A honra de receber em casa MASSIMO ROTUNDO e MAURIZIO DOTTI

José Carlos Francisco

Massimo Rotundo entrando no meu santuário texiano

Maurizio Dotti à entrada da minha habitação

Dias 23 e 24 de Abril de 2016 foram mais uns dias memoráveis na minha faceta de fã e coleccionador de Tex, porque tive o grande privilégio e a grande alegria de receber na minha modesta casa DOIS dos mais consagrados e admirados autores de Tex no presente: Massimo Rotundo e Maurizio Dotti!

José Carlos Francisco com Maurizio Dotti e Massimo Rotundo na bibliotex

Tal aconteceu devido às presenças de Rotundo e Dotti na 3ª Mostra do Clube Tex Portugal ocorrida na cidade bairradina de Anadia, não muito distante de minha casa e que proporcionou então o motivo para eu poder ter alcançado mais um momento inolvidável no que ao Tex diz respeito, já que ambos os autores acederam ao convite que lhes enderecei para conhecer ao vivo o meu “Museu do Tex” e a minha colecção do Ranger podendo eu desfrutar das suas maravilhosas companhias juntamente com a minha família.

À mesa em família com os Mestres Texianos

Brindando a Tex com Maurizio Dotti e Massimo Rotundo

Massimo Rotundo (e a sua esposa Antonella Festuccia que o acompanhou nesta “aventura” portuguesa) que pernoitou inclusive durante duas noites no QG de Tex em Portugal (como sempre diz o editor Dorival Vítor Lopes que desta vez também esteve presente juntamente com Júlio Schneider, carismático tradutor e redactor texiano que veio acompanhado da sua esposa Rosália) localizado na pequena aldeia da Malaposta, centro de Portugal, cujo nome provém de “Antiga diligência do correio; Carruagem para transporte de pessoas e correio”,  um  meio  de transporte que Tex e seus  pards usaram  e continuam usando em algumas aventuras, ficou fascinado com a minha majestosa colecção de Tex, onde para além das colecções completas do Ranger oriundas do Brasil e da Itália existem muitas outras edições de mais de 20 países do mundo onde Tex foi editado, bonecos, estatuetas, pins e uma panóplia de outros objectos texianos.

Massimo Rotundo e José Carlos Francisco

José Carlos Francisco e Maurizio Dotti

Mas sobretudo o que mais impressionou os consagrados autores italianos foi a fantástica galeria texiana onde estão expostos diversos desenhos originais do Tex, inclusive originais dos próprios Rotundo e Dotti, numa espécie de mini-galeria da Sergio Bonelli Editore por também ela ter todas as suas paredes repletas de originais que ao longo dos anos foram presenteados a Sergio Bonelli, como também comprovaram muitos pards texianos que visitaram o QG de Tex em Portugal durante esses dois dias.

Conversando à mesa com os Mestres Dotti e Rotundo

À mesa vendo os originais de Maurizio Dotti e ouvindo as conversas dos Mestres italianos

E por falar em originais, tive também o privilégio de receber de Massimo Rotundo uma gigantesca tela contendo uma deslumbrante ilustração pintada de Tex, que será em breve devidamente emoldurada, assim como da parte de Maurizio Dotti receber uma prancha original da sua mais recente história de Tex e que se irá juntar às pranchas de Claudio Villa e Guglielmo Lettèri que constam da minha galeria de originais.

Uma fantástica tela de Massimo Rotundo para José Carlos Francisco

Outros dois fantásticos tesouros que ambos os autores me ofereceram foram as ilustrações originais feitas propositadamente para este grandioso evento bairradino, ou seja o desenho de Tex na região vitivinícola de Anadia feito por Rotundo e o desenho de Tex no Paço da Graciosa (monumento classificado como Imóvel de Interesse Público) , uma bela casa senhorial situada nos arredores de Anadia, realizado por Dotti.

Massimo Rotundo oferece a José Carlos Francisco a ilustração ORIGINAL feita para a 3ª Mostra do Clube Tex Portugal

Maurizio Dotti oferece a José Carlos Francisco a ilustração ORIGINAL feita para a 3ª Mostra do Clube Tex Portugal

Mas o maior prazer mesmo foi poder desfrutar da companhia de ambos e poder conversar sobre a nossa comum paixão por Tex, isto porque sendo ambos autores consagrados, Rotundo e Dotti nunca deixaram de ser também grandes fãs de Tex, até porque o Ranger sempre foi leitura de ambos desde tenra idade.

Massimo Rotundo vendo uma ilustração feita a aguarelas por Pasquale Frisenda para José Carlos no álbum Patagónia

E assim se prova uma vez mais que só uma personagem fantástica como o mítico Tex Willer poderia proporcionar momentos maravilhosos e inesquecíveis nos quais algumas pessoas são capazes de vencer milhares de quilómetros somente pelo prazer de estarem juntas e conviverem umas com as outras espontaneamente, vivendo a alegria da confraternização proporcionada por um herói de papel, criado no distante mês de Setembro de 1948, fruto da mente criativa de Gian Luigi Bonelli e da pena mágica do Mestre Aurelio Galleppini…

A felicidade de receber um desenho de Tex e Carson feito a meias por Dotti e Rotundo

(Para aproveitar a extensão completa das imagens acima, clique nas mesmas)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.