As Leituras do Pedro – Nathan Never: Agente Especial Alpha + Las Fieras

As Leituras do Pedro*

Nathan Never: Agente Espacial Alfa
Antonio Serra (argumento)
Claudio Castellini (desenho)
Aleta Ediciones
Espanha, 2016
215 x 290 mm, 112 p., pb, capa dura

Nathan Never #1 Las Fieras
Michele Medda
(argumento)
Stefano Casini
(desenho)
Aleta Ediciones
Espanha, Setembro de 2006
160 x 210 mm, 96 p., pb, capa cartão

À descoberta

Há muito rendido ao catálogo Bonelli – na óptica da BD popular, fundamentalmente de entretenimento – com (algum) conhecimento de algumas das suas séries principais, com Tex e Julia à cabeça, mas passando também por Dylan Dog, Martin Mystère, Dampyr, Nick Raider, Dragonero, Zagor, Mister No… tenho desde sempre uma lacuna que alguns julgarão imperdoável: Nathan Never.

(Re)começa aqui, uma descoberta mais profunda de uma série de que até hoje nem sequer tinha lido uma mão cheia de títulos.

Série de ficção-científica ambientada no século XXII, nela encontramos um mundo em que a tecnologia predomina e em que, após uma série de guerras e de anos de corrupção, a segurança foi entregue a agências privadas, entre as quais a Alpha, para a qual o protagonista trabalha.

Primeira incursão da Sergio Bonelli Editore na ficção-científica, no início da década de 1990, revela, em Agente Especial Alpha, a narrativa de estreia de Never, o tempo que passou desde então, com uma série de elementos então futuristas, que na época seriam com certeza avançados, mas que nos nosso dias, um século mais cedo… – já soam como anacrónicos. Para além disso, há uma nítida procura do carácter do protagonista, aqui ainda muito indefinido – como o futuro irá demonstrar – pouco incisivo e decidido e constantemente sob a alçada do director da agência em que trabalha.

No segundo relato hoje em causa, Las Fieras – o #111 da numeração original, de Agosto de 2000, uma década mais tarde… –  a agência Alpha é contratada para ilibar um comando militar acusado de um massacre de civis, contra todos os indícios e provas.

Sem necessidade de reforçar a componente tecnológica e espacial, tem mais de relato policial e de julgamento em tribunal do que propriamente de ficção-científica – não sendo difícil imaginar Las Fieras num outro contexto – como a II Guerra Mundial ou a Guerra do Vietname, por exemplo, sem necessidade de grandes mexidas argumentais [- lembrando o que, décadas antes era comum: os autores reciclarem os seus argumentos para novos heróis…]

Desta forma, Nathan Never vai mergulhar numa situação obscura e pouco recomendável – como existem em todos os conflitos – procurando a verdade que poderes mais altos tentam silenciar, para justificar o que – em qualquer situação – é sempre injustificável: a morte de civis (inocentes).

Numa história bem ritmada, em que se alternam cenas de tribunal, a investigação propriamente dita com interrogatórios e busca de pistas e algumas cenas de acção, o leitor vai sendo levado até um final diferente do que parecia evidente, como aliás deve acontecer em qualquer bom relato policial.

Regressando ao pressuposto inicial deste texto, se é verdade que foram duas leituras que retiveram a minha atenção – a primeira pela curiosidade da estreia do herói, a segunda pelo enredo bem construído – e globalmente me satisfizeram, parece-me terem sido pouco representativas (?) da imagem que tinha construído de Nathan Never: um relato de ambientação futurista e espacial com alguma consistência, aspectos pouco evidentes no primeiro livro e (praticamente) irrelevantes para o desenrolar da segunda intriga.

A confirmação destas impressões – ou não – fica a aguardar por novas leituras protagonizadas pelo agente da Alpha.

* Pedro Cleto, Porto, Portugal, 1964; engenheiro químico de formação, leitor, crítico, divulgador (também no Jornal de Notícias), coleccionador (de figuras) de BD por vocação e também autor do blogue As Leituras do Pedro 

(Clicar nas imagens para as aproveitar em toda a sua extensão)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.