos itens Arco e Flecha (brindes que acompanharam esta edição).

Bóton do TEX. Promoção realizada pela Editora Globo, divulgada no Tex Almanque do Faroeste 1 e resultado publicado no Tex Mensal 325. Na foto a carta e o item, que o Adão recebeu da editora!

Qual a sua história favorita? E qual o desenhador de Tex que mais aprecia? E o argumentista?
Adão Amauri Woginski: São tantas… Prefiro as mais antigas, épicas, que tenham tido uma consequência mais significativa, impactante na vida de Tex, cito então as HQs de Set/Out/Nov/1974 aqui no Brasil: nº43 ‘Juramento de Vingança’, nº44 ‘Justiça Com Dinamite’ e nº45 ‘Um Carrasco Para os Tubarões’. Onde, Tex narra ao seu filho Kit como foi que sua mãe (nossa) amada Lilyth, Lírio Branco morreu, vitimada pela epidemia de varíola que também ceifou a vida de muitos Navajos. E sua perseguição implacável por justiça, vingança contra aos facínoras Brenner e Teller, responsáveis diretos por este plano cruel. IMPOSSÍVEL não se comover, confesso, estes olhos e o coração Texianos não aguentaram a emoção…
Desenhista: Com certeza, Aurelio Galleppini.
Em especial, cito a arte de Fabio Civitelli, um dos que mais me encantam com seus traços, e técnica incríveis que praticamente, beiram a perfeição!
Mas Galep, dispensa comentários, está sempre no TOPO, sempre Galep!
Atualmente, fico feliz com a equipe de excelentes desenhistas, cada um contribuindo e nos brindando com sua magnífica arte, mantendo viva, firme e forte a nossa lenda Tex Willer, contribuindo também para conquistar novos leitores nestes tempos tão adversos onde muitos jovens, hipnotizados na Vida Virtual da Internet, e Redes Sociais, não sabem nem ao menos, o que é/significa uma ‘tira’, de uma HQ…
Argumentista: G.L. Bonelli, sempre soube conduzir, e passar as informações no desenrolar das histórias de maneira objetiva, e fácil de se interpretar. Qualidades estas que são fundamentais para cativar ainda mais o leitor, fazendo-nos adentrar intuitivamente no contexto da trama.

Marca Páginas que acompanhou a Edição Especial Gigante

O que lhe agrada mais em Tex? E o que lhe agrada menos?
Adão Amauri Woginski: Mais: o imparcial e incorruptível senso de justiça de Tex.
Menos: (Opinião) preferiria não ver Tex e Kit Carson fumando cigarros, mas como faz parte dos costumes desde daquela época, então ok… Mas, a cerveja pode, sendo claro com uma montanha de batatas fritas e bifes de dois dedos de altura! (…risos…)

Coleção de Cards das Edições (On Demand) Formato Italiano antes do retorno em definitivo deste formato no Tex Mensal, explêndida iniciativa da Mythos Editora

Em sua opinião o que faz de Tex o ícone que é?
Adão Amauri Woginski: A personalidade, toda a gama de ótimas qualidades atribuidas a Tex por seus sábios criadores, para ser um exemplo de ser humano. Não vou dizer perfeito mas, honesto, destemido e temido, justiceiro, amigo, de coração bondoso (mesmo com seus rivais quando merecedores). Em absoluto, seus criadores foram PERFEITOS!
Logo… Tex será um Ranger centenário, sempre com inteligência e disposição inesgotáveis, na maneira que o idealizamos e o imortalizamos dentro da nossa mente e do nosso coração.
Seguirá cavalgando rumo a tantas outras aventuras, guiando milhões de seguidores! Sendo o Eterno Defensor da Justiça, dos oprimidos, dos mais fracos, injustiçados, e excluídos…
Chegar a este status, não é para qualquer herói, não se consegue de um dia para o outro, precisa saber conquistar, cativar, ganhar confiança e respeito entre todos!
Um Ranger valente, que sempre luta, resiste, supera todas as situações por mais extremas que sejam as dificuldades, e SEMPRE VENCE!
Honestidade e Justiça! Dois dos mais profundos pilares que Galep e Bonelli moldaram em Tex. Nós texianos nos vemos espelhados na face de Tex, somos o próprio Tex Willer!

Chaveiro do Tex, no Tex Anual 6 pela Mythos Editora.
A estrela de Xerife ao lado, foi presente do amigo pard texiano GG Carsan, na ocasião da comemoração dos 10 anos do Grupo Tex Brasil no maravilhoso Encontro dos Texianos realizado em 24 e 25 de Junho/2023 na Vila Texas em Chopinzinho/PR.

Costuma encontrar-se com outros coleccionadores?
Adão Amauri Woginski: Não tinha este costume, mas desde que comecei a interagir com mais frequência com grupos, redes sociais, criando laços de amizade, compartilhando informações do mundo Texiano, foi que soube e participei do Evento que aconteceu na Vila Texas, mês de Junho que passou, na cidade de Chopinzinho, aqui no meu estado, Paraná. Entrar, caminhar e estar na Vila Texas, realizar o sonho de conhecer pessoalmente tantos amigos Texianos, até então amigos virtuais, foi uma sensação inexplicável! Me senti caminhando pelas ruas das cidades onde TEX costuma caminhar! Extrema felicidade e gratidão! Espero que um dia, Tex e seus Pards possam também caminhar pelas ruas da nossa magnífica e querida Vila Texas! (SBE e Mythos Ed. fica a dica…).
Se tudo der certo, pretendo participar no Evento dos 75 Anos de Tex, em Setembro na cidade de Porto Alegre/RS. E, a partir disto seguir: ”Cavalgando nestas Pradarias…”

Adão Amauri Woginski e pards (Sérgio, Adão, Carlos ‘Chico’ e Eros) na Vila Texas em Chopinzinho-PR

Para concluir, como vê o futuro do Ranger?
Adão Amauri Woginski: Brilhante, sempre acima, ao APOGEU!
Nas últimas décadas, devido às mudanças de Editoras e, tudo impelido pelas condições financeiras, econômicas, tive receio quanto ao futuro de Tex. A cada uma que assumia, sempre pairava o medo, que de um dia para outro, uma delas fraquejaria na batalha…
Eram perceptíveis as mudanças editoriais, que na minha opinião, traziam um declínio, descuido evidenciado, parecia que não se importavam muito em manter um PADRÃO, a qualidade da revista, muito menos com o que o colecionador/leitor esperava receber ao comprar e ler a sua HQ do Tex, mas sim, em apenas enviar mensalmente as edições às bancas.
Devemos muito à saudosa Ed. Vecchi, pois foi ela que nos trouxe Tex! Não fosse ela, provável que Tex nem teria ‘nascido’ para nós brasileiros… e hoje, com a nossa grandiosa e aguerrida Mythos Editora, nosso querido Ranger continua superando as mais árduas batalhas, emboscadas, trapaças, traições, sob fogo intenso do inimigo, cruzando tempestades, sol escaldante, todo tipo de bruxaria (…risos…) e até mesmo a pandemia, que nos impossibilitou de irmos às bancas pegar nossa revista do Tex, o que sempre foi sagrado para nós!
Se no futuro o padrão Virtual vai substituir o Físico? Tição dos Infernos!!! Não duvido… estamos à mercê dos avanços e mudanças tecnológicas mas até lá, quero ler, curtir muito minhas HQs em papel!
Um ponto que considero EXTREMAMENTE positivo para a continuidade de Tex: Os tantos novos DESENHISTAS que nos brindam com seu talento, seus traços, sua arte em desenhar Tex, são todos FANTÁSTICOS! São eles que trazem a imagem, e assim tornam Tex e seus Pards, reais para nós!
Sempre tive convicção e gosto de enfatizar que o Mundo de TEX é um Universo em expansão, de infinitas surpresas e descobertas, ao alcance das nossas mãos e dos nossos olhos, que nos chama a ser explorado, basta apenas entrarmos nele, abrirmos uma HQ do TEX e iniciarmos uma aventura!
”Pelos Chifres de Mil Bisontes!” Quero comemorar isto tomando uma cerveja gelada, com aquele bife de dois dedos de altura e uma montanha de batatas fritas!
Um lembrete: manter o PADRÃO EDITORIAL e ouvir os Colecionadores: É TUDO!
Finalizo com a foto em mãos da minha HQ TEX nº01 (maior tesouro da minha coleção!!!) e com uma das últimas lançadas, a nº644 isto obviamente, para demonstrar que mesmo com tantas interpéries que passamos na vida, é possível SIM unir dois extremos tão distantes e realizar nossos sonhos… Alcançar nosso objetivo Texiano!

Adão Amauri Woginski com a mais antiga e uma das mais recente edições de Tex mensal

Prezado pard Adão Amauri Woginski, agradecemos muitíssimo pela entrevista que gentilmente nos concedeu.
Adão Amauri Woginski: Viva Longa a TEX e seus PARDS!!!

(Para aproveitar a extensão completa das imagens acima, clique nas mesmas)

3 Comentários

  1. Parabéns pard Zeca, por essa grande entrevista com mais um texiano fantástico. Parabéns também ao pard Adão Amauri, por sua coleção grandiosa e cheia de relíquias.

  2. Excelente entrevista e uma coleção maravilhosa!
    Parabéns, Zeca; parabéns, Adão!

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *