60 anos de TEX em grande destaque no Diário As Beiras: 27 de Setembro de 2008

Texto do jornal Diário “As Beiras” de 27 de Setembro de 2008
João Miguel Lameiras

Tex, o cowboy da Bonelli faz 60 anos

Tex, o cowboy da Bonelli faz 60 anosSe perguntarmos a muitos leitores de Banda Desenhada qual o mais popular cowboy da BD, a resposta provavelmente será Blueberry, mas a verdade é que o herói criado por Giraud e Charlier está longe de conseguir reunir tantos e tão fieis leitores como o ranger Tex que, dentro de dias, a 30 de Setembro completa 60 anos de aventuras.

Verdadeiro fenómeno de popularidade em Itália, onde chegou a vender mais de um milhão de exemplares mensais, Tex já foi objecto de referência nesta coluna por mais de uma dezena de vezes, normalmente por via dos “Texones”, edições anuais em formato maior e com uma produção mais cuidada, em que autores de renome, como Joe Kubert, Jordi Bernet, Magnus, Alfonso Font, Buzelli, Manfred Sommer, ou Colin Wilson tem a sua oportunidade de imprimir a sua marca pessoal ao mais popular cowboy da BD italiana, em histórias de longo fôlego, com mais de 200 páginas de acção. Por isso, não quis deixar passar em claro esta (tripla) efeméride, que ocorre no mesmo ano em que um dos seus criadores, Giovanni Luigi Bonelli, nascido em 1908, faz 100 anos, e no mesmo mês em que Giuliano Gemma, o actor que interpretou Tex no cinema em  “Tex e il signore degli abissi” um Western Spaguetti realizado por Ducio Tessari em 1985, faz 70 anos.

Se o sucesso de Tex está na base do Império editorial da Editora Bonelli cujas publicações dominam os quiosques transalpinos, graças não só a Tex, mas também a outros heróis como Dylan Dog, Julia, ou Dampyr, esse império  começou de forma modesta em Setembro de 1948 quando Giovanni Luigi Bonelli e Aurélio Galepini criaram numa revistinha de formato horizontal (não por acaso, também conhecido por formato italiano) um ranger do Texas, chamado Tex Willer, cujo sucesso surpreendeu os próprios autores.

Giovanni Luigi BonelliMantendo-se durante décadas nas mãos dos seus criadores originais (Giovanni Luigi Bonelli só deixou de escrever os argumentos de Tex na década  de 80 enquanto Galleppini – ou Galep, como costumava assinar – continuou como desenhador do Tex até à sua morte, em 1994) Tex soube cativar ao longo dos anos um número cada vez maior de leitores, traduzindo-se num caso de sucesso crescente, que atravessou gerações e países.

Em Portugal, onde as aventuras do ranger e dos seus “pards” (companheiros de aventura) chegaram sempre via Brasil, primeiro através da editora Globo e agora graças à Mythos, a única publicação de Tex em português foi em 2005, no nº 8 da série Ouro dos Clássicos da Banda Desenhada, editada pela Panini com o jornal “Correio da Manhã”.  O que não impede que também no nosso país a histórica data seja assinalada por uma série de iniciativas, que vão desde a publicação de uma história recente de Tex no nº 24 do “BD Jornal” até à hipótese de uma exposição dedicada ao Tex no Festival da Amadora (ainda pendente de confirmação definitiva na altura em que escrevo este texto).

Mas o blog do Tex, sitio incontornável para os fãs do ranger, também não deixou passar em claro a efeméride, através de uma série de iniciativas, de que destaco um conto protagonizado por Tex, escrito por Jorge Magalhães e ilustrado por Augusto Trigo (a quem pertence a imagem que ilustra este artigo).

Um muito conseguido regresso ao velho Oeste de dois cultores portugueses do género, em que Jorge Magalhães humaniza o heroi de Bonelli fazendo-o ceder aos encantos de uma jovem mexicana, ao mesmo tempo que Trigo mostra que teria dado um excelente desenhador do Tex, caso o seu talento tivesse sido descoberto pela editora Bonelli.

(Mais informações em https://texwillerblog.com/)

Copyright: © 2008 Diário “As Beiras“; João Miguel Lameiras
(Para aproveitar a extensão completa das imagens acima, clique nas mesmas)

4 Comentários

  1. Parabéns Tex!
    Você que nasceu no mês de setembro como eu, só que um ano antes.
    Nós dois estamos de parabens por todos esses anos de vida,você lutando contras os bandidos,e eu contra as agruras do dia a dia,
    Ambos somos vencedores, e merecemos comemorar esse mes de setembro.
    AMoreira.

  2. Parabéns ao nosso Tex pelo 60º aniversário e parabéns ao pard AMoreira pelo seu 59º e um obrigado ao jornalista João Miguel Lameiras, por não deixar passar em branco a efeméride dos 60 anos de Tex e obrigado também, por todo o destaque dado no seu texto, ao blogue português do Tex!

  3. TEX faz 60 anos!!! Parabéns aos autores, editores, desenhadores, todos quantos produzem e trabalham para as revistas nos chegarem às mãos e um abraço a todos os texianos nesta data tão importante. Orlando Santos Silva

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.