Entrevista com o fã e coleccionador: Jaílson M. de Lima

Entrevista conduzida por José Carlos Francisco.

Jailson LimaPara começar, fale um pouco de si. Onde e quando nasceu? O que faz profissionalmente?
Jailson Lima: Nasci na cidade de Sobradinho – RS (Brasil), em 1970. Actualmente resido na cidade de Pelotas-RS e trabalho como Técnico em electrotécnica há 20 anos.  Sou graduado em Tecnologia Ambiental  com ênfase em Saneamento Ambiental e fiz pós-graduação em fontes alternativas de energia e também em Educação Ambiental.

Quando é que teve início esta paixão pela Banda Desenhada, em especial pelo Tex?
Jailson Lima: No ano de 1981, quando um amigo emprestou-me uma revista em preto e branco com a história “Dakotas“, número 123, da editora Vecchi. Juntamente com Tex, li também a história número 33 de Zagor, intitulada “Feras“. A partir desse período, passei a coleccionar essas duas personagens italianas.

A estanTEX de Jailson LimaPorquê o Tex e não outra personagem?
Jailson Lima: Pela continuidade da colecção no Brasil, pelo enredo das histórias e principalmente pelo senso de justiça, pela bravura e honra da mítica personagem.

O que Tex representa para si?
Jailson Lima: O Tex  proporciona-me muitos momentos de lazer e descontracção.

Qual o total de revistas de Tex que tem na sua colecção? E qual a mais importante para si?
Jailson Lima: Tenho a colecção completa do Tex normal, dos Grandes Clássicos de Tex e ainda as mini-séries, os  Tex coloridos da Globo, alguns Tex Gigante, Anual e Histórico. Além de Tex, tenho tudo o que saiu de Zagor no Brasil e tenho as colecções completas de Mister No e Nick Raider publicados pela Record e Mythos.

O calendário de Tex e demais personagens BonelliColecciona apenas livros ou tudo o que diga respeita à personagem?
Jailson Lima: Colecciono actualmente os Tex normais, Grandes Clássicos e Anual (excelente indicação do pard português, José Carlos) e todas as publicações de Zagor no Brasil.

Qual a sua história favorita? E qual o desenhador de Tex que mais aprecia? E o argumentista?
Jailson Lima: São várias, posso citar “Oklahoma” (Tex #300), “O Grande Golpe” (Tex #107 a #110) e também “El Muerto” (Tex #112), não esquecendo o Tex Anual 10, que li recentemente.
Os textos que mais aprecio são do Nizzi e G. L. Bonelli e os desenhos do Galleppini e Lettèri.

Zagor, a outra paixão de Jailson LimaO que lhe agrada mais em Tex? E o que lhe agrada menos?
Jailson Lima: O que mais me agrada em Tex é a  bravura e justiça que ele procura demonstrar em cada acto e também a sua percepção das armações que os malfeitores estão sempre orquestrando. Acho que as histórias de Tex poderiam ter mais mulheres envolvidas nas tramas, pois isso daria um “plus” à personagem.

Em sua opinião o que faz de Tex o ícone que ele é?
Jailson Lima: A sua longevidade como herói de faroeste, pois mesmo tendo vários argumentistas e desenhadores a personagem nunca perdeu suas características agradando tanto os leitores antigos como os mais novos. A personagem, juntamente com os demais pards, actua sempre com justiça, persistência e coragem  mostrando sempre um bom carácter, defendendo os oprimidos e mais fracos.

Jailson Lima e o herdeiro de tão grandiosa colecçãoA biblioTEX

De pequeno é que se começa a incentivar...Para concluir, como vê o futuro do Ranger?

Jailson Lima: Vida longa ao Tex, pard José Carlos, pois vemos jovens leitores de 11, 13 e 15 anos escrevendo cartas para a editora. Isso demonstra que a BD ainda tem muita aceitação e acredito que Tex irá muito longe, pois os argumentos e os desenhos estão sempre em um bom nível, com histórias envolventes que prendem o leitor  do início ao fim.

Prezado pard Jailson M. de Lima, agradecemos muitíssimo pela entrevista que gentilmente nos concedeu.

(Para aproveitar a extensão completa das fotografias acima, clique nas mesmas)

3 Comentários

  1. Grande colecção e toda estimada. Gostei de ler a entrevista!
    Um abraço.
    Orlando Santos Silva, Lisboa, Portugal

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.