As telas de Tex, da Little Nemo, as primeiras decorações imobiliárias da Bonelli

Estreia bonelliana na arte da decoração imobiliária

Mobiliário decorativo com o selo da Little Nemo

As primeiras personagens da banda desenhada italiana a passar do papel para os móveis e objectos decorativos (excluindo as brilhantes façanhas do início do século XX por Antonio Rubino) foram desde há alguns anos Diabolik e a sua companheira de sempre Eva Kant e Valentina de Guido Crepax.

Kit Carson na arte de Fabio Civitelli

Desde há algumas semanas, podem ser orgulhosamente exibidos na sala de estar dos apreciadores de arte popular (assim como dos amantes do belo no sentido lato do termo) também o Ranger Tex Willer, chefe dos Navajos com o nome de Águia da Noite, e os seus pards: o “velho camelo” (como o chama afectuosamente Tex) Kit Carson, o impulsivo filho Kit Willer e o sempre fiel Jack Tigre.

Mérito da Little Nemo de Turim, editora entre outras coisas de luxuosíssimos catálogos, assim como de análises sobre livros ilustrados e desde sempre com um olhar atento aos autores de banda desenhada mais próximos do mundo da arte. Graças a décadas de entendimentos com a Sergio Bonelli Editore que, apesar de diversas denominações, publica desde 1948 as aventuras de Tex, a “fábrica” de Sergio Pignatone foi capaz de apresentar com legítimo orgulho a “Tex Willer Art Collection”. Trata-se de cativantes impressões artísticas de alta qualidade (com tiragem limitada a 99 exemplares numerados) em poliéster, com composição cromática elevada e com tintas não tóxicas à base de água e devidamente emolduradas em madeira.

Tex em acção numa arte de Fabio Civitelli

As telas artísticas foram apresentadas ao público profissional por ocasião da  FrameArt realizada entre 22 e 24 de Março, após uma antestreia ocorrida na exposição de Fabio Civitelli na Galeria Artecò situada na cidade de Como.

Jack Tigre na arte de Fabio Civitelli

Dando ainda mais importância a este acontecimento, no passado dia 13 de Abril Fabio Civitelli apresentou, em Turim, pessoalmente a colecção e a primeira parte do novo portefólio intitulado “Il mio Tex” (“O meu Tex”).

A ideia base é a de ter uma colecção histórica com ilustrações emblemáticas de Galep (pseudónimo do célebre Aurelio Galleppini, criador gráfico do Ranger de papel) utilizadas nas capas “Dugan, il bandito” (edição italiana de Tex n.121), “Squali” (n.62 ) e “La Mano Rossa” (n.1), mais uma colecção de autor que se inicia com Fabio Civitelli (com 7 desenhos originais incluindo da esplêndida história “Culver City” com todos os pards em contraluz a um pôr-do-sol, além de algumas reproduções de ilustrações do portefólio “Il mio Tex”) e devendo prosseguir em breve com Giovanni Ticci.

Arte de Tex torna-se objecto de decoração imobiliária

A selecção de imagens foi feita pelo próprio Civitelli para a sua série e pela Little Nemo no que diz respeito a Galep, naturalmente em ambos os casos com a supervisão da Sergio Bonelli Editore.

Kit Willer na arte de Fabio Civitelli

Todas as telas são acompanhadas por um certificado que atesta a autenticidade de modo a evitar qualquer tentativa de falsificação. As ilustrações digitais foram elaboradas de modo a terem o melhor desempenho possível aquando da impressão e também para manterem os elementos dramáticos e históricos: neste sentido as capas de Galep são apresentadas em preto e branco ou a cores com variações artísticas  (de corte como na versão de Dugan na vertical, ou de cores como em “La Mano Rossa”em preto, branco e vermelho). As artes originais não foram obviamente afectadas de modo algum, enquanto os formatos comercializados vão de 40 x 40 a 120 x 120 cm (a preços de 150 a 350 euros).

Tex Willer Art Collection

A possibilidade de expandir a produção com outras personagens “bonellianas” depende compreensivelmente do sucesso da iniciativa, que foi produzida com tiragem limitada precisamente para se tornar objecto de colecção imobiliária. Como sempre, agora a palavra cabe ao público.

(Para aproveitar a extensão completa das imagens acima, clique nas mesmas)

5 Comentários

  1. Tex vai galgando novos mundos e preenchendo espaços dantes nunca navegados. Isso somente vai engrandecê-lo no presente e projetá-lo visível e sensivelmente no futuro.

    Com esta visão inovadora de Pignatore, Civitelli, Verger e da SBE, certamente que Tex continuará nos orgulhando sempre mais e mais.

    Acho meio difícil conseguir uma coleção dessas para as minhas paredes, mas nada a julgar pelas imagens ampliadas que tenho em minha bibliotex, algumas com mais de 3m², posso afirmar que realmente vale à pena dedicar uma ou várias paredes ao maior ídolo do faroeste mundial.

    Parabéns aos idealizadores e realizadores. Fantástica sacada, fantástica aventura.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.