Em Rapallo e Milão, com Tex e seus autores

* Texto e fotos de José Carlos Francisco

José Carlos Francisco e DorivalNuma típica tarde de Outono, em 16 de Outubro passado, desde Portugal, mais precisamente do aeroporto da Portela, em Lisboa, rumei até Milão, onde me aguardava um duo brasileiro muito especial, Dorival Vítor Lopes, editor de Tex no Brasil e Portugal e Júlio Schneider, tradutor das revistas Bonellianas e colaborador da Mythos Editora, ambos tal como eu, convidados por Sergio Bonelli, o mítico editor italiano, para passarmos o fim-de-semana em sua companhia, numa mostra dedicada ao Super-Pato, que ocorreria na bela cidade de Rapallo, na região da Ligúria, inserida na Rapalloonia, mas não adiantemos a cronologia dos factos…

Júlio Schneider e José Carlos FranciscoApós uma aprazível viagem de cerca de duas horas e meia, num avião da TAP, passadas na maior parte do tempo a ler o recomendadíssimo livro “Tex no Brasil – O Grande Herói do Faroeste”, da autoria de G. G. Carsan, aterramos em Malpensa, distante 45 km de Milão e através do excelente sistema de transporte ferroviário, chegamos até à estação Cadorna, situada no centro de Milão, dirigindo-me de seguida para o elegante Hotel Tiziano, localizado na Via Tiziano 6, previamente reservado e localizado bem próximo da Sergio Bonelli Editore. Além de uma excelente localização, o hotel oferece uma sala de leitura com vista sobre o belo jardim e como é delicioso ler uma aventura de Tex ou desfrutar do pequeno-almoço na esplanada exterior com essa vista magnífica.

José Carlos, Sergio Bonelli e DorivalChegado ao hotel, aguardavam-me já com alguma impaciência Dorival e Júlio Schneider, devido ao horário marcado por Sergio Bonelli que nos honraria com a sua presença no jantar, estar muito próximo, mas destaco sobretudo que foi com grande alegria e muita emoção que revi primeiro estes dois Amigos especiais oriundos do Brasil e de seguida, o lendário editor e Amigo Sergio Bonelli, cumprimentando efusivamente todos eles. De seguida rumamos ao restaurante eleito, para mais um jantar delicioso e prazeroso na companhia de tão especiais pessoas e Amigos, onde tantos foram os motivos de conversa, muitas as curiosidades a saber por nós e também por Sergio Bonelli. Foi o primeiro momento inesquecível de mais esta viagem de sonho até ao “Santuário” Texiano da Via Buonarroti, em frente à Sergio Bonelli Editore, onde terminou a jornada depois de um passeio nocturno muito agradável e que ajudou a fazer a digestão.

Dorival, Sergio Bonelli, Júlio Schneider e Marco MarcheselliNo dia seguinte a alvorada foi bem cedo, pois era dia de viagem até Rapallo. O despertar ocorreu pelas 07h30 e após um banho rápido, fomos tomar o pequeno-almoço, rumando de seguida para a Sergio Bonelli Editore, onde já nos aguardavam Sergio Bonelli, Mauro Marcheselli (e a sua simpática namorada, Marina), ex-argumentista de Dylan Dog, autor de algumas das melhores histórias do investigador do pesadelo, como “Il lungo addio”, “Johnny Freak” e “Finché morte non vi separi”, actualmente redactor chefe central da editora.

Sergio Bonelli apreciando o livro Tex no Brasil - O Grande Herói do FaroesteMauro Marcheselli conduzia a carrinha de 9 lugares, alugada pelo editor milanês propositadamente para esta viagem que durou cerca de 3 horas e que para além de ter proporcionado maravilhosas conversas, por vezes em italiano, mas sobretudo em português,  serviu para Sergio Bonelli conhecer e ler alguns trechos do livro publicado recentemente no Brasil por G. G. Carsan: Tex no Brasil – O Grande Herói do Faroeste.

Sergio Bonelli e o livro Tex no Brasil - O Grande Herói do FaroesteSergio Bonelli elogiava a capa escolhida, dizendo que tem tudo a ver com o Brasil e com Tex… belas cores para uma capa dedicada à aventura de Tex no Brasil… quanto ao conteúdo, o editor italiano deu uma olhada geral e leu inclusive alguns trechos elogiando o empenho posto no livro e o número de páginas, prometendo ler toda a edição na íntegra assim que a receber… aliás, Sergio Bonelli só não ficou com o meu exemplar porque este tinha a dedicatória de G. G. Carsan para mim, pois ele já queria ficar com o livro não o largando nem sequer durante um pit-stop para vertermos águas e bebermos um café.

José Carlos em RapalloE eis que chegamos a Rapallo, cidade da Ligúria, a região de Génova, na famosa Costa Azzura, uma risca de terra que se aninha nas colinas e se volta ao mar. A região foi inclusive, ao longo de sua história atribulada, tema dos escritos de Dante Alighieri e de Ariosto, e mencionada ainda por Andersen e Nietzsche.

A bela cidade tem muitas villas e hotéis construídos no século XIX e é cheia de lindos belvederes. A parte mais antiga da cidade manteve as suas características de cidade marítima com vielas estreitas que hoje estão tomadas por lojas e cafés. Hoje, Rapallo é inclusive um destino internacional de turismo, mas também hoje em dia, um local de culto e de visita obrigatória para os apreciadores de banda desenhada, pois a Rapalloonia, nome dado ao evento que já vai na sua 37ª edição anual.

Dorival e José Carlos em RapalloDorival em Rapallo
.

Júlio Schneider, Mauro Marcheselli, Marina, Sergio Bonelli, Dorival e José Carlos ao almoço em RapalloComo a hora era propícia, fomos almoçar, no caso uma deliciosa focaccia al formaggio, prato único e sensacional, composto por duas camadas finíssimas de uma massa especial recheada com queijo (Stracchino) derretido que, quando experimentada, leva a um desejo quase compulsivo em comer mais e mais, tornando difícil o controle do peso… que o diga também o editor Dorival que considerou este manjar o melhor de toda a sua vida! A Focaccia com Formaggio, é tão fina (não mais de 2 milímetros) e tão saborosa que é imitada em outras cidades da Ligúria, mas a de Rapallo é inimitável e insuperável, segundo nos confidenciou Sergio Bonelli, que tendo escolhido outro prato não resistiu a provar também a focaccia.

Dorival e Júlio no interior do funicularDurante a tarde eu, Dorival e Júlio Schneider aproveitamos para visitar o famoso Santuário de Montallegro  datado de 1558, usando para tal o funicular inaugurado em 29 de Agosto de 1934, que permite efectuar uma sensacional viagem de alguns minutos entre a cidade de Rapallo e o seu Santuário, brindando-nos com uma vista de emocionantes paisagens no decurso dos seus 2350 metros de trajecto que nos permite subir 600 metros de ascensão, passando por cima de colinas salpicadas de vivendas, dignas da famosa Beverly Hills!!…

Voltando ao que realmente nos levou a esta bela região genovesa, a Mostra Internacional de Quadrinhistas de Rapallo, este ano foi dedicada ao Super-Pato, intitulada “Da Paperinik a Pk. Viaggio fra i supereroi Disney” e realizou-se de 3 a 18 de Outubro em mais uma iniciativa da Associação Cultural Rapalloonia, que apresentou páginas originais e vários outros trabalhos referentes ao Super-Pato, conforme podemos constatar visitando o local da exposição situada no Castelo Forte Rapallo, utilizado para inúmeras exposições de arte.

Carlo Chendi, Giorgio Cavazzano e José CarlosCarlo Chendi, José Carlos e Sergio Badino
.

Carlo Chendi, Júlio e Sergio Badino com o catálogoComo manda a tradição, a Mostra teve um catálogo, e o deste ano, assinado pelos autores Disneyanos Carlo Chendi e Sergio Badino, foi um belo volume de 98 páginas, com artigos e análises em italiano e inglês de autoria de diversos altos nomes Disneyanos da Itália e, único não-italiano convidado, o prezado escritor, redactor tradutor e consultor das publicações Bonellianas no Brasil, Júlio Schneider, que contou com uma preciosa colaboração de Marcus Ramone, jornalista de Fortaleza, no Brasil, para a elaboração de um artigo intitulado “L’alma brasiliana dei paperi Disney – Le superstorie sudamericane di paperinik & Co.

Originais do Super-PatoExposição do Super-Pato
.

Sergio Bonelli,José Carlos, Giulio Terzaghi, Júlio Schneider e Giancarlo BerardiNa companhia de Júlio Schneider e Dorival, assisti à cerimónia de encerramento, que contou inclusive com um espectáculo humorístico, onde estiveram presentes alguns dos nomes lendários da BD italiana, como por exemplo Antonio Ricci, Sergio Bonelli, Maurizio Nichetti, Guillermo Mordillo, Giancarlo Berardi (autor de Ken Parker e de Julia), o grande ilustrador Lorenzo Mattotti, Silver (autor de Lupo Alberto), o conceituado realizador de filmes de animação Enzo D’Alò, Leo Ortolani (autor de Rat-Man), o grande desenhador Giorgio Cavazzano, o cómico Gianni Fantoni e muitos outros como os lendários Carlo Chendi e Sergio Badino e que teve como ponto alto o anúncio por parte do presidente municipal, o senhor Mentore Campodonico, de que “Rapallo tornar-se-á a Cidade dos  Cartoons”, o que foi confirmado pelo assessor da cultura da região da Ligúria, que apoiará este projecto, o senhor  Fabio Morchio.

Representantes da Sergio Bonelli EditoreA festa prosseguiu com o jantar (expressamente para convidados) dos autores, no prestigiado e inusitado, pelas suas paredes recheadas de originais fantásticos, Restaurante (da banda desenhada) “U Giancu”, situado em San Massimo di Rapallo, referência obrigatória para os autores, seus fãs e jornalistas tradicionalmente ligados à Mostra de Rapalloonia! O restaurante estava completamente repleto e a organização teve que indeferir diversos pedidos de autores para estarem presentes e só para se ter uma ideia, a mesa reservada para a Sergio Bonelli Editore, continha 25 pessoas.

Paola Barbato recebendo o prémio, Sergio Bonelli e Fausto OnetoDurante o serão, Fausto Oneto, proprietário do Restaurante, e no fundo, uma verdadeira personagem de banda desenhada, entregou os tradicionais Prémios U Giancu, aos autores, por norma, um argumentista e dois desenhadores, que se tenham particularmente distinguidos no corrente ano pelo seu talento e originalidade. Este ano os prémios foram para Paola Barbato, a conceituada argumentista de Dylan Dog, que recebeu o prémio das mãos de Sergio Bonelli, Lorenzo Mattotti pelo seu desenho realístico e ilustração e Roberto Santillo pelo seu desenhos humorístico, havendo ainda um prémio Carreira para o desenhador Giorgio Rebuffi.

José Carlos Francisco e Paola BarbatoJúlio Schneider, Sergio Bonelli e a revista Texbr
.

Lorenzo Calza, Júlio Schneider e Giancarlo Berardi com a revista TexBrJúlio Schneider aproveitou a ocasião para dar a conhecer a Sergio Bonelli, Giancarlo Berardi, Lorenzo Calza e muitos outros autores presentes a revista TexBr que já está a fazer furor na Itália devido ao excelente conteúdo e como prémio, o responsável da revista, o Gervásio Santana de Freitas receberá aquando do regresso de Júlio Schneider ao Brasil, uma edição valorizada por muitos e importantes autógrafos…

José Carlos, Giovanni Bruzzo e o desenho de TexDurante essa noite que ficará na memória para todo o sempre, tive o grande prazer e a grande honra de conhecer pessoalmente mais alguns grandes nomes da BD italiana, com especial destaque para Giovanni Bruzzo, actual desenhador de Tex, que na ocasião me brindou a mim e ao Júlio Schneider com dois belos desenhos de Tex, feitos na hora e devidamente autografados. O momento em que conheci Giovanni Bruzzo, ou melhor, que ele me (re)conheceu foi bastante divertido, pois circulando pelo restaurante deparo-me com uma pessoa a desenhar um Tex para um fã do Ranger e ao aproximar-me pergunto quem é o desenhador em questão, quando o próprio desconfiando de algo, olha para mim e exclama “Zeca!”. Ou seja, em vez de ser eu a conhecer o desenhador, foi ele que me (re)conheceu, certamente pelas inúmeras fotos que circulam pela Internet…

José Carlos Francisco e Pasquale Ruju em RapalloOutro grande momento, foi também quando me foi apresentado Pasquale Ruju, conceituado argumentista que foi o escritor da história publicada na Itália no Almanacco Tex 2004, que no Brasil saiu em Almanaque Tex nº 22 da Mythos, com desenhos de  Roberto Diso e que em breve verá uma sua nova história de Tex publicada, no caso desenhada pelo argentino Ernesto Garcia Seijas.
Para além de Tex, Ruju escreveu inúmeros episódios de Dylan Dog, sendo inclusive um dos escritores mais apreciados pelos leitores, Nathan Never e foi o criador da mini-série de dezoito episódios, Demian, publicada pela Sergio Bonelli Editore em 2006 e 2007.

Depois de momentos deliciosos passados com Pasquale Ruju, a noite terminou depois de uma boleia do próprio Ruju, na companhia de Paola Barbato e seu namorado que nos trouxe até ao Hotel Italia e Lido, situado num local encantador e com vista directa sobre o passeio marítimo de Rapallo, em frente ao castelo medieval, com uma vista deslumbrante de Portofino, local onde pernoitamos.

Super-Pato em RapalloJúlio no castelo de Rappalo

Desfile dos BersaglieriDe manhã, depois de umas boas horas de descanso para retemperar as energias e antes de partirmos novamente para Milão, tivemos a oportunidade de assistir a um desfile militar dos Bersaglieri, um corpo de infantaria do Exército italiano, criado pelo general Alessandro La Marmora em 1836, para servir o Exército Piemontês, posteriormente convertendo-se no Exército Real Italiano. Uma das características dos Bersaglieri é que os integrantes usam um chapéu ou capacetes, com grandes penachos de penas pretas, conforme pudemos constatar no desfile.

Era hora de despedirmo-nos de Rapallo e rumarmos para Milão, depois de um fim de semana inesquecível. Foram mais 3 horas de viagem aprazíveis, onde os fumetti e em especial Tex, continuaram a ser tema de conversa, até porque estar junto dos dois principais editores de Tex, não é uma oportunidade que aconteça muitas vezes na vida de um fã e coleccionador do Ranger… e assim fiquei a saber de algumas novidades importantes, mas que por motivos óbvios não estou autorizado a divulgar…

Júlio e Gianni PetinoJá em Milão, depois das despedidas a Sergio Bonelli e Mauro Marcheselli até ao dia seguinte que marcava o meu regresso à editora, foi a vez de irmos visitar o nosso caríssimo amigo Gianni Petino, representante da Mythos Editora na Itália e a sua simpática esposa Luisa, que nos convidaram para o jantar, oportunidade que foi aproveitada para conhecer melhor a BiblioTEX do Gianni. E mais uma vez ficamos fascinados com a simpatia deste amigo, que tem um espírito jovem e alegre que a todos contagia e que fala um português fluente, tal como Sergio Bonelli, mesmo que seja carinhosamente apelidado de Kit Carson.

Roteiros de TexOutro grande dia aguardava por nós na 2ª feira, dia 19 de Outubro: o dia em que iria rever muitos autores e amigos da Casa dos Sonhos de Papel no mítico número 38 da Via Michelangelo Buonarroti e sobretudo conhecer pelo menos mais um dos grandes nomes ligados a Tex: o argumentista Tito Faraci que iria deslocar-se à editora propositadamente para me conhecer, o que obviamente muito me honrou e alegrou e que me surpreendeu imenso ao presentear-me com o roteiro completo da história “Lo sceriffo indiano“, que tinha sido desenhada pelos irmãos Raul e Gianluca Cestaro, ainda por cima devidamente autografado.

Originais de TexE quem também acabou por me surpreender com um presente de todo inesperado, foi o conceituado Mauro Boselli que me brindou também com um roteiro original de 330 páginas, aquele da história “Omicidio in Bourbon Street“. Mas os presentes especiais não se ficaram por aqui, pois à guarda da senhora Ornella Castellini estava um belo desenho original e exclusivo da autoria do conceituado desenhador Alessandro Bocci, popular no nosso país, sobretudo por ter sido o desenhador da história de Dampyr ocorrida em Portugal.
No quesito desenhos, uma nova surpresa me aguardava… Moreno Burattini, argumentista de Zagor e no presente responsável maior pela personagem criada por Guido Nolitta (Sergio Bonelli) e Gallieno Ferri, brindou-me também com um desenho do Ranger, justificando-se que já que não escreve histórias de Tex, ao menos permite-se a desenhar o Ranger

Davide Bonelli e José CarlosMas voltemos um pouco atrás… adentrar na editora é sempre um momento mágico, mesmo sendo já a quarta vez que fui convidado a visitá-la desde aquele dia 16 de Setembro de 2002 em que a visitei pela primeira vez… que histórias maravilhosas aquelas paredes nos contariam se pudessem falar… o clima do velho oeste está sempre presente em virtude dos inúmeros desenhos originais oferecidos pelos mais diversos e conceituados desenhadores e que se encontram devidamente emoldurados e expostos nas paredes da Sergio Bonelli Editore, como se de uma galeria se tratasse… um local sagrado e de culto para qualquer fã do mundo Bonelli. E que prazer enorme foi rever uma vez mais o Davide Bonelli, filho de Sergio Bonelli e neto de G. L. Bonelli, que trabalha na editora com o pai, seguindo as pegadas do seu progenitor e está imbuído de preservar o futuro da editora, consolidando-a cada vez mais como a maior editora de quadradinhos da Europa. Davide é um dos responsáveis pela parte administrativa da Editora a par de Giulio Terzaghi.

Tito Faraci, José Carlos e Pasquale Del VecchioAo chegarmos à editora, para além de Tito Faraci, que depois de Nick Raider, Dylan Dog, Chico, Martin Mystère, Mágico Vento e Brad Barron continua a sua colaboração bonelliana encarando um “monstro sagrado” como Tex e que goza já de uma sólida reputação também devido às frequentes incursões no mundo de Diabolik, Lupo Alberto, de super-heróis Marvel e até o rato Mickey, aguardava-nos o desenhador Pasquale Del Vecchio, que se estreou no mundo de Tex Willer, com a história escrita por Claudio NizziSoldi sporchi“, vindo anteriormente do universo policial de Nick Raider, desenhador que já tinha tido o grande prazer de conhecer pessoalmente na Cartoomics, aquando da minha última viagem a Milão.

Gianni Petino, José Carlos, Decio Canzio e Júlio SchneiderNa editora oportunidade para rever uma vez mais Decio Canzio, ex-director geral e também argumentista de Tex, Il Piccolo Ranger e Zagor, no passado, para além de ter realizado também o roteiro para dois volumes da série “Un uomo un’avventura“: “L’uomo del Nilo” e “L’uomo del Messico“, ambos desenhados por Sergio Toppi. Canzio é uma pessoa sempre agradabilíssima e com uma memória notável que apesar da idade, ainda trabalha diariamente na Sergio Bonelli Editore apesar de entretanto se ter aposentado. Obviamente que o momento foi devidamente eternizado numa fotografia.

José Carlos e Antonio SerraConhecer Antonio Serra, foi outro momento deveras emocionante. Depois de algumas colaborações com publicações amadoras, em 1991, junto com Michele Medda e Bepi Vigna, Antonio Serra criou a série de ficção científica Nathan Never para a Sergio Bonelli Editore, para a qual trabalhava desde 1985. Serra também foi o criador de outra série de ficção científica, Gregory Hunter, publicado pela Bonelli em 2000-2002, tal como é o criador (a par de Gianmauro Cozzi) da nova mini-série que será composta por 12 números e que tendo começada a ser trabalhada em 2005, só agora acabou de ser lançada na Itália: Greystorm.

Moreno Burattini e José CarlosDescemos então ao piso térreo. Num esconderijo secreto, no meio da Floresta de Darkwood encontramos um dos verdadeiros espíritos atrás da machadinha. E que alegria enorme foi rever Moreno Burattini, um dos responsáveis, a par de Mauro Boselli, pelo sucesso de Zagor nos últimos anos, facto reconhecido muito justamente por Sergio Bonelli que desse modo o promoveu a “comandante” do Espírito da Machadinha no presente.

O vilão SchneiderTão empolgado com a nossa visita quanto nós ao estarmos ali com ele, Burattini mostrou-nos algumas pranchas de uma nova história de Zagor que se passará no Brasil integrada numa viagem que Zagor realizará à América do Sul e que deverá estrear nas bancas italianas após a edição comemorativa dos 50 anos e que contará com dois vilões, cujos nomes são Schneider e Dorival... uma homenagem que quis fazer a estes dois grandes nomes que tornam possível o sucesso de Zagor no Brasil, com as suas múltiplas edições com o selo da Mythos Editora.

O vilão DorivalÉ uma história escrita pelo próprio Moreno Burattini e que está a ser (magnificamente) desenhada por Esposito Bros e cujo título de laboração é “Huron Lake” e que tivemos o privilégio de ver algumas pranchas e fotografar inclusive os vilões brasileiros.

Burattini concedeu-nos também o privilégio de ver algumas pranchas da edição comemorativa dos 50 anos de Zagor, um número especial e que terá os desenhos de Gallieno Ferri, coloridos. Também podemos observar algumas das magníficas pranchas do Zagor Gigante, uma nova publicação de Zagor, nascida precisamente para homenagear os 50 anos de Zagor depois de inúmeros pedidos por parte dos fieis leitores de Zagor.

Moreno Burattini e Júlio Schneider com o vilão Schneider ao meioJosé Carlos e Moreno com o desenho de Tex
.
Gianni Petino, José Carlos, Alfredo Castelli e a estatueta de Martin MystèreNessa mesma jornada ainda tivemos a oportunidade de rever o mítico Alfredo Castelli, argumentista italiano renomado, criador de Martin Mystère tendo colaborado também em outras obras da Sergio Bonelli Editore, como Zagor e Mister No. Castelli é considerado o primeiro fanzinista italiano, e um verdadeiro especialista na história dos quadradinhos.
Para tornar este reencontro ainda mais especial, fui brindado pelo autor, com uma belíssima e inusitada estatueta (a nº 35 de 500) de Martin Mystère, feita em arame e que já embeleza a estante que possuo dedicada ao detective do impossível!

José Carlos e Mauro BoselliChegava rapidamente a hora do almoço e Sergio Bonelli levou-nos a todos, inclusive a alguns autores e pessoas do staff da editora, a almoçarmos num agradável restaurante milanês que já conhecíamos das visitas anteriores: o La Pobbia. E em nova agradável surpresa, esperava por nós, Mauro Boselli, o actual argumentista principal de Tex mas que apesar disso não deixa de escrever também histórias do seu Dampyr e de Zagor, autor que tive o prazer de rever uma vez mais e que me surpreendeu uma vez mais ao oferecer-me mais um roteiro completo de Tex, como disse anteriormente.

Alfredo Castelli, José Carlos e Pasquale Del VecchioTito Faraci, José Carlos e Sergio Bonelli

.
Júlio Schneider, José Carlos e Giorgio BonelliÉramos quinze à mesa e a conversa fluiu perfeitamente, numa mistura de português e italiano que permitia a comunicação entre todos os presentes. Ao findar o almoço, mais um momento deveras emocionante e inesquecível: conhecer pessoalmente Giorgio Bonelli, o filho mais novo de Giovanni Luigi Bonelli, o criador de Tex e portanto, irmão de Sergio Bonelli, que estava também a almoçar no mesmo restaurante e que se deslocou à nossa mesa para cumprimentar todos os presentes. Giorgio Bonelli colaborou no guião do filme “Tex e o Senhor do Abismo“, assim como na versão televisiva dos quadradinhos Bonelli feita em conjunto com Mauro Boselli e Ferruccio Alessandri, tendo também elaborado com Boselli um argumento de uma história de Tex, cujo roteiro de cerca de 100 páginas foi desenvolvido por Boselli antes de passar a G.L. Bonelli em pessoa. Falamos de “A Ameaça Invisível”. Ou seja, Giorgio Bonelli também deu a sua contribuição ao Ranger e portanto é alguém muito especial que tive o privilégio de conhecer!

Júlio Schneider e DorivalE finalmente chegou a hora de me despedir de toda aquela gente, e principalmente de Sergio Bonelli e Dorival Vitor Lopes, os dois editores de Tex que muito me honram com a sua amizade, e preparar as malas carregadas de TEXouros e retornar a Portugal esperando que um novo encontro com ambos os editores  se propicie em breve, assim como com o Júlio Schneider, um magnífico companheiro de viagem… os momentos inesquecíveis que todos nós passamos estão para sempre na nossa memória…

(Para aproveitar a extensão completa das fotos acima, clique nas mesmas)

12 Comentários

  1. Amigo Zeca,

    Suas narrativas das viagens à Bonelli Editora sempre nos emocionam e nos enriquecem também culturalmente, pois o Amigo agora está se tornondo um grande “contador de viagens”. Rsss

    Ao ler sua matéria, tão bem escrita como está, tão clara, pareceu-me estar acompanhando o Amigo, de forma invisivel, mas sempre por perto.

    Certamente o seu “segundo livro” deveria ser um livro só falando sobre suas viagens, como esta, e também daquelas a outros países onde encontraste inúmeros Amigos Bonellianos.

    Parabéns, mais uma vez, por nos fazer parte desta sua vida Bonelliana.

    Grande abraço do Amigo brasileiro

    Alvarez

  2. Parabens, Zeca. 🙂

    Sem exageros, mas acredito que o Blog que você gerencia, seja o melhor em termos de Tex no mundo. 😮

    Sua obrigação então aumenta a cada mês, pra torna-lo cada vez melhor. 😉

  3. Você é um felizardo, caro amigo Zeca, em conhecer e ser reconhecido por tão míticas pessoas.
    Um grande abraço para você!

  4. Boa tarde, Zeca!!!

    Você não imagina como fiquei contente ao ver sua foto, ainda mais junto ao grande Sergio Bonelli!!! Ah, meu nobre amigo, o que eu não daria para estar junto com vocês naquele passeio memorável!!! Mas nem tudo a gente pode ter, não é mesmo???

    Um abraço, meu nobre amigo, e escreva mais!!!

    Ewerton

  5. Obrigado por partilhares conosco esse maravilhoso fim de semana, sei que mereces. Pelo trabalho e pela dedicação ao Tex e o blogue, que te obrigam a muitos sacrificios.
    Quanto aos itens preciosos que recebeste, penso que está na altura de pensares em abrir o museu do Tex.
    Um abraço,
    Sérgio Sousa

  6. Antes de mais, agradeço as palavras de todos os pards que comentaram este texto e que bom que lendo os comentários, constato que consegui de algum modo repassar os belos momentos vividos em mais esta viagem de sonho à editora Bonelli, pois a minha intenção era sobretudo fazer com que todos que lessem as minhas palavras se sentissem também presentes no “santuário” Bonelliano

    A ideia de um livro sobre as minhas viagens relacionadas com Tex, é algo de um modo ou de outro, eu já penso há muito e cada vez fico mais seduzido ao reler todos os inúmeros textos que fui escrevendo conforme as viagens que fui realizando ao longo dos anos e que estão publicados no Portal TEXBR e aqui no blogue do Tex e que estão impressos e guardados numa pasta na minha biblioTEX

    Já com relação ao Museu do Tex em Portugal, é algo que é cada vez mais falado, inclusive já abordei o assunto com o vereador da cultura do meu município e vamos a ver o que o futuro reserva para este projecto que eu gostaria de um dia ver realizado, sobretudo para que um maior número de pessoas possa ter acesso a tudo o que possuo e que merece ser visto por quem é fã e coleccionador do Ranger.

    E quanto a ser um felizardo, é verdade que o sou… e é por tudo isto que o Ranger sempre me proporciona que sempre digo que tudo que eu faça por Tex será sempre pouco por tudo que Tex me deu (e continua a dar) ao longo destes quase 30 anos em que caminhamos juntos.

    Relativamente ao Giorgio Bonelli, desconheço a idade e o que faz no presente, embora saiba que já não está ligado à banda desenhada.

    Abraços a todos e mais uma vez, obrigado pelos comentários!

  7. Parabéns Zé Carlos, por mais esta fantástica viagem e o relato tremendamente interessante e vivo. Um abraço. Orlando Santos Silva

  8. Parabens pelo encontro Zeca, fantástico!! Mais uma bela matéria ao Blog!!
    abraços
    Luiz Piorotti

  9. Tudo isto tem sentido. Temos que ser aventureiros. Parabéns a todos os texianos.
    Cumprimentos.
    António

  10. Será que o Giorgio Bonelli terá interesse em dar continuidade aos trabalhos da editora e auxiliar Davide Bonelli? Seria interessante…

    • Prezado pard António Matias,
      Há muito que Giorgio Bonelli não se mete nos negócios da SBE, apesar de ser um dos herdeiros. Ele que no passado até escreveu um argumento de uma história de Tex e durante alguns anos ajudou o pai e o irmão, no presente dedica-se a negócios imobiliários espalhados por alguns países do mundo e creio que não terá interesse ou disponibilidade para administrar também a SBE.
      Giorgio Bonelli é por exemplo proprietário do luxuosíssimo The Alchymist Grand Hotel and Spa, em Praga (para conhecê-lo melhor é só ir a
      http://www.hotelsprague.cz/alchymist/?g%20…%20zAodA1-wug) que faz parte da sua agência imobiliária com o nome WILLER INVESTMENTS

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *