Entrevista com o fã e coleccionador: Jesus Nabor Barbosa Ferreira

Entrevista conduzida por José Carlos Francisco.

Jesus Nabor Barbosa Ferreira e TexPara começar, fale um pouco de si. Onde e quando nasceu? O que faz profissionalmente?
Jesus Nabor: Bem, meu nome é Jesus Nabor Barbosa Ferreira nasci em Uruguaiana, fronteira do Brasil com Argentina e Uruguai, em 20 de Julho de 1966! Meu pai, típico brasileiro, minha mãe, neta de italianos. Desde muito cedo que tenho contacto com revistas em quadradinhos, tanto do lado do meu pai quanto da minha mãe (esta, apaixonada pelos personagens Disney, não deixava faltar Tio Patinhas, Zé Carioca, Mickey, Pato Donald). Em casa sempre havia alguns amigos do pai fazendo trocas de gibis ( nessa época era muito comun as trocas entre os amigos, assim lia-se muito sem gastar muito…). O meu pai não coleccionava nada em especial, mas lia todo tipo de revistas de aventuras, terror, western e super-heróis! Foi assim que bem cedo tomei contacto com os grandes da banda desenhada mundial – Tarzan, Fantasma, Mandrake, Flash Gordon,Batman, Superman…
Jesus Nabor Barbosa Ferreira, Miguel Angel Repetto e esposaOutra paixão do meu pai e que se tornou minha também foi o cinema. Como filho mais velho, acompanhava sempre os meu pai às matinés onde invariavelmente víamos um filme de aventuras e um western. E depois, no regresso a casa, sempre passávamos numa banca para comprar alguma revista… ou era um Tarzan ou uma revista de cowboys ou de terror!
Eu gostaria de dizer aos amigos que a primeira revista que li foi um Tex, mas não seria verdade, pois a primeira revista que eu me dei conta de saber estar lendo, foi um Tio Patinhas, creio que deveria ter uns 7 ou 8 anos.
Os quadradinhos acompanharam-me durante todo o resto da minha vida, escolar e privada! A minha terceira paixão surgiu aos 12 anos, na sexta série do ensino fundamental: o basquetebol! Apaixoneime por este desporto,o qual ainda pratico, com menos eficiência,claro (he, he, he…).
Do meio para o fim dos anos 80, deixei por um tempo a banda desenhada de lado e dediquei-me ao trabalho e estudo. Terminei o ensino médio e começei a cursar a faculdade de Ciências Contábeis, ao mesmo tempo comecei a trabalhar num escritório de contabilidade.
Ao cabo de uns 2 anos, saturei-me da rotina monótona do escritório e com a ajuda da minha futura esposa montei uma banca de revistas! Corria o ano de 1988. Nascia o que viria a se tornar a Zona Franca Comics! Sempre com o apoio da minha esposa comecei um longo trajecto, primeiro como banca de jornais e revistas,  depois como banca de revistas usadas de colecção e por fim, montei a loja Zona Franca Comics. Ao começar a trabalhar com revistas antigas, retomei as minhas colecções, que anos antes por um motivo ou outro, fui obrigado a vender e uma das que logo fiz questão de completar foi a de Tex. O facto de estar a trabalhar no meio, permitiu-me atingir este objetivo em pouco tempo. No início do ano de 2003, mudei-me para uma cidade maior chamada Santa Maria, no coração do estado do Rio Grande do Sul.
Jesus Nabor Barbosa Ferreira e Ernesto Garcia SeijasAli pude ampliar o leque de produtos da Zona Franca Comics e aumentar sensivelmente a minha área de actuação. Já por essa época, transitava há algum tempo no meio de outros amigos coleccionadores de fumetti e Tex em especial. Sempre pensando em promover a nossa paixão, organizei em Santa Maria, dois eventos de coleccionadores: um em 2004 e outro em 2006. Ambos com muita publicidade para o Ranger e farta  confraternização entre os participantes. Graças ao Tex surgiu a oportunidade de entrevistar dois dos maiores desenhadores argentinos de todos os tempos, Repetto e Seixas. Para mim, como fã, foi um momento único!
Em todos estes anos, apesar de ler outros personagens, tanto de western como de outros géneros, Tex  manteve-se invicto na preferência, pois cada vez que leio aquelas aventuras, pareço voltar a uma época mais feliz, mais inocente, mais verdadeira. Isto talvez seja o grande apelo do Tex!

Quando é que teve início esta paixão pela Banda Desenhada, em especial pelo Tex?
Tex's expostos na Zona Franca ComicsJesus Nabor: Não saberia precisar exactamente quando começou a minha paixão pela BD, pois desde muito cedo que me lembro que sempre  havia  “gibis ” na minha casa. O meu pai era fã de revistas de terror, guerra, faroeste  e a minha mãe comprava-nos os quadradinhos da Disney. Antes mesmo de aprender a ler, eu já me encantava com  Tarzan, Zorro (Lone Ranger), Superman, Batman, Superboy, Tio Patinhas, Mickey, Bolinha, Luluzinha, Cavaleiro Negro, Fantasma, Mandrake, etc.
Tex veio logo depois; o meu pai trazia para casa vários exemplares. Um dos primeiros que lembro é O Temível Coiote Negro! Outra aventura que sempre me cativou foi A Batalha dos Vingadores – na época da sua publicação, eu tinha apenas 8 anos e lembro-me ainda hoje que fiquei impressionado com o ritmo frenético e selvagem dessa história. O Tex não era uma leitura corriqueira em casa, mas lembro que a partir do número 48 (O Desfiladeiro da Morte) ele se tornou uma constante. E o primeiro Tex que eu mesmo comprei, foi o clássico nº 50, “Flechas Pretas Assassinas“. A partir daí, como se diz, é história…

Jesus Nabor Barbosa Ferreira e as edições de TexPorquê o Tex e não outra personagem?
Jesus Nabor: Um amigo meu, também fã de Tex, sempre dizia sem medo e sem pudor: “Eu sou o Tex!“. Perguntado eu, o que ele queria dizer com isso, ele respondia que ser o Tex significava ser correcto, honesto, sincero, valente, destemido, íntegro!… Então penso que quando escolhemos o Tex, na verdade estamos querendo ser também como ele: Um personagem que não tem dúvidas de quem ele é! Ele sabe o que é certo e o que é errado! Isto é o que atrai, pois todos queremos ser o mocinho e não o bandido!

O que Tex representa para si?
Jesus Nabor: Um ideal, muito difícil de ser seguido e quase impossível de ser alcançado. A essência de um tempo mais simples, onde  tudo se resumia em bem e mal, certo e errado – como deveria ser, aliás!

Edições especiais italianas de TexQual o total de revistas de Tex que tem na sua colecção? E qual a mais importante para si?
Jesus Nabor: Não sei dizer. Tenho praticamente tudo o que saiu no Brasil, desde que inédito – explico: não colecciono republicações que nada acrescentem ao que já existe – mas  reedições com reportagens, com materiais especiais, essas sim, interessam-me. Quanto à mais importante, talvez, o primeiro álbum italiano a cores e em formato gigante da Mondadori – por ser o primeiro e por ser do Ticci.

Manequim Tex WillerColecciona apenas livros ou tudo o que diga respeita à personagem?
Jesus Nabor: Colecciono praticamente tudo que diga respeito ao personagem e ao seu universo, daí coleccionar  livros, o filme, bonecos, pósters, etc., sejam objectos licenciados ou não.

Qual a sua história favorita? E qual o desenhador de Tex que mais aprecia? E o argumentista?
Jesus Nabor: Flechas Pretas Assassinas! Ainda considero esta a melhor história de Tex de todos os tempos e como não poderia deixar de ser, considero os seus autores como sendo os maiores expoentes no universo do Ranger: desenhador: Ticci. Argumentista: G.L. Bonelli. Aqui abro um parênteses: Galep para mim não é melhor desenhador que Ticci apenas por um gosto pessoal, porém a sua importância para a  criação do mundo do personagem, eleva-o acima de todos os outros que o sucederam, porque Galep está em outro patamar…

Edições especiais de TexO que lhe agrada mais em Tex? E o que lhe agrada menos?
Jesus Nabor: A simplicidade das histórias, como todo bom bang-bang. O que me desagrada: a falta de ousadia dos novos autores!

Em sua opinião o que faz de Tex o ícone que ele é?
Jesus Nabor: Porque ele se mantém fiel aos seus ideais. Você pode contar com o Tex, você sabe que onde houver alguma injustiça sendo cometida, ele vai estar lá. Num mundo tão cheio de nuances, onde o que predomina é o cinza, é preciso alguém que diga que o certo é certo, que honra, amizade e coragem são valores pelos quais vale a pena lutar. Esse alguém é o Tex!

Jesus Nabor Barbosa Ferreira e as edições de ZagorPara concluir, como vê o futuro do Ranger?
Jesus Nabor: Acredito que Tex viverá ainda muitos anos. Talvez em breve alguma  pequena mudança no status quo do personagem seja necessária para captar ou ate mesmo manter  interessado um público mais jovem, mas com certeza, é um personagem que tem ainda muito fôlego para continuar vivo por muitos e muitos anos, pois a sua essência ainda é válida: Coragem, Honra ,Bravura e Amizade são ideais imortais!

Prezado pard Jesus Nabor, agradecemos muitíssimo pela entrevista que gentilmente nos concedeu.

(Para aproveitar a extensão completa das imagens acima, clique nas mesmas)

16 Comentários

  1. Olá Jesus!

    Bela entrevista, bela história de vida meu caro Amigo. Continue assim sempre, sendo TEX, pois é o que todos nós aficcinados pelo Ranger o somos, não é verdade?

    Longa vida a vc e ao Ranger, Jesus!

    Sílvio o Introvabili

  2. Grande Silvio… obrigado pelas palavras.
    Agradeço ao grande pard e amigo Zeca pela oportunidade!
    Um grande abraço e longa vida a todos nós!
    Jesus Ferreira

  3. É sempre muito bom conhecer melhor um texiano, ainda mais com uma história de vida tão ligada às HQs e o pard Jesus é um grande divulgador do Tex num redutex (reduto tex) tão importante como o Rio Grande do Sul, que vem produzindo grandes matérias e interessado, participativo e operante na motivação e integração dos texianos.
    Para o pard Jesus tiro o chapéu. Minhas congratulações pela entrevista e principalmente pelo trabalho desenvolvido em prol do nosso herói.

    G. G. Carsan

  4. Grande Pard GG , espero estar á altura de grandes divulgadores do Ranger como Você e outros amigos que fazem parte desta grande fraternidade.
    Um forte abraço, amigo.

    Jesus

  5. Grande abraço ao amigo Jesus em Santa Maria. Faz tempo que não o visito. Parabéns ao blog pela lembrança de entrevistar os colecionadores.
    Ary Canabarro

  6. Outra grande entrevista com um fã e coleccionador do país irmão, outro notável retrato humano de um texiano cuja formação intelectual e espiritual deve muito, como ele próprio confessa, ao convívio com os quadrinhos – no seio de uma família que lhe incentivou o gosto pelos “gibis”, ao contrário do que costuma acontecer – e com os valores fundamentais, “coragem, honra, bravura, lealdade e integridade”, desde sempre defendidos por Tex e pelos seus amigos!
    Os meus parabéns também pelas excelentes e oportunas entrevistas realizadas com dois ícones da BD como Repetto e Seijas, autênticos marcos na história de Tex!
    Bem haja, Nabor, pelo seu grande exemplo!
    Jorge Magalhães

  7. Caro Jorge,
    só posso agradecer suas palavras gentis e dizer que é sempre um grande prazer e privilégio poder colaborar com o blog e incentivar mais e mais a divulgação da BD e o Tex em especial.
    Um grande abraço!
    Jesus Ferreira

  8. Jesus,
    Só tenho de te parabenizar pelo Grande cara que vc é, por ter sido o meu TEX WILLER como irmão-pai e pelas tuas merecidas conquistas (e por ter me mostrado o apaixonante universo das HQs)
    Continue assim, meu irmão, divulgando motivando e incentivando cada vez mais esse fascinante mundo de cultura e entretenimento. Te admiro muito,
    Um abraço forte,
    Jorge Ferreira

  9. Jorge,meu irmão . Magro Jó!
    O que seria da banca sem ti? O que teriamos feito se não houvesse junto á nós este cara maravilhoso, esta pessoa integra, sincera, cândida, ingênua, atrapalhado ás vezes (”olha, não esqueçe a chave -hehehehehe “) Amigo com “a” maisculo…

    Passamos por muitos momentos,não é meu irmão? E foram eles que nos tornaram quem somos hoje. Podemos agora olhar para traz com uma sensação de dever cumprido, de tarefa superada.
    Obrigado por tuas palavras, mano, também só tenho de agradecer por tudo que fizeste,pelo teu jeito de ser e por ter mantido vivo aquele Jorge do nosso passado!
    Um abraço bem forte, do tamanho do Rio Grande!
    Jesus Ferreira

  10. Prezado amigo.
    Gostei muito de ler e saber um pouco sobre Gibis.
    Depois de muitos anos fora desse mercado voltei a colecionar,e, gostaria de saber se V. Sª tem algum Gibi
    disponivel p troca ou venda como: Ai Mocinho, Tarzan, Zorro, Reis do Faroeste, Nevada, O Heroi.
    Ficarei agradecido por responder. Meu e-mail
    wanderpfo@yahoo.com.br
    Sou de Minas Gerais.
    Sds.
    Um abraço.
    Wander

  11. Viva
    Tenho centenas de revistas BD, entre Disney, DC, Marvel, e algumas Tex.

    Se alguém quiser ou souber de quem estiver interessado, contacte-me: ssworker@gmail.com.

    As datas de algumas iniciam-se em 1988.

  12. Salve grande Jesus Nabor! Muito obrigado pelos elogios feitos à minha entrevista! A tua entrevista para o mesmo Blog, também ficou muito boa! Meus Parabéns!
    Realmente, já faz um bom tempo que não nos vemos! Como vão você e sua família? E os negócios com revistas?
    Se quizer, pode enviar “e-mails” para o meu endereço eletrônico: praladebagual.marinho@bol.com.br
    Quanto ao nosso Valdenir Veleda, ele está bem, tenho me encontrado com ele seguidamente, na próxima, vou contar que você mandou notícias! Hasta la vista, guapo hermano!

  13. Caro Jesus Nabor, meus parabéns pela excelente matéria sobre os “60 anos de aventuras do Tex”. Você realmente fez um belo trabalho de pesquisa… O texto está muito bem elaborado… E as imagens, pouco conhecidas do grande público, serviram para abrilhantar mais ainda, a tua justa homenagem ao grande “Águia da Noite”. Parabéns “Índio Velho”, e até a próxima oportunidade!
    Atenciosamente, Cid Marinho.

  14. Amigo Jesus… bela entrevista. História em quadrinhos é a história de todos nós. Que vivemos naqueles anos incriveis os melhores anos de nossas vidas. Em breve nos veremos em nosso encontro anual, de todos os finais de ano, para relembrar e contar as mesmas histórias hehehe!
    Um forte abraço

  15. Mas bah tchê, te respeitei índio velho, baita coleção essa tua! Tem uma nata de Uruguaiana lendo Tex, pelo que vejo de entrevistas aqui. Bem que eu percebi que geralmente uns colegas meus de serviço que são daí sempre que me vêem com um Tex na mão reconhecem de cara e comentam algo.

  16. Boas,
    Num fim de tarde, de Setembro, entrei no “nosso” espectacular blog do Tex, para ler algumas entrevistas a colecionadores, e leio a do Sr. Jesus Nabor, que gostei muito, está de parabens, pela sua “enorme” coleção de gibis. Que tem muitos sentimentos dentro dessa entrevista, SENTIMENTOS que hoje em dia, poucos ligam, como coragem, honra, bravura, amizades e familia, o quero dizer, que ao ler esta entrevista do Sr. Jesus, me lembro da infância, juventude, de dias de chuva e frio em casa a ler banda desenhada no “quentinho” da casa. Ao som de Def Lepard (que som), não sei, uma pessoa “sente” um tipo de poder de, talvez coragem, saudade, paz, amor.
    Mais uma vez os meus sinceros parabens, pela sua entrevista, está muito boa.
    Desejo-lhe muitas felicidades, muita saúde e paz para si e sua familia.
    Um grande abraço do “pard“, talvez único, da ilha de São Miguel dos Açores de Portugal.
    Marco Avelar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.