Entrevista com o fã e coleccionador: Marcílio Ferreira

Entrevista conduzida por José Carlos Francisco.

Marcílio Ferreira com duas preciosidades TexianasPara começar, fale um pouco de si. Onde e quando nasceu? O que faz profissionalmente?
Marcílio Ferreira: Nasci na cidade de João Pessoa, Estado da Paraíba, Brasil, mas muito cedo viemos morar no Estado de Pernambuco, pois meu pai entrou na Polícia Militar. Cheguei à cidade de Arcoverde, onde resido até hoje, com 4 anos de idade, e agora estou com 41, casado com uma esposa maravilhosa, que apoia meu prazeroso vício, e sou pai de duas filhas, uma com quase 13 anos e outra com 5 anos. Sou funcionário público (Agente Penitenciário) e gosto muito do lugar onde moro pois ainda é uma cidade muito calma, com cerca de 70 mil habitantes.

Quando nasceu o seu interesse pela Banda Desenhada?

Marcílio Ferreira: Desde muito novo, ou melhor, desde que me conheço por gente, não sei explicar, entrou no sangue, como um vírus benéfico, e não saiu mais. Comecei por Mônica e companhia, e aos 10 anos de idade descobri os super heróis da editora Abril. Por volta dos 13 anos surgiu Tex, pois meu irmão mais velho tinha uma colecção e eu comecei a ler alguns números dele. Daí em diante continuei com os quadradinhos de heróis da Abril e comecei também a coleccionar os da Editora Vecchi, com as suas revistas Bonelli e terror, que eu também aprecio muito, ou seja sou um leitor omnívoro, gosto de bons quadradinhos, independente do estilo.

Revistas TexQuando descobriu Tex?
Marcílio Ferreira: Como eu disse anteriormente, foi por volta dos 13 anos de idade, através do meu irmão, pois o mesmo coleccionava Tex, e eu resolvi ler alguns números da colecção dele por curiosidade. Fui fisgado imediatamente, histórias longas, diálogos maravilhosos, foi paixão imediata. Daí em diante, os quadradinhos Bonelli, entraram na minha vida, e nunca mais parei de coleccioná-los. O meu irmão ao completar 19 anos, deu-me a colecção dele de presente, do número 01 ao 100 da 2ª edição, um grande presente, que eu guardo até hoje, com muito zelo e carinho.

Marcílio Ferreira e os Tex's GigantesPorquê esta paixão por Tex?
Marcílio Ferreira: Não é só uma paixão por Tex, claro que eu coloco ele e Zagor, como os meus dois preferidos, seguido muito de perto por Mister No e o Grande Ken Parker, mas no geral, os quadradinhos Bonelli, são para mim, o supra sumo dos quadradinhos. Digo isso, porque considero Bonelli pai e Bonelli filho, verdadeiros génios, pois criaram personagens coesas, onde você hoje lê um Tex dos anos 40, e lê o de hoje, e vê mudanças pequenas, ou seja, moderniza-se a personagem, mas não a sua essência. Diferente dos super-heróis americanos, onde se muda ou se reinventa constantemente a sua origem, fazendo verdadeira confusão na cabeça do leitor. Tex ao contrário é imutável, pois quem leu as suas história há 10 anos atrás e volta a ler hoje, sabe que é ele sem dúvida nenhuma.

Revistas Tex de Marcílio FerreiraO que tem Tex de diferente de tantos outros heróis dos quadradinhos?
Marcílio Ferreira: Para mim em Tex, o que difere das outras personagens, é a sua bravura, honradez, amizade, defensor dos fracos e oprimidos. Jamais você vai ver Tex mudando a sua personalidade. Ele é, e sempre será o inoxidável Tex.

Qual o total de revistas de Tex que tem na sua colecção?
Marcílio Ferreira: Tenho Tex  2ª edição do nº 01 ao 149, e da 1ª edição do 216 até o actual, tenho Tex Coleção, Tex Ouro, Os Grandes Clássicos de Tex, Tex e os aventureiros, Almanaque Tex, as 3 minisséries, Tex Gigante (Todos da Mythos e Globo), Tex Férias, Tex Anual, Tex Colorido da Globo, Tex Edição Histórica, todas completas, Tex Português (Tex contra Mefisto), algumas edições italianas, incluindo o colorido 575, e também a edição especial da Mythos dos 60 anos de Tex, e o especialíssimo número 1 da Collezione Storica a Colori, que é realmente fantástico, ou seja, tenho mais de 900 revistas do ranger mais amado do Brasil.

Marcílio Ferreira e os Grandes Clássicos de TexColecciona apenas revistas ou tudo o que diga respeita à personagem?
Marcílio Ferreira: Gostaria de coleccionar mais coisas, mas tenho a edição da Ophera Gráfica, e o livro novo do Gonçalo Júnior sobre Tex.
Como o nosso mercado de quadradinhos vive em retracção, fica difícil a Mythos Editora colocar algum brinde em suas revistas, mas se alguma empresa se interessasse pelas personagens Bonelli para fazer os bonecos, seria fantástico. Infelizmente fica difícil adquirirmos alguma coisa vinda do exterior, pois o frete, praticamente inviabiliza outras compras.

Marcílio Ferreira e Seleção Tex e AventureirosQual o objecto Tex que mais gostava de possuir?
Marcílio Ferreira: Com certeza, seria uma estatueta do mesmo, para colocar na minha Bibliotex, ou então, uma edição especial da editora italiana Mandadori.

Qual a sua história favorita? E qual o desenhador de Tex que mais aprecia? E o argumentista?
Marcílio Ferreira: Não vou citar uma história favorita, pois para mim todas são boas, mas vou citar as sete melhores, que são: “El Muerto”, “Flechas Pretas Assassinas”, “Revolta em Chihuahua”, “Armadilha Diabólica”, “Fuga de Alcatraz”, “O Vale do Terror” e a espectacular “Oklahoma” do Grande Berardi, uma obra-prima. Já quanto ao desenhador, na fase antiga,  Galleppini, que foi o criador gráfico do Tex e Ticci que sabe fazer um Tex, como ninguém. Na fase actual, o maior capista de Tex, Claudio Villa, e o fantástico Civitelli, pois a cada dia que passa, mais apurados ficam. Quanto ao argumentista, não vou falar de G. L. Bonelli, pois foi o criador da personagem, mas sim de Nizzi, que quando todos pensavam que Tex estava acabado, assumiu o comando da personagem italiana, e vem nos presenteando com histórias fantásticas nestes vinte e cinco anos. Ao contrário do que muitos dizem actualmente, não consigo ver histórias ruins de Nizzi, podendo até ser medianas, mas ainda para mim, é o melhor.

Revistas do Ranger bem acondicionadasO que lhe agrada mais em Tex? E o que lhe agrada menos?

Marcílio Ferreira: O que me agrada mais, é o seu senso de justiça, honradez, amizade e companheirismo, pois são essas qualidades que estão tão ausentes no mundo de hoje. Quanto ao que me agrada menos, acredito que seja a falta de uma companheira feminina.

Em sua opinião o que faz de Tex o ícone que ele é?
Marcílio Ferreira: A personalidade dos Bonelli por trás, pois soube ao longo de 60 anos, manter as mesmas características que gostamos tanto em Tex.  Qualquer história que você leia, sempre encontrará Tex, em defesa dos fracos e oprimidos, não importando a raça, nem as condições sociais  e isso faz com que ele seja o ícone de hoje e sempre.

Marcílio Ferreira e as obras brasileiras dedicadas a TexCostuma encontrar-se com outros coleccionadores?
Marcílio Ferreira: Actualmente não, pois o tempo é curto, mas gostaria no futuro se possível, participar de um encontro grandioso do nosso querido Tex, com muita batata frita, um bife do tamanho de uma montanha e claro uma cerveja bem gelada.

Para concluir, como vê o futuro do Ranger?
Marcílio Ferreira: Vejo um futuro bastante promissor e seguro, pois Sergio Bonelli, continua renovando o seu pessoal, seja através de novos desenhadores, seja através de novos argumentistas, que com certeza, vai continuar mantendo a personagem firme e forte por mais uns 60 anos. Gostaria é claro, de ver futuramente nessa renovação um brasileiro desenhando o nosso querido Tex, pois seria um grande presente para todos nós.

Tex, histórias fantásticasTex, Tex e mais Tex...
.

Marcílio Ferreira e as duas versões da história dos 60 anos de TexMarcílio Ferreira e as edições italianas de Tex
.

Marcílio Ferreira com os Grandes Clássicos de TexMais revistas Tex
.

Prezado pard Marcílio Ferreira, agradecemos muitíssimo pela entrevista que gentilmente nos concedeu.

(Para aproveitar a extensão completa das fotografias acima, clique nas mesmas)

2 Comentários

  1. Gostei muito da entrevista Marcilio! Continue assim. Gostaria de conhecer mais colecionadores de TEX em PE. Sou Pernambucano da cidade de Timbauba – CP:55870-000.

  2. Olá,
    Gostei muito da sua entrevista, muito simples e bonita, e muito sincero. Nunca pares de colecionar, tens uma coleção muito “forte e boa”. Na “ilha” São Miguel, penso que sou o único que coleciono Tex, um ou outro amigo, comprava, mas deixaram por vário motivos, por isso penso ser o único que coleciono, graças a Deus, e aos bons amigos José Carlos e Sr. Dorival, que vou conseguindo colecionando. Cá à venda é muito difícil.
    Muitas felicidades muita saúde!!!
    Um abraço amigo
    Marco Avelar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.