Entrevista com a fã e coleccionadora: Raissa Lira

outubro 25, 2014

Entrevista conduzida por José Carlos Francisco.

Para começar, fale um pouco de si. Onde e quando nasceu? O que faz profissionalmente?
Raissa Lira: Nasci em João Pessoa, capital do estado da Paraíba, Brasil, em 15 de Setembro de 1993. Actualmente moro com os meus pais e estou aguardando uma oportunidade de emprego, mas um lado bom dessas circunstâncias, são as horas que tenho a mais disponível… por exemplo, eu gosto de ficar num cantinho calmo e tranquilo e apenas ler, isso quase sempre. Leio de tudo um pouco, romance, ficção, policial…
E tenho por sonho viajar pelo mundo, conhecer pessoas e lugares novos… e disso tudo levar comigo boas lembranças e algumas aventuras… e a leitura do Tex de alguma forma ou de outra dá-me um pouco disso. Bom, apesar de ainda sequer ter saído da minha cidade, eu gosto de me aventurar, sonhar… acho que deve ser por isso que gosto tanto de ler, sempre viajo o mundo sem sair de casa, em questões de segundos estou lá onde a história me leva. É semelhante a deitar na minha cama, no sofá, e entrar de alma e coração num bom livro, numa boa leitura… é como ler Tex, nem se dá conta das horas que já passaram.

Quando nasceu o seu interesse pela Banda Desenhada?
Raissa Lira: Desde dos meus 7 anos de idade, quando o meu pai me levava com ele à banca para comprar o seu jornal. Lá eu via várias histórias aos quadradinhos, mas fui me interessar inicialmente pela Turma da Mônica, do autor brasileiro Maurício de Sousa. Com o passar do tempo fui lendo os exemplares da Disney e Marvel… mas depois que descobri Tex ‘’larguei ‘’ o interesse pelos outros completamente.

Quando descobriu Tex?
Raissa Lira: Todo fim semana um velho amigo da família, mais conhecido como ‘’Seu Dias’’, frequentava a minha casa. Era rotina os amigos se reunirem para festejar, beber,  jogar dominó, baralho… E esse amigo em especial, sempre vinha para cá com vários Cd´s, Dvd´s de faroeste e revistas do Tex. Meu pai sempre foi fã de filmes de faroeste, (por isso mesmo é que o Seu Dias trazia os Dvd´s) e no final do dia assistia com ele e outro amigo, e eu às vezes assistia com eles também, cresci vendo tudo isso… meio que fui influenciada também a assistir. Recordo-me que me chamava a atenção o facto de Seu Dias por onde andava levava aquela singela revista dentro da sacola, mas por muitos anos apenas observei.
E foi assim, com o passar do tempo, que descobri Tex por influência desse senhor, que me emprestou o primeiro exemplar que eu li. Digamos que há 9 anos atrás. Não lembro qual revista foi, mas de facto eu gostei muito, foi paixão à primeira ‘’lida’’ (…risos…). E eu sinceramente não troco Tex por nenhuma outra personagem… principalmente por ter passado por muitas barreiras até por questões de preconceito também, devido a ser mulher e ler revistas de faroeste. Na cabeça de muitos é coisa para homens, nunca tive apoio nesse aspecto… chegando até a chorar algumas vezes por isso. Acho que esse é um dos motivos de muitas mulheres não ficarem em evidência, seja em histórias aos quadradinhos em geral, ou western… espero que um dia isso mude e que nós tenhamos mais espaço e direitos iguais nesse meio.

Porquê esta paixão por Tex?
Raissa Lira: Encontrei em Tex um mundo totalmente diferente do que tinha visto ( lido ) antes… uma mistura de géneros que me encantou. Isso desde das batalhas contra perigosos fora da lei, até vilões do porte demoníaco e maléfico como Mefisto e Yama… e ainda por cima dentro do velho Oeste americano, algo totamente surreal para mim.  Eu também me identifiquei com a sua determinação em ser justo e com sua busca pela verdade em prol de ajudar os outros… apesar que francamente não teria a mesma coragem de sair por aí arriscando a minha vida caçando bandidos, indíos em pé de guerra, seres sobrenaturais, enfim… nesse sentido creio que eu ia preferir  ficar na plateia, como sempre, lendo ou quem sabe assistindo (… risos…). Com Tex também aprendi os costumes dos nativos americanos, canadianos, mexicanos… nomes de cidades,  rios, montanhas, tudo novo para mim. As tribos índigenas também foram uma grande novidade. Entre outras coisas, querendo ou não, Tex foi um modo educacional, pois apreciei ainda mais a paixão pela leitura como um todo e acredito que obtive outras qualidades devido a ele também.

O que tem Tex de diferente de tantos outros heróis dos quadradinhos?
Raissa Lira: O Ranger leva consigo muita coragem e vontade de fazer o bem, sem distição de cor, raça ou religião. Além de ser humilde, prestativo e ter sede por justiça… Isso o difere de tantos outros heróis da banda desenhada.

Qual o total de revistas de Tex que você tem na sua colecção? E qual a mais importante para si?
Raissa Lira: Actualmente tenho 509 revistas na minha colecção. E a mais importante é o Tex gigante número 14, Sombras na Noite… foi uma das primeiras histórias que eu li, tenho um sentimento especial por esse exemplar. É até meio estranho explicar, mas eu sinto-me uma garotinha de anos atrás sempre que me deito e o releio.

Colecciona apenas livros ou tudo o que diga respeita à personagem italiana?
Raissa Lira: Além das revistas, eu tenho o Dvd “Tex Willer e os senhores do abismo“, com o actor Giuliano Gemma, uma revista-póster do Tex número 1 e o Livro ‘’Tex Willer, a história da minha vida“, do autor Mauro Boselli.

Qual o objecto Tex que mais gostava de possuir?
Raissa Lira: Um sonho de consumo de todo coleccionador é ter a sua colecção do Tex completa, e comigo não seria diferente. Felizmente tenho tido a ajuda de alguns pards que têm contribuído fazendo-me doações de alguns exemplares que têm em duplicado, visando também que o meu estado finaceiro não me dá condições de comprar todos os lançamentos actuais e os números atrasados. Agradeço imensamente aos amigos Edison Bertoncello, Miguel J. Zinelli e Roberio Wilson, do Fã Clube Tex Brasil.
Quem também quiser contribuir é só entrar em contacto comigo pelo e-mail  raissamsn@hotmail.com ou Facebook Raissa Lira, eu agradeço desde  já.

Qual a sua história favorita? E qual o desenhador de Tex que mais aprecia? E o argumentista?
Raissa Lira: O casamento de Tex (os Grandes Clássicos do Tex #1). Já o meu desenhador preferido sempre foi o Civitelli… seguido também do Claudio Villa e do falecido Aldo Capitanio. E quanto ao argumentista que mais aprecio é o Mauro Boselli.

O que lhe agrada mais em Tex? E o que lhe agrada menos?
Raissa Lira: Agrada-me a sua simplicidade com tudo e com todos, o seu companheirismo fiel a seus amigos, o senso de humor e o optimismo mesmo nas horas mais difíceis… também me agradam as cenas de romance, enfim… muitas outras coisas.  O que menos me agrada às vezes é a sua teimosia em lidar com certas situações e o facto de não ter uma companheira para si depois da morte da Lilyth.

Em sua opinião o que faz de Tex o ícone que é?
Raissa Lira: Ser um justiceiro temido pelos maus e honrado pelos bons… símbolo de carácter e honestidade… um homem que não dá valor aos bens materias, mas sim ao que tem no coração.

Costuma encontrar-se com outros coleccionadores?
Raissa Lira: Vou ter a primeira oportunidade de conhecer alguns coleccionadores agora em Novembro, dias 1 e 2, na ExpoTex que será realizada pelo nosso Tex brasileiro, o G. G . Carsan, em parceria com o 7º HQPB.

Para concluir, como vê o futuro do Ranger?
Raissa Lira: Vejo um futuro longo, passando de geração em geração… sempre progredindo.


Prezada pard Raissa Lira, agradecemos muitíssimo pela entrevista que gentilmente nos concedeu.

(Para aproveitar a extensão completa das imagens acima, clique nas mesmas)

8

A ESPLÊNDIDA ilustração de ANDREA VENTURI para a CAPA da edição nº 1 da revista do Clube Tex Portugal e o respectivo EDITORIAL

outubro 24, 2014

A ESPLÊNDIDA ilustração de ANDREA VENTURI
.
para a CAPA da edição nº 1 da revista do
.
Clube Tex Portugal
e o respectivo EDITORIAL

Por José Carlos Francisco


Conforme já foi anunciado aqui mesmo no blogue do Tex, a revista do Clube Tex Portugal, devidamente autorizada pela Sergio Bonelli Editore, no seu primeiro número terá uma CAPA INÉDITA e EXCLUSIVA feita PROPOSITADAMENTE por ANDREA VENTURI.

Capa essa que terá uma magnífica ilustração de Tex a cavalo que damos hoje a conhecer a todos os leitores do blogue português do Tex (após a SBE fazer há poucas horas a divulgação, em estreia mundial, na página oficial de Tex no Facebook, o que demonstra bem a importância que a própria editora de Tex dá a este projecto português), na versão a preto e branco, mas também na versão colorida, com cores do próprio Andrea Venturi que deste modo comprova a importância e o carinho posto também por ele neste projecto editorial dedicado aos sócios do jovem Clube Tex Portugal.

Magnífica ilustração de Andrea Venturi para a capa da edição nº 1 da revista do Clube Tex Portugal

Para uma apresentação melhor  desta importante iniciativa dirigida por Mário João Marques, o director da revista, e destinada aos sócios do Clube (cada sócio do Clube Tex Portugal terá direito a um exemplar totalmente grátis e de modo a tornar a revista mais cobiçada e valiosa pelos amantes do Ranger cada sócio só poderá comprar um segundo exemplar) damos a conhecer de seguida o editorial deste primeiro número da revista:

EDITORIAL

Em Agosto de 2013, durante uma tertúlia texiana organizada quando do 18º Salão Internacional de Banda Desenhada de Viseu, um grupo de amigos teve a oportunidade de formalizar a criação de um clube que pudesse fomentar o convívio e a troca de ideias sobre Tex. Idealizado uns meses antes, a ocasião proporcionada e a presença inspiradora de Andrea Venturi, desenhador convidado para o Salão, serviram assim de catalisadores, permitindo firmar a criação do Clube Tex Portugal.

Andrea Venturi, de pin ao peito, exibe orgulhosamente o cartão de Sócio Honorário do Clube Tex Portugal

A revista que agora está nas vossas mãos é um objectivo a que nos propusemos desde a primeira hora, um instrumento privilegiado que permite divulgar, aprofundar e sobretudo homenagear um grande herói e uma grande série que, ano após ano, se vem batendo pelos ideais da justiça e da honra, unindo muitos em redor de valores infelizmente cada vez mais raros.

Devidamente autorizada pela Sergio Bonelli Editore, que desde o início nos concedeu a honra do seu apoio e do seu carinho, a revista é o trabalho de muitos e que nos enche de orgulho, representando o culminar de um primeiro ano do Clube pleno de actividades e de sucesso. Todos são convidados a participar, apresentando trabalhos sobre Tex, o seu mundo, as suas personagens, os seus autores. Queremos fomentar o convívio, desejamos divulgar a personagem, ansiamos que apreciem e possam retirar o mesmo prazer que todos os que colaboraram neste primeiro número tiveram na sua preparação e elaboração.

Este primeiro número conta com artigos de José Carlos Francisco, Sérgio Madeira de Sousa, Pedro Cleto, Jorge Magalhães e Mário João Marques, assim como com um pequeno texto escrito por Júlio Schneider, em jeito de homenagem à amizade em torno de Tex. Mas outros, de uma forma ou de outra, deram o seu grande contributo, permitindo que o projecto pudesse ver a luz do dia. Carlos Moreira, Hernâni Portovedo, Orlando Silva, António Guerreiro, Jorge Machado Dias, Dorival Lopes (e a Mythos), Gianni Petino e todas as mulheres texianas, foram baluartes fundamentais. A todos o Clube Tex Portugal agradece!

Apesar desta paixão, nada teria sido possível sem o apoio dado pela Sergio Bonelli Editore, que não cansamos de sublinhar, particularmente Davide Bonelli e Mauro Boselli, a quem o Clube Tex Portugal agradece eternamente. E é também um enorme motivo de orgulho poder contar, na capa deste primeiro número, com um desenho exclusivo de um grande talento, Andrea Venturi. Um grande desenho de um grande desenhador, desde o início ao nosso lado. Grazie mille Andrea!

Leiam, releiam, comentem, sugiram, pois a participação de todos é fundamental para juntos podemos fazer cada vez mais e melhor. Sem qualquer presunção, humildemente queremos alimentar o sonho e a paixão.

Clube Tex Portugal

Ilustração a preto e branco de Andrea Venturi para a capa da edição nº 1 da revista do Clube Tex Portugal

(Para aproveitar a extensão completa  das imagens acima, clique nas mesmas)

0

El Muerto na arte de Ronald Guimarães

outubro 23, 2014

El Muerto na arte de Ronald Guimarães

Por José Carlos Francisco

Ronald Guimarães

O blogue português do Tex apresenta hoje o mais recente trabalho dedicado ao mundo de Tex, da autoria de Ronald Guimarães: Paco Ordoñez, mais conhecido como El Muerto.

El Muerto é famoso na saga do Ranger por causa do mítico duelo, contra Tex Willer, ocorrido no cemitério de Pueblo Feliz e que teve um velho medalhão musical como “juiz”. Trata-se do mais inolvidável duelo da saga de Tex, numa das mais valorizadas histórias pelos leitores, em toda a vida de Tex Willer e que foi escrita por Guido Nolitta e desenhada, magistralmente, por Aurelio Galleppini, que encantou e continua a seduzir todas as gerações de Texianos, como é o caso do Ronald Guimarães.


Voltando a Ronald Guimarães, conforme se pode ver na entrevista concedida em exclusivo ao nosso blogue (e que pode ser vista na íntegra, clicando AQUI) o interesse de Ronald Guimarães por Tex aconteceu em 1980, quando ainda garoto, mas já sendo fã de banda desenhada, em especial de Conan desenhado por Buscema, ao procurar alguns números antigos do seu herói natural da fantasiosa Ciméria, encontrou em casa de um seu amigo um exemplar de Tex, mais precisamente o número 111, “Ao Sul de Nogales“, que de imediato o fascinou sobretudo a nível do desenho, tendo inclusive Giovanni Ticci (o desenhador da história em questão) passado a ser a partir daquele momento uma grande inspiração para Ronald Guimarães.

Ronald Guimarães, inclusivamente sempre diz a quem lhe pergunta sobre o seu trabalho de desenhador, que se não fosse por causa de Giovanni Ticci não estaria fazendo o que faz hoje em dia, pois Ticci com o seu Tex em particular, com cenários incrivelmente bem feitos e com uma naturalidade física sem igual nos seus desenhos é que o levaram para onde está, profissionalmente falando.


Hoje em dia, para além de Ticci, fica também impressionado com Claudio Villa e Corrado Mastantuono e sempre busca também por trabalhos realizados por estes artistas italianos da Casa Bonelli.

Mas para conhecer melhor este talento brasileiro, inclusive ver várias outras artes suas, não deixe de visitar o seu blogue em http://www.ronaldguimaraes.blogspot.com/

(Para aproveitar a extensão completa das imagens acima, clique nas mesmas)

0

8ª. EXPO-TEX DE JAMPA CITY – 1 e 2 de Novembro

outubro 22, 2014

8ª. EXPO-TEX DE JAMPA CITY
-
1 e 2 de Novembro

A 8ª. Expo-Tex de Jampa City é um encontro anual de coleccionadores brasileiros da Região Nordeste realizada desde 2005 por G. G. Carsan, um coleccionador da revista de faroeste Tex, criado na Itália em 1948 por G. L. Bonelli e Aurelio Galleppini, e publicado ininterruptamente no Brasil desde 1971 em várias colecções, cuja  principal está actualmente no número 540, publicado pela Mythos Editora. Acontece nos dias 1 e 2 de Novembro, das 10 às 22h, no Espaço Cultural José Lins do Rego, em João Pessoa, Paraíba.

O tripé de sustentação do evento é reunir os coleccionadores, divulgar a mítica personagem italaina e incentivar a leitura, acções que vêm ocorrendo com sucesso cada vez maior, principalmente depois que iniciou a parceria com o HQPB – Quadrinhos e Cultura Pop da Paraíba, que promove grandes eventos.

A cada edição, o coleccionador G. G. Carsan apresenta colecções, revistas Tex especiais importadas, livros sobre a personagem, os próprios livros que escreveu sobre Tex, além de originais, pósters, banners, vídeos e objectos de estimação de coleccionadores. É uma extensa lista, onde se destacam as edições Tex da Editora Mondadori (revistas gigantes, capa dura, coloridas, papel excelente), livros italianos sobre Tex, edição especial feita por Joe Kubert em francês, o álbum de cromos do Tex, revistas dos anos 50, revistas dos anos 70 em formatos que deixaram de ser publicados, o raro álbum O Ídolo de Cristal, as revistas nº 1 de cada colecção publicada no Brasil.

Para quem é novo no mundo das revistas de banda desenhada, para quem está chegando agora, Tex é uma personagem de quadradinhos de faroeste, um Ranger do Texas, que cavalga por todo o Sudoeste americano e até nos países vizinhos fazendo justiça. As suas revistas têm 110 páginas e as aventuras geralmente preenchem 2 revistas, mas ocorrem variações e pode ser em uma ou em três ou quatro. Tex tem um filho mestiço (filho do seu relacionamento com a índia Lilyth, dos Navajos) e mais dois grandes amigos: Kit Carson e Jack Tigre. Por causa do casamento índio, ele tornou-se o Chefe dos Navajos, uma nação indígena americana. Formado o quarteto, são invencíveis em astúcia e em coragem, em rapidez e em pontaria, em ética e em amizade. Porém, a maioria das aventuras é formatada com a dupla Tex e Carson.

Um dos factores da revista se sustentar tanto tempo nas bancas é que as aventuras são encorpadas. Dá tempo de desenvolver um bom roteiro. Assim temos enredos, personagens e desenhos fantásticos, maravilhosos, inesquecíveis.

E a Expo-Tex é um bom caminho para os texianos se sentirem  em casa  e para os novos leitores descobrirem esse universo. Nesta 8ª. edição haverá uma palestra com a presença do Editor de Tex no Brasil, o Presidente da Mythos Editora (S. Paulo) Dorival Vitor Lopes, que vem conhecer os seus clientes e travar um debate com os visitantes (coleccionadores, jornalistas, desenhadores, argumentistas), além de trazer as novidades do mercado texiano e provavelmente anunciar alguma nova personagem no mercado brasileiro para o ano de 2015. Presença confirmada de Jesse Bicodipena, Presidente do Clube Tex Brasil e mesa moderada pelo Editor de Cultura do Jornal da Paraíba Audaci Júnior.

Por isso, convidamos os amantes brasileiros de quadrinhos para prestigiar o HQPB e marcar uma visita no stand da Expo-Tex, que estará aberto para receber a todos, com alegria e amizade. Sugerimos acompanhar as notícias e informações nas mídias sociais. Tags: 8ª. Expo-Tex de Jampa City, Tex Willer, G. G. Carsan, HQPB 2014.
Compre e Defenda essa ideia: HQ (BD) é Cultura!


PROGRAMAÇÃO DA 8ª. EXPO-TEX DE JAMPA CITY
LOCAL: ESPAÇO CULTURAL – MEZANINO 2

> DATA: 01 NOVEMBRO 2014
10 HORAS – ABERTURA DOS TRABALHOS
15 HORAS – ROLÉ NO EVENTO DE COSPLAY DO TEX
16 ÀS 17 HORAS – MOMENTO ONLINE – GRAVAR VÍDEOS E PUBLICAR NAS MÍDIAS
18 ÀS 20 HORAS – PALESTRA E DEBATE – (TEX, DO P/B ÀS CORES-COLECÇÕES)
20 ÀS 21 HORAS – SESSÃO DE FOTOS COM VISITANTES
21 HORAS – SAÍDA PARA JANTAR EM CHURRASCARIA (BIFES DE 3 DEDOS DE ALTURA COM UMA MONTANHA DE BATATAS FRITAS, REGADAS COM MUITA CERVEJA GELADA. (HAVERÁ TRANSPORTE PARA TRASLADO).

>  DATA: 02 DE NOVEMBRO 2014
10 HORAS – REABERTURA DOS TRABALHOS
11 HORAS – EXIBIÇÃO DE FILME DO TEX – LOCAL: STAND
14 HORAS – SESSÃO DE FOTOS COM OS PRESENTES
16 ÀS 17 HORAS – MOMENTO ONLINE – GRAVAR VÍDEOS E PUBLICAR NAS MÍDIAS
17 HORAS – CONCURSO DE COSPLAY
19 HORAS – SORTEIO DE BRINDES COM COLECCIONADORES
20 HORAS – SORTEIO DA CAIXA DE REVISTAS DA MYTHOS EDITORA
21 HORAS – ENCERRAMENTO

(Para aproveitar a extensão completa das imagens acima, clique nas mesmas)

0

As críticas do Marinho: “Tex Anual 15 – O Deus Canibal” (“Alaska!” no original)

outubro 21, 2014

As críticas do Marinho:
.
Tex Anual 15 – O Deus Canibal
.
(“Alaska!” no original)

Por Mário João Marques

Os cenários do grande norte têm sido palco de inesquecíveis aventuras texianas. Boselli assinou com Font em “Nei Territori del Nordovest’” uma bela história, Venturi desenhou para Nizzi “Le Foreste dell’Oregon” e, recuando mais no tempo, encontramos “Trapper” escrita por G.L. Bonelli e desenhada pelo “romântico” Nicoló. Sem recorrer a material de apoio, assim de repente lembramo-nos destas três excelentes aventuras, correndo o risco de deixar para trás muitas outras, onde o leitor sempre se identificou com a grandiosidade e agressividade de um cenário que alterna com os mais clássicos do velho oeste e onde Tex, vestindo sempre o seu casaco de pele, surge em perfeita harmonia com as condições naturais.

Mas se a excepção confirma a regra, este “Alaska!” vem comprovar que nem sempre o grande norte é cenário para grandes aventuras.
Na pequena localidade portuária de Stika, no Alasca, uma controvérsia opõe a comunidade local e a tripulação do navio “Matilda”, chefiada pelo capitão Roscoe, à tribo índia Tlingit do chefe Kowee. Gros-Jean chama Tex e Carson para auxiliarem a resolver uma querela que parece ter origens em factos pouco fundamentados e que cada uma das partes acusa a outra de ter cometido. Quando algumas jovens índias são raptadas, tudo parece desmoronar-se rumo a uma guerra entre as partes, mas na origem estão os índios Kutchtaga, espíritos malignos da floresta que parecem adorar um monstruoso deus canibal.

Já diz o velho ditado popular que “pau que nasce torto tarde ou nunca se endireita” e esta aventura parece fazer justiça a tamanha sabedoria popular. Tudo começou na escolha do desenhador, o argentino Angel “Lito” Fernandez, contratado por Sergio Bonelli para um Texone, mas acabando por ver esta aventura ser publicada num Maxi, depois da editora ter visualizado as primeiras páginas do seu trabalho. Fernandez é um artista de renome internacional, artistas como Carlos Gomez ou Domingo Mandrafina começaram no seu estúdio, trabalharam com ele, mas nesta aventura o autor argentino parece ter investido muito pouco.

Habitualmente, Fernandez entrega a realização dos esboços a outros autores do seu estúdio, compondo e realizando a arte final. Eventualmente, terá sido por isso que toda a aventura resulta graficamente num trabalho inconstante, alternando páginas bem desenhadas com outras que respeitam muito pouco a série. O desenho nunca é uniforme, onde por vezes há detalhe falta equilíbrio, assim como quando os cenários do grande norte são grandiosos a fisionomia e sobretudo a ergonomia das personagens denota falhas de composição dificilmente explicáveis.

Por outro lado, o argumento, apesar de situado num patamar acima do desenho, acaba por ficar refém deste. Bem construída nas primeiras cem páginas, a aventura acaba por baixar drasticamente de qualidade quando Tex e Carson se embrenham na floresta em busca das jovens desaparecidas. Aqui tudo se arrasta, muito por culpa de diálogos extensos e sobretudo muito frequentes. Boselli é um autor de extensa cultura, sobretudo neste tipo de argumento que se baseia nas crendices, na feitiçaria, nas superstições, jogando com mitos e demónios e que a saga Dampyr é um perfeito e conseguido exemplo.


Mas Tex tem os seus próprios códigos, sobretudo tem um ritmo particular e que vem provando ao longo de décadas. Tex nunca tem papel decisivo na acção, Gros Jean simplesmente não é a mesma personagem que o leitor conhece e aprecia, apenas Carson parece de alguma maneira fiel e identificável. Pelo meio uma multidão de personagens, todas sempre com muito que dizer, uma jovem índia cujo coração é disputado pelo valoroso guerreiro Kwayan e pelo capitão Roscoe, de quem está apaixonada, havendo ainda lugar para entrar em cena uma ridícula criatura gigante.


Escrevendo os seus argumentos em sintonia com os desenhadores e à medida que vai visualizando o trabalho apresentado por estes, rezam as crónicas que Boselli quis desistir desta história depois de Fernandez ter enviado as primeiras páginas. Desmotivado, tentou ainda fazer o melhor, mas a verdade é que o estado de espírito influencia sobremaneira a criatividade do autor, acabando por afirmar ser este o seu pior trabalho. As séries, ao longo dos anos, evoluem também por força de obras menos conseguidas, os autores nem sempre acertam. Por tudo isso, importa realçar a humildade e sobretudo a honestidade do autor perante o leitor, o que não é de somenos.


(Para aproveitar a extensão completa das imagens acima, clique nas mesmas)

1

Criada a COMUNIDADE do CLUBE TEX PORTUGAL no Facebook

outubro 20, 2014

Criada a COMUNIDADE do CLUBE TEX
.
PORTUGAL
no Facebook

Por José Carlos Francisco

Criada a COMUNIDADE do CLUBE TEX PORTUGAL no Facebook

Muito recentemente Tex Willer passou a dispor de uma página oficial no Facebook, página essa administrada pela própria redacção do Ranger na Sergio Bonelli Editore e onde se encontra, dia após dia, as novidades, a história, os eventos e alguns processos de trabalho do nosso imparável Tex, passando o mítico Ranger a cavalgar também pela fronteira da web e a partir de hoje, dia 19 de Outubro de 2014, também o Clube Tex Portugal tem uma COMUNIDADE!

Comunidade essa que visa estimular a interacção entre os sócios (e não sócios) no grupo do Facebook mas também fora dele, potenciando a criação de eventos texianos espontâneos por parte dos membros da comunidade e que é gerida pela própria Direcção do Clube Tex Portugal, mais precisamente pelo Secretário Carlos Moreira, já que também o neófito Clube não podia, mais cedo ou mais tarde, evitar enfrentar a nova Fronteira da velha Web, imitando o próprio Ranger criado em 1948 por G. L. Bonelli e Aurelio Galleppini!

Então, prezados texianos (sócios e não sócios), o blogue do Tex convida-vos a colocar um “gosto” na comunidade Facebook, onde encontrarão tudo que diga respeito ao Clube Tex Portugal, mas também muito sobre o próprio Ranger bonelliano, já que se trata de uma iniciativa destinadas aos fãs e coleccionadores de Tex Willer e que visa um maior convívio entre os admiradores do Ranger!

Para aceder à Comunidade do Clube Tex Portugal no Facebook, clique AQUI!

Tex cavalga pelo Facebook

(Para aproveitar a extensão completa das imagens acima, clique nas mesmas)

2

Collezione storica a colori nº 199 – Nelle mani di Mefisto

outubro 19, 2014

Tex nº 199NELLE MANI DI MEFISTO


3

Portugal – Edições da Mythos Editora à venda em Outubro

outubro 18, 2014

Portugal – Edições da Mythos Editora à venda
.
em Outubro

Relação das revistas da Mythos Editora, distribuídas em Portugal, pela VASP – Distribuidora de Publicações Lda, para o mês de OUTUBRO de 2014:

TEX 501
Os justiceiros de Vegas
Texto: Mauro Boselli – Desenhos: Corrado Mastantuono

História originalmente publicada em Tex italiano 601

A pequena cidade de Vegas, no Novo México, passou a ser uma localidade tranquila e ordeira depois que os seus cidadãos passaram o comando da lei e da ordem para dois pistoleiros de saque rápido: Hoodoo Brown e Dave Mather. Longe dali, Tex e seus parceiros liquidam uma quadrilha de assaltantes e descobrem que dois elementos do bando escaparam e que podem estar em Vegas. Ao se dirigirem para lá, os nossos heróis começam a desconfiar que há algo de podre no reino de Brown e Mather.
3,40€

TEX COLEÇÃO 293
Horas de angústia

Texto: G. Nolitta – Desenhos: F. Fusco

História originalmente publicada em Tex italiano 241

Na cidadezinha de Cortez, Tex e Kit Carson desenvolvem investigações tanto sobre uma quadrilha que tempos atrás assaltou o banco de Norwood quanto sobre os misteriosos Cavaleiros da Justiça que, por erro, lincharam o Ranger Tony Regan. Contra os dois amigos movem-se algumas personagens sinistras de Cortez: o barman John Stilwell, o armeiro Pat Blummer, o jogador Ted Richmond e Rick Anderson, dono de uma estrebaria. Eles se propõem a ajudar quatro ladrões capturados por Tex e Carson a escapar da cadeia para atiçá-los contra os dois Rangers.
3,40€

ALMANAQUE TEX 46
O sequestro
Texto: Tito Faraci – Desenhos: Orestes Suarez

História originalmente publicada em Almanacco del West 2014

Um noivo é sequestrado na véspera do dia do casamento! É questão de honra para Tex tirá-lo ainda vivo das mãos dos sequestradores e, assim, limpar as lágrimas do rosto da jovem e bela noiva. Mas o caso não é assim tão simples quando de trás de cada árvore da floresta despontam rifles que vomitam chumbo!
4,00€

.

.

TEX OURO 70
Rumo ao Forte Apache

Texto: Mauro Boselli – Desenhos: José Ortiz

História originalmente publicada em Tex italiano 458 a 460

O apache rebelde Chunz está arregimentando guerreiros de diversas tribos para desencadear uma rebelião contra o Exército americano. A fim de resgatar alguns navajos que fugiram da reserva para se unir a Chunz, Tex e Jack Tigre chegam à região do Forte Apache. Ao mesmo tempo, uma patrulha de soldados está conduzindo a srta. Starrett ao forte, onde ela deverá encontrar-se com o seu noivo, o tenente Eddie Parkman. Porém, a patrulha cai numa cilada armada por Chunz e só a chegada providencial de Tex e Tigre poderá salvar os soldados de um massacre.
11,00€

TEX EM CORES 19
O Coiote Negro
Texto: G. L. Bonelli – Desenhos: Aurelio Galleppini

No Arizona, uma misteriosa personagem intitulada Coiote Negro está a usar os pacíficos índios pueblos para praticarem assaltos e crimes. Intrigado, Tex começa a investigar e descobre uma grande armação envolvendo homicídios e roubo de identidades ligados a figuras insuspeitas da cidade de San Rafael.
Tudo isso com as maravilhosas cores desta que é a mais bela colecção de Tex já feita no mundo.
15,00€

.

.

ZAGOR 152 (AGORA COM 192 PÁGINAS)
Sombras na floresta
. Texto: Moreno Burattini. Desenhos: Gallieno Ferri
Quem são as terríveis criaturas com o corpo deformado que vagam pela floresta? Para responder a essa pergunta, Zagor deve enfrentar o monstruoso Polifemo, enquanto o doutor Sand sai à procura de Tabitha, a índia pela qual está apaixonado e que desapareceu misteriosamente da casa do médico.

A maldição da lua cheia. Texto: Moreno Burattini. Desenhos: Joevito Nuccio
Terence Clemons, um professor de escola e velho amigo do doutor Metrevelic, pede ajuda a Zagor e a Chico para resolver o mistério das mortes inquietantes atribuídas a um lobisomem! No vilarejo reina o terror na espera da iminente noite de lua cheia.
Histórias originalmente publicadas em Zagor italiano 533 e 534

8,00€

ZAGOR EXTRA 116 (AGORA COM 192 PÁGINAS)
No majestoso Amazonas
Texto: Mignacco/Burattini. Desenhos: Ferri/Laurenti
A aventura com os cortadores de cabeça conclui-se, e Zagor e Chico partem em busca das amazonas, de quem esperam receber ajuda na caçada a Dexter Green. No maior rio do mundo, de forma inesperada, um inimigo considerado morto volta à cena.

As mulheres guerreiras
Texto: Burattini. Desenhos: Laurenti
Os homens de Dorival e Barranco, que mantêm Chico e o botânico Spruce reféns, batem a floresta à caça das amazonas. Mas quem encontra as misteriosas mulheres guerreiras é Zagor, e ele descobre, com surpresa, que uma delas é uma velha conhecida!
Histórias originalmente publicadas em Zagor italiano 567 e 568
8,00€

AVENTURAS DE UMA CRIMINÓLOGA 108 (AGORA COM 260 PÁGINAS)
Amor doentio
Texto: G. Berardi e M. Mantero. Desenhos: Laura Zuccheri
Dois anos se passaram desde o último dramático encontro, mas nada parece ter mudado a mórbida ligação entre Júlia Kendall e Myrna Harrod. A sanguinária assassina em série, apesar de ficar à sombra, não parou de fazer novas vítimas: oculta sob uma identidade de enfermeira, ela está lentamente abalando a vida da família Williams.

À margem da vida
Texto: G. Berardi e L. Calza. Desenhos: Enio & Piccioni
Júlia é testemunha casual do homicídio praticado por dois marginais contra um motorista de autocarro. O que levou dois jovens mexicanos a cometer esse gesto atroz? A criminóloga de Garden City só poderá descobrir entrando nos perigosos conjuntos habitacionais do bairro Dente-de-Leão.
Histórias originalmente publicadas em Júlia italiana 110 e 111
9,00€

JUIZ DREDD MEGAZINE 2

A JUSTIÇA CHEGA AOS QUIOSQUES PORTUGUESES! A Mythos lança no nosso país Juiz Dredd Megazine nº 2 e continua a resgatar o melhor do quadradinho britânico. Imagine uma publicação que reúna mensalmente autores do calibre de Alan Moore, Dave Gibbons, Brian Bolland, Pat Mills, Dan Abnett, John Wagner, Carlos Ezquerra e outros expoentes das BDs, trazendo o melhor da produção aos quadradinhos inglesa nos últimos 20 anos. Esta é a proposta de Juiz Dredd Megazine, nova revista mensal da Mythos Editora. Encabeçada pelo truculento e implacável Juiz Dredd, a publicação reúne histórias lançadas nas tradicionais revistas britânicas 2000 AD e Judge Dredd Megazine, e mescla personagens como o guerreiro bárbaro Sláine, a séries como Área Cinzenta, Nikolai Dante, Áquila, Distorções Temporais e outras.

Com 68 páginas em papel couchê e formato magazine, Juiz Dredd Megazine surge como uma opção aos tradicionais quadradinhos de super-heróis americanos, enveredando pela ficção científica e pela fantasia, com enredos criativos, muita acção e pitadas do subtil humor britânico.
3,50€

(Para aproveitar a extensão completa das imagens acima, clique nas mesmas)

1