As Leituras do Pedro – Tex Edição de Ouro #72: Os Sete Assassinos

As Leituras do Pedro*

Tex Edição de Ouro #72
Os Sete Assassinos
Mauro Boselli (argumento)
Marcello (desenho)
Mythos Editora
Brasil, Maio de 2014
135 x 175 mm, 328 p., pb, brochado
R$ 22,90 / 11,00 €

Se a importância – criadora e histórica – de Gianluigi Bonelli e Sergio Bonelli (Guido Nolitta) são indiscutíveis para a afirmação de Tex, parece-me indiscutível a relevância de Mauro Boselli na sua renovação – na continuidade – e na sua modernização, para o aproximar do nosso tempo.

Os Sete Assassinos – actualmente à venda em Portugal – é (mais) um exemplo disso. Na verdade, as histórias de Boselli são geralmente mais elaboradas – perdendo alguma da ingenuidade que fez de Tex o ídolo de muitos leitores em décadas anteriores? – e conferem ao ranger e aos demais protagonistas uma espessura e uma profundidade de carácter que muitas vezes não acontecia no passado e que o aproximam de concepções mais interessantes – e modernas – do western.

A par disso, Boselli tem sabido recuperar participantes de histórias mais antigas – no caso presente regressam Lena e Donna, esposa e filha de um dos membros do célebre Bando dos Inocentes (e também paixões – nem sempre? – platónicas de Kit Carson e Kit Willer…) – o que contribui para dar maior consistência ao universo texiano.


Os Sete Assassinos parte de um pressuposto bem concebido: um bando guiado por um cego que é um formidável atirador e que integra uma série de criminosos, todos eles aberrações com capacidades (?) distintivas – Por coincidência este bando assola a região em que Tex, Carson, Kit e Jack Tigre perseguem um jogador que aparentemente se tornou assassino, acabando o confronto por se tornar inevitável quando os respectivos caminhos se cruzam nas proximidades da hospedaria que Lena e Donna gerem.

As características (horríveis) – lado a lado com o carácter amoral e hiperviolento dos sete assassinos – conferem um tom diferente a esta aventura, que aqui e ali roça quase o terror e tornam-na uma das mais violentas que já li de Tex.


Considero mesmo que as páginas 20 e 21 apresentam cruamente duas das mais violentas cenas que este western já apresentou pois, se são muitos os mortos e feridos que o ranger e os seus amigos deixaram pelo caminho ao longo de décadas, os habituais tiroteios e trocas de socos decorrem quase sempre de forma quase anódina, tão vulgares se tornaram e tão ‘ligeiros’ são os seus efeitos. Depois, ao longo da história, embora presente, a violência (visual) atenua-se e as consequências de cenas semelhantes são apenas sugeridas, não sendo visíveis os seus efeitos…

Com uma galeria de vilões – que noutras ‘paragens aos quadradinhos’ poderiam dar interessantes sequelas – Os Sete Assassinos fica assim como uma história marcante pela violência mas também pela forma consistente e equilibrada como se desenrola, com a acção a decorrer a vários níveis e a conduzir as duas narrativas paralelas para a esperada confluência, sem o final apressado que tantas vezes é marca de Tex, e pela força de algumas personagens secundárias, onde não faltam rivais para os dois Kit e oportunidade de redenção de quem parecia incapaz de qualquer acto de heroísmo.


Da edição brasileira, quero destacar Monstros Jamais Vistos, a boa leitura que Júlio Schneider fez desta história em jeito de introdução, embora discorde quando afirma que o facto de que “nenhuma  mulher ou criança é vitimada pelo bando” não deixa “esquecer que os sete monstros, no fundo (bem no fundo), são seres humanos” pois parece-me que pelo que é revelado da sua natureza, em especial as mulheres deveriam ser vítimas dos horrores que os fora-da-lei nunca hesitam em cometer ao longo de todo o relato e essa falta de ‘apetência’ pelo belo sexo – que a acontecer não seria estreia no Tex de Boselli – retira um pouco da verosimilhança do relato.

*Pedro Cleto, Porto, Portugal, 1964; engenheiro químico de formação, leitor, crítico, divulgador (também no Jornal de Notícias), coleccionador (de figuras) de BD por vocação e também autor do blogue As Leituras do Pedro.

(Para aproveitar a extensão completa das imagens acima, clique nas mesmas)

Um comentário

  1. Embora tenha gostado muito da história, considerando-a mesmo uma das melhores que já li (não leio Tex há muito tempo) a edição estava francamente miserável. A saber:
    Não só várias páginas tinham erros de impressão (cantos cortados), umas páginas têm um efeito “deslavado” com pretos esbatidos, outras é difícil explicar mas parecem ter um filme de plástico por cima…
    Depois parece ser uma edição feita a partir de dois bocados. Estes que tem estes erros de impressão têm as falas escritas à mão e não têm numeração de página. Mas depois ocasionalmente algumas páginas têm muito boa qualidade, falas escritas a computador e numeração.
    Acho isto absolutamente incrível num número 72 de qualquer edição. Perfeitamente amador…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.