As Leituras do Pedro: Tex Edição em Cores #33 – O Vale da Lua

As Leituras do Pedro*

O Vale da Lua
Tex Edição em Cores #33
Gianluigi Bonelli (argumento)
Aurelio Galleppini (desenho)
Mythos Editora
Brasil, Julho de 2017
160 x 210 mm, 210 p., cor, capa mole

Inesperado

O que se espera de um western? Cavalgadas pela pradaria, confrontos com índios ou bandidos, problemas relacionados com a posse de terrenos ou minas, tiroteios…

A história (completa) que dá título a este texto, incluída no 33.º volume de Tex Edição em Cores, assume (sem surpresa) tudo o escrito acima. Mas também um elemento inesperado, que faz dela uma das mais atípicas histórias do ranger.

O Vale da Lua inicia-se com um pedido de ajuda de um velho amigo do ranger, que enfrenta alguns problemas para explorar uma mina que comprou e que alguns dizem assombrada por um estranho ser, o que parece comprovado por acontecimentos recentes.

Como habitualmente, Tex e Kit Carson correspondem ao apelo e dirigem-se para a dita mina. A história vai avançando dentro dos moldes tradicionais no Tex dos anos 60, mas também com um inquérito junto dos habitantes da cidade vizinha e das tribos índias circundantes que lhe confere um tom de investigação/dedução que também não é muito habitual neste western. A sucessão de acontecimentos- narrados pelos inquiridos ou vividos perante os olhos do leitor – permitem a este último – detentor de conhecimentos mais avançados, ao contrário do próprio protagonista, limitado ao que se conhecia no final do século XIX – descortinar o que ou quem está afinal na origem dos ditos problemas, apesar de tal nunca ser afirmado nem claramente mostrado ao longo do relato.

E que é – atenção ao spoiler que aí vem, uma vez que a revelação que se segue é um facto mais ou menos conhecido – com toda a certeza, um extraterrestre à procura na Terra de um mineral raro e radioactivo!

Dessa forma, O Vale da Lua, que até sucede a uma outra aventura, mais longa, também pouco tradicional, pois o seu principal vilão é um negro que se dá ares e pose de imperador romano em pleno Canadá (!), vale sobretudo pela curiosidade, não sendo mais do que uma narrativa dissonante, uma ‘brincadeira’ dos criadores e/ou o acompanhamento de uma certa apetência da época pelo desconhecido.

*Pedro Cleto, Porto, Portugal, 1964; engenheiro químico de formação, leitor, crítico, divulgador (também no Jornal de Notícias), coleccionador (de figuras) de BD por vocação e também autor do blogue As Leituras do Pedro

(Para aproveitar a extensão completa das imagens acima, clique nas mesmas)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.