O gigante, talentoso e incansável Bira Dantas

.
Por Ezequiel Guimarães

O dia: 15.
O mês: Fevereiro.
O ano : 2012.

Pela manhã, lá vou eu pegar a estrada em direcção a uma das maiores cidades, senão a maior, do interior paulista: Campinas, que dista em torno de 80 km da cidade de São Paulo (capital do Estado com o mesmo nome), para fazer uma visita ao afamado, conceituado e premiado artista Bira Dantas, cujo trabalho considero admirável.

Uma de suas produções mais conhecidas (e paixão) é a caricatura. Esse tipo de produção artística, a criativa “deformação” das pessoas retratadas sempre me atraíram (tanto as deformações de carácter homenageatório – característica do trabalho de Bira, como as deformações com conotação satírica, notadamente sobre a área política). É um talento que poucos possuem para realizar, e mais difícil ainda ser um trabalho de notável qualidade (e mestre Bira tem esse talento de sobra).

Esse tipo de trabalho comecei a admirar inserido em charges e cartuns no saudoso Folhetim, na década de 70 do século passado. Ele era um suplemento inserido nas edições dominicais do jornal Folha de S. Paulo, e trazia trabalhos magistrais de grandes nomes do género, como Jota e Fortuna (isso em sua fase inicial e mais popular, apesar do conteúdo político. Depois começou a ficar mais intelectualizado e com extensos artigos económicos e políticos, perdendo o charme dos velhos tempos).

Muitos leitores habituais deste blogue conhecem apenas essa faceta caricaturista do Bira, já que ele realiza caricaturas fantásticas dos autores italianos entrevistados aqui no blogue, sendo que em cada entrevista publicada no Blogue do Tex, já se tornou uma marca registada e um atractivo à parte as belíssimas caricaturas do Bira. Tanto que na Itália os que vão ser entrevistados já perguntam sempre ao José Carlos (co-criador e co-gestor deste blogue) se a entrevista vai realmente ter a caricatura deles, pois fazem questão e esperam com ansiedade serem caricaturados pelo grande Bira.

Isso demonstra a qualidade do trabalho de Bira Dantas, pois conseguiu despertar grande interesse até nos mestres italianos da arte sequencial, renomados autores texianos.

Mas não é só a caricatura que recebe as mãos mágicas de Bira, pois ele tem um extenso currículo, e é um prolífico multi funcional profissional: além de caricaturista, é chargista, ilustrador, argumentista e roteirista.

Foi desenhador da famosa revista em quadradinhos “Os Trapalhões” (da Bloch Editores), tem vários trabalhos publicado pela Escala Educacional, como as adaptações literárias em quadradinhos Memórias de um Sargento de Milícias, Dom Quixote (que lhe rendeu um HQMix) e O Ateneu, bem como diversos outros trabalhos, actuando inclusive na área de material político, com belíssimos desenhos.

Também tem exposto os seus trabalhos rotineiramente em várias partes do mundo, inclusive chegou a participar de uma mostra exclusiva de personagens catalãs em Barcelona. Também desfila a sua arte pelos sindicatos dos quais é contratado: Sinergia, Sindipetro e Sindae.

Além de tudo isso, ainda sobra tempo para dar aulas!! Haja fôlego!!! Ele se preocupa em passar o seu talento e conhecimento às novas gerações, sendo professor de charge, cartum e caricatura na Escola de Arte Pandora, na cidade que reside, Campinas (o telefone para contactos é 3234-4443).

Com essa vasta experiência profissional (e de alta qualidade), Bira é também um profissional multi-premiado (como não poderia deixar de ser): já recebeu o título de Mestre no prémio Angelo Agostini, bem como vários HQMix. Além de várias outras premiações internacionais, em vários países como Turquia, China e Sérvia.

Todo esse reconhecimento vem da alta qualidade do trabalho, qualidade que tem um segredo simples: a paixão!!

Sim, a paixão que Bira tem no que faz. Ele é tão apaixonado por seu trabalho, que em suas viagens internacionais, não perde a oportunidade de conhecer o trabalho de outros colegas de profissão. Já esteve na Holanda, Inglaterra, Escócia, e Coreia, e sempre foi ver de perto o que estava sendo produzido nesses locais. E o que também já havia sido produzido, pois não deixou de visitar os afamados Museu do Cartum em Londres, e o Scottish Museum, em Edimburgo, na Escócia, por exemplo.

Ele recebeu-me simpaticamente em sua residência e logo com um tradicional e saboroso café, e de pronto começamos uma saborosa conversa sobre cartuns, charges, quadradinhos,etc. Bira é um profundo conhecedor e tem muitas histórias a contar.

Entre tantas que citou, por exemplo, contou que quando foi desenhador da famosa revista aos quadradinhos “Os Trapalhões” da Bloch Editores, ele realizou uma história satirizando os super-heróis norte-americanos, e devido a algumas cenas e algumas palavras, a história foi censurada (estávamos ainda sob a ditadura militar) e, ele teve que refazer o trabalho, para conseguir receber (embora não quisesse mudar nada do que tinha criado).

E mais acima nesse texto escrevi da premiação que ele recebeu na Sérvia. Pois bem, ele relatou que o  correcto para se escrever é Serbia. Bira contou que os sérvios (ou melhor serbios) detestam que os brasileiros os chamem com “v” e não correctamente com o “b”.

Também pude apreciar o mestre trabalhando no computador. Ele usa Photoshop, mas em apenas um layer, e não vários layers como muitos outros fazem. Ou seja, ele prefere tela única, fazendo “na unha” toda a cena, e não seleccionando cada elemento.

Antes, porém, como já sabia de antemão que ele era apreciador do traço do mestre Galep, presentei-o com uma história do criador gráfico de Tex que não havia saído no Tex regular no Brasil por nenhuma editora, e só chegou a sair quando surgiu a série Tex Ouro, precisamente o número 10.

Bira também é apreciador do mundo de Águia-da-noite, mas compra Tex analisando antes nas bancas os traços que compõem as imagens.

Também é apreciador de Mágico Vento, e no processo de compra, faz o mesmo procedimento de análise das imagens, antes de efectuar a compra propriamente dita (gostou muito também de outra produção bonelliana, uma das magistrais criações de Cláudio Nizzi: Leo Pulp. E teve a incrível ideia de sugerir, durante o evento Quadrinhos ´51 em São Paulo, uma edição com um Tex caricaturado – que esperamos que um dia possa existir uma edição fora-de-série assim, por que não?).

Outro grande desenhador texiano apreciado por Bira é o mestre E. Nicolò, que ele actualmente aprecia nas edições quinzenais de Tex Coleção. E citou, sabiamente, que muitos esquecem do mestre Nicolò, nas citações de grandes desenhadores texianos pela web afora. Citou que Nicolò tem um estilo fotográfico, que lembra José Luis Salinas, de Cisco Kid, embora esse tenha um componente caricatural nas personagens. Citou também que, além de Nicolò e Salinas, Magnus também consegue desenhar as personagens proporcionalmente exactas, independente da posição, ângulo, que a personagem estiver.

Por exemplo, o mesmo nariz, a mesma distância entre nariz e queixo, etc. (em ângulos variados). Algo que muitos não conseguem (mesmo outros afamados desenhadores).

Em dado momento Bira surpreendeu-me, pois após sair do recinto, retornou tocando sua gaita!! E tocou extremamente bem!! Tive o prazer de ser o único ouvinte da uma bela canção!!!!

Também tive o prazer de conhecer o Estúdio Bira Dantas (ele trabalha em dois locais: na própria residência, e no estúdio, que é anexo à residência), e as preciosidades que vem desenvolvendo no momento: está trabalhando em duas BDs: uma sobre Zumbis no velho oeste, com roteiro de Leonardo Melo (do Quarto Mundo), e também numa adaptação da famosa e clássica Ilíada (de Homero), onde inclusive o roteiro é dele. Tive o prazer de ver os belíssimos esboços e teste de rosto das personagens. Além de ver também a galeria de troféus internacionais de Mestre Bira (e sua colecção de revistas de banda desenhada e DVDs!!!).


.

E tive o prazer de receber das mãos do Bira um valiosíssimo presente: uma caricatura minha com Tex (que inseri como meu avatar na revista Mundo dos Super-Heróis)!

E não perdi a oportunidade de também colher seu autógrafo na belíssima caricatura que ele fez do conceituado Fabio Civitelli (que foi feita para a entrevista que o autor texiano concedeu ao Blogue do Tex). Essa caricatura já contava com os autógrafos do caricaturado (Fabio Civitelli), do gestor do blogue para o qual ela foi feita (José Carlos), faltava somente a do autor da caricatura (Bira Dantas), que felizmente agora não falta mais.

Além dos predicados do visitado que coloquei no início do texto, posso acrescentar agora também, o simpático, o gentil, o bom de “prosa” (como diriam os antigos),  Bira Dantas.

Muito obrigado mestre Bira, pela recepção e pelos presentes, e espero futuramente acertar uma segunda visita para nos aprofundarmos nos diversos assuntos pertinentes ao mundo ilustrado, pois o Bira tem muito a nos contar e a nos ensinar. E disponibilizarmos também para os leitores do blogue, belas canções executadas pelo Bira na gaita!!!!

Post-scriptum: Para o texto dessa matéria não ficar muito longo e cansativo, alguns assuntos foram abordados superficialmente. Então para visualizar (e ler textos sobre) obras, exposições e viagens citadas nessa matéria (além de outras magistrais obras do Mestre Bira), continue lendo sobre Bira, acessando:

CARICATURAS
http://caricasdobira.blogspot.com
http://www.caricascartunescas.blogger.com.br
http://www.raBIsqueiRA.blogger.com.br
CHARGES
http://chargesbira.blogspot.com
BD
http://domquixotehq.blogspot.com
http://www.braziliancomics.blogger.com.br
http://www.paginasnonsense.blogger.com.br
http://quadrinhosbira.blig.ig.com.br
VÁRIOS
http://bira.nafoto.net
http://biradantas.zip.net
http://www.flickr.com/photos/33172661@N00
http://rabisqueira.blig.ig.com.br

(Para aproveitar a extensão completa das imagens acima, clique nas mesmas)

10 Comentários

  1. Ezequiel e Zeca, obrigado pelo sempre bem recebido espaço aqui no Blog do TEX! Realmente é uma honra ser falado no Blog destinado a um dos maiores heróis dos Quadrinhos de todos os tempos! Obrigado.

  2. Um outro detalhe interessante: na sexta foto publicada pelo Ezequiel, tem a tela de um vaqueiro, pintada a guache por meu grande Mestre Eduardo Vetillo, ao estilo de outro grande artista de arte do Western, Frederic Remington. Pra quem não sabe (coisa difícil num blog com tantos leitores cultos como este) Vetillo foi desenhista de Chet, escrito por Wilde Portella e publicado pela editora Vecchi no Brasil. Essa tela me foi presenteada pelo Vetillo quando me visitou aqui em Campinas!

  3. Olá Grande Mestre Bira.
    Eu que agradeço a atenção, simpatia e receptividade, durante minha visita ao seu estúdio. (O mesmo valendo para nosso encontro nos eventos Quadrinhos ’51 e GibiCon).
    E muito obrigado pelas caricaturas (minha coleção está aumentando :-))
    Peço novamente desculpas pela demora em fazer/concluir a matéria, mas já expliquei o que ocorreu nos e-mails que trocamos.
    Quanto às informações sobre a ‘tela de um vaqueiro’ (Mestre Eduardo Vetillo), muito obrigado por enriquecer com mais informações minha matéria, com esse seu interessante comentário.
    Grande abraço

  4. Ótimo conhecer mais desse artista. Eu acompanho esse blog e acho que ai estão dois caras competentes. O Sr. Bira nas caricaturas e o Sr. Ezequiel nas matérias, parabéns a ambos.

  5. Muito boa a matéria! Já tive a oportunidade de ver uma caricatura do Bira Dantas em uma choperia, achei muito legal. Parabéns ao dois, o Ezequiel pelo texto e ao Bira pela trajetória profissional.

Responder a Mário Latino Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *