As Leituras do Pedro: Tex Edição Histórica #77 – Mescaleros!

As Leituras do Pedro*

Tex Edição Histórica 77Tex Edição Histórica #77 – Mescaleros!
Giovanni Luigi Bonelli (argumento)
Guglielmo Letteri (desenho)
Mythos (Brasil, Julho de 2009)
135 x 178 mm, 324 p., pb, brochado


Resumo
Um bando de índios mescaleros, liderados por um tal Lucero, espalha o terror e a morte nos ranchos e povoados próximos da fronteira entre os Estados Unidos e o México, aparentemente desaparecendo neste último território após cada assalto. Nomeados e, depois, retirados do caso pelo governo, para não criarem problemas com o governo mexicano, Tex Willer, Kit Carson, Jack Tigre e Kit Willer, decidem assumir o caso a título pessoal.

Desenvolvimento
Esta é mais uma história bem escrita e desenvolvida a bom ritmo por Giovanni Luigi Bonelli que, em relação a outros relatos do ranger, tem algumas particularidades que justificam esta chamada de atenção.
Desde logo o esquema engenhoso e bem montado que permite aos mescaleros desaparecer sem deixar rastos após cada massacre, o que faz com que, durante grande parte do relato, Tex e os seus companheiros andem positivamente às cegas, sem conseguirem antecipar os movimentos dos bandidos, para os impedir, nem encetarem com êxito uma perseguição, para os capturar. Algo que não é muito habitual em histórias protagonizadas por Tex Willer. A boa cobertura de que Lucero dispõe, sob outra identidade, tem também um peso significativo para que as coisas se desenrolem desta forma.

O Ranger em acçãoDepois, pese embora os métodos utilizados, a verdade é que o fim a que o chefe dos mescaleros se propõe – a recuperação dos territórios de que o seu povo foi espoliado – noutra conjuntura seria um motivo para o ranger se colocar ao seu lado, como aconteceu em tantas outras das suas aventuras. O que mostra Tex sob a óptica de uma inesperada dualidade de critérios… O que o torna mais humano?
Finalmente – e este é, para mim, a razão principal – o facto de Tex nunca estar face a face com o chefe do bando de mescaleros ao longo de todo o relato, encontrando-o apenas depois de morto e enterrado, nunca conseguindo consumar – pessoalmente – os desejos de justiça (e vingança…) que o movem, confere ao relato – e em Lucero em particular – uma aura especial.

Graficamente, confesso que o desenho de Letteri, possivelmente pressionado pelos prazos de entrega, algo (quase) inevitável em publicações que têm que chegar às bancas periodicamente, não me seduziu com a maioria dos rostos demasiado parecidos, algumas posturas demasiado rígidas e desequilíbrios no tratamento dos fundos das vinhetas.
Para finalizar, a título de curiosidade, pelo invulgar da imagem no contexto do universo do ranger, deixo uma referência para as duas últimas vinhetas da página 310, em que Lucero surge – literalmente – ameaçado pela imagem da morte.

A reter
– Os aspectos originais da historia desenvolvidos atrás.

Menos conseguido
A promessa incumprida– Os desequilíbrios do desenho. Noutros contextos editoriais ou no meio cinematográfico, não seria descabido que um argumento destes fosse redesenhado ou filmado de novo.

Curiosidades

– Na vinheta aqui reproduzida do lado direito, Tex faz uma “promessa” que fica por cumprir… outro facto raro na sua carreira.
– Esta história foi originalmente publicada em Itália entre Maio e Agosto de 1973, nos números 151 a 154 do Tex italiano, e no Brasil surgiu na revista Tex, números 62 a 64, e também na Tex Colecção, entre os números 203 e 205.

Pedro Cleto.
.

*Pedro Cleto, Porto, Portugal, 1964; engenheiro químico de formação, leitor, crítico, divulgador (também no Jornal de Notícias e na revista In’ – distribuída as sábados com o JN e o DN), coleccionador (de figuras) de BD por vocação e também autor do blogue As Leituras do Pedro..

.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.