Um punhado de Imagens do Festival de BD de Beja

João Miguel LameirasPor João Miguel Lameiras (texto e fotos) *[1]

VI Festival Internacional de BD de BejaNo dia em que termina a 6ª edição do Festival de Banda Desenhada de Beja, pareceu-me interessante recuperar aqui algumas imagens do primeiro fim-de-semana do Festival, aquele em que estiveram presentes a maioria dos autores. Cada vez mais importante, até em termos da edição nacional (basta ver a quantidade de títulos que foram apresentados durante o Festival) Beja continua com uma programação que concilia autores consagrados com nomes mais alternativos, dando grande destaque à produção nacional.

Dracula UsmarAlém disso, é o Festival nacional que possibilita um contacto mais próximo entre os autores e o público, um pouco na linha do que acontece em Espanha, com Festivais como Gijon e a Corunha, contando com a simpatia natural das gentes do Alentejo e a excelente comida (e melhor bebida) da região.
Apesar da zona histórica da cidade convidar a um passeio a pé, continuo a achar que a aposta em descentralizar as exposições não resulta inteiramente, seja porque algumas estavam em locais difíceis de encontrar (The Lisbon Studio), seja porque estavam fechadas (Kingpin Books – no Conservatório Regional do Baixo Alentejo, onde, tal como no ano anterior, bati com o nariz da porta…)

Hermann autografando para ... TexDos autores presentes, a grande surpresa foi Hippolyte, autor francês que desconhecia, mas cuja qualidade e versatilidade do trabalho me surpreendeu. Um autor a descobrir urgentemente. Também Hermann, que só foi pena não ter exposição, contrariou a fama de autor com mau feitio, revelando-se muito simpático e disponível durante todo o fim de semana, para além de ter protagonizado um divertidíssimo encontro com o público. Curioso foi também ver a sua empatia com Civitelli que, graças à incansável persistência de José Carlos Francisco deu origem a uma cross over entre Red Dust e Tex, num desenho feito a meias pelos autores belga e italiano.

Hermann e Civitelli num cross over com Red Dust e TexQuanto a Civitelli, que com a ida a Beja, fez o pleno dos Festivais nacionais, voltou a arrastar consigo um legião de fãs do Tex, que não quiseram perder a oportunidade de ver os originais da história que está a desenhar para o próximo “Texone“.
Os irmãos Fábio Moon e Gabriel Bá, cujo trabalho admiro há anos, foram também um dos merecidos destaques do Festival, com uma excelente exposição e um animado encontro com o público. e como trouxeram com eles algumas edições brasileiras que não tiveram distribuição em Portugal, tive também oportunidade de adquirir a adaptação que eles fizeram de “O Aleanista”, de Machado de Assis, um dos meus escritores brasileiros favoritos.

Arte dos Irmãos Fábio Moon e Gabriel BáDos restantes autores estrangeiros, Dame Darcy confirmou que é melhor a fazer BD do que como cantora…, Rufus Dayglo, além de um excelente desenhador, revelou ter a BD (literalmente) à flor da pele, Niko Henrichon, desenhador do magnífico “Fábula de Bagdad” fez-me o melhor desenho da minha colheita de autógrafos de Beja 2010 e Igor Hofbauer confirmou que o seus estilo funciona melhor nas ilustrações soltas (tinha alguns excelentes posters para venda) do que na BD.

Autógrafo desenhado de  Niko Henrichon para João Miguel Lameiras.
Dos portugueses, foi pena que João Fazenda não tenha acompanhado a sua exposição e que Jorge Coelho não tenha ainda um álbum editado em Portugal, pois é um dos melhores desenhadores nacionais, cujo estilo evoluiu bastante, como se pode ver na exposição que lhe foi dedicada. Excelente também a exposição do Lisbon Sutudio e os trabalhos de Regina Pessoa e João Vaz de Carvalho. Já as mostras de Jorge Miguel e Miguel Rocha, sofrem do problema de não haver originais para expôr, apenas reproduções digitais…
Acima de tudo, foi um fim-de-semana muito bem passado, que me deu oportunidade de rever alguns amigos da “tribo da BD”, como bem lhe chamou o Machado-Dias e conhecer pessoalmente alguns autores cujo trabalho admiro.

Exposição de Regina PessoaExposição de JCoelho

Exposição do Lisbon StudioInterior da Exposição do Lisbon Studio

Niko Herinchon a desenhar o autógrafo para João Miguel Lameiras

Logótipo do blogue Por um punhado de imagens*João Miguel Lameiras, crítico e especialista de BD e também autor do blogue Por um punhado de imagens.
[1] (Texto publicado originalmente no Blogue “Por um punhado de imagens, em 13 de Junho de 2010)

(Para aproveitar a extensão completa das imagens acima, clique nas mesmas)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *