Blogue do Tex citado na edição brasileira nº 478 de Tex (Agosto 2009)

O blogue português do Tex foi citado uma vez mais em uma revista brasileira do Ranger, editada pela Mythos Editora, mais precisamente na recente edição nº 478, datada de Agosto de 2009.

O motivo de tal citação, deve-se desta vez às entrevistas realizadas pelo blogue do Tex com os desenhadores Marco Bianchini e Marco Santucci e devido a esse honroso facto, de seguida mostramos na íntegra o respectivo texto da autoria de Júlio Schneider:

Texto da revista TEX nº 478 de Agosto de 2009
Júlio Schneider
.
Um Tex de dois Marco
.
Um Tex de dois Marco - Parte 1O título do artigo não faz menção à antiga moeda alemã, o marco, e tampouco contém um erro de concordância. Nós nos referimos a dois desenhadores italianos chamados Marco, o Bianchini e o Santucci, autores da aventura texiana em três partes que começa justamente nesta edição. “Eu me aproximei do ranger com humildade e paixão, usando muita documentação e me confrontando com outros desenhadores texianos. Não escondo as dificuldades encontradas com Wíller, a minha primeira história é longa, e só comecei a relaxar lá pela página 250. Três anos e meio de trabalho se resumem a três edições nas bancas em três meses, é até meio frustrante“. Esse é Marco Bianchini, numa entrevista concedida ao jornalista italiano Paolo Guiducci, publicada em Setembro de 2008 na revista Fumo di China, referindo-se a esta história. Marco é um dos desenhadores estreantes na equipa de Tex, e elaborou esta trama a quatro mãos com seu amigo e conterrâneo Marco Santucci, ambos da cidade de Arezzo, na Itália, a mesma de Fabio Civitelli.

Um Tex de dois Marco - Parte 2Antes de chegar a Tex, ambos ilustraram várias aventuras de Mister No, das quais 5 em parceria, um fazendo os traços a lápis e o outro a arte-final, a passagem de tinta nos desenhos. Marco Bianchini nasceu em 1958 e estreou no mundo das BDs em 1980, com fortes influências de Burne Hogart e Alex Raymond. Em 1982 deu forma gráfica a Kerry, o Trapper (caçador), personagem criado por Tiziano Dylan Dog Sclavi e cujas aventuras eram publicadas no final das revistas de O Comandante Mark e que, em 2008, foram reunidas em dois volumes lançados na Itália pela Edições BD. Encerradas as aventuras desse faroeste que mescla realismo e fantástico com toques de terror (antecipando em mais de uma década algumas temáticas que seriam abordadas nas primeiras aventuras de Mágico Vento), em 1985 passou para a equipa de Mister No, com quem colaborou por vinte anos, até o encerramento da série mensal. Desde 1992 é director artístico da Escola Internacional de Quadradinhos de Florença, que ele fundou.

Tex nº 478Marco Santucci nasceu em 1974 e, após imitar bastante os traços de Todd Mc Farlane, deu seus primeiros passos no mundo profissional das BDs com apenas 16 anos, quando conheceu Fabio Civitelli e Marco Bianchini, que o ajudaram a transformar seus primeiros experimentos num trabalho digno de ser apresentado a um editor. Estreou aos vinte anos na editora Phoenix. depois trabalhou com a Star Comics, até oferecer seus préstimos à Sergio Bonelli Editore, passando a colaborar com Mister No. É professor na mesma escola de quadradinhos de Bianchini, com quem escreveu a quatro mãos os roteiros de Termite Bianca, uma série de ficção científica que começou a ser publicada na Itália em 2004 pela Editora Pavesio e que nasceu com a ideia de ser lançada como desenho animado – a trama é interessante: na Terra do futuro, em que as poucas áreas não inundadas limitam-se a rochedos desertos e terras desoladas, a raça humana dividiu-se em dois povos adversários, os náutilos (povo do mar) e os geosianos (povo da terra); os primeiros vivem em cidades submersas e os segundos em enormes cidades-fortalezas, verdadeiras torres semelhantes a cupinzeiros (daí o nome térmite), e ambos vivem em guerra nesse mundo apocalíptico. A série está prevista para ter 10 volumes e está em fase de publicação (mais informações no site www.pavesio.com).

Tex de Santucci (lápis) e Bianchini (arte-final)De volta aos nossos protagonistas, em 2005 a dupla foi convidada a desenhar Tex, cujo resultado é esta aventura em três partes, da qual Santucci fez o lápis e Bianchini a arte-final. Logo depois desta experiência, Santucci foi transferido para a equipe de Dampyr, e não está prevista uma sua segunda aventura texiana no curto prazo, enquanto Bianchini foi efectivado no time do caubói mais longevo dos quadradinhos. Como esses profissionais da Nona Arte começaram no mundo dos quadradinhos, como chegaram à Sergio Bonelli Editore, como é o processo de criação de cada um, o que lêem, quais seus projectos futuros e muito mais, além de vários desenhos inéditos, tudo pode ser acompa­nhado nas entrevistas concedidas pelos dois Marco ao blogue português de Tex, na pá­gina internet www.texwillerblog.com: é só clicar em “entrevistas” na coluna da direita e, na lista de autores, procurar os nomes de Marco Bianchini e Marco Santucci. A ilus­tração da página anterior mostra o intrépido caçador Terry (de autoria de Bianchini), que em suas aventuras sente na pele os terríveis efeitos da magia indígena na região ameri­cana do Yellowstone, e a desta página traz um posudo Mister No (de autoria da dupla).

Como sempre, aguardamos a opinião do amigo texiano sobre o trabalho dos desenhadores estreantes. E, em Setembro, estreia a nova série de TEX EM CORES! Reserve seu exemplar na banca mais próxima.

Copyright: © 2009 – Tex – Mythos Editora; Júlio Schneider
(Para aproveitar a extensão completa das imagens acima – enviadas por Valdivino Otilio de Almeidaclique nas mesmas)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *