Entrevista com o fã e coleccionador: Diego Previatti de Lima

Entrevista conduzida por José Carlos Francisco.

Para começar, fale um pouco de si. Onde e quando nasceu? O que faz profissionalmente?
Diego Previatti de Lima: Eu chamo-me Diego Previatti de Lima, tenho 22 anos, nasci e moro actualmente em Palmeira das Missões, cidade do interior do Estado do Rio Grande do Sul, trabalho em uma empresa de telefonia móvel, e também pratico Artes Marciais, com algumas lutas.

Quando nasceu o seu interesse pela Banda Desenhada?
Diego Previatti de Lima: Foi desde muito pequeno, meu pai sempre me incentivou a ler, sempre ganhava de presente histórias aos quadradinhos, eu adorava ler as revistas da Disney, Turma da Mônica, mas o que me fascinava mesmo eram as revistas da Marvel e da DC Comics, encantava-me com as histórias, com as personagens e suas aventuras. Até hoje, tudo o que diz respeito a heróis, fascina-me.

Quando descobriu Tex?
Diego Previatti de Lima: Lembro-me muito bem desse dia, aliás como poderia esquecer (…risos…)? Eu tinha 10 anos, estava na escola, aí decidi ir até à biblioteca para ler os livrinhos infantis, adorava ficar vendo os desenhos. Vasculhando os livros na estante, reparei num pequeno livro, sem a capa, e com desenhos em preto e branco, curioso peguei para ler, fiquei o intervalo todo lendo aquela história com tiroteios, cowboys, e curioso para saber o fim da história, pedi emprestado para a bibliotecária. Ela perguntou-me: “Você gostou da histórinha, Diego?” Respondi prontamente: “Gostei muito!”. Ela falou: “É sua, todo mês vêm revistas novas, vou guardá-las para ti”. Lembro o nome da história: ‘Ópio, Amor e Traição’, depois desse dia nunca mais parei de ler Tex, ela guardava todas para mim, pois as livrarias da cidade acabavam não vendendo os exemplares e distribuíam para as escolas da minha cidade, grande parte da minha colecção consegui assim, a maioria delas está sem a capa frontal para não serem vendidas.

Porquê esta paixão por Tex?
Diego Previatti de Lima: Quando começo a ler uma aventura do Tex, é como se eu estivesse vendo um filme de Western antigo, envolvo-me tanto com a história que parece até ser real, que estou vivendo a aventura junto com as personagens. O texto é tão envolvente, os desenhos tão reais que até parecem ter vida, os cenários deslumbrantes, cadeias montanhosas, pradarias, florestas… enfim, tenho tantos motivos para amar ler Tex que não caberia tudo aqui nessa entrevista… (…risos…)

O que tem Tex de diferente de tantos outros heróis dos quadradinhos?
Diego Previatti de Lima: Como falei anteriormente, sempre fui fascinado por histórias com super-heróis, com poderes fantásticos, aí como toda criança tem essa fantasia em ser um super-herói, quando comecei a ler Tex vi nele um super-herói! Mas aquele herói de carne e osso, sem poderes fantásticos, mas com uma mira infalível, com seu bom coração e um senso de justiça implacável, o que faz dele ser diferente de todos, ele é real, fere os malfeitores, mas também é ferido, sangra como todos. Sabe ser durão, mas várias vezes tem o seu lado “coração mole”. Por isso admiro a personagem!

Qual o total de revistas de Tex que você tem na sua colecção? E qual a mais importante para si?
Diego Previatti de Lima: Minha colecção é pequena ainda, pelo facto de não conseguir comprar exemplares mais antigos, mas eu tenho o total de 301 revistas. Para mim todas são importantes, sem distinção… mas já que tenho que falar de apenas uma: O Livro TEX WILLER – A HISTÓRIA DA MINHA VIDA.

Colecciona apenas livros ou tudo o que diga respeita à personagem italiana?
Diego Previatti de Lima: Colecciono apenas livros e revistas da personagem Tex. Mas tenho também algumas edição de Zagor, Mister No, Mágico Vento, Dylan Dog, Nick Raider, mas poucas edições.

Qual o objecto Tex que mais gostava de possuir?
Diego Previatti de Lima: O meu sonho, é conseguir comprar todas as estatuetas do Tex e das personagens, amigos e inimigos do Ranger. Também queria o álbum de figurinhas, enfim… mas sonho mesmo é completar toda a minha colecção (…risos…).

Qual a sua história favorita? E qual o desenhador de Tex que mais aprecia? E o argumentista?
Diego Previatti de Lima: Bom, não vou falar só uma história favorita, mas sim a “Saga Favorita”, na minha opinião, todas as histórias com Mefisto e Yama encantam-me, os dois piores inimigos do Ranger fizeram eu ler e reler diversas vezes a mesma história. Gosto muito do trabalho de Fabio Civitelli e Claudio Villa, para mim os dois melhores desenhadores actuais de Tex são eles. Em termos de argumento, o saudoso Bonelli.

O que lhe agrada mais em Tex? E o que lhe agrada menos?
Diego Previatti de Lima: O que mais me agrada são as suas aventuras, sempre cheias de acção e suspense, seus belíssimos desenhos. E o que deixava a desejar é o pouco caso que a editora tinha com a personagem, mas agora pelo que vejo está tudo bem, edições periódicas, não estão mais atrasando, então agora tudo está agradável, espero que continue assim!

Em sua opinião o que faz de Tex o ícone que é?
Diego Previatti de Lima: Sem dúvida, o seu lado Justiceiro, estuda muito bem a situação até encontrar a melhor forma de resolver o caso. Um herói sem preconceitos, para ele todos são iguais, índio, pobre, negro, rico.

Costuma encontrar-se com outros coleccionadores?
Diego Previatti de Lima: Aqui em minha cidade, conheço apenas 3 pessoas que gostam de Tex, assim como eu. Através da personagem italiana fiz amizade com essas pessoas, e até trocamos algumas revistas. Gostaria de ter a oportunidade de me encontrar com outros coleccionadores, pois adoro conversar sobre o assunto “Tex”, e se possível trocar algumas revistas para leitura. Tenho alguns contactos em redes sociais também, que até já comprei alguns exemplares, uma pessoa muito simpática que é meu amigo Cleudo Lima, converso às vezes com o Grande G.G. Carsan, uma pessoa incrível.

Para concluir, como vê o futuro do Ranger?
Diego Previatti de Lima: Acompanho no Facebook, alguns grupos dedicados ao Ranger, e vejo muitos coleccionadores novos e pessoas que apenas lêem as revistas do Tex, vejo alguns garotinhos que começaram a ler influenciados pelos pais que são coleccionadores, e isso deixa-me muito feliz. Pois sei que essa mania de coleccionar, é passada de pai para filho. Minha colecção já está guardada e quando eu tiver a oportunidade de ser pai, vou mostrar ao meu filho o prazer de ler, vou despertar o fascínio e o encanto pela leitura, e é por isso que vejo um futuro longínquo para o nosso querido Ranger TEX WILLER! Uma personagem tão real, que nos empolga em cada aventura lida, com certeza terá muitos e muitos anos pela frente!!! Vamos conviver com o Ranger até quando formos “caçar nas celestes pradarias”…

Prezado pard Diego Previatti de Lima, agradecemos muitíssimo pela entrevista que gentilmente nos concedeu.
Diego Previatti de Lima: Quero também agradecer ao Blogue do Tex e ao amigo José Carlos Francisco (Zeca) pelo convite a esta entrevista, para mim foi uma honra!!!! Obrigado de coração caro Pard!

(Para aproveitar a extensão completa das imagens acima, clique nas mesmas)

12 Comentários

  1. Que legal, Diego! Estava esperando a sua entrevista, hehe.
    Adorei seus desenhos e a sua coleção.
    Abraços!

  2. Ótima entrevista amigo, bem legal mesmo.
    A minha coleção tá mais ou menos na mesma quantidade que a tua.
    Parabéns.

  3. Diego gostei muito da sua entrevista! Assim como você minha coleção de revistas de Tex é pequena espero que consigamos aumentar muito essa coleção! Parabéns vejo que sua admiração pela personagem é muito grande e espero que continue pra sempre! 😀

  4. Mas 301 números não é uma coleção “pequena” tchê!!! Colecionador é colecionador, não importa de 300 como tu ou 3 mil e tantas como o Rainho, o maior colecionador do Brasil conforme está publicado aqui no Blog. Se o cara tem 50 Tex comprados com paixão, suor e sacrifício, colocados em um lugar de prestígio em sua estante, pra mim o cara é colecionador. Claro, pards como o Zeca, GG, Rainho e Gervásio são as referências top em termos de coleção e comprometimento com a paixão texiana, mas se eu, você, o cara que tem 50 exemplares e eles nos reuníssemos para comer bifes de três dedos, montanhas de fritas e oceanos de cerveja, com certeza partilharíamos bons momentos de nossa paixão, pois temos algo em comum, mesmo em amplitudes diferentes. “Tudo vale a pena, quando a alma não é pequena“.

  5. Falou tudo meu caro João Adolfo!! Eu considero ela pequena ainda, mas foi com muito sacrifício que consegui essa coleção 🙂 E não vou parar por aqui, sempre estou correndo atrás de mais exemplares para encher minha estante! Abração caro pard

  6. Por mil raios! Coleção e entrevista incrível, foi muito bom conhecer mais um gaúcho que é fã de Tex, tabém sou do Rio Grande Do Sul, tenho 14 anos e conheci Tex pelo meu pai, minha coleção está apenas no começo com 124 gibis de várias edições de Tex. Parabéns pard Diego.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.