Homenagem a Sergio Bonelli, por Fernanda Martins

Sergio Bonelli e Fernanda Martins

Por Fernanda Martins

‘L’essenziale è invisibile agli occhi.’

Pensar no meu amigo que se foi é, para mim, como estar na pele de Exupery e conversar com o Pequeno Príncipe. Às vezes sou o príncipe e ele, o piloto Exupery, encarnado em Mister No. Às vezes trocamos os papéis.

Como príncipe, vejo em Bonelli o piloto desbravador que sabia mais da Amazónia que eu mesmo, que descreveu a minha cidade com olhos que eu nunca havia visto e que respondia às minhas insistentes perguntas (mesmo àquelas não feitas) sobre Tex, minha personagem predilecta.

Como Exupery, vejo em Bonelli o pequeno príncipe, que nos mantém jovens, vendo, em desenhos incompreensíveis para os adultos, uma cobra que engoliu um elefante.

Da experiência de Exupery ao sofrer uma pane em seu avião no meio do deserto do Saara, surgiu o Pequeno Príncipe. Das viagens de Bonelli à Floresta Amazónica, ele trouxe-nos o intrépido Mister No.

O Pequeno Príncipe conta-nos, em sua viagem ao Planeta Terra, histórias de várias personagens que conhecemos na vida real. Bonelli deixou-nos, no rasto do caminho iniciado por seu pai, uma legião de personagens, cuja moral e espírito tentamos copiar na vida real.

Num lindo e inesquecível dia em Milão eu descobri em Bonelli o Pequeno Príncipe: aventureiro, desbravador, sonhador, decidido e que jamais abandonou a criança dentro de si.

O essencial é invisível aos olhos. É preciso descobrir-se a alma do homem para realmente conhecê-lo. E a simplicidade existente naquele grande homem não poderia vir de outro lugar que não de dentro de sua própria alma.

E, como a raposa, somos cativados a cada momento pelo legado de histórias que hoje lemos com prazer, que criticamos, que amamos, que trazemos perto, que jogamos fora, que coleccionamos, que passamos adiante.

Um homem que se confunde com sonhos de infância e com desejos de adultos. Uma personagem para sempre inesquecível.

A mi amico Bonelli, che mi ha fatto entrare in un belissimo fumetto…

Fernanda Martins

3 Comentários

  1. Um belíssimo depoimento, que atesta como a sensibilidade feminina estava em sintonia com Sergio Bonelli, com as subtis e profundas nuances do seu espírito, da sua alma poética e sonhadora, cuja moral, sabedoria e imaginação se confundiam com as do Pequeno Príncipe.
    Fernanda Martins tem razão: “É preciso descobrir a alma do homem para realmente o conhecer“. Nem todos conseguem isso. Mas, para quem sabe, como ela, que “o essencial é invisível aos olhos“, basta transfigurar-se em príncipe ou em piloto aventureiro para desbravar todos os segredos.

  2. O poeta e escritor português em tempos disse: “Na vida existem pessoas incomparáveis, momentos inesquecíveis e coisas inexplicáveis“.
    Foi com muita tristeza que a partida do Sr. Sergio entrou nos nossos corações, e certamente nesse momento o nosso coração ainda sente a falta do Sr. Sergio e sempre vai sentir.
    Gostei muito do que a Sra. Fernanda Martins escreveu, um texto realmente verdadeiro, emocionante e sentido.

  3. Nanda Kid,
    um dia você decidiu ir até Milão e daí restaram tão doces recordações…
    a vida é marcada por decisões… e essa foi das melhores, não?

Responder a Marco Aurélio da Silva Avelar Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado.