A “História Portuguesa” de Tex – Um marco no País mais texiano além da Itália

junho 22, 2017

A “História Portuguesa” de Tex

Um marco no País mais texiano além da Itália

Por Joana Rosa Russo (Advogada de profissão, gamer por paixão) [1]

É com grande orgulho e satisfação que anunciamos O FEITO HISTÓRICO QUE NOSSOS AMIGOS DO ALÉM MAR PROMOVERAM!

E não é para menos: Anadia, pequena e acolhedora cidade portuguesa, ganhou uma exposição PERMANENTE de TEX no luxuoso Museu do Vinho Bairrada e foi reconhecida pelas Autoridades locais como a “Capital Portuguesa do Tex”! O incrível trabalho operado pelos três representantes do Clube Tex Portugal (José Carlos Francisco, Mário João Marques e Carlos Moreira), rendeu destaque inclusive na Itália, pela própria Sergio Bonelli Editore, em sua fã page oficial no Facebook, publicado no  dia 19 de Junho de 2017:

E também no site:


Desta forma, reforçamos o imenso orgulho e satisfação de ver nosso amado ranger tão bem representado e divulgado fora de seu berço, e ainda mais por mãos tão competentes como a dos componentes do Clube Tex Portugal, incluindo, nesta oportunidade, o agradecimento aos desenhadores, que sempre presenteiam, tão delicadamente, a cidade que recebe a Mostra Anual desse Clube. É recompensador ver o carinho mútuo que participantes e desenhadores dedicam entre si.

Mas, muito mais que isso: o feito é histórico e marca um novo capítulo na vida editorial de Tex já que Anadia se mostrou firme no propósito de valorizar e reconhecer tão grandiosamente a importância do personagem, não só em termos culturais, mas turístico e, em decorrência, económico. O fomento e o suporte oferecido para que a exposição permanente pudesse ser posta em prática, demonstra a força e a determinação, típica de texianos de fibra, principalmente, dos envolvidos neste incrível e sensacional projecto.

Temos certeza que Sergio Bonelli está a festejar nas pradarias celestiais ao lado de Galep e G. L. Bonelli por este evento!

Parabéns, e que este seja só o início de uma história, ainda muito longa, entre Tex e Portugal!

[1] (Material publicado originalmente no Síte “4Fun Games“, em 19 de Junho de 2017)

1

As Leituras do Pedro: Tex Edição Histórica #100 – Forte Apache & O Ídolo de Cristal

junho 21, 2017

As Leituras do Pedro*

Tex Edição Histórica #100 – Forte Apache & O Ídolo de Cristal
Giovanni Luigi Bonelli (argumento)
Aurelio Galleppini (desenho)
Mythos Editora
Brasil, Abril de 2017
135 x 175 mm, 226 p., cor, capa mole
R$ 27,90 / 10,00 €

Desajustado e até racista…

Provocação’ poderia ser outro título desta leitura crítica de uma edição muito ansiada pelos admiradores brasileiros de Tex, que conta com mais uma colecção centenária.

A edição

Como não podia deixar de ser, o número #100 – e que magia estes números continuam a ter para quem é leitor de revistas periódicas – da colecção Tex Edição Histórica – que publica histórias marcantes do herói criado por Gianluigi Bonelli e Aurelio Galleppini no já distante ano de 1948 – apresenta as suas páginas as cores.

Com o colorido mecânico Bonelli, como não podia deixar de ser, mas que curiosamente funciona de forma díspar nas duas histórias ‘curtas’ – para os padrões texianos – devido ao traço diferente que o mesmo artista – Galleppini – apresenta nos dois relatos – embora quase se pudesse pensar tratar-se de dois desenhadores diferentes. No primeiro, o traço é detalhado, pormenorizado, com muita atenção aos detalhes; no segundo, apresenta-se mais solto, mais livre, mesmo trabalhado…

Numa edição bem impressa – o que pontualmente não tem acontecido na Mythos – deveria ter havido mais cuidado com os textos de apoio – possivelmente recuperados de outras edições… – que mais de uma vez remetem para imagens que esta edição não apresenta…


O conteúdo

Número centenário, esta edição apresenta duas histórias muito significativas da cronologia de Tex, embora por razões diferentes.

A abrir, encontramos O Ídolo de Cristal, publicada em 1980 pela Editora Vecchi, a preto e branco, num álbum de grande formato, muito cobiçado pelos colecionadores.

A segunda, Forte Apache, apresenta duas curiosidades: foi a primeira história colorida do ranger e junta num mesmo relato, para além de Tex, Carson, Kit e Tigre, também Jim Brandon, Gros-Jean e Pat Mac Ryan.

As histórias

Comecemos por Forte Apache. Se o grande atractivo era juntar numa mesma aventura Tex e alguns dos seus coadjuvantes regulares, o resultado apresenta-se decepcionante. Chamados pelo ranger – porquê? – para o ajudar a destruir (literalmente) um bando de apaches sediados no México, responsável por diversos ataques e raptos, Gros-Jean, Ryan e Brandon pouco mais são do que meros figurantes. Este último, frisa bem estar ali a título pessoal e não oficialmente, mas não se coíbe de ostentar o uniforme da Polícia Montada do Canadá ao longo de toda a história.

História cujo desfecho a duas ou três páginas do final ainda estava completamente em aberto, até Bonelli se aperceber que o espaço disponível estava a acabar, terminando-a abruptamente. E cuja leitura revela que, com excepção de Tex e Carson, se substituíssemos os restantes protagonistas (?) por fiéis navajos ou facínoras regenerados – como tantas vezes ocorre nesta série – o resultado seria exactamente o mesmo, com a vantagem extra de se poder matar dois ou três deles – em nome da amizade e dedicação ou como redenção… – e aumentar assim a carga dramática da narrativa…


Quanto a O Ídolo de Cristal, se apresenta um enredo simples – Tex e os seus amigos perseguem um bando de índios hualpais que atacaram um feiticeiro navajo e roubaram um pequeno ídolo – está bem construída, em crescendo, com sucessivos picos de tensão dramática. Caso raro em Tex, permite a Galleppini desenhar diversas vezes belas e sensuais mulheres, pouco vestidas para a época (de publicação).

E apresenta um Tex diferente daquele que tantos estão habituados a quase endeusar. Se o sentido de justiça, a determinação e a dedicação aos seus amigos é o mesmo, a sua reacção face ao acontecido revela-se desajustada e o seu comportamento pode mesmo ser considerado racista e xenófobo. Na verdade, ao saberem do ataque ao feiticeiro navajo, os epítetos que surgem nas bocas de Tex e Carson são do género “Só cães como eles…”, “lobos Hualpais”, “que o diabo carregue todos os hualpais”, “aquales ladrões”, “aqueles macacos”, longe do que seria de esperar de um reconhecido amigo dos índios. Não coloca sequer a hipótese de se tratar de um pequeno bando, a acusação abrange logo toda a nação hualpai. Só falta mesmo dizer que “um hualpai bom, é um hualpai morto”…

Que, não o expressando, Tex, Carson, Kit e Tigre põem afincadamente em prática pois entre a recuperação do ídolo roubado, o salvamento de uma jovem hualpai que ia ser sacrificada aos deuses – e é levada para a aldeia navajo para um destino ainda pior, a julgar pelo racismo demonstrado? – e a fuga, pelo menos umas quatro dezenas de hualpais, números apurados numa contabilidade superficial por baixo, partem ‘para os territórios das grandes caçadas eternas’ – ou possivelmente só mesmo para o inferno, a julgar pela forma como foram tratados em todo o relato…

Se optei por uma análise pela óptica da provocação, esta abordagem da genial dupla Bonelli/Galep mais não é do que reflexo da época em que foi criada e publicada, quando o politicamente correcto ainda não tinha sido inventado e em que à aventura (neste caso aos quadradinhos) só se pedia um herói forte e afirmativo e muita acção.

*Pedro Cleto, Porto, Portugal, 1964; engenheiro químico de formação, leitor, crítico, divulgador (também no Jornal de Notícias), coleccionador (de figuras) de BD por vocação e também autor do blogue As Leituras do Pedro (http://asleiturasdopedro.blogspot.com/).

(Para aproveitar a extensão completa das imagens acima, clique nas mesmas)

1

Sítio Internet da Sergio Bonelli Editore DESTACA a Mostra Permanente de Tex no Museu do Vinho Bairrada

junho 20, 2017

Sítio Internet da Sergio Bonelli Editore

DESTACA a Mostra Permanente de Tex

no Museu do Vinho Bairrada

Sítio Internet da Sergio Bonelli Editore DESTACA a Mostra Permanente de Tex no Museu do Vinho Bairrada

O Sitio Internet da Sergio Bonelli Editore, destacou nesta  segunda-feira, dia 19 de Junho, a Mostra Permanente de Tex no Museu do Vinho Bairrada cuja inauguração ocorreu no passado dia 29 de Abril durante a 4ª Mostra do Clube Tex Portugal, num texto da autoria de Luca Del Savio intitulado “Uma Mostra Permanente para Tex“, texto esse que damos a conhecer em seguida e que mostra assim que a editora italiana continua atenta a tudo que diga respeito a Tex em Portugal, dando a conhecer aos leitores italianos mais este inolvidável acontecimento do Ranger no nosso país.

[1] Artigo publicado no sítio Internet Sergio Bonelli Editore em 19 de Junho de 2017, por Luca Del Savio:

Uma Mostra Permanente para Tex [1]

Uma Mostra Permanente para Tex

Por ocasião da 4ª Mostra do Clube Tex Portugal, foi inaugurada a mostra permanente dedicada a Tex no interior do Museu que inclui ilustrações de diversos autores bonellianos.

No passado dia 29 de Abril, durante a 4ª edição da Mostra do Clube Tex Portugal, foi inaugurada uma exposição permanente dedicada ao nosso ranger do Texas no interior do Museu do Vinho Bairrada, confirmando assim cada vez mais a cidade de Anadia como a capital portuguesa do Tex.

Todos os visitantes do museu têm assim a oportunidade de ver as ilustrações realizadas especificamente por autores como Massimo Rotundo, Leomacs, Pasquale Del Vecchio, Maurizio Dotti e Andrea Venturi. A ala do museu dedicada à mostra será enriquecida no futuro pelas obras que os próximos autores convidados pelo Clube Tex Portugal queiram doar à cidade.

Para ulteriores informações, visite o blogue oficial do Clube Tex Portugal.

Uma Mostra Permanente para Tex

[1] (Artigo publicado originalmente no Sítio Internet Sergio Bonelli Editore, em 19 de Junho de 2017) – Copyright: © 2017 Sergio Bonelli Editore & Luca Del Savio.

(Para aproveitar a extensão completa das imagens acima, clique nas mesmas)

0

Exposição PERMANENTE dedicada a TEX no Museu do Vinho Bairrada: Anadia Capital Portuguesa do Tex

junho 19, 2017

Exposição PERMANENTE dedicada a TEX,

no Museu do Vinho Bairrada:

Anadia Capital Portuguesa do Tex

Por José Carlos Francisco (texto) & Cristina Amaral, Keiko Ichiguchi, Eng. Jorge Sampaio, Marco Guerra e Orlando Santos Silva (fotos)


No passado dia 29 de Abril, integrada na 4ª Mostra do Clube Tex Portugal, evento realizado em Anadia e na presença dos consagrados desenhadores Andrea Venturi e Leomacs (cujos recentes trabalhos estiveram expostos no Museu do Vinho Bairrada, durante o fim de semana em que decorreu este magnífico evento), decorreu a Inauguração de uma Exposição PERMANENTE dedicada a Tex, exposição essa que se encontra patente no Museu do Vinho Bairrada e tem a (enorme) particularidade de ser a ÚNICA Exposição PERMANENTE (exposta numa ala inaugurada precisamente nesta 4ª Mostra) neste magnífico Museu Bairradino que não está relacionada com o vinho e que mostra bem a importância e a aposta do Executivo Camarário assim como da Direcção do Museu do Vinho Bairrada.

Exposição permanente dedicada a Tex no Museu do Vinho Bairrada

Deste modo, todo e qualquer visitante ao Museu terá oportunidade de se deparar com as belíssimas ARTES de Pasquale Del Vecchio, Stefano Biglia, Massimo Rotundo, Maurizio Dotti, Leomacs e Andrea Venturi, todas elas relacionadas com a região Bairradina em geral e com Anadia em particular, artes essas que mostram o Ranger frente aos Paços do Município de Anadia (Pasquale Del Vecchio, 2014), com a bandeira do Município de Anadia (Stefano Biglia, 2015), colhendo uvas na Bairrada (Massimo Rotundo, 2016), frente ao Palácio do Marquês da Graciosa (Maurizio Dotti, 2016), em duelo numa rua de Anadia em pleno século XIX (Leomacs, 2017) e com Kit Carson junto ao Monumento aos Combatentes de Anadia mortos na Grande Guerra (Andrea Venturi, 2017), numa ala criada para o efeito e que será enriquecida a cada novo ano com novas artes que os autores convidados no futuro certamente realizarão como forma de homenagear novas passagens de Tex pela cidade de Anadia.

Tex frente aos Paços do Município de Anadia, arte de Pasquale Del Vecchio

Tex frente aos Paços do Município de Anadia, arte de Pasquale Del Vecchio

Artes de Stefano Biglia e Massimo Rotundo, respectivamente Tex com a bandeira do Município de Anadia e colhendo uvas na Bairrada

Tex frente ao Palácio do Marquês da Graciosa, arte de Maurizio Dotti

Artes de Leomacs e Andrea Venturi, respectivamente Tex em duelo numa rua de Anadia em pleno século XIX e Tex e Kit Carson, junto ao Monumento aos Combatentes de Anadia mortos na Grande Guerra

A cerimónia de inauguração para além dos desenhadores presentes, Andrea Venturi e Leomacs, contou com as ilustres presenças do Excelentíssimo Senhor Vice-Presidente da Câmara Municipal de Anadia, Engenheiro Jorge Sampaio e do Excelentíssimo Senhor Director do Museu do Vinho Bairrada, o Doutor Pedro Dias para além de toda a Direcção do Clube Tex Portugal e até dos editores Rui Brito (Portugal) e Dorival Vitor Lopes (Brasil) e ainda do PRÓPRIO TEX e ainda cerca de uma centena de fãs e coleccionadores de Tex, de Portugal, mas também do Brasil, que abrilhantaram a cerimónia onde também o Executivo Camarário atribuiu o nobre título de Anadia passar a ser a Capital Portuguesa do Tex, mostrando que a aposta da Câmara Municipal de Anadia em Tex é portanto cada vez maior, tendo então este ano adoptado oficialmente o estatuto de Capital Portuguesa do Tex, acto este que reconhece a importância que o município bairradino atribui à mais popular e carismática personagem dos fumetti, uma decisão, no mínimo inédita entre nós, em relação a um herói de Banda Desenhada e que atrairá decerto mais visitantes do meio bedéfilo a esta região afamada pelo seu vinho, pelos seus leitões e pelas suas belezas naturais.

Vice-Presidente da Câmara Municipal de Anadia prestes a  inaugurar a exposição permanente dedicada a Tex pelo Museu do Vinho Bairrada

Vice-Presidente da Câmara Municipal de Anadia prestes a inaugurar a exposição permanente dedicada a Tex pelo Museu do Vinho Bairrada

Vice-Presidente da Câmara Municipal de Anadia inaugura a exposição permanente dedicada a Tex exposta no Museu do Vinho Bairrada

Tex (Mário João Marques), José Carlos Francisco, Vice-Presidente da Câmara Municipal de Anadia (Eng. Jorge Sampaio) e Dr. Pedro Dias (Director do Museu do Vinho Bairrada) e o estatuto de Anadia - Capital Portuguesa do Tex!

José Carlos Francisco na capital portuguesa do Tex

O Museu do Vinho Bairrada foi inaugurado a 27 de Setembro de 2003. Sob a tutela da Câmara Municipal de Anadia, está instalado num edifício construído de raiz para o efeito, dotado de mobiliário adequado aos espaços e funções, com equipamentos informáticos e audiovisuais, e sistema de segurança. A Exposição Permanente, designada por Percursos do Vinho, encontra-se no piso zero do museu e exposta ao longo de seis salas temáticas, com peças de valor arqueológico, etnográfico e técnico, reunidas com a colaboração de diversos vitivinicultores, entidades locais e nacionais.  E agora, então como prova da consideração e apreço do município, realce também para a exposição permanente dedicada ao Tex no Museu do Vinho Bairrada, tratando-se, como dissemos anteriormente e não nos cansamos de repetir, da única exposição permanente que não está relacionada com o vinho, mas que exibe as belíssimas Artes com que os desenhadores de Tex agraciaram Anadia e a sua região nestes últimos 4 anos!

José Carlos Francisco e a exposição dedicada à capital portuguesa do Tex no Museu do Vinho Bairrada

José Carlos Francisco com Andrea Venturi e a sua arte com Tex e Kit Carson em Anadia

Tex e Kit Carson em Anadia a admirar a arte realizada por Andrea Venturi

(Para aproveitar a extensão completa das imagens acima, clique nas mesmas)

3

COLECCIONÁVEIS TEX – MÍDIA IMPRESSA – Parte 3

junho 18, 2017

COLECCIONÁVEIS TEX

MÍDIA IMPRESSA Parte 3

Por Ezequiel Guimarães (texto) e Renato Alves da Silva (fotos e informações)

Continuação da Parte 1
Continuação da Parte 2

Desde a publicação de COLECCIONÁVEIS TEX: MÍDIA IMPRESSA TEMÁTICA e COLECCIONÁVEIS TEX – MÍDIA IMPRESSA TEMÁTICA – Parte 2 tenho recebido solicitações de actualização da lista relacionada na Parte 2, já que ao longo do tempo novos itens foram informados em outros posts aqui mesmo no blogue do Tex, e outros itens foram-me sugeridos por leitores do blogue.


Estou a trabalhar na actualização, que brevemente publicaremos aqui, incluindo também itens (fanzines, prozines, revistas, jornais, livros, etc), não necessariamente temáticos ao ambiente das BDs, mas agora de uma amplitude de segmentos maior, pois outros leitores do blogue assim solicitaram, quando inclusive me indicaram mais outros itens. Por isso a rubrica passa-se a chamar a partir de agora COLECIONÁVEIS TEX – MÍDIA IMPRESSA.

Então aproveitando a volta ao assunto, e para aqueles que não se lembram, ou não sabem do que estou a falar, o assunto que retomamos agora, é de itens impressos, que citam Tex, pois como já é de conhecimento dos texmaníacos, muitos gostam apenas de ler as histórias do ranger mais temido do Oeste, e trocam os seus exemplares por outras edições, de Tex  ou até de outras personagens.

Mas outros gostam de manter as suas revistas texianas, e há aqueles que por gostarem tanto de Tex, acabam  além de não se desfazerem das suas edições, dão início a uma colecção.

Entre esses, há aqueles que só as histórias não bastam mais, a “sede” pela personagem aumenta, então eles querem saber mais, ler sobre o ambiente das histórias, saber sobre os roteiristas e/ou desenhadores, ler sobre a história editorial da personagem, conhecer sobre as influências dos criadores, ler resenhas de histórias; ler comentários, matérias, sobre a personagem, sobre o género literário no qual ela está inserida, enfim, ler “tudo que puder” sobre a sua personagem favorita, ou seja, no nosso caso… TEX !

Esse grupo selecto de pessoas procura material texiano em jornais, revistas e livros que abordam sobre a personagem e o seu mundo, ou seja, a mídia impressa temática das BDs. E muitas vezes, acabam também por coleccionar esses itens, até se a mídia impressa, que citou Tex, não for voltada ao ambiente das histórias de banda desenhada, e sim a alguma outra temática.

Por isso, dando continuidade ao assunto, abaixo relacionamos novos itens, que abordam, de uma maneira ou de outra, algo sobre o granítico ranger (e que estarão inclusos na nova relação geral a sair):

- Revista HQ CD  – Ano 1 – nº 1

Datada de Maio de 1997, foi publicada pela Editora Nova Sampa Diretriz Editorial.

No texto ´Troféu HQ MIX 1996-1997´, Wagner Augusto, relata a conquista do troféu HQ MIX (1996) pelo ranger mais temido do Oeste em duas publicações:

PRÉMIO GRAPHIC NOVEL ESTRANGEIRA - Tex, O Vale do Terror - Out/1996 (Editora Globo/Sergio Bonelli Editore) e  PRÉMIO EDIÇÃO ESPECIAL – Tex, Almanaque do Faroeste – Ago/1996 (Editora Globo/Sergio Bonelli Editore), além de publicar uma biografia do desenhador Roberto Raviola, sob o título “O Magnífico Magnus“.

Ainda também de Wagner Augusto, há outro texto, onde ele comenta sobre a mais antiga mostra de Banda Desenhada da Itália que se realiza nos meses de Janeiro e Fevereiro na cidade de Rapallo, texto sob o título “Comendo Fumettis“. Título propositadamente escolhido pois há um tradicional jantar da entrega dos prémios, realizado no restaurante U Giancu.

Para se ter uma ideia da importância do evento, na época (1997), contou com a presença de convidados especiais, entre outros,  de Renzo Calegari (Storia del West), Ivo Milazzo (Ken Parker), G. Ferri (Zagor), Alfredo Castelli (Martin Mystère), Zanibone (Diabolik), além do saudoso editor Sergio Bonelli.

- KABOOM! – Edição Especial – Ano 1 – nº 1

Publicada pela Editora Eclipse, não consta informação da data de lançamento, mas provavelmente deve ser do final de 2004, pois há informações de lançamentos previstos para o ano de 2005. Há um texto com o título “Sergio Bonelli Editore – Quadrinhos Made in Italy”, mas sem mencionar o autor.

O texto aborda personagens bonellianas publicadas no Brasil, destacando como sendo a principal o ranger Tex Willer, criado por Giovanni Luigi Bonelli e Aurelio Galleppini, em 1948. Descreve a trajectória, características, e editoras de personagens como: Tex, Zagor, Ken Parker, Martin Mystère, Mister No, Dylan Dog, Nick Raider, Nathan Never, Julia, Mágico Vento e Dampyr, além dos títulos ainda inéditos no Brasil como:  Brendon, GEA, Jonathan Steele e Napoleone. O material todo se estende por quatro páginas.


- Revista Wizmania – 2ª edição

A Wizmania já é uma publicação bem mais conhecida do que a HQ CD, e a KABOOM. Na edição publicada pela Editora Panini Brasil Ltda, de Setembro de 2008, Levi Trindade, no belo texto ´Feliz Aniversário, Tex´, destaca os 60 anos da mítica personagem, um dos mais antigos caubóis ainda publicados nos quadradinhos, contando toda a trajectória do ranger mais temido do Oeste, em tópicos como: O Início, Sucesso Inegável, A censura, Tex e o Casamento, Escrevendo um Mito, Superequipe de Desenhistas, Em Outros Países, além de quadros como: Os Aliados, Os Vilões, As Várias Faces de Tex e Curiosidades sobre a personagem. Tudo bem distribuído em quatro páginas.

Brevemente continuaremos a inserção de novos itens.

E caso você saiba de algum fanzine, prozine, ou revista, jornal voltado ou não ao segmento de BD, ou livro (voltado para qualquer segmento) com matéria sobre TEX, ou que de alguma maneira cite Tex (quaisquer desses materiais em língua portuguesa), por favor mande a sua informação para nós, para que possamos adicioná-la em uma nova lista que está em actualização, agora mais completa e abrangente (não ficando restrita mais ao ambiente de publicações específicas ao segmento de BDs, conforme foi solicitado pelos leitores do blogue).

(Para aproveitar a extensão completa das imagens acima, clique nas mesmas)

2

O Tex do MESTRE Giovanni TICCI para… José Carlos Francisco

junho 17, 2017

O Tex do MESTRE Giovanni TICCI para…

José Carlos Francisco

O Tex do MESTRE Giovanni TICCI para… José Carlos Francisco

(Para aproveitar a extensão completa do desenho, clique no mesmo)

2

PRANCHAS INÉDITAS de Stefano Andreucci a Mauro Boselli passando por Lucio Filippucci, Mario Rossi (Majo), Michele Rubini, Alessandro Piccinelli, Laura Zuccheri e Maurizio Dotti

junho 16, 2017

PRANCHAS INÉDITAS de Stefano Andreucci a

Mauro Boselli passando por Lucio Filippucci,

Mario Rossi (Majo), Michele Rubini,

Alessandro PiccinelliLaura Zuccheri e

Maurizio Dotti

Hoje no blogue do Tex vamos dar, uma vez mais, conhecimento aos nossos leitores de inúmeras páginas INÉDITAS de Tex que estão sendo desenhadas por alguns dos grandes nomes do staff de Tex, de Stefano Andreucci a Mauro Boselli passando por Lucio Filippucci, Mario Rossi (Majo), Michele Rubini, Alessandro Piccinelli, Laura Zuccheri e Maurizio Dotti.

Prancha do próximo Tex Gigante que estará disponível nos quiosques italianos na próxima semana com argumento de Mauro Boselli e desenhos de Stefano Andreucci

Prancha do próximo Tex Gigante que estará disponível nos quiosques italianos na próxima semana com argumento de Mauro Boselli e desenhos de Stefano Andreucci

Página do próximo cartonado, com argumento de Mauro Boselli e desenhos de Stefano Andreucci, a publicar em Setembro deste ano. Cores de Matteo Vattani

A primeira página, ainda a lápis, de uma história prevista para um futuro Color Tex de Lucio Filippucci

Prancha (a lápis) do Tex Gigante em produção com o título provisório Corpo Speciale desenhado por Mario Rossi (Majo) e com argumento de Mauro Boselli

Prancha desenhada por Michele Rubini para uma história que está a ser escrita por Mauro Boselli

Página desenhada por Alessandro Piccinelli para o Tex nº 682 a publicar em Agosto e que trará o regresso de Lupe num argumento de Mauro Boselli

Laura Zuccheri exibindo uma prancha da história de Tex que está a desenhar para a série Tex Gigante

Letrista Renata Tuis com uma prancha da história do retorno de Lupe, desenhada por Alessandro Piccinelli

Maurizio Dotti mostra-nos uma prancha original da história de Tex que está a desenhar sob roteiro de Mauro Boselli

Mauro Boselli, com Giorgio Giusfredi, fazendo a revisão de uma história de Tex

(Para aproveitar a extensão completa  das imagens acima, clique nas mesmas)

2