Lançamentos Mythos Editora: As edições Bonelli de Janeiro de 2019 (Tex, Tex Willer, Júlia, Martin Mystère e Dylan Dog)

O Blogue do Tex anuncia hoje os lançamentos brasileiros da Mythos/Bonelli para este mês de Janeiro, onde se destaca a estreia de TEX WILLER, a nova série dedicada ao jovem Tex e a centésima edição de Tex Ouro, que apresenta duas histórias completas!

Ainda no que ao Ranger diz respeito, teremos ainda Tex (regular), Tex Coleção, Tex Especial Colorido e Tex Edição Histórica, o que totaliza SEIS edições de Tex. Mas nem só Tex é publicado em Janeiro, pois também teremos edições Bonelli de Júlia, Martin Mystère e Dylan Dog, este último, a duplicar!

******************************************************************

Aventuras de uma Criminóloga 138 16 de Janeiro
Formato: 13,5 x 17,6 cm
264 páginas – R$ 24,90

OS DOIS LADRÕES
Texto: Giancarlo Berardi e Maurizio Mantero * Desenhos: Luigi Pittaluga
Retorna à cena Tim O’Leary e, como sempre, a vida de Júlia fica movimentada. O ladrão cavalheiro envolve a criminóloga de Garden City num caso pessoal e espinhoso: o seu irmão Theo, seguindo a vereda do crime de Tim, está nas mãos de uma quadrilha de criminosos que ameaça devolvê-lo em pedaços, a menos que Tim roube para eles um quadro que está guardado num cofre aparentemente inexpugnável!
REDE MORTAL
Texto: Giancarlo Berardi e Lorenzo Calza * Desenhos: Claudio Piccoli
Uma jovem e atraente jogadora de voleibol é encontrada morta. Partindo de uma análise das amizades e contactos da moça, Júlia descobre que ela levava uma vida confusa, com amantes possessivos e relacionamentos complicados, tanto dentro como fora do ambiente desportivo. Alguém, em particular, parecia interessado em prendê-la numa rede mortal.


Tex Coleção 46816 de Janeiro
Formato: 13,5 x 17,6 cm
116 páginas – R$ 9,90
CRIME NO PORTO
Texto:  Claudio Nizzi * Desenhos: Fabio Civitelli

Tex Willer e Kit Carson estão em Boston, no rasto de um traficante de armas. O chefe da poderosa quadrilha de traficantes é o rico corso Paul Beaumont, que se vale da cumplicidade do Capitão Corbett, da polícia local, e de um patife chamado Requin. É este último que os dois pards começam a seguir na fria e nevoenta noite bostoniana até caírem numa armadilha.

Dylan Dog 618 de Janeiro
Formato: 16 x 21 cm
116 páginas – R$ 26,90
O GUARDIÃO DA MEMÓRIA

Texto: Carlo Ambrosini * Desenhos: Carlo Ambrosini

Em nenhum tempo, em nenhum lugar… Só ali se pode encontrar a memória perdida: nos arquivos de um inferno, bem guardada por funcionários eficientes. Quem é realmente Gordon Skindler, um assassino comum ou um anjo caído? Talvez ele não seja desta Terra, talvez tenha traído a sua missão e escondido uma verdade terrível por trás do véu da amnésia. Talvez tenha feito tudo isso por amor, para deter as engrenagens do destino e fugir de si mesmo… do guardião da memória!

Dylan Dog NOVA SÉRIE 218 de Janeiro
Formato: 16 x 21 cm
116 páginas – R$ 26,90

LONDRES ESTÁ EM CHAMAS

Texto:  Gigi Simeoni * Desenhos: G. Casertano
Depois que Bloch se aposenta, novos eventos alteram a estrutura da Scotland Yard e a vida do Investigador do Pesadelo. Entra em cena o inspector Carpenter e, por ordem dele, Dylan deve devolver, de forma definitiva, a antiga identidade funcional de policial. Como se não bastasse, DyD é levado algemado à Central de Polícia enquanto, nas ruas de Londres, explode a revolta, violenta e mortal!


Tex 59121 de Janeiro
Formato: 13,5 x 17,6 cm
116 páginas – R$ 9,90
CORAÇÃO APACHE

Texto:  Pasquale Ruju * Desenhos: Ginosatis
Johnny Wharton é um menino apache que, após ser criado por um militar, resolve voltar para a terra de seus avós. Na reserva apache de San Carlos, ele encontra-se com Tex e Carson, os quais, após expulsarem o corrupto agente indígena Barkley, nomeiam o Johnny agente temporário no lugar dele. Cheio de boas intenções, o rapaz começa a trabalhar, mas o destino tem outros planos para ele…


Martin Mystère 621 de Janeiro
Formato: 16 cm x 21 cm
100 páginas – R$ 26,90
A ESSÊNCIA DO MAL

Texto: Paolo Morales * Desenhos: Luisa Zancanella
Diana foi sequestrada e está nas mãos do mestre indiano Asoka Surya e dos seguidores de uma sinistra e obscura seita.
Após uma frenética busca, Martin Mystère consegue descobrir o cativeiro da sua noiva.
Mas ele sozinho não conseguirá salvá-la de um destino trágico. E Java não pode ajudar.


Tex Edição Histórica 10724 de Janeiro
Formato: 13,5 x 17,6 cm
232 páginas – R$ 27,90
OS ENCAPUZADOS
Texto:  G. L. Bonelli * Desenhos: F. Fusco
Em Nogales, um comerciante sem escrúpulos usa um bando de facínoras encapuzados para aterrorizar os rancheiros da região e obrigá-los a vender as suas terras por um preço vil. Chamados para intervir, Tex e Carson compram uma fazenda incendiada pelos fora-da-lei com o objectivo de atrair e prender o especulador.

Tex Ouro 100 24 de Janeiro
Formato: 13,5 x 17,6 cm
332 páginas – R$ 29,90
INTRIGA NO KLONDIKE
Texto: Mauro Boselli * Desenhos: Miguel Angel Repetto
No encalço de dois assassinos impiedosos, Tex e Carson chegam ao Canadá e ali eles encontram o Sargento Lafferty, da Polícia Montada Canadiana, que está preocupado com o destino de seu colega, Cabo Ryan, que deveria testemunhar num julgamento em defesa do esquimó Ayaklut, acusado pelo homicídio de um outro jaqueta vermelha. Sem o testemunho, Ayaklut é condenado à morte, mas consegue fugir. Na caçada que se inicia, Tex e Carson começam a ver que há muita gente interessada em calar o esquimó, indicando que o assassino pode ser outro.
ONDE MORA O MEDO
Texto: Claudio Nizzi * Desenhos: Fernando Fusco
Poucos quilómetros além da fronteira do Arizona com o México fica o povoado de Moctezuma, lugar dominado pelo latifundiário Diego Villalta. O tirano explora os seus empregados e faz-os passar fome. Quem ousa rebelar-se contra a opressão é morto pelos seus capangas. Até que Tex chega ao local para restabelecer a justiça e dar uma dura lição no pequeno tirano.
Para comemorar a centésima edição, uma edição de 332 páginas, com duas excelentes aventuras.

Tex Especial Colorido 12 –  30 de Janeiro
Formato 160 x 210
160 páginas – R$ 27,90
Um volume inteiramente colorido com cinco histórias curtas que levarão o Ranger a encarar um pianista perigoso, uma estranha aliança entre um jovem e vingativo pistoleiro e uma quadrilha de bandidos chefiados por um louco, um bando de caçadores de recompensa sedentos por justiça sumária, uma sangrenta intriga entre cowboys e um covil de serpentes venenosas aninhadas num pequeno vilarejo.


Tex Willer 131 de Janeiro
Formato: 16 x 21 cm
68 páginas –
R$ 14,90
VIVO OU MORTO
Texto: Mauro Boselli * Desenhos: Roberto De Angelis
Setenta anos depois da sua entrada em cena, reencontramos Tex seguido por xerifes e caçadores de recompensa no primeiro número de uma nova série, rápida e seca como um tiro de espingarda, que narrará os episódios desconhecidos da juventude do herói! Neste episódio inicial, de autoria de Boselli e De Angelis, descobrimos factos jamais contados da histórica primeira aventura de Tex, O Totem Misterioso, com o nascimento do ódio entre Tex e o sujo Coffin e a história trágica da bela índia Tesah, em meio a tiroteios, emboscadas e galopadas a toda do jovem cavalo de raça Dinamite!


(Para aproveitar a extensão completa das imagens acima, clique nas mesmas)

43 Comentários

  1. Fantástico! Finalmente a Mythos, o Dorival, está entendendo, que a era do formatinho, é muito obsoleto, utrapassado!…
    Valeu Zeca!!!

  2. Pard José Carlos, tu sabes qual é o preço da revista Tex Willer número1; pois não aparece o valor na descrição?

  3. A capa do Tex Ouro 100 merecia um pôster, promete ser um excelente ano para o Tex…

  4. Vejo ainda leitores/colecionadores das série de Tex fazerem críticas pueris, no meu ponto de vista bom mesmo é termos sempre boas histórias, não importa que seja em formatinho ou não, ainda há leitores que ficam reclamando porque ainda sai em formatinho.

  5. Tex mensal a partir do 601 e Tex Coleção a partir do 501 em formato italiano daria certo.
    Tex Ouro, Histórico e Platinum ficaria muito caro.
    Zagor mensal formato italiano daria certo.

  6. Gostaria de parabenizar a Mythos por manter a estética original da capa da nova série Tex Willer, clean e elegante, sem poluição desnecessária. Também no aguardo do preço dessas 68 páginas.

  7. Já penso ao contrário, sou leitor de Tex desde 1977, e gosto muito do formatinho e em preto e branco… mas também gosto demais das coloridas, enfim, tudo que se refere a Tex, vamos prestigiar! Parabéns à Mythos pelos lançamentos!

  8. Quero saber mesmo em qual mês será a republicação de Julia em formato Bonelli.

    Quero muito comprar Tex Willer, o problema é que mesmo com 60 páginas deve ser um 20 reais.

    Tipo Dylan Dog que com 100 páginas estão cobrando 27, a Lorentz lançou com um melhor acabamento por 16. Eu queria muito que uma editora melhor e séria, tipo a Pipoca e Nanquim tivesse os direitos da Bonelli.

  9. Discordo do caro Antonio, Platinum não ficaria caro no formato Bonelli, ficaria caro pelo fato da Mythos cobrar demais os leitores. A Panini lança jojo com mais de 300 páginas, com orelhas, papel off set e verniz na capa por 29. Enquanto a Mythos lança Platinum com papel jornal por 26.

  10. Um pequeno aparte…
    Aqui no Blogue do Tex aceita-se todo o tipo de comentários, assim como críticas a quem quer que seja, inclusive aos próprios responsáveis do Blogue, desde que os comentários/críticas não sejam mal educados ou insultuosos.
    Nesses casos os comentários passarão a ser moderados ou até retirados.
    Este Blogue tem 13 anos de vida, de muito sucesso e respeitabilidade sendo uma referência MUNDIAL no que a Tex/Bonelli diz respeito e este caminho é para manter, daí o aviso, porque temos milhares de visitantes que nos prestigiam diariamente, desde “simples” leitores, até autores e editores e não queremos tornar este blogue num lugar de insulto.
    Quem vier cá para isso, pode ir embora, não precisamos desse tipo de visitantes…

  11. Eu sou convicto da boa vontade e honestidade da Mythos Editora. Sei das dificuldades de manter uma publicação e levar para as bancas. Tudo no Brasil é caro, quanto ao preço menor em outras editoras verificamos que são lançamentos com poucas ediçoes. Acredito que se essas novas editores publicassem com maior sequência os preços seriam mais caros, basta ver os últimos lançamentos do Fantasma, são várias tentativas sem longa sequência.

  12. As coleções da Salvat sofreram novo reajuste para 47,90. Infelizmente é a nossa realidade, há pouco tempo era 39,90 hoje Tex Gold e HomemAranha Definitiva estāo carissimos, quanto a Mythos ė muita coragem publicar tanto material do Tex. Espero sucesso e fidelidade dos colecionadores.

  13. José, esse comentário foi para mim? Se sim, eu reclamei educadamente dos preços em que a Mythos igual a Panini Brasil cobram, aproveiram da fidelidade dos fãs para cobrarem muito alto, isso prejudica a própria Mythos. Se Dylam Dog fosse, por exemplo, 16 Reais, que ao meu ver seria o preço justo pelo número de páginas, mais pessoas comprariam, o personagem alcançaria o maior público possível. Eu não estou aqui para defender a Mythos e sim a Bonelli, quero que o máximo de pessoas, de todas as classes sociais a leia.

    Se você for de Portugal, nâo sei se sabe, mas o Brasil está há anos em uma terrível crise financeira, cobrar o dobro do que era para ser cobrado exige muito dos fãs, afinal todos nós temos outras prioridades, pagar aluguel, comprar alimentos, roupas, faculdade.

    Então não se deve dizer amém para erros de editoras, aqui está tendo um grande boicote contra a Panini por ter anunciado Thor por volta de 25 Reais e quando foi para as bancas ela colou uma etiqueta por cima colocando o valor por 41 Reais, isso é justo? Mas segundo alguns daqui e outros sites não se pode reclamar das editoras cobrando altos preços. Isso só prejudicará os próprios personagens e suas revistas.

    • Prezado Hercule Poirot,
      O comentário que eu escrevi não foi dirigido a ninguém especificamente e foi a todos em geral… por vezes num comentário basta um pequeno insulto ou má educação, mesmo que sem intenção, que logo há quem “aproveite” para elevar a discussão para patamares obscenos gerando um clima nada compatível com o que se pretende… e que os responsáveis deste Blogue, que prima pela educação, não aceitam…
      Todas as críticas, são bem-vindas desde que sejam construtivas… seja para os trabalhos por exemplo do Davide Bonelli, Mauro Boselli, Claudio Villa, Dorival Vitor Lopes ou até para me criticarem pessoalmente, seja como responsável pelo Blogue, seja até na minha faceta de tradutor oficial do Tex em Portugal… ninguém está acima da crítica, só que as críticas têm que ter elevação…
      Por mim, assunto encerrado, porque sei que todos os que comentam aqui no Blogue sabem estar no seu lugar… foi apenas um alerta porque tive que eliminar um comentário muito insultuoso e não quero voltar a tomar uma posição similar para com alguém que não se sabe comportar e que pensa que por estar à frente de um computador pode dizer o que quiser…
      Abraços a todos e obrigado por prestigiarem o Blogue Português do Tex!

    • Pards Teodoro Barros e Glauber, a Mythos Editora ainda não definiu o preço da nova série “Tex Willer”.

  14. Falaram que Zagor Especial se tornaria bimestral, totalizando 6 volumes em 2019. Mas teremos apenas 5 volumes em 2019.

    Muito mal, e não vemos a Mythos a pensar num relançamento do seu segundo mais importante herói da Casa Bonelli, lamentável.

  15. Creio que esta celeuma entre a editora e parte dos leitores tem origem na falta de dados mais concretos acerca dos custos das publicações. De um lado, a editora diz que alguns títulos dão pouco ou nenhum lucro. Do outro, leitores consideram os preços abusivos. José Carlos, considero que seria oportuno dar um toque no Dorival pra abrir, ao menos um pouco e em termos gerais, essa “caixa-preta” dos custos pros leitores – por exemplo, quantos exemplares de uma determinada publicação tem que ser vendidos por mês para a editora começar a ter retorno, a média de vendas atual das publicações, quanto do preço final é ditado pelo custo do licenciamento, da gráfica, etc. Com pontos assim esclarecidos, tenho certeza que essa desconfiança dos leitores no sentido de que estão pagando preços excessivamente altos poderia ser, no mínimo, amenizada. Fica a sugestão de uma matéria abordando esse tema.

  16. A Mythos sempre, digo sempre tem preços mais altos do que outras editoras. Compare o Tex e suas publicações com revistas de outras editoras. Vou lembrar Tex é o herói que mais vende, se não for é o segundo. E os preços dos formatinhos Platinum, Gold e etc é superior a qualquer revista da Panini, JBC, New Pop, Conrad e demais. Mas isso parece ser proibido de ser falado… Tex é o personagem que mais vende no Brasil… talvez só perca para o Homem-Aranha…

  17. O editor do Tex e Bonelli se esforça ao máximo, contudo, vejo que o que encarece os gibis, é a distribuição. O editor poderia muito estar gozando uma boa aposentadoria, mas, com labor, se esforça para manter produtos Bonelli em bancas, e ninguém é obrigado a comprar. Acho que vale os preços atuais. Lembro nos anos 80-81-82 a banca onde eu comprava o Tex em Barretos recebia e vendia mais de 100 exemplares, hoje vejo na mesma banca no máximo 4 exemplares, e mesmo assim naquela época o Tex da Vecchi era muito caro.

  18. Eu espero no Tex 700 o brinde da estrela de Ranger do Tex. Se vier o encarte vou criticar muito, parece que esse brinde tem vindo para assinantes o problema é o prazer em comprar o Tex em bancas…

  19. Em resposta ao amigo Hercule Poirot… em diversas ocasiões, foi comentado que os direitos autorais dos heróis Bonelli são bem mais caros que os da Marvel, logo por gentileza e educação evite comparações com a Panini, são coisas diferentes, Chuck Dixon escrevendo Tex e Zagor rodando nos EUA mostram uma certa supremacia.
    Muitos autores americanos hoje voltam um olhar para a Bonelli, pois paga muito bem (nos Volumes de sua biblioteca rodados por aqui Don Rosa comenta que o preço pago por suas HQs dos patos oferecidos pelas editoras européias era muito acima do preço mais otimista que ele pensaria em cobrar!!)… sim é outra coisa mercado Europeu com mercado americano… outra comparação que eu sugiro evitar é o preço da Lorentz que concordo era muito bom pro meu bolso… mas o Dylan Dog da Lorentz podia ter seguido e não seguiu… será que o Adriano Lorentz concordaria hoje o preço que ele cobrou no seu DD era mesmo um preço justo comercialmente????

  20. Antonio, os editores não estão fazendo nenhum favor em lançar Tex, eles lucram e muito com um título tão grande. Tem que parar com esse pensamento de que a empresa faz favor.

    E esse pensamento de que “se não quer pegar um produto superfaturado não compre” é o que faz a Panini e a Mythos lançarem com valores tão altos. A Lorentz lançou Dylan Dog, com uma melhor qualidade por menos de 17 e o mais impressionante TIRAGEM MENOR, o que normalmente faria ser mais caro. Então se uma empresa pequena faz isso uma gigante igual a Mythos não pode?

    Se você se contenta em pagar 10 reais ou mais por um produto que era para ser mais barato, ótimo, eu não sou rico para pagar o dobro de um material que o preço tinha que ser metade.

  21. O contrato da Lorentz com a SBE era de 3 volumes. O Adriano estava esperando sair o resultado de vendas do terceiro volume para então renovar com a SBE. A Mythos deveria antes perguntar para Lorentz se estes continuariam a publicar Dylan Dog, mas nao fizeram esta gentilício e pegaram os direitos. E olha que o Adriano mandou o primeiro volume para Mythos como gentileza. Dylan Dog ficou mais de 10 anos sem se interessar em trazer de volta. E tem que agradecer a Lorentz pelo bom trabalho.

    • A Mythos teve o cuidado de perguntar (eu estive presente nessa reunião na SBE) se a Lorentz continuaria a publicar Dylan Dog no Brasil e a resposta foi que não.
      Além disso a Bonelli não cedeu exclusivo nenhum à Mythos. Nada impedia, nem impede, que a Lorentz ou outra editora qualquer publicasse (ou publique hoje) também Dylan Dog.
      Mas por falar em Dylan Dog em breve vamos trazer uma grande notícia. .. uma nova colecção e mais não posso dizer por agora.

  22. Obrigado José, desculpa pelo mal entendido.

    A questão que estou levantando da Lorentz é a questão do valor, por que a Mythos teve que aumentar 10 reais a mais, ou por que cobrar 30 reais em um Tex papel jornal (Platinum), sendo que até a Panini Comics que aqui tem a fama de ser aproveitadora lança jojo com o mesmo número de páginas do Platinum, mas com papel off set e capa fosca?

    Enquanto a Mythos não mostrar números que justifique esses absurdos de preços continuará sendo um assunto recorrente. Precisamos de transparência.

    Eu continuarei comprando os títudos da Bonelli, eu queria pegar todos, mas com valores elevados tenho que selecionar e tenho certeza que muitos passam pelo mesmo problema.

    Eu queria pegar Martin, mas ele e Dylan ultrapassaria 50 reais por 100 páginas cada, então tive que escolher por comprar só Dylan, se o preço fosse por volta de 16 cada conseguiria colecionar ambos.

  23. Realmente os preços praticados pela Mythos são nebulosos, falta esclarecimento e uma comunicação mais eficiente com o leitor. Os mesmo criaram um blogue, que passa maior parte do tempo desatualizado; os checklists só saem no meio do mês o que prejudica muito a programação que nós leitores temos que fazer para ver o que cabe no bolso ou não. Por exemplo: qual o preço do Tex Willer 1? Vou ter dinheiro para adquiri-lo em banca esse mês? Essa falta de comunicação da Mythos é complicada; se serve como uma crítica construtiva, hoje existem muitas editoras surgindo no mercado que prezam por essa relação com o público e por isso, mesmo diante da crise conseguem vender seus produtos; se a Mythos não se atentar á isso vai ficar para trás.
    Abraço á todos!

  24. Esses personagente da Bonelli afora o Tex, nunca tiveram vida longa no Brasil. Todos fracassaram até o grande Zagor. Quando uma editora pequena publica em poucos meses desiste e se a Mythos lança é criticada apesar de vender poucos exemplares. Hoje o canal de contato com a Mythos é bem superior às editoras antigas que pouco dialogaram com os colecionadores, não dá pra agradar a todos mas é visível e claro que se outra editora conseguisse publicar esses personagens não haveria obstáculos da Mythos. O problema é que não vendem e por isso não passa do terceiro número.

  25. José, a Lorentz não abdicou em momento algum. Quando foi noticiado o retorno de Dylan Dog para a Mythos, a Lorentz sequer tinha recebido os dados das vendas em banca da nº 2, publicada em agosto daquele ano.

    Como poderia planejar o 2019 com base nos dados das vendas de somente uma edição?

    A Lorentz tinha contrato para publicar as três edições até 31.12.2017. A ti parece razoável que, tendo em mente este prazo, a Lorentz se sentisse segura para ponderar as possibilidades ao menos até dezembro daquele ano?

    O mais engraçado é que a Lorentz, ao final do ano, tinha plenas condições de seguir publicando… Não obstante, o editor da Mythos Júlio de Oliveira sai pela internet espalhando com a maior tranquilidade a notícia de que a Lorentz não seguiu publicando Dylan Dog por ter “falido” – e, na falta de argumento, utiliza-se desta mentira pra justificar o preço injustificável…

    A Mythos pouco se importou em observar a situação da Lorentz e levou consigo a série normal do personagem sem fazer sequer um mísero contato prévio.

    • Boa noite, pard Aurélio,
      Nunca tinha ouvido falar dessa “história” do editor Júlio de Oliveira. A ser verdade é no mínimo estranho…
      Pessoalmente acho que em todo o processo houve algo também estranho… julgo que eticamente quem errou mais, a haver erros foi a Bonelli…
      Podem dizer que eu digo isto por ser amigo do editor Dorival… é verdade que o sou, mas também sou amigo do Davide Bonelli e de muita gente da SBE, inclusive esta sexta-feira estou partindo para Milão devido a um convite para visitar a Grande Mostra dos 70 Anos do Mito Tex!

  26. Aurélio, realmente.

    A Mythos se comprovado isso, agiu de maneira suja, coisa que já faz inflacionando os títulos.

    José, você é o responsável pela publicação de Tex em Portugal? Teria como eu importar Tex e Dylan?

  27. Acho que o Hercule perguntou sobre como obter as publicações da Bonelli/Mythos em Portugal. Estimado Zeca.

  28. José Carlos, sugiro apurar e esclarecer esse imbróglio envolvendo Dylan Dog. Se eu fosse editor da Mythos cancelaria a publicação pra ver se outra editora iria longe com esse personagem…
    Acho que o Dorival pessoa honesta que é, deveria se manifestar, e quanto aos preços compra quem quiser…
    Não vejo no Brasil outro editor tão competente para publicar Bonelli no Brasil,e penso que a Mythos investiu pesado esse ano e merece o nosso respeito.

  29. Primeiro parabéns e obrigado à Mythos por nos proporcionar tantas boas edições. Tem pra todos os gostos e bolsos. Tex Willer é muito bem vinda. Espero que publiquem também Classic Tex, comprei uma edição italiana e ficou excelente no formato capa cartão e papel jornal. Estou ansioso também pela nova edição da Júlia. Tex mensal está cada vez melhor e se fosse em formato italiano seria perfeita.
    Abraços!!

  30. Esse caso do Dylan Dog que foi tomado da Lorentz é estranho mesmo, até o Zeca reconheceu, então o que aconteceu foi o seguinte: como a Mythos publica a maioria dos personagens Bonelli, resolveu publicar novamente o Dylan Dog, acreditando que o personagem poderia voltar a ser um sucesso, então entrou em contato com a SBE, que não pensou duas vezes em chutar a Lorentz. Se fosse no tempo do Sergio Bonelli talvez não acontecesse, mas esse tempo já passou.

  31. Vi que a Mythos colocou uma chamada desnecessária na capa da Tex Willer, com isso na segunda edição essa chamada ocupou espaço e fez com que o volume ficasse sem o título da história na capa, uma pena.

  32. DECEPCIONANTE. Tex Ouro 100 sem nenhuma novidade pra sua edição comemorativa de 100 edições. Nem páginas em cores ou o já tradicional caderno de capas. Ridícula essa editora MYTHOS.

Responder a Thiago Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *