Entrevista com o fã e coleccionador: Daniel Brandão

Entrevista conduzida por José Carlos Francisco.

Daniel Brandão e o seu TexPara começar, fale um pouco de si. Onde e quando nasceu?
O que faz profissionalmente?

Daniel Brandão: Bem, eu sou da cidade de Fortaleza, capital do Ceará um estado nordestino brasileiro. Nasci em 3 de Novembro de 1975. Trabalho como quadrinista há 12 anos. Também sou formado em Comunicação Social e faço uma especialização em Arte-Educação. Sou casado e tenho uma filha linda de 4 anos.

Para aqueles que ainda não estão bem identificados com a sua carreira profissional, gostaríamos que fizesse uma pequena apresentação própria e do caminho entretanto percorrido na sua carreira?
Capitão América por Daniel BrandãoDaniel Brandão: Bem, comecei em 1996, quando passei a ser monitor da Oficina de Quadradinhos da Universidade Federal do Ceará e lá publiquei pela primeira vez. Logo depois comecei a trabalhar com o personagem Capitão Rapadura, personagem do cartunista Mino. Eu fui aluno do desenhista Álvaro Rio e junto com JJ Marreiro e Geraldo Borges, criei o fanzine Manicomics. Ele se tornou um dos fanzines mais premiados do Brasil com 3 HQ Mix. Paralelamente a isso, fui co-fundador do Graph it Estúdios, o primeiro estúdio profissional de Quadradinhos do Ceará.
Em 1998, este estúdio abriu a primeira turma do Curso de Histórias em Quadradinhos. Desde então não parei de ministrar aulas de quadradinhos e desenho.
Em 2000 fui estudar na Joe Kubert School. Lá nos EUA, publiquei como assistente de arte na revista Azrael, da DC Comics e ganhei um prémio da Dark Horse por ser considerado o melhor aluno do primeiro ano da escola.
Os Flinstones por Daniel BrandãoNa volta ao Brasil, criei um novo espaço de trabalho, o Estúdio Daniel Brandão de Quadrinhos e Artes Gráficas. A partir de então, publiquei no site Universo HQ, na revista Sexy e fui premiado, junto com Arthur Ferraz e Denílson Albano, em Portugal com uma história sobre futebol. Depois, publiquei em muitos veículos, dentre eles, o Vórtice, a Pixel, Informal, Miscelânea, Diário do Nordeste, revista Wizard, Sexy Total, Central de Tiras, Mundo Estranho e Coleção 100 Respostas: Hanna-Barbera.
Em 2003 voltei a trabalhar para o mercado americano. Actualmente faço parte da Glass House Graphics e, através dessa agência, desenhei o Yellow Jacket e uma capa do Who Wants to be a Superhero para a Dark Horse. Além de sketch Cards para a colecção Legacy da DC Comics e Fantastic Four para a Marvel. Para maiores informações sobre minha carreira, meus cursos ou para ver alguns trabalhos meus, acesse www.estudiodanielbrandao.com.

Super-heróis americanos por Daniel Brandão

Quando é que teve início esta paixão pela Banda Desenhada, em especial pelo Tex?
Tex Willer por Daniel BrandãoDaniel Brandão: Pelo que eu me lembre, sempre gostei de desenhar. Já aos 9 anos economizava uns trocados da merenda para comprar quadradinhos como Superaventuras Marvel, Heróis da TV, Conan, Capitão América, Super Powers, Homem-Aranha, Hulk… Todos em formatinho e baratos. Por isso, fui muito influenciado pelos mestres John Byrne, John Buscema, Gil Kane, John Romita, Frank Miller, dentre outros. Pantherman foi a minha primeira personagem. Depois vieram os Lutadores. Meus quadradinhos eram toscos, porém divertidos. Não imaginava, naquela época, que quadrinista era uma profissão.
Meu gosto pelo Tex surgiu um pouco mais tarde. Tex é uma personagem de grande sucesso no Brasil, publicado há cerca de 50 anos. Não lembro exactamente quando a primeira revista de Tex caiu em minhas mãos, mas lembro que fiquei primeiramente encantado pelos desenhos. Hoje, tento acompanhar as Tex Gigantes e as edições desenhadas por Claudio Villa, Fabio Civitelli e José Ortiz. Os textos de Claudio Nizzi são sempre muito competentes. Gostei tanto de Tex que passei a buscar outros quadradinhos do mesmo género. Neste caminho, descobri Mágico Vento e Ken Parker, um dos meus personagens predilectos.

Dylan Dog e Groucho por Daniel BrandãoTex teve alguma influência no facto de você se ter tornado um desenhador?
Daniel Brandão: A princípio, não. Porém, mais tarde, já maduro, passei a ser muito influenciado pelos desenhos académicos e clássicos publicados em Tex. Aliás publicados em toda linha da Bonelli. Ivo Milazzo e Claudio Villa são meus desenhadores preferidos desta editora. A revista Tex Gigante do Joe Kubert é uma Bíblia para mim. Utilizo muito ela em sala de aula para mostrar aos meus alunos como se faz um bom quadradinho. A narrativa e a diagramação de páginas também são sempre muito claras. Os personagens são muito consistentes. Os quadradinhos da Bonelli são uma verdadeira Universidade para se aprender BD!

Porquê o Tex e não outra personagem?
Nick Raider por Daniel BrandãoDaniel Brandão: Tex é um mito. Um símbolo de bravura e justiça. Ele representa o bem. Enfrenta e sempre vence os malfeitores, mas acima de tudo ele é humano. Falível. Isso dá um carácter muito interessante para as suas histórias. Ele também apanha, sofre, sente dor. Isso causa uma identificação muito forte com o leitor. Mas no final, dá a volta por cima e vence o inimigo, provocando um alento e um alívio para quem lê. É muito cativante.
Os textos são muito bem escritos e as histórias não são rasas. Outro atractivo para mim é que a maioria das revistas do Tex vendidas no Brasil possuem uma aventura fechada, com começo, meio e fim. O Tex tem cronologia, mas você não precisa conhecê-la para acompanhar uma aventura avulsa. Isso é genial! Todas as editoras de quadradinhos deveriam se espelhar nesta fórmula.

O que Tex representa para si?
Daniel Brandão: Um mito. Um símbolo dos quadradinhos de faroeste. Tex é uma personagem que representa a justiça.

Daniel Brandão e os seus Tex'sQual o total de revistas de Tex que você tem na sua colecção? E qual a mais importante para si?
Daniel Brandão: Nunca contei e se contasse frequentemente tenho certeza de que iria me deprimir, pois já me mudei várias vezes e sei que em mudanças sempre acontecem perdas. Não contar ameniza essa sensação…
A edição mais valiosa da minha colecção é a Tex Gigante desenhada pelo Joe Kubert. Tanto é que tenho duas, uma em português e uma em italiano.

Colecciona apenas livros ou tudo o que diga respeita à personagem?

Daniel Brandão: Apenas os quadradinhos. Gosto de ler as matérias sobre ele e os artistas envolvidos em revistas e/ou sites, mas não colecciono outras coisas de Tex não.

Página de Dylan Dog por Daniel BrandãoQual a sua história favorita? E qual o desenhador de Tex que mais aprecia? E o argumentista?
Daniel Brandão: A minha história favorita é a do Tex Gigante desenhada pelo Joe Kubert e escrita pelo Nizzi. Claudio Villa é meu desenhador predilecto de Tex e Nizzi é o roteirista que mais gosto. Quero registar que essa é uma escolha muito difícil e que sou muito fã de outros artistas que também passaram pela personagem, como Ortiz, Milazzo, Civitelli…

O que lhe agrada mais em Tex? E o que lhe agrada menos?
Daniel Brandão: O que mais me agrade em Tex é a sua humanidade. Histórias que exploram isso são as minhas favoritas. O que menos me agrada é a quando suas histórias fogem muito do realismo, como quando ele enfrenta o Mefisto, por exemplo.

Homenagem Tex 60 anosEm sua opinião o que faz de Tex o ícone que é?
Daniel Brandão: Seus autores, sua longevidade e seu editor que controla os destinos da personagem com muita sabedoria. Essa combinação resultou em uma consistência raramente testemunhada em banda desenhada.

Como nasceu a ideia de homenagear o Tex, através do desenho comemorativo dos 60 anos do Ranger?
Daniel Brandão: Bem, desde o final do ano passado venho planejando fazer umas sequências e umas pin ups com personagens da Bonelli para tentar enviar como testes para a editora. Trabalhar na Bonelli seria um sonho para mim. Então, no intervalo dos meus trabalhos, fiz a sequência do Dylan Dog e o desenho do Nick Rider. Desenhar o Tex já estava nos meus planos desde então. Quando comecei a acompanhar as notícias sobre o aniversário do Ranger mais famoso do mundo, decidi que era hora de fazer o desenho. Graças a Deus a repercussão está sendo a melhor possível.

Batman por Daniel BrandãoPara concluir, como vê o futuro do Ranger?
Daniel Brandão: Vejo com muito optimismo. O Tex tem um futuro promissor pela frente com possibilidade de durar várias décadas ainda. Para isso a sua linha editorial deve ser mantida, pois a essência humana e heróica da personagem é o que o torna eterno.

Prezado pard Daniel Brandão, agradecemos muitíssimo pela entrevista que gentilmente nos concedeu.
Daniel Brandão: Eu é que agradeço. Já agora informo que no meu site, na secção HQs há uma história que escrevi e desenhei com o Dylan Dog. Quem quiser dar uma conferida pode acessar também www.estudiodanielbrandao.com

(Para aproveitar a extensão completa das imagens acima, clique nas mesmas)

5 Comentários

  1. Muito bom encontrar mais um conterrâneo por aqui!

    O nordeste do Brasil sempre foi um celeiro de grandes artistas e tem se sobressaído com desenhistas de HQs, tanto no mercado interno quanto no internacional. O Daniel é por certo uma referência aqui no Ceará.

    Parabéns ao Blog do Tex por mais essa bela entrevista e ao Daniel pelo seu talento e comprometimento com os quadrinhos.

    Abraços!

    Fred Macedo

  2. Muito legal a entrevista com o competente Daniel Brandão.
    Junto com o Fred, o Marreiro, o Deodato, o Milton, o Sandro, O Emir, e tantos outros, formam um ótimo time que tem tudo para desencadear uma nova era dos quadrinhos.
    Temos a matéria-prima abundante e de qualidade.
    Parabéns ao Daniel e aos demais arrolados.

  3. Parabéns Daniel! Cada vez mais constato que precisa-se gostar para fazer bem feito. Você ama o que faz. Sua dedicação aos quadrinhos é contagiante. Através de você estou conhecendo um mundo novo e fascinante : – O Mundo dos Quadrinhos !
    Você está a caminho da Bonelli !
    Beijos.
    Tia Moema

  4. E o mestre Kubert se foi. Viver é sobreviver. Legal saber que tu estudou na escola dele. Eu não gostei muito do Tex Gigante dele por preferir as histórias com os pards, mas os desenhos e a entrevista por ele concedida eu apreciei bastante.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *